Inglesa fábrica de esportivos Aston Martin se reergue dos riscos de desaparecimento, e com produtos novos e sociedade com a Daimler AG (Mercedes-Benz) busca tempos mais tranquilos. Dá-se a devaneios promocionais: anunciou produzirá 28 réplicas do mais famoso dos automóveis utilizados pelo personagem James Bond.

No caso o Aston DB5 apareceu em “007 contra Goldfinger”, 1964, onde deu tremenda panca numa das cenas, e ressurgiu em “007 – Operação Skyfall”, 2012, transformado em peneira por rajadas de metralhadora.

Carro de aura, motivou a feitura de incontáveis réplicas em escala, e agora por acordo entre a Aston, a EON, detentora dos direitos da franchise James Bond, com consultoria de Chris Corbould, vencedor de Oscar por efeitos especiais, e a Aston’s Q, piada com o inventor das complicações mecânicas de James Bond, produzirão as réplicas.

Vinte e oito unidades, com mecânica replicando a original, seis cilindros em linha, 4.000 cm³ de cilindrada, três carburadores horizontais duplos Weber, 270 cv capazes de levá-lo da imobilidade aos 100 km/h em 8 s e cravar velocidade final em torno de 250 km/h, como então. Pintados na cor da época, a prata Birch, com alguns implementos técnicos atuais, como os freios e direção. Diz a Aston, terá algumas dos acessórios de época, como o sistema rotativo de placas de licenciamento. Não se falou nas metralhadoras sob os para-hoques frontais, no banco ejetável, na capacidade de lançar óleo da pista – isto parece piada com os carros ingleses e seus hábitos de Chevrolet seis-cilindros em linha… Entregas a partir de 2020, produção artesanal, com intensa mão de obra, especialmente para moldar a carroceria. Um exemplar será da EON para um museu James Bond; outro para a Aston; terceiro para ser vendido por sorteio ou leilão. Demais 25 vendidos a tentativamente selecionados colecionadores da marca, dedicados fãs do personagem, museus. Custarão US$ 3,5M, o dobro do Aston mais caro atualmente.

‘Tás brincando?

Há pequeno porém importante detalhe não explicado no comunicado de imprensa: não poderão circular em vias públicas, apesar de seu dimensionamento funcional. Questão legal: como réplicas seguindo as especificações de época, não atendem às atuais exigências legais de emissões e segurança — os itens como resistência a impactos; portar freios com ABS, suspensão com adjutório ESP, …. Usualmente países com maior intimidade com veículos têm legislação de incentivo a fabricantes de pequenas séries, às vezes dispensados de tais equipamentos atualizados. Mas não é o caso, pois a Aston não é empresa pequena necessitando empurrão de concessões. Assim, quem o comprar, será para tê-lo como obra de arte tridimensional — e estática, como aconteceu com os Jaguar D-Type feitos por este fabricante.

Anúncio gerou inesperado impacto, e bem situados senhores criaram um problema: arguem a Aston se possível comprar o carro com mecânica e itens de segurança atuais, para circular; ou como kit, para providenciar domesticamente tal agregação.

Imagem mais conhecida do DB5 com o ator Sean Connery, em “007 contra Goldfinger” (Foto: divulgação)

 

Roda-a-Roda

Futuro – Nos EUA Ford abandonou produzir sedãs, concentrando-se em SUVs e picapes. Destes, seu produto mais vendido, terá nove novidades até 2023. Globalmente produtos crescerão de 20 para 23, no foco por mercados rentáveis.

Curiosidade – Detalhe interessante em época de globalização marca informou reduzir média de vida dos modelos de 5,7 anos para 3,3 anos na próxima década.

Novo Gol – Herbert Diess, presidente mundial do Grupo Volkswagen, esteve no Brasil semana passada e aclarou dúvidas quanto ao futuro do Gol como carro de entrada, primeiro degrau de preços para a marca.

Pequeno – Pacote de informações: substituição em 2021 ou 2022, marcando novo ciclo de investimentos. Até 2020 VW Brasil gasta parte dos R$ 7Bi alocados para as grandes mudanças de estrutura e produtos.

Bom – Será pequeno, barato — a grosso modo e conceitualmente, uma espécie de Renault Kwid Volkswagen. Será criado a partir do conhecimento de design, construção e engenharia brasileiras, para atender mercados em desenvolvimento, iniciando pela América Latina.

O que – Mercado em desenvolvimento? Os de piso áspero, desalinhado, esburacado – se aplicável o adjetivo, asfalto sáfaro. Temos invejável know-how.

Nós – Uma vez, na Califórnia, abasteci ao lado de um Fox — o nosso Voyage exportado aos EUA. Dono disse ser o melhor carro do mundo, com mais de um milhão de quilômetros sem maiores reparos. Acreditava fosse alemão — não havia plaqueta dizendo ser brasileiro …

De novo – Uma láurea técnica para o Brasil desenvolver produto mundial.

Política – Agenda do poderoso executivo incluiu sindicalistas para encontro e promessas de empregabilidade. A VW alemã tem diretor representando os metalúrgicos, e a paz social é fundamental nestes processos.

Negócio – A VW está bem na fita, pois importante garantir emprego na ex-Meca do automóvel. O movimento sindical, em nome de promover seus dirigentes, conseguiu expulsar a expansão das fábricas de automóveis instaladas no município para outros estados, reduzindo os empregos. Os dirigentes, exceto um, preso, vão bem, obrigado. Os empregos, muito pelo contrário.

Novo Jimny – Suzuki japonesa está apresentando novo Jimny 4×4. Mantém o espírito de limpeza em linhas e equipamento; intocada a plataforma, incluindo distância entre eixos, mas tornou-o mais alto, largo e comprido. Na prática mantido simples, melhorando qualidade e funcionalidade.

Mudanças – São perceptíveis, as maiores, nos 20 anos de história do hábil jipinho, mantendo a filosofia da marca em conter pesos. Para melhor caracterizar chamou-o Sierra. Pesando apenas 1.070 kg, o novo motor L4, 1,5 litro, 101 cv e 13,2 m·kgf de torque muito melhorou as habilidades, incluindo velocidade média levemente aumentada. Câmbio manual de 5 marchas ou automática, de 4.

Resultados – Motor mais leve, potente e econômico — com gasolina pura faz circa 19 km/litro, chassis 50% mais resistente em torção, e grande implemento na qualidade da rolagem e nas sensações de condução. Projeto simples, porém de extremada competência.

Mercado – Demanda elevada. Pedidos feitos hoje somente serão atendidos em janeiro. Suzuki no Brasil informa tê-lo no meio do próximo ano, mas diz, curiosamente, manterá o modelo atual em produção.

ierra, o novo Jimny, mais leve, mais forte, mais ágil (Foto: divulgação Suzuki)

 

Edição – Ford apresentou nos EUA série especial comemorativa de 50 anos do Mustang Cobra Jet, homenagem ao icônico modelo de 1968, campeão das corridas de arrancada. 68 unidades. 5,2 litros, V-8, compressor Whipple, potência não indicada, mas aposte nuns 700 cv. Nos EUA R$ 130 mil. Não virá ao Brasil.

Brinde – McLaren convidou 100 pessoas, tipo top pib, e proprietários de Porsches, Ferrari, Maseratis, para brinde com vinho achampanhado Chandon em sua loja paulistana. Foi o Welcome Toast by Chandon. Mostrou três modelos da marca, 570S, 570GT e o novo 540C: R$ 1,9M; R$ 1,95M; R$ 2.070.

Negócio – Representação no Brasil, declinada por Nelson Piquet, acabou sendo aceita pela Eurobike — concessionária Porsche e BMW. Empresa inglesa paralela ao time de Fórmula 1, fabrica artesanalmente e com tecnologia de ponta os superesportivos. Hoje 3.300 unidades/ano, e quer chegar a 5.ooo u/a em 2023.

McLaren 540C, de menor preço, R$ 1,9M (Foto: divulgação Eurobike)

 

Canto – Jaguar contratou cantora Dua Lipa, anglo-kosovar, para lançar SUVs da linha Pace – Epace. F-Pace e I-Pace. Show em Amsterdã, 3 de setembro, 18h, vídeo no link https://youtu.be/-IacepcZNy4, webside http://www.jointhepace.com

Tapa – Nissan frustrou consumidores sendo econômica na caracterização dos March e Versa como modelia 2019. As linhas pouco atraentes estão envelhecidas, e novidade se encerra em detalhe interno, a central multimídia Multi-App com CarPlay e Androit Auto. Pouco.

P’ra cima – Mercado mundial de automóveis passou ao largo de crises latentes ou prometidas, tendo 3,6% mais vendas relativamente ao ano passado.

Mudança – Não ocidentais tomam lugar: China, Japão, Índia passaram mercados tradicionais. China pulou 4%: 12.234.244 unidades e abre vantagem sobre o ex-maior mundial, os EUA. Este, para alcançar o novo líder precisa crescer uns 50%. Japão, terceiro lugar, encolheu 2%, vendendo 2.691.064 veículos.

Aqui – Nos dados organizados pela Jato, consultoria mundial, Brasil cresceu 14% mas 9º, com 1.128.048. Governo (sic) Dilma foi âncora e marcha a ré econômica.

Cenário – Novo panorama, Índia ascendeu 16%, vendeu 1.982.442 unidades, o 4º lugar, à frente de tradicionais Alemanha, Inglaterra, França e Itália.

Produto – SUVs e que-tais continuam o segmento de maior ascensão — pouco consumidos apenas no Japão — porém 15M de unidades vendidas, 14% acima do exercício passado, é argumento para seguir o caminho.

Centenário – Ágil empresa gaúcha se espraia pelo mundo ao comemorar 100 anos. É a Iochpe – nome familiar – Maxion, agregado quando assumiu produzir os tratores Massey-Ferguson. Hoje envolvida com a fabricação de 60 milhões de rodas em 31 fábricas em 14 países. Aqui tem quatro unidades, e a mais recente, em Limeira, SP inicia produzindo 800 mil unidades/ano.

No mundo – Grande salto de crescimento foi dado em 7 anos. Em 2010 empresa faturava líquidos R$ 2,2B, destes 18% provenientes de vendas externas. Em 2017 faturou R$ 7,5B – 75,5% do exterior. Processo se dá adquirindo empresas nos

mercados focados. Presidente e executivo-chefe Marcos Oliveira não é da família, mas engenheiro ex-Philco, e o último presidente da Ford a apresentar lucros.

Marcos Oliveira, executivo-chefe da Iochpe, crescimento no exterior (Foto: Iochpe)

Tecnicidades – Experiência da Pirelli como fornecedora de pneus ao Campeonato Mundial de SuperBike permeou para as motos de rua. Acaba de misturar compostos, três na dianteira e dois para a traseira, para atender a diferentes demandas: estabilidade, durabilidade, aderência em piso seco ou molhado e desempenho esportivo.

Diablo Rosso Corsa II – É o nome, e o numeral indica evolução da primeira série, lançada há oito anos. No período o intenso desenvolvimento da eletrônica permitiu enormes ganhos de torque, potência, e o Diablo II atende a tais ganhos. Seu slogan é bem descritivo: Aceite inclinações mais agressivas.

Peculiaridade explica ter uma medida dianteira e seis traseiras.

 

Novos Mercedes-AMG, utilitários muito esportivos

Mercedes-AMG (Foto: divulgação)

Você gosta de utilitários esportivos, ou de cupê; dirige com brio; aprecia tecnologia desenvolvida para garantir segurança e esportividade; e seu porquinho da poupança está repleto? És um dos caras buscado pela Mercedes-Benz. A marca alemã homologou dois novos produtos de sua associada, a AMG, especialista em performance. São o AMG GLC 63 4Matic+ e o Coupé, únicos de porte médio com motor V-8 de 4 litros e biturbo. Potências variam de acordo com a versão. No SUV o motor exuda 476 cv; 510 no Coupé. Aceleração impactante: o SUV acelera de O a 100 km/h em 4 s e o Coupé em dois décimos menos.

Mecanicamente quase iguais, câmbio automático e tração nas 4 rodas, nove marchas, embreagem por disco submerso; trocas extremamente rápidas, suspensão por molas pneumáticas, e o eixo traseiro privilegiado com recebimento de torque mas a Mercedes aplicou um epicurismo mecânico no Coupé, o deslizamento do diferencial comandado eletronicamente — na outra versão, meio mecânico. Desenvolvimento com responsabilidade para ser compatível com rendimento e segurança. Externamente marcam-se pela grade frontal AMG Panamericana, apresentada no modelo GT.

Há outros refinamentos proporcionais à transformação do modelo Mercedes em AMG, como a capacidade de regular o som do escapamento do motor; revestimento em material assemelhado a couro; quatro regulagens para a suspensão, motor e câmbio – de Comfort a Race, quando se otimizam todas as capacidades dos conjuntos; rodas em liga leve com 21”.

Preços: Mercedes-AMG GLC 63 4Matic+, R$ 513 mil, Coupé, R$ 588 mil.

RN

A coluna “De carro por aí” é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.
(885 visualizações, 1 hoje)