Como já publicado no dia 27 do mês passado, a Volkswagen passa a ofertar o Gol e o Voyage sob o nome 1,6 MSI automático. No Gol é a volta do motor duplo-comando de 4 válvulas por cilindro, o EA211 R4, pois foi usado antes apenas no Rallye, a partir de março de 2014, mas que ficou em produção só até fevereiro de 2016.

Já no Voyage é estreia, e tanto num como noutro, o câmbio automático “convencional”, o dito epicíclico em alusão ao tipo de engrenagem, constitui novidade absoluta.

O casamento motor EA211-câmbio automático de 6 marchas é indissolúvel. Quem fizer questão de câmbio manual (5 marchas) no Gol dessa cilindrada terá que se sujeitar em ter o carro com o motor de geração anterior, o EA111 (não que seja ruim, pelo contrário, mas o EA211 é indubitavelmente melhor).

O mais notável, e por que não curioso — e vantajoso para quem quer ou precisa (PCD) dar descanso à perna esquerda — é a diferença de preço entre os dois modelos de Gol ser de apenas R$ 3.540 (R$ 54.580 x R$ 51.040). Só este fato deverá atrair consumidores para a marca.

O motor EA211 não privilegia potência elevada, mas ampla em rotação baixa e média. Por isso desenvolve apenas 110/120 cv a 5.750 rpm  e 15,8/16,8 m·kgf a 4.000 rpm. O ganho sobre o motor EA111, é expressivo: este desenvolve 101/110 cv a 5.250 rpm e 15,4/15,6 m·kgf a 2.500 rpm.

O bom motor EA211 16v de 110/120 cv de volta ao Gol

O motor do Gol 1,6 MSI  compreende bloco e cabeçote de alumínio, duplo comando de válvulas com variador de fase na admissão em campo de 50º, quatro válvulas por cilindro, coletor de escapamento integrado ao cabeçote, circuito de arrefecimento duplo e engenharia de formato nas polias envolvidas no acionamento dos comandos de válvulas para reduzir os esforços na correia dentada, que é prevista para 120.000 km ou 4,5 anos.

Tem ainda trocador de calor óleo-água fixado ao bloco e chapa divisória entre bloco e cárter para evitar agitação excessiva do óleo lubrificante. Uma das soluções notáveis na família EA211 é o posicionamento dos comandos de válvulas no que seria a tampa de válvulas e a montagem dos ressaltos nas árvores mediante interferência térmica (ressalto aquecido e árvore resfriada) com controle desta montagem por computador, formando uma unidade indivisível.

Por ser flex, a taxa de compressão é 1 ponto mais alta do que no motor original alemão, sendo de 11,5:1. A partida do motor em baixas temperaturas, quando abastecido com álcool, é feita por aquecimento do combustível numa galeria de plástico, dispensando a tradicional injeção de gasolina e seu pequeno reservatório no compartimento do motor.

Já o câmbio aplicado é o consagrado Aisin, no caso o AQ 160-6F  de seis marchas. A Aisin é uma fabricante de câmbios japonesa pertencente ao Grupo Toyota; o câmbio é importado montado do Japão.

O consumo Inmetro/PBVE declarado é 11,1/7,7 km/l na cidade e 13,6/9,8 km/l na estrada, mas de minha residência até à Maison Blanche registrou 14,5 km/l com gasolina, isso andando boa parte do tempo na Rodovia Castello Branco no limite da tolerância legal de medição, 129 km/h reais.

A aceleração 0-100 km/h informada pela fabricante é em 10,7/10,1 segundos e a velocidade máxima, 179/185 km/h.

Há os modos D e S, selecionáveis pela alavanca seletora. No modo S, como é normal, modifica-se o mapa de trocas ascendentes de marcha, que passam a ocorrer em rotação mais alta, e o mapa do acelerador, que fica mais rápido, influenciando até no kickdown, o movimento rápido do pedal para provocar redução da marcha ao se precisar de mais desempenho. O modo S não atua na direção por esta não ser eletroassistida, a assistência é apenas hidráulica.

As trocas são rápidas e ao mesmo tempo suaves, mas não foi aplicado o sempre apreciado recurso da aceleração interina automática nas reduções, apesar de não haver tranco no engate da marcha inferior.

As trocas manuais são por meio da alavanca seletora deslocada para a direita, com o tradicional da marca sobe marcha para frente/reduz para trás. Ou pelas borboletas, que têm prioridade sobre o modo D e, claro, obedecem à operação manual. Em todos os casos ocorre troca ascendente quando o ponteiro do conta-giros indica aproximadamente 6.200 rpm (não há traços após 6.000 rpm, só a faixa vermelha contínua).

Interessante na operação manual é se poder retomar velocidade na marcha que se quiser ao não haver redução mesmo que se acelere até o primeiro batente de final curso do pedal do acelerador, o que imita um câmbio manual e permite explorar o motor como se quiser. Ultrapassado esse primeiro batente, ou degrau, câmbio reduz marcha (kickdown) normalmente.

Há o bloqueio do conversor de torque da terceira marcha em diante, bem como controle de neutro, ativado sempre que o carro está parado com moderada força no pedal de freio. Percebe-se facilmente a mudança entre pé leve e com mais força. O estol do conversor de torque é a 2.200 rpm.

Como um todo, é um câmbio automático fácil de aprender e usar (a marcha engatada sempre é exibida no mostrador central) e que é isento de manutenção, o fluido hidráulico é vida-toda.

Rodas de liga de alumínio fazem parte do pacote Urban completo, de R$ 3.000

As características dinâmicas do Gol são bastante conhecidas. Com pneus 195/55R15H (Goodyear Efficientgrip no carro testado), mais a calibração da suspensão algo voltada para desempenho, seu comportamento satisfaz, mas perde um pouco do conhecido caráter de obediência esportiva que sempre caracterizou o Gol, embora isso não vá incomodar quem faz questão de ter a nova versão. A direção tem relação média de 14,9:1 e são 2,9 voltas entre batentes do volante de Ø 370 mm.

Suas dimensões, como comprimento de 3.982 mm e entre-eixos de 2.467 mm, proporcionam agilidade no trânsito denso, mas sem abrir mão de características estradeiras. Leva bem dois passageiros no banco traseiro (infelizmente de encosto inteiriço) e três com pouco espaço lateral, sendo o cinto de segurança central apenas subabdominal. O porta-malas acomoda 285 litros de objetos, média do segmento.

Espaço para pernas é suficiente para eu estar confortável “atrás de mim”

De resto é o Gol que se conhece há 38 anos, um hatchback compacto que vem evoluindo ao longo dessas quase quatro décadas. Para muitos que escolhem carros “antigos” isso se traduz em paz de espírito. E não é só com a marca do castelo do lobo.

Assista ao vídeo e depois verifique a ficha técnica e a lista de equipamentos de série, os itens do pacote opcional único Urban completo, os dois sistemas multimídia e as cores.

BS

 

FICHA TÉCNICA VW GOL 1,6 MSI 2019
MOTOR
Designação EA211 R4 MSI 1,6
Descrição 4-cilindros, transversal, bloco e cabeçote de alumínio, duplo comando de válvulas, variador de fase na admissão em 50º, 4 válvulas por cilindro, atuação indireta por alavanca-dedo roletada com fulcrum hidráulico, correia dentada, flex
Diâmetro x curso (mm) 76,5 x 86,9
Cilindrada (cm³) 1.598
Taxa de compressão (:1) 11,5
Potência máxima (cv/rpm, G/A) 110/120/5.750
Torque máximo (m·kgf/rpm, G/A) 15,8/16,8/4.000
Comprimento de biela (mm) 140
Relação r/l 0,31
Corte de rotação 6.600 (teórico, sobe marcha a 6.200 rpm)
Formação de mistura Injeção no duto
Gerenciamento do motor Simos 15
TRANSMISSÃO
Câmbio Transeixo dianteiro com câmbio automático epicíclico Aisin AQ 160-6F de 6 marchas marchas à frente mais ré, tração dianteira
Relações das marchas (:1) 1ª 4,667; 2ª 2,533; 3ª 1,556; 4ª 1.135; 5ª 0,859; 6ª 0,686; ré 3,394
Relações do eixo motriz (:1) 3,502
SUSPENSÃO
Dianteira Independente, McPherson, braço triangular, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora de Ø 19 mm
Traseira Eixo de torção, mola helicoidal e amortecedor pressurizado
DIREÇÃO
Tipo Pinhão e cremalheira, assistência hidráulica
Diâmetro mín. de curva (m) 10,9
Relação de direção (média, :1) 14,9
N° de voltas entre batentes 2,9
FREIOS
De serviço Hidráulico, duplo-circuito em diagonal, servoassistido a vácuo
Dianteiros (Ø mm) Disco ventilado/256
Traseiros (Ø mm) Tambor/200
Controle ABS (obrigatório) e distribuição eletrônica das forças de frenagem
RODAS E PNEUS
Rodas Aço 6Jx15
Pneus 195/55R15H
Marca e tipo no carro testado Goodyear Efficient Grip
Estepe temporário Roda de aço 5Jx14, pneu 175/70R14T Goodyear Efficientgrip
PESOS (kg)
Em ordem de marcha 1.040
Carga máxima 460
CONSTRUÇÃO
Tipo Monobloco em aço, sedã hatchback 4-portas, 5 lugares, subchassi dianteiro
AERODINÂMICA
Coeficiente de arrasto (Cx) 0,373
Área frontal (m²) 2,04
Área frontal corrigida (m²) 0,761
DIMENSÕES EXTERNAS (mm)
Comprimento 3.892
Largura sem/com espelhos 1.656/ 1.893
Altura 1.474
Distância entre eixos 2.467
Bitola dianteira/traseira 1.423/1.411
Distância mínima do solo n.d.
CAPACIDADES (L)
Porta-malas 285
Tanque de combustível 55
DESEMPENHO
Aceleração 0-100 km/h (G/A, s) 10,7/10,1
Velocidade máxima (G/A, km/h) 179/185
CONSUMO DE COMBUSTÍVEL INMETRO/PBEV
Cidade (km/l, G/A) 11,1/7,7
Estrada (km/l, G/A) 13,6/9,6
CÁLCULOS DE CÂMBIO
v/1000 em 6ª (km/h) 45,3
Rotação em 6ª a 120 km/h (rpm) 2.650
Rotação em vel. máxima, 5ª (rpm) 5.100

 

EQUIPAMENTOS GOL 1,6 MSI 2019
Alerta de frenagem de emergência (luz de freio, depois pisca-alerta)
Alerta sonoro de faróis ligados
Alerta sonoro e visual de cintos de segurança dianteiros não atados
Antena de teto traseira
Apoio de cabeça no banco traseiro com ajuste de altura (3)
Ar-condicionado com filtro de poeira e pólen
Banco do motorista com ajuste de altura
Cintos de segurança dianteiros com pré-tensionador
Cintos de segurança retráteis no banco traseiro (2)
Desembaçador do vidro traseiro
Encosto do banco traseiro rebatível
Faróis monoparábola
Grande dianteira em preto
Instrumentos: velocímetro, conta-giros, termômetro do líquido de arrefecimento e medidor do nível de combustível
Limpador do para-brisa com temporizador
Limpador e lavador do vidro traseiro
Para-choques na cor do veículo
Para-sóis com espelho
Pisca-3
Preparação para sistema de áudio com fiação
Rodas de aço com pneus 195/55R15H
Suporte para celular com entrada USB de alta intensidade (2,1 ampères)
Tomada de 12 V no console central
Travamento elétrico das portas
Vidros dianteiros com acionamento elétrico
OPCIONAIS
Urban completo: rodas de liga de alumínio 15″; alarme sem chave; chave-canivete com controle remoto; retrovisores e maçanetas na cor do veículo; grade do radiador cor preto Ninja; espelhos externos de ajuste elétrico função de abaixar orientação ao engatar ré; repetidores de setas nos espelhos; sensor de estacionamento traseiro; vidros dianteiros e traseiros com acionamento elétrico; destravamento da porta de carga com controle remoto; para-sóis com espelho e iluminação; faróis de dupla parábola; faróis de neblina;lanternas traseiras escurecidas; luzes de leitura dianteiras (2) e traseiras (2); ajuste de altura e distância do volante de direção; alças de teto – R$ 3.000,00
Interatividade “Composition Touch”: sistema de áudio Composition touch com App-connect; 4 alto-falantes e 2 tweeters; volante multifuncional com comando do sistema de áudio e do I-System; I-System com Eco-Comfort e computador de bordo – R$ 2.000,00
Interatividade “Discover Media”: sistema de áudio Discover Media com navegador; 4 alto-falantes e 2 tweeters; volante multifuncional com comando do sistema de áudio e do I-System; I-System com Eco-Comfort e computador de bordo – R$ 2.100,00
Cores: preto Ninja, branco Cristal, vermelho Flash (sólidas). prata Sirius, cinza Platinum (metálicas)

 

Mais fotos:

(11.536 visualizações, 1 hoje)


Sobre o Autor

Bob Sharp
Editor-Chefe

Um dos ícones do jornalismo especializado em veículos. Seu conhecimento sobre o mundo do automóvel é ímpar. História, técnica, fabricação, mercado, esporte; seja qual for o aspecto, sempre é proveitoso ler o que o Bob tem a dizer. Faz avaliações precisas e esclarecedoras de lançamentos, conta interessantes histórias vividas por ele, muitas delas nas pistas, já que foi um bem sucedido piloto profissional por 25 anos, e aborda questões quotidianas sobre o cidadão motorizado. É o editor-chefe e revisor das postagens de todos os editores.

Publicações Relacionadas