A picape VW Saveiro ano-modelo 2017 chegou em março p.p. e publicamos matéria sobre as novidades, mostrando as versões e demais detalhes. Entre as mudanças, o “divórcio” das linhas do Gol para que a Saveiro passasse a ter identidade própria, objetivo que foi alcançado. Na ocasião o teste foi breve e em circuito, a pista do Haras Tuiuti, a mesma onde fizemos boa parte da avaliação do Renault Sandero R.S. há um ano. Faltava ver como é a Saveiro, neste caso a Highline, só oferecida com carroceria de cabine dupla, no dia a dia, “no uso”, como convencionamos chamar aqui no AE.

O trem motriz consiste do motor EA111 de 1.598 cm³, 101/104 cv a 5.250 rpm e 15,4/15,6 m·kgf a 2.500 rpm; sua taxa de compressão é 12,1:1. O câmbio é manual de cinco marchas com v/1000 em quinta de 38,1 km/h, longa o suficiente para proporcionar confortáveis 3.150 rpm em velocidade de cruzeiro (120 km/h) em autoestrada e chegar à velocidade máxima de 172 km/h em quarta com o motor a 5.700 rpm. Dentro, portanto, do melhor esquema 4+E, já que são apenas 450 rpm acima da rotação-pico de potência e, melhor, num motor que vai alegre a 6.500 rpm. Aplausos a quem na VW tomou tal decisão. Mas não apenas por esse aspecto.

20160921_100049

Pela foto nota-se sua grande distância do solo

Como um todo, a Saveiro deixa transparecer qualidade de construção por todos os poros, da pintura externa na cor metálica azul Night (pela qual se tem de pagar R$ 1.384) à da cofre do motor que muitos consideram inútil, desperdício, mas eu não. O câmbio é desnecessário enaltecer, e a rodagem é notável, firme porém nada de desconfortável, no que as molas traseiras de constante variável têm grande participação e, numa certa medida, o eixo de torção, que tecnicamente é uma suspensão semi-independente (e não “interdependente”, como a VW descreve, criação imortal do grande amigo Mathias Petrich quando gerente de imprensa nos anos 1970/1980; infelizmente já nos deixou).

A Saveiro fico alta: o vão livre do solo é de 180 mm e isso se nota ao entrar, tem-se que “subir” nela. Chega a impressionar. Mesmo assim tem comportamento de Gol,  o quer dizer irrepreensível. Não, não a dirigi com carga máxima, mas tenho certeza de que ela fica tão na mão quanto só com motorista. Algumas coisas percebe-se de longe e esta é uma delas.

O desempenho era o esperado, graças ao “velho” motor que surpreende cada vez mais pela elasticidade, com notável pegada em baixa e tendo faixa utilizável de potência de nada menos que 1.250 rpm — de 5.250 a 6.500 rpm. A aceleração 0-100 km/h divulgada é de 11,2 /10,9 segundos e a retomada 80-120 km/h em quinta é feita em 17,4/17,2 segundos, ótima em se tratando de uma quinta marcha “de repouso”. Isso dá melhor ideia do quanto o EA111 1,6-L é elástico. E muito suave, mesmo com relação r/l 0,31 (biela de 140 mm).

Portanto, andar com a Saveiro por aí, no uso normal, é muito agradável. A direção com assistência hidráulica nada deve às eletroassistidas, é rápida com sua relação 15,8:1 e três voltas entre batentes, mas o diâmetro mínimo de curva de 12,4 metros incomoda um pouco nas manobras em espaços apertados como nos estacionamentos atuais. Não é campeã de economia de combustível mas não vai deixar ninguém pobre: pelo Inmetro/PBVE, 10,9/7,6 km/l na cidade e 12,1/8,6 km/l na estrada (G/A). Numa ida a Jundaí, a 50 quilômetros de São Paulo, pela rodovia dos Bandeirantes, indo no limite pré-infração o computador de bordo mostrou 11,7~11,9 km/l sem dificuldade com gasolina e ar-condicionado ligado.

20160921_100536

O motor EA111 1,6-L tem grande elasticidade e se mostra muito agradável no uso

A Saveiro cabine-dupla, embora não seja um “carro de passeio”, acomoda (com algum aperto) três passageiros adultos, todos com seu cinto de três pontos e apoio de cabeça, o que é prático para um veículo de caçamba para 580 litros e carga útil de 623 kg. Não é picape “de transportar moto”, mas leva muita coisa, inclusive cargas altas tipo refrigerador.

Em resumo, uma boa picape para lazer e trabalho.

Preços

O preço básico da Saveiro Highline é R$ 64.590 e ela traz, de série, rodas de aço com pneus 205/60R15H, faróis e luz traseira de neblina, ar-condicionado (com filtro de poeira e pólen), desembaçador do vidro traseiro, volante funcional com comando do sistema de áudio e I-System, e  com ajuste de altura e distância, direção com assistência hidráulica, faróis com função de aproximação e afastamento, e sistema de infotenimento “Media Plus”  com Bluetooth, MP3 e entradas USB, SD-card e Aux-in.

O primeiro pacote é o Highline completo, por R$ 3.844: sensor de estacionamento traseiro, ganchos para amarração da carga e capota marítima, revestimento dos bancos em “couro sintético Native”, rodas de alumínio de 15″, tapetes em carpete e tomada 12-V na caçamba.

Há o pacote Composition Touch por R$ 830 que compreende sistema de infotenimento com esse nome, que inclui MirrorLink, e suporte para celular.

Há também o pacote Módulo Navegação, com sistema de infotenimento “Discover Media”  de tela tátil, Bluetooth, comando de voz, GPS e App-Conncect. Esse custa R$ 2.142.

Se quiser, o cliente pode pedir a picape só com suporte para celular, por R$ 308. E tem as pinturas metálicas por R$ 1.384 adicionais.

20160921_100028

BS

(Atualizado nesta data às 21h40 com inclusão do pacote Highline completo que havia sido omitido)

FICHA TÉCNICA NOVA VW SAVEIRO HIGHLINE 2017
MOTOR
Instalação Dianteiro, transversal, flex
Material do bloco/cabeçote Ferro fundido/alumínio
Configuração / n° de cilindros Em linha / quatro
Diâmetro x curso (mm) 76,5 x 86,9
Cilindrada (cm³) 1.598
Taxa de compressão (:1) 12,1:1
Potência máxima (cv/rpm) 101/5.250 (G), 104/5.250 (A)
Torque máximo (m·kgf/rpm) 15,4/2.500 (G), 15,6/2.500 (A)
N° de válvulas por cilindro Duas, atuação indireta por alavanca-dedo roletada, fulcrum hidráulico
N° de comandos de válvulas Um/ correia dentada / cabeçote
Formação de mistura Injeção eletrônica multiponto no duto
Gerenciamento do motor Magneti Marelli 9GV
TRANSMISSÃO
Rodas motrizes / câmbio Dianteiras / manual
Número de marchas 5 à frente + ré
Relações de transmissão (:1) 1ª 3,769; 2ª 2.095; 3ª 1,281; 4ª 0,927; 5ª 0,740; ré 3,182
Relação do diferencial (:1) 4,188
SUSPENSÃO
Dianteira Independente, McPherson, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
Traseira Eixo de torção, mola helicoidal e amortecedor pressurizado
DIREÇÃO
Tipo Pinhão e cremalheira, assistência hidráulica
Diâmetro mín. de curva (m) 12,4
Relação de direção (:1) 15,8
N° de voltas entre batentes 3
FREIOS
De serviço Hidráulico, duplo circuito em diagonal, servoassistido
Dianteiros Disco ventilado de Ø 256 mm
Traseiros Disco de Ø 232 mm
RODAS E PNEUS
Rodas Aço 6Jx15
Pneus 205/60R15H
PESOS (kg)
Em ordem de marcha 1.117
Carga máxima 623
CONSTRUÇÃO
Tipo Monobloco em aço, picape 2 portas, 5 lugares, cabine dupla, subchassi dianteiro
AERODINÂMICA
Coeficiente de arrasto (Cx)
Área frontal (m²) 2,24
Área frontal corrigida (m²) 0,892
DIMENSÕES EXTERNAS (mm)
Comprimento 4.474
Largura sem/com espelhos 1.713/1.893
Altura 1.562
Distância entre eixos 2.752
Bitola dianteira/traseira 1.431/1.494
Distância mínima do solo 180
CAPACIDADES (L)
Caçamba 580
Tanque de combustível 55
DESEMPENHO
Aceleração 0-100 km/h (s) 11.2 (G). 10,9 (A)
Aceleração 0-1.000 m (s) 33.1 (G); 32,8 (A)
Retomada 80-120 km/h, 5ª (s) 17,4 (G), 17,2 (A)
Velocidade máxima (km/h) 170 (G), 172 (A)
CÁLCULOS DE CÂMBIO
v/1000 em 5ª (km/h) 38,1
Rotação em 5ª a 120 km/h 3.150
Rotação em vel. máx., 4ª 5.700

 

Mais fotos:



Sobre o Autor

Bob Sharp
Editor-Chefe

Um dos ícones do jornalismo especializado em veículos. Seu conhecimento sobre o mundo do automóvel é ímpar. História, técnica, fabricação, mercado, esporte; seja qual for o aspecto, sempre é proveitoso ler o que o Bob tem a dizer. Faz avaliações precisas e esclarecedoras de lançamentos, conta interessantes histórias vividas por ele, muitas delas nas pistas, já que foi um bem sucedido piloto profissional por 25 anos, e aborda questões quotidianas sobre o cidadão motorizado. É o editor-chefe e revisor das postagens de todos os editores.

Publicações Relacionadas

  • João Carlos

    Grande sacada a desse suporte para Waze e ainda por cima como opcional avulso! Chegou a usar, Bob? Fica trepidando?

    • João Carlos, usei, e fica absolutamente firme.

    • Milton Evaristo

      Concordo. Hoje, GPS sem função de trânsito não atende bem.

      Meu carro tem uma baita central de fábrica, inútil, e sou obrigado a usar o Waze no porta-copos! E quando pego estrada, uso o TomTom para indicar melhor as câmeras, assim como pelo fato de em certos locais não haver sinal de celular.

      Essa sacada da VW deveria virar padrão para toda linha. Aqueles suportes de ventosa, nunca vi um que não vibre, se alguém souber de um me indique.

  • Um carro muito bom de guiar. Chega a ser mais estável que o Gol em determinadas situações. E esses discos nas 4 deveriam ser Lei 🙂

  • Lucas Vieira

    Senti muita falta de um peito de aço nessa última foto, não gostei desses chicotes e conectores aparentes.

    • Lucas, de fato deveria ter.

    • Agnaldo Timóteo

      Eu, na minha ignorância, colocaria uma proteção de silicone em volta desses conectores que com o passar do tempo e o atrito devido à posição, podem ocasionar falhas nos contatos.

  • Claudio, a 8v anda um pouco menos, é claro, mas você é que tem que decidir. Não posso lhe influenciar nisso, pois poderia cometer um engano. As pessoas têm expectativas diferentes.

  • invalid_pilot

    Perfeito, ia comentar isso, a Saveiro de 64k não vem sequer com roda e tem vários outros opcionais que a fazem custar próximo à Oroch e Toro de entrada.

    Maior vantagem talvez seja o consumo menor que as citadas.

  • Real Power, a simples marca na grade sempre terá muito valor para quem a aprecia.

  • Caio César, faltou realmente, mas você e os demais leitores podem ver o quão apertado é o espaço no banco traseiro lendo a matéria por ocasião do lançamento da Saveiro cabine-dupla em setembro de 2014, http://www.autoentusiastas.com.br/2014/09/saveiro-cross-cabine-dupla-no-uso/

  • Sandoval, marchas e diferencial são iguais, a pequena diferença é questão de pneus.

    • Sandoval Quaresma

      Obrigado, Bob!

  • Roberto Alvarenga

    É por isso que Toro e Duster Oroch são opções mais racionais.

  • Roberto Alvarenga

    Caio, é possível acomodar um carrinho de bebê no porta-malas do up!? Pergunto pois minha esposa quer comprar um.

    • invalid_pilot

      Se tirar o tampão acho que dá, o porta-malas do up! é mais fundo (tipo baú) do que largo

    • Caio César

      Então Roberto, o carrinho de passeio Galzerano, que é pequeno, cabe sem tirar o tampo de madeira que vem em alguns up!s, no meu caso é o move TSI, o carrinho normal cabe também, mas tem que tirar esse tampo e o tampão de cima.

  • Fat Jack, você e demais leitores sabem que repudio termos estrangeiros, e essa descrição corresponde a “faróis com coming and leaving home”, o farol que acende ao se aproximar do carro depois de destrancar e permanece aceso ao trancar. / O motor 1,6 16v (EA211) é muito competente, daí eu defender o Golf Comfortline 1,6 que tantos criticam. Apenas enfatizo que o 1,6 8v um bom motor também.

    • Fat Jack

      OK, entendi, e concordo com você quanto ao 8v.

  • Leandro, é evidente, certíssimo você.

  • Corsario, cegueira de executivo da indústria automobilística existe, é um fato.

  • FF, é claro, afinal é 8,9% a mais de potência com gasolina e 9,1%, com álcool, embora o cidadão não possa ter medo de rotação com o 16v.

  • FF, velas e remos também são propulsores… (rsrsrs). Essa palavra, como ‘montadora’ e ‘etanol’, e algumas outras, são banidas no AE.

  • Corsario, essa do apelo esportivo de uma picape é da série “morro sem entender”…

  • Alberto, é bem possível que seja o mesmo caso do Polo.

  • [:-)

  • agent008
  • Roberto, não sei. Vou averiguar.

    • Roberto, falei com a VW. Nenhum tem protetor de cárter e para a sua proteção o subchassi, mais baixo que o cárter, é que o primeiro ponto a ser atingido. O mesmo vale para fios e conectores, não são atingidos. Há também a questão da deformação programada da dianteira, para a qual não está previsto tal protetor, fora que ao trafegar em trecho alagado o protetor pode eventualmente agir como pá e direcionar água em grande volume para o motor. E, não é o caso do Brasil, trafegar em alta velocidade, no seu limite ou perto, pode levar a aquecimento indesejado do óleo.

  • Christian, o que é (muito) melhor de dirigir, uma Saveiro ou uma “caminhonete de verdade”? E a Oroch ser um Duster de chassi alongado e com caçamba, é um veículo inútil por acaso?

    • Christian Govastki

      Bob, meus comentários são baseados num raciocínio utilitarista, que deveria nortear a compra de um veículo que depreende quantidades enormes de recursos para comprar e manter. Não entrei no mérito se são melhores ou piores de dirigir.

      Estes carros não têm conforto para transportar pessoas nem espaço para transportar cargas, pode ser que você consiga carregar 300 quilogramas de chumbo mas não consegue carregar duas bicicletas de 13 quilogramas cada.

      É o que expus na primeira frase do meu primeiro comentário.

      Da mesma forma que acho o projeto das camionetes muito ruim, reserva-se muito espaço para o motor e falta espaço para aquilo que é necessário, espaço para pessoas e carga. Eu vejo o cofre do motor da minha Veraneio (e não é diferente de qualquer outra camionete), a distância entre o radiador e a grade, a distância entre a hélice do motor e radiador que acaba necessitando de um espaçador, a distância para o 6º cilindro é tão grande que o acesso é ruim, o “vácuo” que existe no lado direito do mesmo, enquanto isto o lado esquerdo é todo tumultuado.

      Parece que em todas deixou-se espaço para colocar um V-8 Cummins de 7,8 l,

      Voltando ao comentário, dentro desta visão, o Oroch e a Toro são sim, em minha opinião, veículos inúteis.

      • Christian, desculpe, mas sua visão acerca da Oroch e da Toro está completamente distorcida, fazer o quê? Mas é sua visão, fique com ela e seja feliz. E chega de discussão estéril, combinado?

  • Davi Reis

    Compraria uma no ato! Gosto de peruas e tenho um Fox, mas a SpaceFox está absurdamente cara. Tem espaço de sobra para uma Parati.

  • Lorenzo, o diagrama dá a entender que não, mas podem ser ligados tanto os faróis quanto a luz traseira de neblina, desde que o botão giratório esteja no mínimo em lanterna. Mas os neblinas apagam quando se troca para facho alto.

  • Corsario, [:-)

  • Boris, então faz tempo que você não dirige um VW com esse motor.

  • João Guilherme Tuhu

    Um ótimo carro em seu segmento, é batido pela Strada em vendas, pelo absurdo da grade de preços da fábrica. Outro absurdo é a VW não colocar essa frente e faróis nos Gol/Voyage.

    P.S.: Jamais dispenso um “peito-de-aço”. Ainda mais neste primor de pavimentação tupiniquim…

  • Paulo Ferreira, carro não se escolhe só por preço, há a questão da escolha pessoal, preferência por determinada marca e/oi modelo.

  • Caio César

    No Punto da esposa, cabe bem tanto o Galzarano que não é guarda chuva, como o de passeio da mesma marca, que é bem compacto.

  • David Diniz

    Ué, o Etios usa o retrovisor(Platinum) e o volante do Corolla também entre outras peças em comum até com outros modelos. Isso se chama economia de escala. Para a fabricante é mais fácil usar o que já tem do que projetar uma peça “exclusiva” para um modelo de carro apenas.

  • Luciano, você está precisando dirigir um EA111 1,6 mais recente.

  • Tuhu, não necessariamente o motor se perde caso o cárter fure. Só se tentar prosseguir com luz de pressão de óleo acesa.

  • REAL POWER

    Se for essa a razão, como fica os carros totalmente fechados. Se a VW não consegue projetar um protetor inferior de motor para um utilitário, que feche as portas.

  • Luciano Gonzalez

    João, isso é fato e com certeza é observado.
    Gostaria de saber como estão os outros fabricantes com relação ao protetor de cárter.
    Abs

  • Claudio

    Caio, Obrigado pela dica. Mas na minha cidade não tem, somente Fiat Strada.

  • CorsarioViajante

    Exato, a durabilidade aumenta muito.

    • Luciano Gonzalez

      Minha SpaceFox em breve vai ganhar um kit desses, hehehe!

  • Claudio

    Luciano e Bob,
    Obrigado pelas informações.
    Até ler a avaliação do Bob, o meu julgamento era de que o motor EA-211 era “muito superior” em desempenho e consumo que o EA-111, o que justificaria a grande (assim julgo) diferença de preço entre as versões EA-111 e EA-211 com nível de equipamentos semelhantes. Entretanto, depois dos seus comentários e da matéria tenho a certeza de que essa diferença de preço, para o meu uso que é mais urbano e com peso de 200 a 300 kg, não justifica a opção pelo EA-211. O único detalhe que ainda pesa a favor da Cross é o controle de estabilidade.
    Bob, não consigo entender como um item que pode salvar tantas vidas e que é relativamente simples de ser oferecido atualmente, não esteja presente em toda a linha da VW (e das outras empresas) — ao menos como opcional. Lhe faço um pedido, sempre que possível, “puxe a orelha” dos executivos das fabricantes quanto a esse item.
    Abraços

    • Claudio, é tudo questão de custo e preço final. De qualquer maneira o controle de estabilidade será obrigatório em 2020. Mas não considero o item essencial, pois os carros têm qualidades dinâmicas cada vez melhores.

  • Luciano Gonzalez

    Real Power, gosto do debate, da troca sincera de idéias com entusiastas, entendedores ou não de carros… enfim, vamos lá: o restante da linha não utiliza protetor de cárter, aquilo é um defletor aerodinâmico que Golf, Polo e veículos mais sofisticados da linha o utilizam e em caso de impacto, rompe -se facilmente.
    Estudos recentes foram feitos para colocar o protetor de aço na Saveiro e com certeza é possível, mas para garantir a segurança dos ocupantes da forma que a fabrica determina, teria que ser algo mais sofisticado do que uma simples chapa que usávamos até outro dia atrás em Gols, Voyages e afins.
    Não tenho prestado atenção na concorrência, mas acredito que ninguém mais está utilizado o “peito de aço” por esse motivo.. salvo jipões e pick – ups de porte maior.

    Sds,