Preguiça ou pragmatismo? São estas duas estradas que posso trilhar para o comecinho de mais este Teste de 30 Dias para o AUTOentusiastas, desta vez com o Toyota Yaris XLS sedã, versão dotada de câmbio automático CVT unicamente.

Preguiça seria dizer que só vou escrever sobre sensações, as minhas, já que sendo este um lançamento recente, tanto o Bob Sharp (que o descreveu com o rigor de costume quando foi ao evento de lançamento com test drive) quanto o Juvenal Jorge (que fez um teste “no uso” com este mesmíssimo Yaris — a mesma unidade!) — já descascaram esse automóvel a contento.

Sem exibir linhas ousadas, o Yaris sedã é elegante

Pragamatismo seria dizer que, sim, meus colegas são geniais, mas eu sou eu e o 30 Dias é meu pedaço e… sabem o quê? Nem lá, nem cá: o 30 Dias do Yaris começará “mezzo a mezzo”, sem grandes descrições sobre aspectos já comentados pelos colegas (posicionamento de mercado, versões, de onde vem, etc.), mas com meu modo de interpretar o automóvel no aspecto dinâmico e o que ele a mim transmite, que creio ser o diferenciador do Teste de 30 Dias. Ou seja, o convívio estendido. Começo então a construir o veredicto com as sensações de uma primeira semana bem variada, com viagem e uso urbano, mas, antes desse relato prático, um breve papo sobre o impacto que o Yaris transmite mesmo antes de seu motor ser ligado.

Bom acesso na frente e atrás

Ele é mais um em uma tumultuada categoria, a dos sedãs, cheia de opções. Se há tanta variedade é por que deve haver clientes para eles. Honda City, VW Virtus, Fiat Cronos, Nissan Versa… há modelo novo e nem tanto a dar com pau no mercado.

Confesso que eu não seria um cliente destes sedãs. Havendo, como no caso do Yaris, uma versão hatch (que me agrada mais aos olhos) e traz a porta do compartimento de carga grande, eu o preferiria. Mas, o Yaris para este 30 Dias é o sedã, então, vamos à percepção inicial. Qual é? De carro desenhado de maneira acadêmica, sem erros mas também sem nenhum arroubo de ousadia, de genialidade. Nada pode ser chamado de elemento “catch the eye”. A traseira é melhor do que a frente e assim o Yaris fará sucesso entre os que não se importam com design de referência. Apesar desse design anônimo ele é proporcional, nada me faria pedir a cabeça do designer (coisa merecida para o autor do Nissan Versa ou do Peugeot 206 sedã…).

O motor de 1,5 litro entrega 105/110 cv a 5.600 rpm e 14,3/14,9 m·kgf 4.000 rpm

Azul Titã, o Yaris enviado para teste custa R$ 81.990, nove mil reais menos do que o Corolla GLi mais barato que, como este Yaris, vem com o câmbio CVT batizado de Multidrive. Porém, em vez do motor 1,5-litro (105/110 cv) derivado do usado no Etios, o Corolla de entrada traz o 1,8-litro de 136/144 cv.  Reflexão: o que li a respeito do Yaris diz que ele vem para ocupar a fresta entre o Etios e o Corolla. Por conta disso, acho que a novidade deveria custar menos que os R$ 81.990 apesar de concordar com o JJ, que no teste “no uso” escreveu que o Yaris, em termos de acabamento, no quesito “percepção de qualidade” está mais para Corolla do que para Etios.

Airbags, ou bolsas infláveis como o AE diz, a dar com pau, eletrônica finesse, aparência requintada mas… não é Corolla. Para o bem e para o mal. Menor, menos potente e impactante, é, porém, mais moderno. Na passeadinha em volta do carro antes de abrir a aporta e entrar me chamou a atenção a opção por rodas e pneus contracorrente: aro 15 e pneus de perfil relativamente alto, 185/60. Perde a aparência, ganha o conforto e a economia (tais pneus são mais baratos…) sem que o aspecto dinâmico seja prejudicado.

Uma vez dentro, busco a melhor posição para dirigir e lamento a ausência de regulagem de distância do volante. Na posição mais baixa cobre os instrumentos com a parte superior e mesmo quando o ajusto no limite para vê-los, a sensação é de que não ficou bom. E não bom também é haver um console cujo apoio para o cotovelo falta em sua função por poucos centímetros. Estranho. De resto o ambiente é discreto, sóbrio. Bancos de couro razoáveis em conforto e controles em geral acessíveis. Ah, e há um teto solar, pequeno mas cumpridor. Gostei.

Ligo o Yaris e zarpo para meus primeiros quilômetros, uma breve viagem da capital paulista até a região de Campinas. Avisado que o tanque está abastecido com álcool prevejo que vou – e volto! – facilmente com um tanque apesar dos 45 litros, que serão poucos caso Yaris se mostre sedento. Com o hodômetro marcando pouco mais de 4 mil quilômetros imagino estar o motorzinho já no seu estágio-padrão.

Na ida, pela retilínea rodovia dos Bandeirantes o Yaris fez 13,4 km/l. Na volta, pela mais tortuosa Anhanguera, cravou 12,9 km/l. Sensação principal diz respeito ao silêncio a bordo. A insonorização da cabine é excelente e o ajuste do câmbio CVT — que curiosamente se comporta como um automático padrão, subindo e descendo as sete marchas virtuais de forma levemente perceptível (mas nada incômoda) – me pareceu exato. A 120 km/h em “7ª marcha” o conta-giros indica 2.700 rpm.

Como referência, o consumo oficial Inmetro/PBVE é 12/8,3 km/l na cidade e 14,6/10,1 km/l, na estrada. Esse parece ser um dos casos que se consegue melhor consumo do que o dado de fábrica.

Nas poucas vezes que afundei o pé a retomada me pareceu morna. O motor sobe de rotação mas tal não se reverte em progressão efetiva e coerente com tal elevação. Isso é característico dos CVT, sejam os mais simples, sejam os que, como este, tem sete marchas virtuais.

Rodas de liga de alumínio com pneus Bridgestone Ecopia 185/60R15H parecem de acordo com o caráter e o desempenho deste Yaris

Aprendi com os textos de Bob e Juvenal que este câmbio tem uma característica especial, que é ter as duas primeiras marchas mecânicas, ou seja, que deveriam passar uma sensação diferente daquela de um CVT normal em arrancadas. Confesso que a única coisa que notei de diferente foi uma passagem entre 1ª e 2ª (e vice-versa) mais marcada. Guardo um julgamento mais preciso para as semanas que virão.

Bob me deu uma missão para esta primeira semana com o Yaris: verificar se em descidas o controlador de velocidade é capaz de manter a velocidade de modo competente. Resposta, não! Na volta de Campinas, nas descidas da parte final da Anhanguera, escolhi 82 km/h e o Yaris avançou até 94 km/h. Outras viagens virão neste Teste de 30 Dias, mas essa elevação de velocidade é inaceitável justamente por se tratar de um câmbio CVT, capaz de “achar” uma relação que proveja freio-motor à velocidade ajustada. Por outro lado, elogiável — e muito — foi o restante da semana rodando em cidade. Situação na qual o Yaris sedã se mostrou de uma suavidade ímpar.

Silencioso, macio, fácil. Um carro que se dirige sem que nenhum “pecado” chame a atenção (a não ser a posição do volante, muito inclinado). Confortos como câmera de ré, a chave presencial ou o sistema de partida por botão tornam manobras e o uso em pequenos percursos urbanos fazem do novo Toyota um vetor eficiente e confortável. Consumo urbano, ainda com o álcool, na casa dos 8,0 km/l quando o trânsito flui, e 5,7 km/l quando empaca.

Previsão para a 2ª semana é levar o Yaris XLS sedã para a viagem ao litoral norte, com percurso de estradas variadíssimo, porta-malas cheio e trazer, espero, muitas informações sobre a novidade do ano da Toyota.

RA

 

Toyota Yaris XLS sedã

Dias: 7
Quilometragem total: 296 km
Distância na cidade: 136 km (46%)
Distância na estrada: 160 km (54%)
Consumo médio: 7,5 km/l (álcool)
Velocidade média: 27 km/h
Tempo ao volante: 10h47min

 

FICHA TÉCNICA YARIS XLS SEDÃ
MOTORIZAÇÃO
Motor 1,5L Dual VVT-I
Designação do motor 2NR-FBE
Tipo 4 cilindros em linha, duplo comando de válvulas no cabeçote com variador de fase em ambos, corrente, 4 válvulas por cilindro, atuação indireta por alavancas-dedo roletadas com fulcrum hidráulico para compensação da folga de válvulas, bloco e cabeçote de alumínio; instalação transversal, flex
Diâmetro e curso (mm) 72,5 x 90,6
Cilindrada (cm³) 1.496
Taxa de compressão (:1) 13 +/- 0,3
Potência (cv/rpm, G/A) 105/110/5.600
Torque (m·kgf/rpm, G/A) 14,3/14,9/4.000
Rotação de corte (rpm) 5.800
Formação de mistura Injeção no duto
TRANSMISSÃO
Tipo Transeixo automático CVT Multidrive de 7 marchas virtuais + ré, tração dianteira
Ligação motor-câmbio conversor de torque
Relações das marchas (:1) 2,386 a 0,426
Espectro (:1) 5,600
Relação de diferencial (:1) 5,833
SUSPENSÃO
Dianteira Independente McPherson, mola helicoidal, braço triangular, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
Traseira Eixo de torção, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora integrada ao eixo
DIREÇÃO
Tipo Pinhão e cremalheira, eletroassistida indexada à velocidade
Relação de direção (:1) 18,6
Número de voltas entre batentes 3,8
Diâmetro mínimo de giro (m) 9,8
FREIOS
Dianteiros (Ø mm) Disco ventilado/n.d.
Traseiros (Ø mm) Tambor/n.d
Circuito hidráulico/assistência Duplo em diagonal/a vácuo
Controle ABS (obrigatório), EBD e assistência à frenagem
RODAS E PNEUS
Rodas Liga de alumínio, 5J x 15 (estepe: aço)
Pneus 185/60R15H (estepe temporário 175/65R14T, 80 km/h))
CONSTRUÇÃO Monobloco em aço, sedã, 4 portas, 5 lugares, subchassi dianteiro
DIMENSÕES (mm)
Comprimento 4.425
Largura sem espelhos 1.730
Altura 1.490
Distância entre eixos 2.550
Bitola dianteira/traseira 1.470/1.460
Distância mínima do solo 150
PESOS E CAPACIDADES
Peso em ordem de marcha (kg) 1150
Peso bruto total (kg) 1550
Carga útil (kg) 400
Capacidade máxima de tração (kg) 1.550
Porta-malas (L) 473
Tanque de combustível (L) 45
CONSUMO DE COMBUSTÍVEL INMETRO/PBVE
Cidade (km/l, G/A) 12/8,3
Estrada (km/l, G/A) 14,6/10,1
CÁLCULOS DE CÂMBIO
v/1000 em 7ª/CVT 44,5
rpm a 120 km/h em 7ª/CVT (km/h) 2.700

 

EQUIPAMENTOS YARIS 1,5 SEDÃ XLS
ESTILO
Acabamento externo preto na coluna central
Controle de áudio e computador de bordo no volante
Descansa-braços dianteiros
Difusores de ar com acabamento na cor prata
Espelhos externos de acionamento elétrico na cor do veículo e repetidoras de setas integradas
Grade inferior tipo reta
Maçanetas externas cromadas
Maçanetas internas cromadas
Para-choques na cor do veículo
CONFORTO E COMODIDADE
Abertura elétrica do porta-malas
Abertura interna do tanque combustível
Acelerador elétrico com comando eletrônico
Ajuste de altura do banco do motorista
Ajuste de altura do volante de direção
Ajuste elétrico de altura do facho faróis
Ar-condicionado automático com filtro antipólen e ar quente
Bancos parcialmente em couro
Chave presencial (Smart key)
Computador de bordo com visão multifunção (tela 4,2″ TFT de alta resolução com 16 funções: hodômetro total e parcial, autonomia, velocidade média, relógio, termômetro ar externo, marcha em uso, nível de combustível, velocímetro digital, Eco/Walllet e luz de condução econômica e ranking de eficiência com histórico de consumo)
Condução ECO indicada no quadro de instrumentos
Console central com dois porta-copos iluminados
Controle de velocidade de cruzeiro
Descansa-braço traseiro com porta-copos
Direção eletroassistida indexada à velocidade
Encosto do banco traseiro dividido 60:40
Espelho interno eletrocrômico
Faróis com acendimento automático e luz de acompanhamento
Faróis halógenos projetores com máscara negra e linha guia em LED
Lanternas traseira em LED
Luzes de leitura dianteiras
Painel de instrumentos com tecnologia Optitron
Para-sóis com iluminação
Partida por botão
Porta-garrafas nas quatro portas
Porta-moedas localizadas no painel
Porta-objetos com tampa no console central
Porta-revistas no dorso dos bancos dianteiros
Sensor de chuva
Smart entry, destravamento de porta sem chave
Teto solar elétrico
Tomada 12 V no console central
Vidros elétricos um-toque subida/descida com antiesmagamento
SEGURANÇA
Alarme perimétrico e volumétrico
Apoios de cabeça (5) com regulagem de altura
Assistente de partida em aclive
Aviso de cintos dianteiros não atados
Aviso sonoro de faróis ligados (carro estacionado, porta-malas aberto com carro em movimento
Bolsa inflável de joelhos para o motorista
Bolsas infláveis de cortina
Bolsas infláveis frontais (obrigatórias)
Bolsas infláveis laterais
Câmera de ré
Cintos dianteiros com ajuste de altura, pré-tensionador e limitador de força
Cintos de três pontos (5)
Controle de estabilidade e tração
Desembaçador do vidro traseiro
Engates Isofix para dois bancos infantis com fixação superior
Faróis e luz traseira de neblina
Imobilizador de motor
Jogo de tapetes dianteiros em carpete
Limpador de para-brisa intermitente
Travamento automático de portas a 20 km/h
ÁUDIO
Antena-short pole
Quatro alto-falantes e dois tweeters
Sistema de áudio central multimídia com tecnologia Harman, tela tátil de 7″, AM/FM, MP3, tomada USB no console central, Bluetooth e conexão para smartphones e tablets através de espelhamento SDL
(2.155 visualizações, 1 hoje)