A picape VW Saveiro ano-modelo 2017 chegou em março p.p. e publicamos matéria sobre as novidades, mostrando as versões e demais detalhes. Entre as mudanças, o “divórcio” das linhas do Gol para que a Saveiro passasse a ter identidade própria, objetivo que foi alcançado. Na ocasião o teste foi breve e em circuito, a pista do Haras Tuiuti, a mesma onde fizemos boa parte da avaliação do Renault Sandero R.S. há um ano. Faltava ver como é a Saveiro, neste caso a Highline, só oferecida com carroceria de cabine dupla, no dia a dia, “no uso”, como convencionamos chamar aqui no AE.

O trem motriz consiste do motor EA111 de 1.598 cm³, 101/104 cv a 5.250 rpm e 15,4/15,6 m·kgf a 2.500 rpm; sua taxa de compressão é 12,1:1. O câmbio é manual de cinco marchas com v/1000 em quinta de 38,1 km/h, longa o suficiente para proporcionar confortáveis 3.150 rpm em velocidade de cruzeiro (120 km/h) em autoestrada e chegar à velocidade máxima de 172 km/h em quarta com o motor a 5.700 rpm. Dentro, portanto, do melhor esquema 4+E, já que são apenas 450 rpm acima da rotação-pico de potência e, melhor, num motor que vai alegre a 6.500 rpm. Aplausos a quem na VW tomou tal decisão. Mas não apenas por esse aspecto.

20160921_100049

Pela foto nota-se sua grande distância do solo

Como um todo, a Saveiro deixa transparecer qualidade de construção por todos os poros, da pintura externa na cor metálica azul Night (pela qual se tem de pagar R$ 1.384) à da cofre do motor que muitos consideram inútil, desperdício, mas eu não. O câmbio é desnecessário enaltecer, e a rodagem é notável, firme porém nada de desconfortável, no que as molas traseiras de constante variável têm grande participação e, numa certa medida, o eixo de torção, que tecnicamente é uma suspensão semi-independente (e não “interdependente”, como a VW descreve, criação imortal do grande amigo Mathias Petrich quando gerente de imprensa nos anos 1970/1980; infelizmente já nos deixou).

A Saveiro fico alta: o vão livre do solo é de 180 mm e isso se nota ao entrar, tem-se que “subir” nela. Chega a impressionar. Mesmo assim tem comportamento de Gol,  o quer dizer irrepreensível. Não, não a dirigi com carga máxima, mas tenho certeza de que ela fica tão na mão quanto só com motorista. Algumas coisas percebe-se de longe e esta é uma delas.

O desempenho era o esperado, graças ao “velho” motor que surpreende cada vez mais pela elasticidade, com notável pegada em baixa e tendo faixa utilizável de potência de nada menos que 1.250 rpm — de 5.250 a 6.500 rpm. A aceleração 0-100 km/h divulgada é de 11,2 /10,9 segundos e a retomada 80-120 km/h em quinta é feita em 17,4/17,2 segundos, ótima em se tratando de uma quinta marcha “de repouso”. Isso dá melhor ideia do quanto o EA111 1,6-L é elástico. E muito suave, mesmo com relação r/l 0,31 (biela de 140 mm).

Portanto, andar com a Saveiro por aí, no uso normal, é muito agradável. A direção com assistência hidráulica nada deve às eletroassistidas, é rápida com sua relação 15,8:1 e três voltas entre batentes, mas o diâmetro mínimo de curva de 12,4 metros incomoda um pouco nas manobras em espaços apertados como nos estacionamentos atuais. Não é campeã de economia de combustível mas não vai deixar ninguém pobre: pelo Inmetro/PBVE, 10,9/7,6 km/l na cidade e 12,1/8,6 km/l na estrada (G/A). Numa ida a Jundaí, a 50 quilômetros de São Paulo, pela rodovia dos Bandeirantes, indo no limite pré-infração o computador de bordo mostrou 11,7~11,9 km/l sem dificuldade com gasolina e ar-condicionado ligado.

20160921_100536

O motor EA111 1,6-L tem grande elasticidade e se mostra muito agradável no uso

A Saveiro cabine-dupla, embora não seja um “carro de passeio”, acomoda (com algum aperto) três passageiros adultos, todos com seu cinto de três pontos e apoio de cabeça, o que é prático para um veículo de caçamba para 580 litros e carga útil de 623 kg. Não é picape “de transportar moto”, mas leva muita coisa, inclusive cargas altas tipo refrigerador.

Em resumo, uma boa picape para lazer e trabalho.

Preços

O preço básico da Saveiro Highline é R$ 64.590 e ela traz, de série, rodas de aço com pneus 205/60R15H, faróis e luz traseira de neblina, ar-condicionado (com filtro de poeira e pólen), desembaçador do vidro traseiro, volante funcional com comando do sistema de áudio e I-System, e  com ajuste de altura e distância, direção com assistência hidráulica, faróis com função de aproximação e afastamento, e sistema de infotenimento “Media Plus”  com Bluetooth, MP3 e entradas USB, SD-card e Aux-in.

O primeiro pacote é o Highline completo, por R$ 3.844: sensor de estacionamento traseiro, ganchos para amarração da carga e capota marítima, revestimento dos bancos em “couro sintético Native”, rodas de alumínio de 15″, tapetes em carpete e tomada 12-V na caçamba.

Há o pacote Composition Touch por R$ 830 que compreende sistema de infotenimento com esse nome, que inclui MirrorLink, e suporte para celular.

Há também o pacote Módulo Navegação, com sistema de infotenimento “Discover Media”  de tela tátil, Bluetooth, comando de voz, GPS e App-Conncect. Esse custa R$ 2.142.

Se quiser, o cliente pode pedir a picape só com suporte para celular, por R$ 308. E tem as pinturas metálicas por R$ 1.384 adicionais.

20160921_100028

BS

(Atualizado nesta data às 21h40 com inclusão do pacote Highline completo que havia sido omitido)

FICHA TÉCNICA NOVA VW SAVEIRO HIGHLINE 2017
MOTOR
Instalação Dianteiro, transversal, flex
Material do bloco/cabeçote Ferro fundido/alumínio
Configuração / n° de cilindros Em linha / quatro
Diâmetro x curso (mm) 76,5 x 86,9
Cilindrada (cm³) 1.598
Taxa de compressão (:1) 12,1:1
Potência máxima (cv/rpm) 101/5.250 (G), 104/5.250 (A)
Torque máximo (m·kgf/rpm) 15,4/2.500 (G), 15,6/2.500 (A)
N° de válvulas por cilindro Duas, atuação indireta por alavanca-dedo roletada, fulcrum hidráulico
N° de comandos de válvulas Um/ correia dentada / cabeçote
Formação de mistura Injeção eletrônica multiponto no duto
Gerenciamento do motor Magneti Marelli 9GV
TRANSMISSÃO
Rodas motrizes / câmbio Dianteiras / manual
Número de marchas 5 à frente + ré
Relações de transmissão (:1) 1ª 3,769; 2ª 2.095; 3ª 1,281; 4ª 0,927; 5ª 0,740; ré 3,182
Relação do diferencial (:1) 4,188
SUSPENSÃO
Dianteira Independente, McPherson, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
Traseira Eixo de torção, mola helicoidal e amortecedor pressurizado
DIREÇÃO
Tipo Pinhão e cremalheira, assistência hidráulica
Diâmetro mín. de curva (m) 12,4
Relação de direção (:1) 15,8
N° de voltas entre batentes 3
FREIOS
De serviço Hidráulico, duplo circuito em diagonal, servoassistido
Dianteiros Disco ventilado de Ø 256 mm
Traseiros Disco de Ø 232 mm
RODAS E PNEUS
Rodas Aço 6Jx15
Pneus 205/60R15H
PESOS (kg)
Em ordem de marcha 1.117
Carga máxima 623
CONSTRUÇÃO
Tipo Monobloco em aço, picape 2 portas, 5 lugares, cabine dupla, subchassi dianteiro
AERODINÂMICA
Coeficiente de arrasto (Cx)
Área frontal (m²) 2,24
Área frontal corrigida (m²) 0,892
DIMENSÕES EXTERNAS (mm)
Comprimento 4.474
Largura sem/com espelhos 1.713/1.893
Altura 1.562
Distância entre eixos 2.752
Bitola dianteira/traseira 1.431/1.494
Distância mínima do solo 180
CAPACIDADES (L)
Caçamba 580
Tanque de combustível 55
DESEMPENHO
Aceleração 0-100 km/h (s) 11.2 (G). 10,9 (A)
Aceleração 0-1.000 m (s) 33.1 (G); 32,8 (A)
Retomada 80-120 km/h, 5ª (s) 17,4 (G), 17,2 (A)
Velocidade máxima (km/h) 170 (G), 172 (A)
CÁLCULOS DE CÂMBIO
v/1000 em 5ª (km/h) 38,1
Rotação em 5ª a 120 km/h 3.150
Rotação em vel. máx., 4ª 5.700

 

Mais fotos:

(998 visualizações, 1 hoje)


Sobre o Autor

Bob Sharp
Editor-Chefe

Um dos ícones do jornalismo especializado em veículos. Seu conhecimento sobre o mundo do automóvel é ímpar. História, técnica, fabricação, mercado, esporte; seja qual for o aspecto, sempre é proveitoso ler o que o Bob tem a dizer. Faz avaliações precisas e esclarecedoras de lançamentos, conta interessantes histórias vividas por ele, muitas delas nas pistas, já que foi um bem sucedido piloto profissional por 25 anos, e aborda questões quotidianas sobre o cidadão motorizado. É o editor-chefe e revisor das postagens de todos os editores.

Publicações Relacionadas