A Ford lançou esta semana o EcoSport Storm 2,0 4WD, a versão aventureira que faltava na linha. Foi desenvolvido exclusivamente para o mercado brasileiro e, fora os detalhes decorativos habituais, o Storm tem tração nas quatro rodas do tipo sob demanda. O câmbio é o mesmo automático epicíclico de seis marchas introduzido na linha 2018. A apresentação à imprensa foi em Porto Feliz (SP).

O preço de lançamento é R$ 99.990, único, sem opcionais. Mas a dotação de equipamentos do Storm, lançado já como ano-modelo 2019, é significativa e pode ser vista na extensa lista em seguida à ficha técnica.

À primeira vista, o estepe pendurado na tampa do porta-malas ficou mais coerente nesta proposta  do Storm — tempestade, em inglês —, que vem todo decorado com adesivos e vários outros apliques de acabamento,  nas caixas de roda, nos para-choques e nas laterais do veículo, entre outros.

O EcoSport Storm parece mais encorpado e realmente é maior que os outros modelos da linha: tem 88 mm a mais no comprimento (4.357 mm) e é 20 mm mais largo sem os espelhos (1.785 mm). As rodas com acabamento em prata Magnetic posicionadas mais para fora da carroceria contribuem para aumentar a musculatura do veículo.

Cor de lançamento marrom Trancoso, a que melhor casou com a proposta do Storm

Sob a minha ótica, as novas rodas de 17 polegadas com pneus 205/50R17 (mesma medida do Titanium 2,0) se apresentam um pouco pequenas com relação ao volume do veículo, acentuado no visual do Storm. Creio que um pneu com perfil mais alto, por exemplo, o 205/55R17, o visual ficaria melhor em termos de proporção. Outra possibilidade seria adotar rodas de 18 polegadas, que cairiam bem em termos de aparência. De fato, os suves do mercado tendem para rodas grandes, 18″ ou até mais, pois a aparência de robustez é maior.

A grade dianteira, inspirada na picape F-150 Raptor americana, ganhou o nome STORM em letras de corpo bem grande, chegando a deixar o oval Ford em segundo plano. Creio que uma melhor solução teria sido aplicar o oval no capô, esteticamente melhor.

Disponível em quatro cores, branco Ártico, preto Bristol, prata Dublin e marrom Trancoso, o Storm se apresenta visualmente bem diferente em estilo para cada uma delas. A que melhor se destacou, em minha opinião, foi a marrom Trancoso, muito bonita por sinal, dando um contraponto aos adereços da carroceria. O branco fica muito poluído pelo contraste com os adereços escuros. Chamou-me a atenção o bom acabamento da carroceria com folgas bem resolvidas e com uma pintura de excelente qualidade.

O estrado (rack) de teto é muito bem-acabado e dá uma fluidez interessante ao perfil do veículo. O teto solar é de série.

O interior todo monocromático na cor preta, o teto inclusive, passa um pouco de claustrofobia aos ocupantes. Alguns detalhes na cor laranja abrandam um pouco esta sensação. Imagine-se a temperatura interna do veículo, estacionado ao sol em verão brasileiro.

Interior preto com alguns detalhes na cor laranja (Foto: divulgação)

 

Andando com o Storm

A posição de dirigir é bem favorável e complementada pelo ajuste do volante em altura e distância. O ajuste longitudinal do banco do motorista é manual, mas bem poderia ser elétrico, como na versão de exportação para os Estados Unidos. O roteiro de teste de apresentação escolhido pela Ford consistiu de longos trechos de terra batida com pedras, buracos e irregularidades, e também asfalto,  este basicamente a Rodovia Castello Branco. Foram aproximadamente 75% off-road e 25% de estrada asfaltada.

Ficou patente o excelente trabalho desenvolvido pela engenharia da Ford nas suspensões e no pacote acústico adotado. O Storm foi impecável em todas as situações avaliadas, passando conforto e segurança. Direção precisa, sem vibrações e com característica de ser firme na reta e progressiva em curvas, com esforços compatíveis com a dinâmica do percurso.

As suspensões foram recalibradas e as bitolas traseira e dianteira foram aumentadas em 10 mm para as rodas se destacarem mais da carroceria. O raio de rolagem negativo foi alterado com a mudança para 0,23 mm. As molas traseiras são constante variável para atitude e conforto de rodagem com o veiculo vazio e carregado.

O nível de ruído interno é muito baixo, sem chocalhos e vibrações espúrias, passando qualidade percebida. Os impactos e asperezas são filtrados pelas suspensões McPherson dianteira e multibraço na traseira (o Juvenal Jorge está com um Storm em teste e fará foto dessa suspensão na próxima segunda-feira).

Os freios com modulação impecável não apresentaram ação prematura do ABS em todas as situações avaliadas, mostrando ser um conjunto potente e eficiente.

Seu sistema 4WD tem um controle automático de transferência de força de tração das rodas dianteiras para as traseiras sem que o motorista precise acionar qualquer comando. Um gráfico na tela no painel mostra a distribuição de torque nos eixos em tempo real.

Indicação no painel da distribuição de torque nos eixos

O sistema de acoplamento 4WD é um sistema de embreagem multidisco instalada entre a árvore de transmissão (cardã) e o diferencial traseiro. Esse pacote de embreagens são discos de atrito solidários ao diferencial e discos solidários ao cardã, intercalados entre si.

Por meio de sinais elétricos vindos do PCM (sigla, em inglês, de módulo de controle do trem motriz), um  mecanismo eletromagnético instalado no sistema de acoplamento comprime mecanicamente o pacote de embreagens. Essa a compressão aumenta o atrito entre os discos das embreagens levando o pinhão do diferencial traseiro a se movimentar com a mesma velocidade angular (rotação) do cardã. Essa transferência de torque pode ser variável, de totalmente aberta a totalmente fechada, dependendo exclusivamente da corrente elétrica fornecida pelo PCM. Ou seja, conforme a condução do veiculo, o PCM transfere o torque mais adequado para as rodas traseiras. O sistema é banhado em óleo para melhor dissipação de calor durante o deslizamento dos discos.

 

Acoplador multidisco 4WD  (Desenho esquemático Ford)

O casamento do motor 2-L com a caixa automática de seis marchas e o sistema de tração sob demanda nas quatro rodas ficou bem interessante, passando confiança no asfalto e, principalmente, na terra em condições de baixo atrito. A sensação de conectividade com o solo foi realmente motivo de destaque. Para quem gosta de dirigir agrada bastante.

No asfalto, a 120 km/h em sexta marcha, o motor parece estar desligado de tão silencioso. Contribui para a sensação o motor girando a apenas 2.700 rpm (v/1000 de 44,5 km/h). Não notei ruído de vento e tampouco ruído de rolagem e creio que os excelentes pneus Michelin Primacy 3, de asfalto, de classificação de velocidade W (270 km/h!) contribuem muito para isso. Vale notar a suavidade de funcionamento do motor em si, para o que a relação r/l 0,28 ajuda muito.

Em sexta marcha, em velocidade de cruzeiro, é necessário muito curso do acelerador para que aconteça a troca para a quinta. Embora prejudique um pouco a sensação de desempenho, permite retomar velocidade sem redução de marcha, aproveitando mais a boa elasticidade do motor. Precisando-se de mais potência imediata, o kickdown (acelerador a fundo bruscamente) resolve.

A indicação de qual marcha está engatada poderia aparecer clara e continuamente no mostrador dos instrumentos sem necessitar de acionamento de função por parte do motorista.

As trocas de marcha são progressivas e com pouco deslizamento perceptível do conversor de torque, mesmo em plena carga e/ou com acionamento manual das borboletas no volante da direção.

Outro ponto a destacar é a boa vedação da carroceria contra poeira.  Como estávamos em comboio (algo que considero péssimo, como se precisássemos de babás) e havia muita poeira levantada pelos veículos à frente, foi realmente um verdadeiro teste de integridade do conjunto — com a recirculação de ar acionada, claro.

Singular vista do Storm de frente e traseira; o nome STORM também está na capa rígida do estepe

Com o EcoSport Storm a Ford brasileira mostra ter capacidade de projeto e fabricação de veículos para o mercado global.

E sem querer dar uma de futurólogo, creio que o fim do estepe na porta de carga está próximo. A utilização de  pneus que rodam vazios (run flat) é uma possibilidade  também para o Brasil. O tempo dirá.

CM

 

FICHA TÉCNICA FORD ECOSPORT STORM 2,0 4WD 2019
MOTOR
Denominação 2,0 Duratec Direct Flex
Tipo 4 cil. em linha, transversal, bloco de ferro fundido e cabeçote de alumínio, duplo comando de válvulas, corrente, 4 válvulas por cilindro
Diâmetro e curso (mm) 87,5 x 83,1
Cilindrada (cm³) 1.999
Taxa de compressão (:1) 12
Comprimento da biela (mm) 146,25
Relação r/l 0,284
Potência máxima (cv/rpm, G/A) 170/176/6.500
Torque máximo (m·kgf/rpm, G/A) 20,6/22,5/4.500
Rotação de corte (rpm) 6.850
Formação de mistura Injeção direta
TRANSMISSÃO
Rodas motrizes Nas quatro rodas, sob demanda, normal dianteiras
Câmbio Automático epicíclico, 6 marchas à frente e uma à ré
Relações das marchas (:1) 1ª 4,584; 2ª 2,964; 3ª 1,912; 4ª 1,446; 5ª 1.000; 6ª 0,746; ré 2,943
Relação de diferencial (:1) 3,510
SUSPENSÃO
Dianteira Independente, McPherson, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
Traseira Independente, multibraço, mola helicoidal e amortecedor pressurizado
DIREÇÃO
Tipo Pinhão e cremalheira, eletroassistida, indexada à velocidade
Relação de direção n.d.
Número de voltas entre batentes 2,6
Diâmetro mínimo de curva (m) 10,6
FREIOS
Dianteiros (Ø mm) Disco ventilado/n.d.
Traseiros (Ø mm) Tambor/n.d.
Controle ABS (obrigatório) e distrib. eletrônica das forças de frenagem
RODAS E PNEUS
Rodas Alumínio, 7Jx17
Pneus 205/50R17W (Michelin Primacy 3)
CONSTRUÇÃO
Tipo Monobloco em aço, suve 4-portas, cinco lugares, subchassi dianteiro
AERODINÂMICA
Coeficiente de arrasto (Cx) 0,35
Área frontal calculada (m²) 2,39
Área frontal corrigida (m²) 0,83
DIMENSÕES (mm)
Comprimento incluído o estepe 4.357
Largura (sem/com espelhos) 1.785/2.057
Altura 1.693
Distância entre eixos 2.519
Altura livre do solo 200
CAPACIDADES (L)
Porta-malas 362 (1.178 com banco traseiro rebatido)
Tanque de combustível 52
PESOS (kg)
Em ordem de marcha 1.469
Bruto total 1.845
Carga útil 376
DESEMPENHO
Aceleração 0-100 km/h, s G/A) n.d./9,5
Velocidade máxima (km/h, G/A) 180, limitada
CONSUMO DE COMBUSTÍVEL INMETRO/PBVE
Cidade (km/l, G/A) 8,8/6,1
Estrada (km/l, G/A 12/8,3
CÁLCULOS DE CÂMBIO
v/1000 última marcha (6ª, km/h) 44,5
rpm a 120 km/h em 6ª 2.700
rpm à vel. máxima em 5ª 5.420

 

EQUIPAMENTOS FORD ECOSPORT STORM 2,0 4WD 2019
TECNOLOGIA
Alto-falantes (9)
AppLink
Assistência de emergência
Câmera de ré
Chave com sensor de presença: acesso inteligente e partida sem chave
Comandos de voz para funções de áudio, telefone e navegador
Computador de bordo
Conectividade Car Play e Android Auto
Conexão Bluetooth
Controlador automático de velocidade de cruzeiro
Controle ativo da grade do radiador
Controles de áudio no volante
Entrada USB
Espelho retrovisor interno eletrocrômico
Leitura e envio de mensagens SMS
Limpador de para-brisa com temporizador e velocidade variável
Navegador
Rádio AM/FM
Sensor crepuscular
Sensor de chuva
Sony Premium Sound
Sync3
Tela de LCD de 4,2 pol. configurável no painel de instrumentos
Tela de LCD de 8 pol. tátil no painel central
SEGURANÇA
Abertura e fechamento global de portas, vidros e teto solar
Abertura elétrica da portinhola do bocal de abastecimento de combustível
Acendimento automático do pisca-alerta após frenagem de emergência
Alarme antifurto volumétrico
Alerta de manutenção programada por tempo e/ou quilometragem
Assistente de frenagem de emergência
Assistente de partida em rampas
Aviso de cintos dianteiros não atados
Bolsa infláveis frontais (obrigatórias), laterais, de cortina e de joelhos para o motorista (total sete)
Cintos de segurança dianteiros com ajuste de altura de ancoragem
Cintos de segurança traseiros de três pontos para todos os ocupantes
Controle de estabilidade anticapotagem
Controle de estabilidade e tração AdvanceTrac
Engates Isofix para dois bancos infantis com fixação superior
Faróis de neblina
Faróis de xenônio com máscara negra
Freios ABS (obrigatório) e distribuição eletrônica das forças de frenagem
Imobilizador de motor (sistema PATS da Ford)
Luz de acompanhamento do deixar veículo (pelo faróis)
Monitoramento da pressão dos pneus
My Key (chave programável com funções de segurança)
Repetidoras de setas nos espelhos
Retrovisores externos asféricos (com dois raios de curvatura)
Retrovisores externos com ajuste elétrico
Sensor de estacionamento traseiro
Trava elétrica nas portas
Trava para crianças nas portas traseiras
Travamento automático das portas ao atingir 15 km/h
Travamento dos vidros traseiros pelo motorista
INTERIOR
Acionamento elétrico dos vidros um-toque para abrir e fechar
Ajusta lombar do banco do motorista
Ajuste de altura do banco do motorista
Ajuste de altura e distância do volante de direção
Apoios de cabeça dianteiros e traseiros com regulagem de altura
Aquecedor
Ar-condicionado automático e digital
Aviso da faróis ligados
Aviso de portas entreabertas
Bancos revestidos em couro preto Ebony
Bolsa porta-revistas no dorso do banco do passageiro
Console central com porta-objetos
Console de teto com porta-óculos
Descansa-braço integrado ao console central
Desembaçador do vidro traseiro
Encosto do banco traseiro bipartido e rebatível
Ganchos para sacolas no porta-malas
Iluminação no porta-luvas e porta-malas
Luz de cortesia
Luz de leitura
Pára-sóis com espelho
Porta-malas com fechadura elétrica
Sobretapetes de borracha
Tomada 12 V
Volante de direção revestido em couro
EXTERIOR
Aplique preto nas colunas das portas
Capa do estepe rígida
Carcaça dos retrovisores externos em cinza (cinza Dark London)
Estrado (rack) de teto com barras transversais
Faróis com acabamento cromado e escurecido internamente
Ganchos para reboque dianteiro e traseiro
Grade do radiador personalizada Storm (carbon black)
Kit Storm (aplique frontal/traseiro e adesivos frontais e laterais
Lanternas traseiras fumês
Limpador e lavador do vidro traseiro
Luzes de rodagem diurna (DRL) em LED
Maçanetas externas em cinza (cinza Dark London)
Moldura do farol de neblina em preto
Para-choques na cor do veículo
Teto solar elétrico
(2.335 visualizações, 1 hoje)