A missão do Tiggo 2 é ambiciosa, bem maior que seu grande porta-malas (para 420 litros). Ele é o primeiro produto de uma linha que pretende relançar a marca chinesa Chery, agora em associação com a brasileira Caoa.

E tudo recomeça com um SUV compacto (4,20 m de comprimento), recém-lançado em duas versões com preços atraentes para a categoria: o mais básico Look, por R$ 59.990, e o topo de linha ACT custando R$ 64.490. Ambos com câmbio manual de cinco marchas, com promessas de um automático (ou CVT) até o final deste semestre.

Mais que um novo SUV em uma categoria que oferece dezenas de opções, o Tiggo 2 inicia uma difícil missão: a de fazer da Chery uma marca confiável e competitiva no Brasil, depois do fracasso da primeira tentativa dos chineses, que inclusive montaram uma moderna, e ociosa, fábrica em Jacareí, no estado de São Paulo.

Missão do Tiggo 2 é começar a mudar uma marca que agora será Caoa-Chery

Praticamente desistindo do mercado brasileiro, a Chery encontrou na Caoa o melhor parceiro para uma nova tentativa. Carlos Alberto de Oliveira Andrade, presidente e único proprietário da empresa que tem suas iniciais, traz uma longa e bem-sucedida experiência no ramo. Trouxe para o Brasil, com sucesso, a francesa Renault e a coreana Hyundai, ainda nos anos 1990, além de outras marcas de nicho como a japonesa Subaru.

Comprando a operação da Chery no Brasil e formando a nova operação Caoa Chery, o “doutor” (como é chamado internamente devido à sua formação em medicina) também tem larga experiência em vendas. Ele também é proprietário de centenas de revendas de várias marcas. Além disso, tem outra fábrica em Anápolis, Goiás, inaugurada em 2007.

Segundo ele, as fábricas tanto Jacareí como Anápolis serão usadas para produção de modelos da Chery. O Tiggo 2 será seguido por três novos modelos ainda este ano.

Como todo SUV, ou crossover, sua principal vantagem é enfrentar melhor os buracos das ruas

As cerca de 20 revendas Chery deverão mais que dobrar, também em 2018, chegando rapidamente a cerca de 50 pontos de venda.

Sabedor da desconfiança em relação a produtos de origem chinesa, a Caoa ataca com o melhor argumento para mostrar confiabilidade: o Tiggo 2 estreia com três anos de garantia, mais dois anos para motor e câmbio.

E, claro, o próprio veículo deve mostrar que o negócio e a marca mudaram: seu acabamento e montagem subiram de nível, inclusive com gaps (vãos) entre portas e carroceria bem definidos e precisos. Parece que Chery ganhou em qualidade ao produzir modelos da Jaguar e Land Rover na China.

Ou seja, esqueça o Tiggo “1”, que inclusive era outro carro, maior e com acabamento bem rústico.

A única similaridade é o fato do Tiggo 2 ser também um SUV, porém com plataforma e parte da mecânica herdadas do sedã Celer, antes feito em pequena escala na então ociosa fábrica de Jacareí. Aliás, uma receita de projeto já tradicional, que começou com o Ford EcoSport feito com plataforma e mecânica herdada do Fiesta.

Motor é o mesmo do Celer repontenciado: ganhou 2 cv de potência e o torque máximo surge em menores rotações

O Tiggo 2 usa o motor 1,5 flex 16V do Celer repotenciado, com comando duplo variável e nova programação de gerenciamento eletrônico. Entrega 110/115 cv a 6.000 rpm, potência bem razoável para o peso do Tiggo 2 (1.240 kg). Mas o torque de 13,8/14,9 m·kgf a 2.700 rpm é apenas o suficiente para empurrar este sino-brasileiro. Ou seja, está longe de justificar o S (de Sport) na sigla SUV. Com tração apenas na dianteira, o Tiggo 2 está mais para crossover.

Em relação ao motor do Celer, no Tiggo 2 são 2 cv a mais e o torque máximo aparece em rotação mais baixa, o que o torna mais agradável de dirigir.

A v/1000 em quinta é 36,3 km/h, fazendo o motor girar a 3.300 rpm a 120 km/h “GPS”, mostrando bom cálculo do câmbio. A velocidade máxima é obtida em 4ª marcha, motor entrando no corte a 6.500 rpm.

Ganhou também em consumo, fazendo 10,9/7,7 km/l na cidade e 12,3/8,6 km/l na estrada, segundo o Inmetro.

Ou seja, o motor não foi muito otimizado para o combustível de origem vegetal.

Painel tem fácil leitura e a posição para dirigir é ergonômica. Banco do motorista regula também altura

Seu principal concorrente entre os compactos de entrada é exatamente outro chinês, o JAC T40. Aliás, concorrente e aliado, já que as duas marcas tem juntas a missão de melhorar a imagem dos produtos chineses.

O Tiggo 2 conta com computador de bordo e instrumentos com ponteiros. Mas o conta-giros gira no sentido anti-horário, muito esquisito

E, pelo menos em acabamento e visual, o Chery Tiggo 2 está bem alinhado com o JAC T40, além de atuarem na mesma faixa de preço. Aliás, também o Chery traz a proposta de desenho europeu, mostrando um conjunto visual bastante agradável e atraente para quem gosta da categoria.

Claro, a estratégia de marketing também é semelhante e o Tiggo 2 já vem bem equipado mesmo na versão Look de entrada: rodas 16″, direção com assistência hidráulica (poderia ser elétrica), ar-condicionado, computador de bordo, conjunto  elétrico (portas e vidros), ABS/EBD, ajuste de faróis, DRL (LEDs de rodagem diurna), controle de pressão de pneus, engates Isofix, entre outros.

Já o ACT acrescenta várias miçangas eletrônicas, como volante multifuncional, câmera de ré, controle de estabilidade/tração, assistente de partida em rampa e central multimídia de 8″ com espelhamento para celular e Bluetooth, além de teto solar elétrico.

Tem bom porta-malas para um compacto (420 litros) e o encosto traseiro rebatível é dividido 60:40

Rodando, o Tiggo 2 é bastante obediente e agradável, com um interior bem-acabado e de bom gosto. As reações ao volante são rápidas, inclusive pelo fato do carro ser relativamente baixo para a categoria (1,570 mm). O painel é de fácil leitura, tem boa ergonomia (banco do motorista com regulagem de altura) e os poucos ruídos aerodinâmicos em maior velocidade são aceitáveis, principalmente pelo preço do Tiggo 2.

Enfim, fornece todas as “emoções” de se dirigir um SUV: as mais destacadas sempre são a capacidade de enfrentar buraqueira das ruas e de oferecer uma posição “altinha” ao volante. Voilá, ‘tá tudo lá.

Começando com este SUV compacto, são grandes as ambições da Caoa. Além da escolha de novos produtos e cuidados com acabamento e qualidade, a ideia é dar grande atenção ao pós-venda, peças de reposição, além de treinamento de pessoal e revendas bem equipadas. Tudo isso — somado aos três novos modelos Chery que serão lançados ainda este ano — faz a Caoa pretender conquistar cerca de 1% do mercado brasileiro a cada ano de atividade, até chegar aos 5% ou 6%.

Bancos confortáveis trazem revestimento em tecido e “couro” sintético mesmo na versão de entrada

Não é pouco, principalmente para uma marca que terá de ser refeita, já que a atuação da Chery no Brasil, desde 2010, ficou bem longe do sucesso.

Claro que a Caoa, com seu know-how na comercialização e assistência técnica, deve fazer uma grande diferença. De qualquer forma, será uma batalha muito interessante de ser acompanhada, principalmente agora que não mais temos uma genial Dilma no poder que, na sua sabedoria, conseguiu ver uma “invasão chinesa” com a chegada da JAC alguns anos atrás. Mesmo assim, cautelosamente o doutor Carlos Alberto não cansa de afirmar que a marca é brasileira. Com direito a logotipo duplo (Caoa Chery) e também a ter sotaque do interior paulista ou goiano.

JS

 

FICHA TÉCNICA CHERY TIGGO 2
MOTOR
Tipo 4-cilindros, bloco de ferro fundido, cabeçote de alumínio, duplo comando de válvulas com variador de fase na admissão, 4 válvulas por cilindro, flex
Posição Transversal, dianteiro
Diâmetro x curso (mm) 77,4 x 79,52
Cilindrada (cm³) 1.496
Taxa de compressão (:1) 10,5
Potência (cv/rpm, G/A) 110/115/6.000
Torque (m·kgf/rpm, G/A) 13,8/14,9/2.700
Formação de mistura Injeção no duto
Ignição Eletrônica digital incorporada ao sistema de injeção
TRANSMISSÃO
Tipo Transeixo dianteiro com câmbio manual de 5 marchas à frente mais ré; tração dianteira
Relações de transmissão (:1) 1ª 3,545; 2ª 2,050; 3ª 1,346; 4ª 0,969; 5ª 0,725; ré 3,364
Relação do diferencial (:1) 4,500
FREIOS
De serviço Servoassistidos, ABS (obrigatório)
Dianteiro A disco ventilado
Traseiro A disco
SUSPENSÃO
Dianteira Independente, McPherson, braço triangular, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
Traseira Eixo de torção, mola helicoidal e amortecedor pressurizado
DIREÇÃO
Tipo Pinhão e cremalheira, assistência hidráulica
Diâmetro mínimo de curva (m) n.d.
RODAS E PNEUS
Rodas Alumínio, 6J x 16
Pneus 205/55R16
CONSTRUÇÃO
Tipo Monobloco em aço, crossover, 4 portas, 5 lugares
PESOS (kg)
Em ordem de marcha 1.240
Carga máxima n.d.
DIMENSÕES (mm)
Comprimento 4.200
Largura sem espelhos 1.760
Altura (vazio) 1.570
Distância entre eixos 2.555
Distância mínima do solo 186
ÂNGULOS (º)
Entrada 29,3
Saída 31,6
Transposição de obstáculo 16,7
 CAPACIDADES (L)
Compartimento de bagagem 420
Tanque de combustível 50
DESEMPENHO
Velocidade máxima (km/h) 175
Aceleração 0-100 km/h (s) 13
CONSUMO DE COMBUSTÍVEL INMETRO/PBEV (km/l)
Cidade (G/A) 10,9/7,7
Estrada (G/A) 12,3/8,6
CÁLCULOS DE CÂMBIO
v/1000 em últ. marcha ( km/h 36,3
Rotação a 120 km/h, últ. marcha (rpm) 3.300
Rotação à vel. máxima em 4ª (rpm) 6.500
GARANTIA
Veículo todo (anos) 3
Motor e câmbio  (anos) 5

 

EQUIPAMENTOS CHERY TIGGO 2
Look ACT
MOTOR
1,6 VVT flex
ACABAMENTO EXTERIOR
Defletor traseiro
Desembaçador do vidro traseiro
Lavador/limpador do vidro traseiro
Luz de rodagem diurna (DLR)
Rack (estrado) de teto longitudinal
Repetidoras de setas nos espelhos
Rodas de liga de alumínio 16″ polidas
ACABAMENTO INTERIOR
Bancos em couro/”couro” sintético
Bancos em tecido e “couro” sintético
Iluminação do porta-malas
Para-sóis com espelho
Porta-copos dianteiro/traseiro
Volante revestido de couro
SEGURANÇA
Ajuste de altura dos cintos de segurança dianteiros
Alarme
Apoios de cabeça no banco traseiro (3)
Aviso sonoro de cinto de segurança do motorista e passageiro desatado
Bolsa infláveis frontais (obrigatórias)
Cintos de segurança traseiros de 3 pontos (3)
Controle de estabilidade e tração
Engates Isofix para dois bancos infantis
Freio a disco nas quatro rodas
Imobilizador de motor
Luz traseira de neblina
Sistema de monitoramento da pressão dos pneus
CONFORTO E TECNOLOGIA
Acionamento elétrico dos vidros das janelas
Ajuste de altura do banco do motorista
Ajuste de altura do volante de direção
Ajuste elétrico dos retrovisores externos
Ar-condicionado automático
Assistente de partida em aclives
Bluetooth
Câmera traseira
Central multimídia de 8″ com espelhamento de celulares Android e iOS
Computador de bordo
Controlador de velocidade de cruzeiro
Direção com assistência hidráulica
Entrada USB
Função ECO
Indicador de velocidade-limite
Quatro alto-falantes
Sensores de estacionamento traseiros
Teto solar elétrico
Tomada 12 V
Travamento elétrico de portas e porta de carga com controle remoto
Volante multifuncional
(12.794 visualizações, 1 hoje)