O  Peugeot 5008 foi apresentado nessa segunda (19), em um trajeto de estrada de cerca de 250 quilômetros. Depois das reações positivas a respeito do irmão menor, o 3008, era lógico aguardar a chegada do carro com mais 165 mm de entre-eixos, bancos traseiros individuais e mais dois pequenos bancos no porta-malas, para levar até sete pessoas.

Todas as boas características do 3008 se repetem nesse carro, apenas podendo-se notar uma agilidade minimamente reduzida, devido a ser um carro um pouco mais longo e levemente mais pesado, apenas 65 kg na verdade. Essa diferença não prejudica em nada o comportamento dinâmico excelente do carro, que será melhor sentido quando da avaliação “no uso” que fazemos no AUTOentusiastas.

São apenas duas versões, a Griffe e a GriffePack, esta diferenciada externamente pelos retrovisores e teto em acabamento preto brilhante, além do sistema ADAS, o mesmo mostrado há alguns meses no 3008.

Algumas diferenças em relação ao 3008 são as mesinhas dobráveis nos encostos dos bancos dianteiros, dois porta-objetos no assoalho, fechados com tampa (lembram os do primeiro Citroën Picasso), cortinas retráteis nas portas traseiras, controle de velocidade do ventilador do ar-condicionado para as duas saídas no console e a maior delas, a individualização dos bancos da segunda fileira, que são reguláveis em inclinação do encosto em cinco posições,  podem ser rebatidos ou regulados em distância em um curso de 150 mm, para acomodar pessoas de diferentes estaturas, ou bagagens maiores do que podem ser acomodadas no porta-malas.

O 5008 tem a adição da terceira fileira de bancos, estes menores e menos confortáveis, que podem tanto ser dobrados e ficar embutidos no assoalho, sem degraus no porta-malas, que faz o volume chegar a 780 litros. Se esses dois bancos forem removidos — eles pesam apenas 11 kg cada um, mais 60 litros podem ser usados para carga, no pequeno porão no assoalho.

Para se chegar a esses dois bancos, os da segunda fileira rebatem para a frente para abrir passagem, não muito grande. A altura do piso do porta-malas em relação ao solo é de 676 mm, e quem tem pernas mais compridas pode entrar também pela quinta porta.

Com a terceira fileira removida e os três bancos da segunda fileira baixados, o volume é de 1940 litros até a linha de base dos vidros (linha de cintura), ou enormes 2.150 litros se for carregado até o teto. Com todos os bancos na posição de uso, o espaço é bem menor, 237 litros, mas ainda suficiente para algumas bolsas ou mochilas pequenas.

Externamente, o estilo é idêntico ao 3008 até a coluna B. O entre-eixos, maior em 165 mm, vai a 2.840 mm, contra 2.675 mm do 3008, mostram que o espaço interno foi privilegiado no projeto, exatamente o que acontece na realidade.

Para deixar o 5008 com aparência equilibrada, tudo que precisava ser diferente em relação ao 3008 foi feito, como teto, vidros laterais, vidro vigia bem mais próximo da vertical, portas traseiras, linha de cintura, para-lamas traseiros, para-choque traseiro, lanternas, molduras e tudo mais. Trabalho extenso e muito bem feito, resultando em um carro que poucos poderão não classificar como muito bonito.

Apenas repetimos aqui o ADAS – Advanced Driver Assistance System, sistema avançado de assistência ao motorista, que é composto dos seguintes itens:

• Frenagem automática de emergência e alerta de colisão
• Alerta  ativo  de transposição involuntária de linhas de sinalização de solo, com correção
• Detector de fadiga  do condutor
• Comutação automática de farol alto/baixo
• Leitor das  placas de limite de velocidade
• Controle de velocidade de cruzeiro adaptativo inteligente, com sistema de parada
• Sistema ativo de vigilância de ponto cego
• Visiopark com novas características do sistema de ajuda a manobras, através da câmera de ré.

Esses sistemas estão explicados na matéria do 3008 GriffePack, e repetíi-los aqui seria enfadonho. Utilizamos esses recursos em todo o trajeto, e ele ajuda principalmente quando se deixa o carro tendendo a sair da faixa de rolamento. Houve várias vezes em que o sistema funcionou mesmo com a pintura de solo danificada.

O motor e câmbio são os mesmos do 3008, o conhecido 1,6 THP de 165 cv, apenas a gasolina, com câmbio automático de seis marchas. As suspensões tiveram pequenos ajustes de calibração de amortecedores, principalmente na traseira, onde o carro concentra mais peso. De resto, tudo idêntico ao 3008.

Os números de desempenho não foram divulgados, mas devem ser apenas um pouco piores que os do 3008, já que o 5008 é um pouco mais pesado, sendo a influência mais sentida em acelerações. Velocidade máxima é pouco influenciada pelo peso, sendo a aerodinâmica mais importante nessa medição. O consumo segundo normas do Inmetro mostra 9,5 km/l na cidade e 12,1 km/l na estrada.

O preço das duas versões está nas fotos abaixo, com o detalhe da promoção de lançamento.

JJ

(1.981 visualizações, 1 hoje)