Há alguns anos eu fiz contato com o Reinaldo Pedreiro, aliás “RollerBuggy” — como ele prefere ser chamado — e ele me enviou algumas matérias ligadas ao bugue para o projeto do Livro 3, que ainda está em “gestação latente”, aguardando que a leitura de eBooks seja mais popular no Brasil.

Estou iniciando a publicação das matérias do “RollerBuggy”, aqui na coluna “Falando de Fusca & Afins”, com uma história de “suspense ecológico” que envolve um bugue e um macaco bugio. Vamos conferir este relato.

Chamo a atenção do leitor ou leitora para o fato de que apesar de o Reinaldo Pedreiro usar a grafia Buggy, no AE, por norma editorial, é usada a forma aportuguesada e com inicial minúscula. Entretanto, mantive a grafia original no texto dele.

 


 

RESGATE DO MACACO
Por Reinaldo Pedreiro  (“RollerBuggy”)

Saí num sábado de manhã para passear de buggy com a minha esposa e tivemos uma ocorrência inusitada.

Estávamos pela BR-116 Régis Bittencourt um pouco depois de Embu das Artes, SP, aí apareceu um macaco (bugio) já no meio da estrada. Estava a 90 km/h e o macaco vinha em direção ao carro, íamos pegá-lo em cheio, então desviei bruscamente (por reflexo), mas mesmo assim o macaco foi atingido pela lateral esquerda do buggy.

Parei o carro uns cinquenta metros à frente, desci e voltei correndo. O bicho estava estendido no meio da pista e os caminhões desviavam para não passar por cima dele! Quando cheguei perto já tinha um carro parado e uma senhora dizendo que ele ainda estava vivo. Aí fiz uma coisa que podia dar muito errado, mas foi instinto: entrei correndo no meio da pista sinalizando para os carros desviarem para esquerda, peguei o macaco e corri para o acostamento.

Já no acostamento e com o macaco nos braços, percebi que era um bugio adulto, saudável e respirava, apesar de desmaiado. Ele sangrava pela boca. Nem deu tempo de pensar muito, sai correndo com o macaco nos braços em direção ao buggy, onde minha esposa já esperava com o casaco dela para embrulhar o bicho. Feito isso seguimos em frente e paramos no primeiro posto para pedir ajuda e para que nos indicassem um veterinário em Embu das Artes que pudesse ajudar.

Fizemos o retorno e seguimos em direção ao veterinário que tinha sido indicado. Estava um trânsito enorme na entrada da cidade e liguei o pisca-alerta, os faróis e taquei a mão na buzina, seguindo pela contramão mesmo.

Chegou um ponto em que travou tudo e ninguém passava, aí minha esposa começou a fazer sinais e gritar que o macaco estava morrendo… (risos). Não sei se as pessoas entenderam o que estava acontecendo, mas todo mundo deu passagem pra gente. Só que no meio do caminho o macaco começou a acordar e se mexer; ele estava no chão nos pés da minha esposa embrulhado no casaco dela e eu disse para ela pular para o banco de trás, para não correr o risco de ele mordê-la, o que ela fez rapidamente!

O macaco acordou de vez e estava meio mole ainda, mas começou a segurar no freio de mão e na alavanca de câmbio enquanto eu dirigia, mas eu continuei assim mesmo. Finalmente parei na porta do veterinário e pedi socorro! A doutora veterinária veio rapidamente, mas disse que não podia atender por se tratar de animal silvestre e ela não tinha autorização do Ibama para isso, mas indicou outro veterinário próximo que atendia animais silvestres.

Mas, a essa altura, o macaco já tinha dominado o espaço e “grudou” na alavanca de câmbio e eu não conseguia tirá-lo dali para dirigir; a veterinária que estava lá tentou colocar-lhe uma focinheira para podermos retirá-lo sem correr o risco de sermos mordidos, mas não conseguiu. Aí ela trouxe um cabo de vassoura, colocou perto dele e nele ele se agarrou; conseguimos assim afastá-lo do câmbio para que eu pudesse dirigir.

E minha esposa, no banco de trás, só de olho no macaco. Assim seguimos rumo ao veterinário indicado, Dr. Philippe Giacobini. Chegamos lá e ele prontamente nos atendeu, socorrendo o macaco, que deu o maior trabalho para sair do buggy.

Assustado, ele se agarrava com as mãos, os pés e a cauda em cada canto do buggy para tentar impedir ser retirado, mas o doutor com luvas, eu e uma enfermeira soltamos os pés e a cauda que estavam “enroscadas” no carro, conseguimos tirá-lo do buggy e fazer o atendimento de emergência.

Já na clínica do Dr. Philippe Giacobini a questão era como tirar o Bugio ferido de dentro do buggy

A boa notícia foi que o macaco não iria morrer (garantia do veterinário), mas quebrou o maxilar e alguns dentes. Depois de se restabelecer, o macaco seria levado para o Parque Ecológico do Tietê, pois, segundo explicação do veterinário, essa espécie vive em bando e ele não seria aceito em outro bando se solto na natureza, por isso irá para este parque para se “socializar” com outros macacos do lugar…

No final das contas a minha esposa perdeu um casaco e meu buggy ficou um pouco sujo de sangue…

Restos do resgate, o piso do buggy manchado e o casaco da esposa do Reinaldo dobradinho no canto direito

Além de um arranhão na roda dianteira esquerda, provocado pelos dentes do macaco no impacto:

A roda em liga de alumínio ficou marcada pelo impacto com o bugio

Não me importei com os prejuízos e não me arrependo de ter me arriscado na estrada para tentar salvar o macaco, nada vai pagar a sensação de alegria em vê-lo acordando e saber que ele não vai morrer por causa do acidente…

Já socorrido, o bugio parece estar mais calmo nesta foto

Graças a Deus e a pessoas como o veterinário, cujo endereço merece ser divulgado:

Dr. Philippe Giacobini
Médico Veterinário
CRMV-SP 2449
Rua Francisco Alves, 169 – Vila Carmem
Estância Turística de Embu das Artes, SP  06803-120

O Dr. Philippe, mesmo eu insistindo em ressarcir os gastos que ele teria com a recuperação do macaco, não aceitou nenhum tostão e disse que fazia esse tipo de socorro por satisfação pessoal. Esta nobre pessoa merece os parabéns!!!

Esse foi o meu passeio de sábado 3/5/2014.

 


 

Ainda temos mais causos do Reinaldo Pedreiro, que serão publicados oportunamente.

AG

Registro aqui o meu agradecimento ao Reinaldo Pedreiro pela permissão do uso de sua história, de suas fotos e o vídeo da “captura” do macaco pelo Dr. Philippe Giacobini (aliás, quando eu for a Embu tentarei passar por lá para lhe dar um abraço; achei a sua postura neste caso fantástica). Em tempo, o Reinaldo convidou a todos para conhecerem o seu blog: https://rollerbuggy.blogspot.com .
NOTA: Nossos leitores são convidados a dar o seu parecer, fazer suas perguntas, sugerir material e, eventualmente, correções, etc. que poderão ser incluídos em eventual revisão deste trabalho.
Em alguns casos material pesquisado na internet, portanto via de regra de domínio público, é utilizado neste trabalho com fins históricos/didáticos em conformidade com o espírito de preservação histórica que norteia este trabalho. No entanto, caso alguém se apresente como proprietário do material, independentemente de ter sido citado nos créditos ou não, e, mesmo tendo colocado à disposição num meio público, queira que créditos específicos sejam dados ou até mesmo que tal material seja retirado, solicitamos entrar em contato pelo e-mail alexander.gromow@autoentusiastas.com.br para que sejam tomadas as providências cabíveis. Não há nenhum intuito de infringir direitos ou auferir quaisquer lucros com este trabalho que não seja a função de registro histórico e sua divulgação aos interessados.
A coluna “Falando de Fusca & Afins” é de responsabilidade exclusiva do seu autor.
(1.355 visualizações, 1 hoje)