Ford iniciou fazer os EcoSport sem o estepe pendurado na porta traseira (foto de abertura). Já o faz no exterior em sua pioneira função de carro brasileiro produzido em vários outros lugares do mundo. Entretanto no Brasil, pesquisas indicaram desejos dos consumidores em ter tal pedúnculo atracado externamente na tampa posterior. Faz parte do formar a imagem intangível do produto: quem o dirige se sente superior e disposto como se num Land Rover, Hummer, etcccc.

Embutir o pneu de reserva dentro do pequeno espaço para bagagens traz como resultado óbvio reduzi-lo ainda mais, entretanto previsível ter a empresa adotado a solução praticada nos carros produzidos fora das fronteiras: o pneu de pequenas dimensões, para socorro temporário. Estepe pendurado na tampa traseira exige grande engenharia para conviver com o peso e os golpes ao ultrapassar irregularidades no piso, além de constituir-se em um problema de civilidade – é muito fácil ao motorista amassar a frente do carro estacionado em sua traseira, e ir-se sem perceber – ou percebendo…

Estará no Salão do Automóvel, São Paulo, novembro, e à venda ao início do ano. Crê-se pode ser tratado como opcional até a racionalidade assumir.

 

Homeopatia para mostrar o VW T-Cross

VW T-Cross, apresentação em gotas (Arte: divulgação VW)

Talvez inspirada por outro alemão, Samuel Hahnemann, criador da Homeopatia e suas doses pequenas e sequenciais, Volkswagen tem comandado, desde a Alemanha, divulgação em fila de dados e detalhes do T-Cross, um SUV do segmento B. Sentido amplo, um Tiguan menor.

Terá as medidas do sedã Virtus, a plataforma MQB-A0, também base para o Polo.

Não é para apresentação a curto prazo. Apesar de atração do estande da VW no Salão Internacional do Automóvel em São Paulo, novembro, imagina-se, divulgar pequenos detalhes consiga levantar o interesse dos consumidores, em especial porque, no Brasil, há uma dezena de concorrentes. VW diz, vendas em fevereiro.

Dado interessante, afirmativa do material de divulgação informando tratar-se de SUV global, não o será. A versão para a América Latina — a ser alimentada desde a produção em São José dos Pinhais, PR. — difere da europeia. Peculiaridades de mercado, a versão Mercosul terá 4,19 m de comprimento, e distância entre eixos igualmente maior. Na Europa, a do Polo, 2,56 m. Mercosul, a do Virtus, 2,65 m — quase 10 cm nesta dimensão será sólido argumento de conforto, importante entre tantos concorrentes, superando Citroën Cactus, 2,60 m; Jeep Renegade, 2,57 m; Chevrolet Tracker, 2,55 m; Ford EcoSport, 2,52 m.

Alterações indicam, pela segunda vez, preocupação da marca no adequar-se às características do mercado nacional e às similaridades dos vizinhos. up! nacional, mais comprido, com mais espaço para malas e tanque maior é primeiro exemplo.

 

Renault cede com sucessor do Lada Niva

Novo Niva, tipo Duster russo (Foto: divulgação Renault)

Renault mostrou, na Rússia, o sucessor do Lada Niva. Chama-o Vision 4×4, esperando percepção aos clientes sobre o nome indicando o futuro, uma visão sobre o mítico 4×4.

Em produção desde 1977, é dos projetos mais longevos, mítico por suas habilidades e resistência. Bela solução, um Fiat 127 (pai dos nosso 147), com mecânica de também Fiat 124, e sistema de tração 4×4 criado na antiga URSS.

Com a guinada capitalista, hoje a ex-estatal AUTOVaz, responsável pela motorização de Rússia e seus satélites, já foi da GM/Opel, e ora controlada pela Renault. Por tal razão o substituto do Lada está muito mais para Duster, e a razão é simples: sua plataforma é a Dacia BZero, empregada nesta marca romena e seus desdobramentos Logan, Duster, Oroch, Captur brasileiro.

Tirar o mítico carrinho de produção tem razões industriais: dar mais velocidade à linha de produção, abduzindo produto criado há mais de quatro décadas, com processos antigos, hoje um verdadeiro freio industrial. Decisão difícil tirá-lo de fabricação. Afinal simboliza mundialmente a criatividade russa; foi o precursor da moda mundial do SUV pequeno – a Toyota aproveitou o conceito com o RAV-4, fazendo base de mania mundial. Questão automobilística ou de marketing, o presidente da Rússia, multimídia Vladimir Putin, tem unidade personalizada.

 

Museu e conserto

                                                                                             Roberto Nasser 

Por incúria, irresponsabilidade, filosofia ou ato criminoso, pegou fogo o Museu Nacional, mais antiga instituição do ramo no país, em seus 200 anos. Prejuízo incalculável e de impossível reposição. Gente festiva e inadequada, assim como o omisso prefeito carioca prometeram reconstruí-lo. Pensam no continente, não no conteúdo – é uma radiografia de seus cérebros. Tertúlia flácida para acalentar bovino. Os primeiros sequer estarão no governo para as primeiras providências pós-cuidados e avaliação de resgate dos escombros. O último parece neto de japonês, é um Nãosei.

Bravatas, promessas de apuração de responsabilidades, pululam nas glotes das autoridades, mas no depurar da situação, com grandes chances será a edição museal do incêndio da Boate Kiss — ceifou centenas de jovens e não há culpados.

Promessas passam por liberação de verbas, procura em arquivos de sugestões a respeito. Responsáveis (sic), como o reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, indicado pelo PSOL, distribui culpas e responsabilidades, quando poderia dar aula de ética e respeito à teórica magnificência de seu cargo, demitindo-se e à sua conivente diretoria, omissa no respeito à história, à cultura e à imagem do país de incultos, desidiosos no cuidar os tesouros da humanidade.

Mais positivo, e de ótima ocasião seria um projeto de mudança completa na forma de olhar os museus nacionais. Quantos estão fechados, e por quê? Como induzir a manutenção dos existentes e o surgimento de novos? Como fomentar sua administração? Em Brasília, particular, sem verba pública, o Museu Nacional do Automóvel está lacrado há seis anos. Os autores da ação já não estão no governo; a razão do pedido perdeu-se no tempo; mas solução não há. Por que não começar pela sua reabertura? É rápida, fácil, sem custos. Basta uma caneta honesta.

(Roberto Nasser tem parte do acervo; paga as contas; e é o Curador do Museu Nacional do Automóvel).

 

Roda-a-Roda

JAC, lá – Na Argentina marca chinesa será representada pela SOCMA, empresa de familiares de Maurício Macri, o presidente. Família do ramo gere duas outras marcas chinesas.

Esforço – Na Citroën engenheiros, analistas de custos, formuladores e palpiteiros em geral estão reunidos em torno do recém-lançado Cactus. Objetivam, a partir da versão de entrada, a R$ 68.990, trocar o câmbio manual pelo automático, manter direção assistida, ar-condicionado, vidros elétricos, equipamentos básicos de segurança, incluindo o estabilizador ESP.

Problema – É colocar o câmbio mais caro, e não deixar o preço passar de R$ 69.990. Teto de versão destinada a Pessoas com Deficiência, a quem incentivo oficial reduz impostos para veículos com preço público até R$ 70 mil.

Minguando – Conceito é honesto, mas o teto oficial não é corrigido, e assim pouco a pouco os veículos elegíveis vão-se reduzindo.

Hermanos – Renault iniciou fazer seus picapes Oroch com opção de tração nas 4 rodas – modos 2W; 4W e 4W+Reduzida. Inicialmente sem vendas domésticas, mas para a Argentina. Lá, para concorrer com o Fiat Toro dotado desta opção. Na Argentina o Oroch vende acima do Toro.

II – Cada mercado, um comportamento. Na Argentina o Oroch é o quarto picape mais vendido, com o Toro na sexta posição, apenas com a versão diesel, caixa automática e 4×4. Para aumentar sua posição, iniciará exportar com motor a gasolina, 1,8 litro, caixa automática de 6 marchas, menor preço.

Razão – Mercado argentino está em forte descenso e preço menor é grande argumento às compras.

Registro – Enorme desvalorização do peso, atingiu nesta semana cotação de US$ 1 = 40 pesos; R$ 1 = 10 pesos.

Síntese – Se você pensa ser a Volkswagen marca de automóveis, enganou-se. É um grupo, e sob sua copa frondosa estão três marcas muito conhecidas de caminhões: Scania, MAN, Volkswagen, e parcerias com Navistar — International —, Hino, japonesa, sociedade com a Toyota, e chinesa Sinotruck.

Mudança – Com leque tão amplo, a cobertura da marca, como Volkswagen Truck & Bus tornou-se curta. Optaram pelo nome Traton, para cuidar do referente aos pesados.

Freio – Corrida oficial para o Congresso apreciar e aprovar a Medida Provisória instituindo o Programa Rota 2030, sofreu frenagem: Comissão Mista encarregada de analisá-la, suspendeu reunião para conhecer e votar o relatório do Relator Alfredo Kaefer, PP/PP. Mandatoriamente MP deve ser aprovada neste ano para vigir em 2019. Estabelece incentivos oficiais e contrapartidas da indústria de veículos, autopeças, revendedores.

 

Rolls da Presidência. Mito cercado de histórias erradas. Presente da Rainha Elizabeth II, por exemplo (Foto: Cerimonial da Presidência da República)

Rolls – Símbolo do poder presidencial, o raro e formidável Rolls-Royce Silver Wraith Formal Cabriolet, de 1952, não deverá ser utilizado para conduzir o presidente da República durante a parada cívica do 7 de Setembro.

Curriculum – Dos registros a respeito do governo Temer, a encerrar-se no dia 2 de janeiro, constará nunca ter desfilado no RR presidencial, carro semiexclusivo, de carroceria personalizada, construção quase artesanal, excepcionalmente conservado.

História – Temer não teve posse comum, posterior à eleição e, ano passado declinou do uso do automóvel para evitar protestos, como os que mimaram a ex-Dilma Rousseff. Para o dia 7 próximo, sua última parada como presidente, dispensou o majestático automóvel, um dos símbolos do exercício do poder.

Gente – Fernão Silveira, comunicólogo, ex-Ford, novo Diretor de Relações Corporativas e Sustentabilidade da FCA. OOOO Empresa mudou organograma, transferindo a diretoria, antes acumulada com a de Publicidade, então a cargo de João Ciacco. OOOO Ficará baseado em São Paulo. OOOO Jornalistas especializados com cara de paisagem. OOOO Na empresa anterior cuidava dos escrevedores não especializados, ditos influencers. OOOO Segmento em expansão turbinada pelos fabricantes e montadoras. OOOO  Stefan Mecha, alemão, mudança. OOOO Cuidava de vendas VW no norte da Alemanha e veio ao Brasil como vice-presidente de vendas e exportações SAM. OOOO Acróstico quer dizer região sul-americana, e sua missão será manter o pujante esforço de vendas de VWs a países da América Latina. OOOO

RN

A coluna “De carro por aí” é de exclusiva responsabilidade do seu autor.
(26.777 visualizações, 1 hoje)