O Ford Focus 2019 foi mostrado nessa terça (10) simultaneamente em Xangai e Londres, sendo o hatchback e a perua na capital britânica e o sedã na China. Na Europa começa a ser vendido em julho próximo.

Para a Europa, continuará a ser fabricado em Saarloius, Alemanha, e o mercado americano terá carros importados da China. Para o Brasil nada foi divulgado até o momento.

O desenho e a engenharia do carro foram feitos no Centro de Tecnologia alemão, em Colônia, partindo da arquitetura C2 que é mundial da Ford. Um carro ser desenvolvido na Alemanha é garantia certa de ser ótimo para se dirigir, como são todos os Focus desde 1998. Naquele primeiro modelo, Mark I, abreviado Mk I como dizem os britânicos, o hatchback médio padrão passou a ser percebido de maneira diferente. O Focus foi radical no estilo, e era brilhante para dirigir. Depois dele, vieram seis milhões de unidades nas três gerações, em todo o mundo.

Agora na quarta evolução completa o carro sobe de padrão novamente, com quatro versões com diferenças notáveis, pois há grades e capas de para-choques que os diferenciam por fora, e acabamentos internos também.

Titanium será o padrão para a Europa, Vignale o luxuoso, Active terá adendos plásticos, racks no teto e suspensão elevada, e o ST a versão esportiva. Ainda não se falou nada oficialmente sobre o RS. Como tradicionalmente ocorre, ele só virá bem depois.

O carro tem capô mais longo com as colunas dianteiras (A) mais recuadas, teto mais baixo em 15 mm, entre-eixos maior em 53 mm (2.701 mm agora) e, por consequência, maior espaço interno para quem senta atrás, com 56 mm a mais para os joelhos. Apenas mais 18 mm no comprimento para o hatch, porém.

Os pesos não foram divulgados, mas igualmente equipado, deve ser 88 kg mais leve. Essa informação não é exata, pois os carros estão no final do processo de certificação com os governos ainda.

Cuidados na aerodinâmica incluem cortinas de ar nas rodas dianteiras, parte inferior coberta em todo lugar possível, inclusive suspensão traseira, grade de radiador com aletas ativas para evitar excesso de ar dentro do cofre do motor e vários detalhes de estilo com transições para evitar turbulências. O coeficiente de arrasto (Cx) é de 0,273 para o hatchback cinco-portas. Não há carroceria de três portas, como em outras marcas que estão fazendo a mesma coisa.

Por dentro, o painel é todo novo, com revestimento espumado, e há head-up display para mostrar informações acima do quadro de instrumentos, aumentando a segurança ativa.

O sistema de mídia é o Sync 3 já presente em outros modelos, e pode-se espelhar os telefones a bordo pelo sistema CarPlay, com informações transferidas para a tela de 8 polegadas. Há carregamento de telefones por indução, no console. Além disso, com a presença de um cartão SIM, o carro pode receber aplicativos de compras e de navegação, por exemplo, o que permite ser localizado facilmente via telefone, além de servir como ponto de Wi-Fi. Portas podem ser fechadas ou abertas a distância e também ligar aquecimento ou ar-condicionado com programação de horário.

Sistemas de segurança foram adicionados, como frenagem de emergência automática ante obstáculos, pedestres e bicicletas, ou desvio quando possível. Radares e sensores ultrassônicos fazem a rede de informações para os computadores que trabalham nessas funções.

Os faróis são em LED, e adaptativos para curvas e distâncias, se não houver carro em sentido contrário, os fachos altos são acesos automaticamente.

No chassis, como sempre trabalho bem feito. McPherson na frente, com as habituais calibrações cuidadosas para conforto e grande estabilidade que é padrão no Focus. Os modelos mais simples tem agora eixo de torção atrás, e os mais potentes mantém a multibraço, com braços curtos e longos abreviados SLA (short and long arms). A perua tem multibraço diferente devido à capacidade de carga maior, com amortecedores mais inclinados para menos intrusão no porta-malas. Há em algumas versões amortecedores adaptativos.

Os motores evoluíram a partir dos anteriores, e há o 3-cilindros de um litro (85 , 100 e 125 cv),  outro de 1,5 litro (120 ou 182 cv),  diesel 1,5-litro de 95 ou 120 cv e 2-litros de 150 cv. A versão esportiva ST usa o 1,5-litro tricilindro de 182 cv.

O câmbio automático é epicíclico de oito marchas, e o manual é de seis marchas.  Ainda não há versão com tração nas quatro rodas, mas o aventureiro Active deverá tê-la, mas com motores elétricos para as rodas traseiras. O mesmo arranjo deverá vir no RS, estimado para 2020, e com cerca de 400 cv.

Hoje o Fiesta é carro mais vendido da Ford na Europa, com o Focus em segundo lugar. Nas vendas totais, considerando todas as marcas, o Focus ficou em quarto lugar ano passado, com 212.806 unidades. O novo carro deverá ter números mais baixos, pela grande velocidade em que os SUVs se alastram e também porque a Ford já divulgou que o carro teve seu padrão elevado, e o preço será maior do que hoje, mas não divulgou valores.

Galeria de fotos:

JJ

(2.097 visualizações, 1 hoje)