O Honda City, depois das mudanças por que passou em 2014, onde, dentre outras melhorias sua distância entre eixos foi alongada em 50 mm, ficou um sedã ainda mais interessante. O espaço para os passageiros de trás é generoso. Dois adultos se acomodam atrás como em poucos grandes sedãs. Três já não, pois o City não é um carro largo, volumoso, o que é uma vantagem para o trânsito urbano. Andar no banco traseiro proporciona conforto tanto pelo espaço quanto pela suspensão macia.

Suspensão macia, prioridade para o conforto

Na verdade a traseira chega a ser macia além do ideal, pois ao viajar carregado ela tende a oscilar um pouco. Seu irmão maior, o Civic, é perfeito quanto a isso. Bastaria copiar seu acerto.

O porta-malas é enorme, 536 litros. Na verdade, volume inclui outro de 51 litros sob o tampão do estepe que constitui o assoalho do porta-malas, onde está o estepe, que é temporário; portanto, são 485 litros acima do tampão.

Mas viajando com o carro vazio não há oscilação alguma e o City é bastante estável nas retas mesmo em alta velocidade e faz curvas de qualquer raio com competência de dar gosto. Já na cidade faz jus ao nome — City —, pois ali é dos mais agradáveis. Tem tudo para isso, a começar, como já disse, pela maciez de suspensão, já que as ruas de algumas cidades correspondem a estradas de terra. Seu tamanho é ideal na cidade, pois consegue levar quatro adultos com conforto e espaço sem que seja um sedã largo para nossas faixas de rolamento cada vez mais estreitas. E é bastante silencioso, pois o câmbio automático CVT mantém a rotação do motor baixa, desde que não se imprima aceleração forte. E vale ressalvar a suavidade inerente do câmbio CVT, mais parecendo um carro elétrico.

Comandos práticos e painel de fácil visualização; ar-condicionado automático na versão testada

Esta versão testada, a EX, é a intermediária, só vem com câmbio CVT e custa R$ 79.000. Câmbio manual só na de entrada, a DX, que custa R$ 61.900.

O motor flex de 4 cilindros e 1,5 litro entrega 115/116 cv a 6.000 rpm e 15,3 m·kgf a 4.800. O torque máximo vem em giro relativamente alto, porém isso não significa que não haja consistente potência já em baixa rotação devido ao sistema i-VTEC de comando (único) variável em diagrama de abertura e fechamento, e levantamento de válvulas. Testei um Fit (mesmo motor) com câmbio manual e me encantei com a boa disposição desse motor. De ótima pegada desde baixo giro, o câmbio manual deixou o Fit parecendo um hot hatch. Só que essas boas características da entrega de potência são mascaradas pelo câmbio de relações continuamente variáveis, que com aceleração média já reduz a relação e eleva o giro às alturas sem que haja uma correspondente efetiva aceleração. Na prática, tudo bem, ele acelera com bom ímpeto; só não aproveita tudo o que esse belo motor tem a dar.

Com o câmbio manual é que este motor mostra quão apimentado que é

Como a Honda não informa aceleração e velocidade máxima, nos resta estimar: 0 a 100 km/h em 12 segundos e final de 180 km/h. Os consumos, segundo o Inmetro/PBVE, são 12,3/8,5 km/l na cidade e 14,5/10,3 km/l na estrada, consumos esses que bateram com o apurado ao longo do teste.

A posição de dirigir é das melhores, pois além de ter ampla regulagem de altura e distância do volante, há regulagem de altura do banco e de ancoragem do cinto de segurança. Faltam só maiores abas nas laterais do banco que segurem melhor o corpo nas curvas. Os pedais são  bem modulados e a direção eletroassistida de atuação indexada à velocidade é rápida e de bom peso, tanto em manobras quanto na estrada.

A visibilidade é boa, além de contar com a ajuda da câmera de ré. Faróis iluminam bem. O quadro de instrumentos é relativamente simples mas objetivo, de fácil e rápida visualização. Há fartura de porta-objetos. Só falta saída de ar-condicionado e ponto de energia para os ocupante do banco de trás. O encosto do banco traseiro facilmente rebate em divisão 60:40.

Logo se acha boa posição de dirigir, o que poupa o motorista em viagens longas

O câmbio, além da posição Drive tem o modo Sport, no qual ele fica, obviamente, mais esportivo, deixando o motor em giro mais alto e com menor descompasso entre a rotação e o ganho de velocidade. Além do modo continuamente variável, ele tem também sete marchas virtuais. São sete relações predeterminadas entre as polias do câmbio. Na posição D (Drive), em que funciona de maneira continuamente variável, ele aceita interferência dos comandos nas borboletas, onde ele baixará ou subirá “marchas”, para em 10 segundos voltar ao modo Drive automático se não houver trocas.

O câmbio tem 7 marchas virtuais, que são verdadeiramente sentidas quando em modo Manual

Já no modo S, uma vez que as borboletas sejam acionadas, ele assume o modo Manual e lá fica, só voltando ao Sport automático após a borboleta direita ser pressionada por 5 segundos. Nas reduções comandadas não há aceleração interina, daí sobrevir um leve tranco. A relação final é bastante longa, o que resulta em 2.200 rpm a 120 km/h reais.

Espaço e conforto no banco traseiro são seus pontos de destaque

Tudo considerado, o City EX mostrou ser um carros mais agradáveis para uso no dia a dia urbano. Já numa estrada não empolga, apesar de ser competente, econômico, confortável, espaçoso e prático. Qualidades não lhe faltam.

AK

Assista ao vídeo e em seguida veja a ficha técnica e a lista de equipamentos:

 

FICHA TÉCNICA HONDA CITY EX 2019
MOTOR
Tipo 4 cilindros em linha, dianteiro transversal,  4 válvulas por cilindro, bloco e cabeçote de alumínio, comando no cabeçote, corrente, variador i-VTEC de fase e levantamento conjugados, atuação direta por tuchos-copo, flex
Cilindrada  (cm³) 1.497
Diâmetro e curso (mm) 73 x 89,4
Potência (cv/rpm, G/A) 115 /116/6.000
Torque (m·kgf, G/A) 15,3/4.800
Taxa de compressão (:1) 11,4
Formação de mistura Injeção no duto
Gerenciamento do motor Honda PGM-FI
TRANSMISSÃO
Tipo do câmbio Automático CVT com trocas de marchas virtuais (7) por borboletas no volante
Conexão motor-transeixo Conversor de torque
Relações de marchas (:1) Frente 2,526 a 0,408, ré 2,706 a 1,382
Espectro (:1) 6,191
Relação de diferencial (:1) 4,992
SUSPENSÃO
Dianteira Independente, McPherson, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
Traseira Eixo de torção, mola helicoidal e amortecedor pressurizado
DIREÇÃO
Tipo Pinhão e cremalheira, eletroassistida indexada à velocidade
Voltas entre batentes 3
Diâmetro mínimo de curva (m) 10,3
FREIOS
Dianteiros (Ø mm) Disco ventilado/262
Traseiros (Ø mm) Tambor/200
Controle ABS (obrigatório) e distribuição eletrônica das forças de frenagem
RODAS E PNEUS
Rodas Liga de alumínio, 6Jx16
Pneus 185/55R16V
Estepe Temporário, roda de aço 4Tx15, pneu T135/80D15
CONSTRUÇÃO
Tipo Monobloco em aço, sedã 3-volumes, 4 portas, 5 lugares
DIMENSÕES (mm)
Comprimento 4.455
Largura sem espelhos 1.695
Altura 1.485
Distância entre eixos 2.600
Bitola dianteira/traseira 1.476/1.466
Distância mínima do solo  n.d.
PESOS E CAPACIDADES
Peso em ordem de marcha (kg) 1.137
Carga útil (kg) 383
Capacidade do porta-malas (L) 485 (+ 51 no porão do estepe, total 536)
Tanque de combustível (L) 46
DESEMPENHO
Aceleração 0-100 km/h (s, G/A) 12 (est)
Velocidade máxima (km/h, G/A) 180 (est)
CONSUMO DE COMBUSTÍVEL (INMETRO/PBEV)
Cidade (km/l, G/A) 12,3/8,5
Estrada (km/l, G/A) 14,5/l/10,3
CÁLCULOS DE CÂMBIO
v/1000 em D (km/h) 54,8
Rotação a 120 km/h (D, rpm) 2.200
GARANTIA
Termo (tempo, anos) 3

 

EQUIPAMENTOS HONDA CITY EX 2019
Abertura da portinhola do bocal de abastecimento por alavanca interna
Acionamento elétrico dos vidros um-toque para nas 4 portas
Alarme
Alto-falantes: 2 dianteiros, 2 traseiros e 4 tweeters
Apoio central de braço em couro¹
Apoio traseiro de braço com porta-copos
Ar-condicionado digital com comando na tela tátil
Áudio com visor LCD de 5 polegadas (CD/AM-FM/USB/P2/Bluetooth)
Aviso sonoro do cinto de segurança para motorista e passageiro desatados
Banco do motorista com regulagem de altura
Bancos traseiro rebatível dividido 60:40
Bluetooth com comandos de telefone no volante
Bolsas infláveis frontais (obrigatórias) e laterais
Câmera de marcha a ré multivisão com guias de referência
Chave tipo canivete com controle de abertura/fechamento das portas
Cintos de segurança traseiros de 3 pontos para todos os ocupantes
Console central com porta-copos
Controlador automático de velocidade de cruzeiro
Desembaçador do vidro traseiro
Encosto de cabeça para todos os ocupantes
Engates Isofix para dois bancos infantis
Estrutura de deformação progressiva com barras de proteção lateral
Faróis de neblina
Iluminação no porta-malas
Imobilizador de motor
Limpador de para-brisa do tipo flat blade
Luzes de rodagem diurna (DRL) em LED
Painel de instrumentos com computador de bordo multifunção
Para-brisa com faixa degradê
Para-sois com espelho para motorista e passageiro
Pinos de segurança para tapete do motorista
Porta-objetos nas portas dianteiras
Porta-revistas no dorso do encosto do banco dianteiro do passageiro
Terceira luz de freio (obrigatório)
Tomada 12 V
Trava de segurança central dos vidros traseiros
Trava de segurança para crianças na portas traseiras
Travas de portas elétricas com travamento automático acima de 15 km/h
Vidros esverdeados com filtro UV
Volante de direção ajustável em altura e distância
Volante multifuncional com acabamento em couro¹
¹Alguns itens são revestidos em couro e/ou materiais sintéticos de alta qualidade
(17.581 visualizações, 11 hoje)