A versão 1,8-l Precision do Fiat Argo ainda não é a topo de linha, lugar ocupado pela HGT. Seu preço público sugerido é R$ 68.290, porém este do teste veio equipado com Kit Parking (câmera de ré: R$ 1.600), Kit Style (rodas: R$ 2.200), Side Bags dianteiros (bolsas infláveis laterais: R$ 2.500), Kit Tech (multimídia: R$ 3.500) e pintura em branco Banquise (R$ 500), que o deixaram bastante completo e com preço de R$ 78.590; nada mau para um hatchback cujo preço da versão de entrada (motor 1- litro) é R$ 47.800.

Essa grande diferença de preço entre a versão de entrada e a topo de linha só evidencia a ampla gama de consumidores que o modelo pretende atender. Os espaços antes ocupados pelo Palio, Punto e Bravo agora cumpre só ao Argo preencher. A consequência inevitável é o antigo cliente de Palio ser mais bem atendido que antes, e o do Bravo, menos.

Veio para ocupar o espaço de três modelos

Com esta, agora testamos no uso todas as versões do Argo que combinam motor e câmbio. Inclusive a 1,8 HGT de câmbio manual coube a mim, o que é bom para agora compará-la à esta versão com câmbio automático epicíclico Aisin de 6 marchas. O motor é o E.torQ Evo de 1,8 litro (135/139 cv) que também equipa a pesada picape cabine dupla Toro (1.620 kg), portanto, potência não lhe falta para empurrar este hatch (1.264 kg) quase 400 kg mais leve.

O câmbio Aisin já é nosso conhecido, pois equipa diversos outros modelos de diversas marcas e em todas têm se saído muito bem por ser bem escalonado e programado, além de proporcionar trocas suaves. É inquestionavelmente um bom câmbio. Só o que lhe falta no caso do Argo é o modo esportivo de programação, tal como a Toro o tem. Este só tem a programação, digamos, automático Normal, ou o modo manual, onde as marchas são trocadas em sequência por meio de toques na alavanca ou nas borboletas.

A alavanca seletora do câmbio automático Aisin de 6 marchas

Na cidade ele funciona à perfeição e com foco na economia de combustível, pois o longo curso do acelerador e sua consequente baixa resposta à aceleração evita que pés direitos instáveis provoquem consumo desnecessário. Já na estrada ele fica devendo, pois requer grande movimento do pedal para que reduza marchas. Acostuma-se com isso, porém vem certo desagrado, já que é mais fácil acostumar-se com o inevitável do que com o evitável, e neste caso, para nos deixar plenamente satisfeitos bastaria a fabricante dotar o câmbio com a opção do modo Sport — tal como fez na Toro — para que nesse modo se agilizasse o comportamento do acelerador e do câmbio.

Motor 1,8 EtorQ Evo movimenta bem o Argo

O modo Manual aceita fortes reduções que elevam o giro a altas rotações, e o faz com acertada aceleração interina para que essas sejam suaves, sem tranco algum. No modo Manual ele só reduz marcha quando acelerado a pleno. Em qualquer dos modos ele sobe marcha a 6.000 rpm, ou seja, 250 rpm acima da potência máxima. Em Drive, ao se frear como diante de uma curva, o câmbio vai reduzindo marchas para que na subsequente acelerada ele já esteja na marcha correta.

Bom estradeiro, boa dinâmica, robusto e macio

Segundo a fábrica, sua velocidade máxima de 189/191 km/h é atingida em 5ª marcha com o motor a 5.450 rpm. Faz o 0 a 100 km/h em 11,1/10,4 segundos. Não é um desempenho empolgante, porém é suficiente, não desagrada de todo. Em baixa o motor é bastante silencioso e suave. Em alta seu ronco é encorpado e instigante, bem italiano.

O consumo, segundo o Inmetro, é de 10,1/7,1 km/l na cidade e 13,2/9,5 km/l na estrada. Obtive resultados um pouco melhores. A 120 km/h e em 6ª marcha o giro está a corretas 2.700 rpm. Tem o prático controle de velocidade cruzeiro; viaja bem silencioso para a categoria. Há também o desliga/liga motor nas paradas, que pode ser desligado.

Banco carece de melhor anatomia; vidro do para-brisa conta com a útil faixa degradê

E aí entramos no destaque comum a todos os Argo: bons chassi e suspensão. Esta é silenciosa, bem isolada, e que passa sensação de robustez e adequação ao nosso piso massacrante. Com monobloco rígido, sólido, e suspensão muito bem acertada, resulta num carro macio e muito bom de curva, seja esta de baixa velocidade ou alta, com comportamento previsível e certeiro, como um bom estradeiro deve ser.

Viaja bem plantado mesmo em velocidades mais altas, o que agrada e relaxa o motorista. A direção é rápida mas não excessivamente, então é fácil desenhar linhas suaves e bem traçadas no Argo. Há controle de estabilidade e tração, que podem ser desligados por meio de teclas no painel.

Volante tem regulagem de altura e distância; anatomia dos bancos pode ser melhor

O volante tem regulagem de distância e altura, porém para o meu posicionamento ideal ainda falta ele poder baixar mais um pouco. O banco tem também regulagem de altura, mas carece de maior esmero anatômico. O painel tem bom desenho e a multimídia é das que mais gosto, pois é bem visível e prática. O mostrador da multimídia tem regulagem de intensidade da iluminação e basta um toque para ser desligado. Os faróis são eficientes e há os auxiliares de neblina.

Estes instrumentos têm bom desenho

Atrás há bom espaço e conforto para dois adultos. O porta-malas é suficiente, 300 litros, e o encosto do banco traseiro rebate 60:40. O tanque de combustível é de 48 litros, o que é bom diante do contido consumo de gasolina.

Porta-malas de 300 litros e encosto rebatível dividido 60:40

Outra característica que agrada bastante, ao menos a mim, é seu tamanho. Está bem dimensionado: é pequeno o bastante para ser prático num trânsito denso de cidades grandes e amplo internamente o bastante para que pessoas que não gostam de viajar em carros pequenos se sintam bem viajando nele. É uma característica sutil, mas importante.

O Argo 1,8-l com câmbio manual é sensivelmente mais econômico na cidade e, devido ao bloqueio do conversor de torque a partir da 3ª marcha deste Aisin, é só desprezivelmente mais econômico na estrada. Em aceleração o manual tem diferença notável: 0 a 100 km/h em 9,6/9,2 segundos. Já em velocidade máxima praticamente não há diferença.

Nesta semana que passei este  Argo, ele se mostrou agradável de usar tanto na cidade quanto na estrada. É mesmo um bom contendor no seu segmento.

AK

Nota: Será gravado vídeo, a ser anexado posteriormente.

 

FICHA TÉCNICA ARGO 1,8 PRECISION AUTOMÁTICO
MOTOR
Designação 1.8 16V E.torQ VIS FLEX
Descrição 4-cil. em linha, um comando no cabeçote acionado por corrente com variador de fase, 4 válvulas por cilindro, transversal, flex
Material do bloco/cabeçote Ferro fundido/alumínio
Cilindrada (cm³) 1.747
Diâmetro x curso (mm) 80,5 x 85,8
Taxa de compressão (:1) 12,5
Potência máxima (cv/rpm, G/A) 135/139/5.750
Torque máximo (m·kgf/rpm, G/A) 18,8/19,3/3.750
Formação de mistura Injeção eletrônica no duto
TRANSMISSÃO
Câmbio Transeixo manual de 5 marchas mais ré, tração dianteira
Relações da marchas (:1) 1ª 4,459; 2ª 2,508; 3ª1,556; 4ª 1,140; 5ª 0,852; 6ª 0,672; ré 2,185
Relação de diferencial (:1) 3,683
SUSPENSÃO
Dianteira Independente, McPherson, braço triangular, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
Traseira Eixo de torção, mola helicoidal e amortecedor pressurizado
DIREÇÃO Pinhão e cremalheira, eletroassistida indexada à velocidade
Relação de direção (:1) n.d.
Voltas entre batentes 2,7
Diâmetro mínimo de curva (m) 10,5
FREIOS
Dianteiros (Ø mm) Disco ventilado/284
Traseiros (Ø mm) Tambor/203
Controle ABS (obrigatório) e EBD
RODAS E PNEUS
Rodas Alumínio, 6Jx16
Pneus 195/55R16V
CONSTRUÇÃO Monobloco em aço, hatchback, quatro portas, cinco lugares,  subchassi dianteiro
CAPACIDADES (L)
Porta-malas 300
Tanque de combustível 48
PESOS (kg)
Em ordem de marcha 1.264
Carga útil 400
DIMENSÕES (mm)
Comprimento 4.000
Largura sem espelhos 1.750
Altura 1.505
Distância entre eixos 2.521
Distância mínima do solo 157
DESEMPENHO
Aceleração 0-100 km/h (s, G/A) 11,1/10,4
Velocidade máxima (km/h, G/A) 189/191
CONSUMO DE COMBUSTÍVEL INMETRO/PBVE
Cidade (km/l, G/A) 10,1/7,1
Estrada (km/l, G/A) 13,2/9,5
CÁLCULOS DE CÂMBIO
v/1000 em 5ª (km/h) 44,6
Rotação a 120 km/h, em 6ª (rpm) 2.700
Rotação à vel. máxima, em 5ª (rpm) 5.450

 

EQUIPAMENTOS FIAT ARGO 1,8 PRECISION AUTOMÁTICO
Acionamento elétrico dos retrovisores externos com função de apontar para o solo ao engatar ré no direito
Ajuste de altura do banco do motorista
Ajuste de altura e distância do volante
Alarme
Alerta de limite de velocidade
Alerta de manutenção
Apoio de pé esquerdo do motorista
Ar-condicionado
Banco traseiro dividido 60:40
Central Multimídia Uconnect de 7” tátil com Android Auto e Apple Car Play, Bluetooth, entrada USB, sistema de reconhecimento de voz
Chave-canivete com telecomando (portas, vidros e porta-malas)
Computador de bordo
Controle de estabilidade
Controle de tração
Defletor traseiro
Desembaçador do vidro traseiro temporizado
Direção eletroassistida indexada à velocidade
Distribuição eletrônica das forças de frenagem
Engates Isofix com fixação superior para dois bancos infantis
Espelho nos para-sóis
Espelho nos para-sóis
Faróis de neblina
Iluminação no porta-malas e porta-luvas
Limpador/lavador dos vidros dianteiro e traseiro com intermitência
Luz de acompanhamento ao deixar veículo
Luz interna com temporizador
Luzes de assinatura em LED
Para-brisa com faixa degradê
Partida a frio sem injeção de gasolina
Pré-disposição para rádio (2 AF diant/tras, 2 tweeters e antena
Quadro de instrumentos de 3,5″ com relógio digital, calendário termômetro externo, multifuncional em TFT e personalizável
Repetidoras de setas nos espelhos
Rodas de liga de alumínio 6J x 16, pneus 195/55R16V
Segunda porta USB para passageiros de trás
Seta com pisca-5
Sinalização de frenagem de emergência
Sistema de monitoramento da pressão dos pneus
Tomada 12 V
Travas elétricas de portas e portinhola do bocal de combustível
Verificação do quadro de instrumentos (varredura completa do velocímetro e conta-giros)
Vidros dianteiros e traseiros com acionamento elétrico um-toque e antiesmagamento
Volante com comandos de rádio e telefone
(8.091 visualizações, 1 hoje)