Faltava o AE andar no Fox Xtreme, lançado em setembro do ano passado, juntamente com a versão Connect. O Fox data de outubro de 2003, portanto em outubro próximo completará 15 anos de mercado, com mais de 1,5 milhão de unidades produzidas. Hoje só existe nessas duas versões, ambas com motor EA111 1,6-litro, sendo só a Connect que pode vir opcionalmente com o câmbio robotizado I-Motion. O Xtreme, só manual de cinco marchas.

O Xtreme tem conotação aventureira leve, como que destinado aos consumidores jovens, mas me senti muito bem dentro dele, já que seu interior é de um carro de passageiros com carroceria hatchback normal e de muito bom gosto, por sinal.

Alguns dias com o Xtreme — como será que se pronuncia essa palavra em português, xis-treme? — mostraram um veículo muito agradável e que mostra saúde mesmo com avançada idade de projeto.

O Xtreme entre amigos numa manhã de domingo – máquinas e pessoas. Máquinas, o Etios XPlus, a Honda CB 650 F e o BMW do amigo Douglas; eu vendo o motor V-8 4,4-L turbo e ele de costas, o Arnaldo sentado no porta-malas do Etios (oculto, comendo um lanche) e o PK disparando a câmera

Os destaques vão para o motor, que tem um caráter completamente distinto do que se conhecia dele, já citei isso aqui, como no teste da Saveiro 2017 . É como se tivesse recebido melhorias, embora a fábrica negue. O que antes era um motor sem brilho agora é  de dar satisfação total. Continuam os 101/104 cv a 5.250 rpm e 15,4/15,6 m·kgf a 2.500 rpm, números que não dizem muito, mas ao dirigi-lo tem-se uma pegada em baixa convincente e uma subida de rotação rápida até o corte limpo a 6.500 rpm. São 1.250 rpm acima do pico de potência, notável.

O motor EA111 1,6 é como o vinho, quanto mais velho, melhor

Mas bom mesmo foi constatar que o câmbio é um 4+E na sua plenitude, coisa de velhos tempos no Brasil. O alcance das marchas o mostra bem, considerando esticá-las a até 6.000 rpm: 1ª 45 km/h, 2ª 81, 3ª 132 e 4ª 180 km/h, a velocidade máxima, a 5.470 rpm, 220 rpm acima da rotação de potência máxima. Perfeito!

Gráfico dente de serra do Fox Xtreme

Em quinta marcha a 120 km/h reais o motor vai quieto a 2.850 rpm. Isso apenas corrobora minha opinião de que seis marchas com os motores modernos e bons como esse “velhinho”, que já completou 22 anos de vida (foi o primeiro motor da fábrica de motores VW em São Carlos, no interior paulista) são dispensáveis. Uma pena é não lhe terem aplicado o sistema de partida a frio, quando com álcool no tanque, que dispensa injeção de gasolina.

Como pesa apenas 1.114 kg, acelera de 0 a 100 km/h em 11,4/11 segundos e alcança 179/180 km/h, mesmo que seu coeficiente aerodinâmico seja relativamente alto, 0,37. Seu consumo oficial Inmetro/PBVE é 11,3/7,7 km/l na cidade e 13,3/9,2 km/l. na estrada. Ajuda o bolso.

E o resto do Fox? Anda certo, os pneus são 195/50R16V, Pirelli P7 nesse carro. A direção eletroassistida é irrepreensível na indexação à velocidade e sua relação de 14,9:1 está no ponto certo para o tipo do carro, com 2,9 voltas entre batentes.  O diâmetro mínimo de curva é que poderia ser algo menor, 10,9 metros é um tanto grande para um carro de 2.467 mm entre eixos.

O rodar é mais para o macio, o que é adequado para os pisos irregulares que tanto incomodam. Mas o comportamento em curva não sofre com isso, nota-se o DNA da marca presente agindo  em favor do motorista. A suspensão é o tradicional binômio McPherson/eixo de torção dianteira/traseira.

Dirigi-lo é agradável. O quadro de instrumentos “Wolfsburg” adotado em outubro de 2009 mudou o caráter do Fox (o primeiro era horroroso). Elogiar o comando de câmbio é redundância, e poder efetuar o punta-tacco sem precisar pensar dá satisfação.

O projeto do Fox, assinado pelo Luiz Alberto Veiga (que está escrevendo para  o AE todo sábado às 10hoo), é de ponto H elevado, banco mais distante do assoalho do que a média dos automóveis. Se isso foge do conceito “esportivo”, compensa pela melhor habitabilidade e facilidade de entrar e sair (a altura do Xtreme, com as barras de teto longitudinais, é de 1.557 mm).

O espaço interno é decididamente bom, dois passageiros no banco de trás vão folgados (três com algum contato entre eles). O porta-malas está apenas na média, com 270 litros. Um aspecto bom é o banco traseiro ser rebatível por completo (encosto e assento), embora seja inteiriço; quando dividido é vantajoso sempre.

O Fox Xtreme custa R$ 54.990, vem completo e não tem nenhum item opcional. As cores sólidas são branco Puro (a do carro testado), preto Ninja e vermelho Tornado, sem custo adicional. Há as metálicas cinza Platinum e prata Sargas, por R$ 1.431.

Dê o leitor ou leitora uma lida na lista de equipamentos do Xtreme, após a ficha técnica, para ver o quão recheada é.

“Afaste-se do carro para eu fazer a foto, Bob” – disse o PK

Fala-se muito no fim do Fox, mas o modelo ainda tem admiradores, vendeu 9.000 unidades no primeiro trimestre. Não foi por acaso. Quem não fizer questão de um carro moderno e nem de controle de estabilidade e tração, não terá do que se arrepender.

BS

Nota: há vídeo, que será integrado a esta matéria posteriormente.

(Atualizado em 20/4/18 às 10h00, correção de texto no trecho do câmbio)

FICHA TÉCNICA FOX XTREME 1,6
MOTOR
Designação EA111 MSI
Tipo 4 cilindros em linha, comando no cabeçote, correia dentada, 2 válvulas por cilindro, acionamento indireto por alavancas-dedo com fulcro hidráulico, dianteiro transversal, flex
Material do bloco/cabeçote Ferro fundido/alumínio
Diâmetro x curso (mm) 76,5 x 86,9
Cilindrada (cm³) 1.596
Aspiração Atmosférica
Taxa de compressão (:1) 12,1
Potência máxima (cv/rpm, G/A) 101/104/5.250
Torque máximo (m·kgf/rpm, G/A) 15,4/15,6/2.500
Corte de rotação (rpm) 6.500
Formação de mistura Injeção no duto
Gerenciamento do motor Magneti Marelli 9GV
Comprimento da biela (mm) 138
Relação r/l 0,314
Partida a frio com álcool no tanque Injeção automática de gasolina
TRANSMISSÃO
Câmbio Transeixo manual de 5 marchas à frente + ré, tração dianteira
Relações de transmissão (:1) 1ª. 3,769:1; 2ª. 2,095:1; 3ª. 1,281:1; 4ª.0,861:1; 5ª. 0,673:1; ré 3,182:1
Relação do diferencial (:1) 3,882
FREIOS
De serviço Hidráulico, duplo circuito em diagonal, servoassistido, ABS (obrigatório) e EBD
Dianteiros (Ø mm) Disco ventilado/256
Traseiros (Ø mm) Tambor/200
SUSPENSÃO
Dianteira Independente, McPherson com subchassi, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
Traseira Eixo de torção, mola helicoidal e amortecedor pressurizado
DIREÇÃO
Tipo Pinhão e cremalheira eletroassistida
Diâmetro mínimo de curva (m) 10,9
Relação de direção (:1) 14,9
N° de voltas entre batentes 2,9
RODAS E PNEUS
Rodas e pneus Alumínio 6Jx16
Pneus 195/50R16V (Pirelli Cinturato P7)
Estepe 195/55R15H Pirelli Cinturato P7, roda de aço
PESOS (kg)
Em ordem de marcha 1.114
Carga máxima 406
Carga máxima rebocável sem/com freio 400/400 rampa até 12%
DIMENSÕES EXTERNAS (mm)
Comprimento 3.867
Largura com / sem espelhos 1.663/1.904
Altura 1.557
Distância entre eixos 2.467
Bitola dianteira/traseira 1.426 / 1.420
AERODINÂMICA
Coeficiente de arrasto (Cx) 0,371
Área frontal (m²) 2,18
Área frontal corrigida (m²) 0,509
CAPACIDADES (L)
Porta-malas 270
Tanque de combustível 50
Reservatório de gasolina do sistema de partida a frio 0,7
DESEMPENHO
Velocidade máxima 179/180
Aceleração 0-100 km/h (s, G/A) 11,4/11
CÁLCULOS DE CÂMBIO
Velocidade por 1.000 rpm em 5ª (km/h) 42,1
Rotação a 120 km/h em 5ª (rpm) 2.850
Rotação à velocidade máxima. 4ª (rpm) 5.470
Alcance das marchas a 6.000 rpm (km/j) 1ª 45; 2ª 81; 3ª 132; 4ª 180

 

EQUIPAMENTOS FOX XTREME 1,6
Adesivo com inscrição XTREME nas portas traseiras e de carga
Acendimento automático do quadro de instrumentos ao abrir a porta do motorista
Acionamento elétrico de todos os vidros, um´toque dianteiros
Alarme com comando remoto
Alças de teto (4)
Alto-falantes (4) e tweeters (2)
Antena no teto
Ar-condicionado com filtro de poeira e pólen
Banco do motorista com ajuste milimétrico de altura
Banco traseiro inteiriço rebatível (encosto e assento)
Bolsas infláveis frontais (obrigatórias)
Câmera traseira
Chave tipo “canivete” com comando remoto
Cintos de segurança dianteiros com pré-tensionador e limitador de carga, e ajuste de ancoragem na coluna
Cintos de segurança laterais traseiros de três pontos, central subabdominal
Colunas centrais externas com aplique preto
Controle automático de velocidade de cruzeiro
Defletor traseiro em preto brilhante
Desembaçador traseiro
Dois apoios de cabeça no banco traseiro com ajuste de altura
Espelhos retrovisores externos com ajuste elétrico e função de abaixar orientação no direito ao engatar ré
Espelhos retrovisores externos com repetidoras de seta
Estrados (racks) de teto longitudinais
Faróis auxiliares com tripla função: neblina, longo alcance e luz de curva
Faróis duplos com máscara escurecida
I-System com Eco-comfort” – computador de bordo
Lanternas traseiras escurecidas
Lavador e limpador do vidro traseiro
Limpador do para-brisa com temporizador
Luz de leitura dianteira
Moldura nas laterais e caixas de roda
Palhetas do limpador de para-brisa com desenho aerodinâmico
Para-choques na cor do veículo com detalhes em “Chrome effect”
Para-sóis com espelho
Porta de carga com abertura por controle remoto
Quadro de instrumentos com conta-giros, velocímetro, termõmetro do líquido de arrefecimento e marcador do nível de combustível
Rodas de alumínio de 16″ “Modena” com fixação por 5 parafusoe e pneus 195/50R16V
Sensores de estacionamento traseiro
Sistema de áudio com tela tátil “Composition Touch” com App-Connect
Tomada de 12 V no console central
Travamento elétrico das portas de passageiros e de carga com controle remoto
Volante de direção com ajuste de altura e profundidade
Volante multifuncional revestido de couro com apliques e comandos do sistema de áudio e do “I-System”
(28.410 visualizações, 2 hoje)


Sobre o Autor

Bob Sharp
Editor-Chefe

Um dos ícones do jornalismo especializado em veículos. Seu conhecimento sobre o mundo do automóvel é ímpar. História, técnica, fabricação, mercado, esporte; seja qual for o aspecto, sempre é proveitoso ler o que o Bob tem a dizer. Faz avaliações precisas e esclarecedoras de lançamentos, conta interessantes histórias vividas por ele, muitas delas nas pistas, já que foi um bem sucedido piloto profissional por 25 anos, e aborda questões quotidianas sobre o cidadão motorizado. É o editor-chefe e revisor das postagens de todos os editores.

Publicações Relacionadas