Foi difícil escolher quais destinos incluir e quais deixar de fora. Também é normal ter dúvidas sobre qual época do ano viajar. Inverno ou verão? Frio ou calor? Escolhemos o que nos pareceu mais lógico: os dias longos do final da primavera são propícios para dirigir por muitas horas com claridade. Depois de ler inúmeros relatos sobre viagens de carro passamos a aceitar que em 30 dias há um limite de possibilidades e que alguns lugares ficariam para depois. Consideramos também que gostar de estar na estrada é parte relevante da jornada. Argentina e Chile são bem longe do Rio de Janeiro.

A saída foi direto do último dia de trabalho rumo a Taubaté. Evito o trânsito pesado da Dutra na Baixada Fluminense passando pelo Arco Metropolitano, estrada nova, duplicada e livre. Uma boa chuvarada me fez companhia na serra de Cruzeiro. Feito o pernoite, saio cedo de Taubaté pela excelente Carvalho Pinto/Ayrton Senna, passo pelo Rodoanel e faço a Régis Bittencourt. No Paraná deu tempo para descer a Estrada da Graciosa e fico contente por conhecer um lugar tão bonito. Pernoitamos em São Mateus do Sul, cidade pequena e charmosa.

Estrada da Graciosa – Paraná

Deixamos São Mateus para trás com previsão de almoçar em Erechim. Seguimos pela BR-476 e BR-153 contornando os municípios de Paulo de Frontin, Paula Freitas, União da Vitória, Porto União, General Carneiro, Água Doce, Irani, Concórdia, Marcelino Ramos, Severiano de Almeida e Três Arroios. Gosto de mapas e de ler sobre a infinidade de municípios brasileiros. Propositalmente não citei a qual estado cada um pertence. Deixo por conta de sua curiosidade.

Perto do meio-dia chegamos para almoçar em uma bonita churrascaria dentro do estádio do Ypiranga, time de Erechim. A experiência gastronômica também fez parte dos planos. Seguimos com mais dois objetivos: conhecer as ruínas de São Miguel das Missões e cruzar a fronteira em São Borja para dormir na Argentina. Desde Concórdia até Passo Fundo havia trânsito de caminhões. Vale lembrar que muito da economia brasileira se movimenta por caminhões, e o sujeito que está lá dirigindo um veículo pesado também quer chegar logo e ter seu descanso. Releve quando algum deles começar uma ultrapassagem na sua frente. Uma viagem longa é um bom momento para reflexões e para exercitar um pouco de paciência.

Horas mais tarde viramos para São Miguel das Missões. Fui sem expectativa e fiquei muito impressionado com esse lugar. Sem dúvida recomendo a visita. Depois entramos em São Luiz Gonzaga para jantar num lugar aprazível na praça central. Era noite de sábado, a fronteira de São Borja para Santo Tomé funciona 24-horas, e não havia nenhum veículo. Apresentamos os documentos, recebemos o visto, pagamos um pedágio de R$ 42 e rapidamente estávamos liberados. Após dois dias estávamos no lado que fala espanhol e que a gasolina é vendida com 10% de álcool, e não com abusivos 27,5%. Infelizmente a BR-285 não está em perfeitas condições e a parte do interior do Paraná também tinha remendos.

Visitamos as ruínas de São Miguel das Missões, no Rio Grande do Sul

Hora de dirigir na Argentina. Primeiro algumas curiosidades geográficas. A estrada mais famosa é a Ruta 40, enorme, com 5.194 km. A cidade no extremo oeste argentino equivale ao município mais a oeste do Acre. A população é muito menor que a brasileira e menor que a da Colômbia. Os estados são chamados de províncias. E resumindo ao máximo, dividiria sua geografia em três partes: o pampa argentino que é uma planície gigantesca com incontáveis fazendas; depois uma região árida e desabitada imensa do centro ao extremo sul do país; e por fim uma parte montanhosa impressionante junto à Cordilheira dos Andes que marca a extensa fronteira com o Chile. O Aconcágua, o pico mais alto fora da Ásia, é um ponto ali. E vale mencionar que as cidades economicamente relevantes são Buenos Aires e Rosário, ambas cidades portuárias, e a malha das melhores estradas segue para esses portos, e não necessariamente na direção de quem vem ou vai para o Brasil. As estradas são boas, e mapeamos que deveríamos evitar por buracos e falta de conservação a Ruta 127, a R-158 entre San Francisco e Villa Maria, e a R-33.

Partimos cedo de Santo Tomé. Nesta cidade há uma casa de câmbio com boa cotação e é possível consultar via Google. Seguimos pelas Rutas 14 e 18 até Santa Fé. Ficamos num bom hotel na saída dessa cidade. Neste caminho cruzamos o túnel subfluvial, que literalmente passa por baixo do rio Paraná.

Depois de Santa Fé circundamos Rosário, Junín, Carlos Casares e após 820 km chegamos em Santa Rosa. Ficamos em uma hotel novo de uma rede conhecida que foi melhor do que esperávamos. Tínhamos feito quatro trechos de 800 km por dia. Para o dia seguinte programamos uma distância menor, 550 km até Neuquén, então pudemos descansar e curtir a piscina e a academia que estavam vazias. Mesmo onde não fizemos pesquisa para almoçar nós encontramos restaurantes com boa comida. Eles chamam de lomo o corte de carne macio que é como o nosso filé-mignon. Filé com salada ou milanesa com batatas são pratos comuns, e servem por cortesia uma cesta de pães. Até a bebida de água com limão que eu aprecio também encontramos. Só não espere encontrar feijão brasileiro, esse não é comum.

Hotel Mercure Santa Rosa; depois de bastante estrada uma piscina destas é perfeita

Após Santa Rosa o cenário da viagem mudou. A planície com incontáveis fazendas ficou para trás e entramos na travessia do deserto de La Pampa. Não é um deserto de areia fofa. É uma região seca e desabitada, com vegetação rasteira, e a estrada segue com retas enormes. Há pouco fluxo de veículos nesses locais. Some o fato do território ser muito plano, e assim as ultrapassagens em pista simples são realmente fáceis. Nesta altura já notamos a fauna de automóveis, com muitos carros compactos, diversos deles fabricados de 5 a 10 anos atrás, e entre os mais caros vimos muitas caminhonetes, especialmente Amarok, Hilux e Ranger. Vimos carros que não temos no Brasil como VW Scirocco e o novo Audi Q2. No entanto, rodando pelo interior praticamente não vimos carros de sucesso aqui como Honda HR-V ou Hyundai Creta, que existem mas devem rodar mais na região de Buenos Aires.

Atravessando o deserto, La Pampa

Pernoitamos na cidade de Neuquén e no dia seguinte fomos para os 440 km que faltavam para Bariloche, nosso primeiro destino turístico no exterior. Foi bom ter optado por fazer trechos menores nessa etapa final, assim chegamos descansados. No caminho fizemos um pit-stop em um posto chamado ACA Confluência Traful (ACA é a sigla de Automóvil Club Argentino) que é de frente para um lindo rio de águas verde-turquesa. Ali mesmo colocamos pela primeira vez os pés nas águas límpidas que descem dos lagos da Patagônia. Nessa hora bate um encantamento que mescla a paisagem com o fato de estarmos tão longe de casa e de chegarmos ali com nosso próprio carro. Essa sensação não se explica por texto, fotos ou vídeos. Só quem viaja sem criar grandes expectativas que entende.

Paisagem em frente ao posto – com tempo para apreciar o caminho

Aqui o caminho fica muito interessante, o deserto saiu de cena e a região de serra se aproxima. O primeiro pico com neve aparece no horizonte. Bariloche fica a 900 metros de altitude e eu imaginava que subiria uma serra íngreme como é do Rio para Teresópolis, de Santos para São Paulo, ou de Paranaguá para Curitiba. Nada disso, a subida é mais suave. Quando vi, uma placa já informava que estávamos à beira do lago Nahuel Huapi.

Pronto, no meio da tarde estávamos em Bariloche. Ficamos por três noites e marcamos mais duas em San Martín de Los Andes, cidade próxima. Para a primavera e verão há diversas atividades ao ar livre, inclusive praia, piscina, passeios de barco nos lagos, etc. Há quem vá para fazer caminhadas, trekking, ciclismo, pesca, ou simplesmente apreciar a natureza e relaxar. Nesta época vimos mais europeus e americanos. Os brasileiros vão mais na temporada de neve. Curiosamente os argentinos consideram dezembro como baixa temporada. Em geral eles costumam tirar férias de verão depois do Natal, aí passa a ser alta temporada.

Hotel Charming, em Bariloche – que vista do hotel no final da primavera com neve na serra!

Mirante do Cerro Campanário em Bariloche

Após três noites fomos pela Ruta 40 para San Martín de Los Andes, outra cidade turística. A 40 é a estrada que segue a Cordilheira dos Andes de norte a sul. Lojas de souvenir vendem diversos tipos de adesivos e ímãs sobre ela. Nesta região, entre La Angostura e San Martín, a estrada é linda e é conhecida como A Rota dos Sete Lagos, que passa por dois Parques Nacionais e margeia diversos lagos, vales e serras. Este caminho era de terra e foi asfaltado só em 2015, e os mirantes estão devidamente sinalizados. Vimos que a estrada tem ótimas curvas e pouco trânsito, mas pegamos um dia um pouco nublado.

No domingo, já instalados em San Martín, o dia amanheceu bonito e ensolarado, daí não teve outra: depois de curtir a cidade voltamos para a Ruta 40 para repetir um pouco mais dessa estrada que tem tantas paisagens. Não imaginava que depois de percorrer mais de 4 mil km e ficar alguns dias descansando a gente pegaria o carro para rodar mais. Definitivamente nós gostamos de estrada.

Ruta 40 em Neuquén, a rota dos Sete Lagos

Encerramos a primeira etapa na Argentina e tínhamos dois caminhos para ir até Pucón, Chile. Pucón também fica à beira de um lago e ao lado do vulcão Vilarrica. A estrada mais curta tem uma parte no lado argentino ainda de terra, ou rípio como eles dizem. O lado mais longo e asfaltado nos levava para a fronteira entre La Angostura e Osorno. Fomos pelo mais longo. Por esse caminho que cruza vales e montanhas tivemos a grata surpresa de ver um espaço ao lado da estrada com bastante neve, em pleno final de primavera, quase verão. Caminhar na neve pela primeira vez na vida quando você sai do Rio de Janeiro com seu próprio carro é algo bem especial. Fizemos fotos e seguimos.

Na fronteira chilena o procedimento foi similar, a diferença é que nos pediram para retirar as malas do carro e abrir uma a uma para uma fiscalização rápida. Eles não tocam nas suas coisas, o dono da mala que abre e mostra. No Chile não é permitido entrar com carnes, frutas, e verduras.

Paso Cardenal Samoré, fronteira próximo a La Angostura: quanta neve ao lado da estrada!

Em Pucón e não tivemos colaboração climática de São Pedro. Até aqui tinha sido tudo excelente, especialmente nos dias perfeitos de sol entre Bariloche e San Martín. Reservamos três noites em Pucón e ficamos apenas duas. Tempo fechado, garoa e nenhum sinal de possibilidade de avistar o vulcão. Vimos na meteorologia que no próximo destino, 600 km ao norte, havia previsão de tempo aberto. Aproveitamos para levar roupas na lavanderia, ir à casa de câmbio, farmácia, e comprar água no mercado.

No Chile boa parte da frota tem origem nos países asiáticos. Vimos caminhonetes mais antigas, inclusive uma curiosa Hilux cabine simples do início dos anos 80, tão menor que parecia ter o porte de uma Saveiro atual. Vimos muitos carros da Suzuki, e diversos modelos que não temos aqui como Mazda MX5, Ford F150 Raptor, e os hatchback Kia Rio e Toyota Yaris que pareciam ter porte similar ao Polo ou Argo, além de um pequeno e simpático Hyundai i10. Pena que não consegui fotografar todos eles adequadamente.

Após Pucón subimos a Ruta 5 que é uma via duplicada e sem muitas paisagens. Aqui a velocidade praticada é de 120 km/h e vi um policial com radar em mãos. Alguns carros iam acima disso. Nós fomos com controle de cruzeiro instalado no carro e mantivemos a medida indicada. Gosto demais dessa função de acelerador constante, que nesse tipo de viagem ajuda demais. Nesses trajetos longos o tablet que minha mulher levou foi um excelente passatempo para ela enquanto eu dirigia. Ela tinha a série que queria assistir, e tivemos também muitas risadas com os shows de stand-up de humor que levamos.

Nesse dia no entanto fiquei preocupado porque no decorrer do percurso uma pedrinha atingiu meu para-brisa no canto inferior esquerdo. Na hora do impacto não percebi nada, mas após almoçarmos com o carro tomando um pouco de mormaço vimos que a partir do trinco surgiu uma rachadura de 25 cm. Seguimos na estrada e o tamanho permanecia igual. Pior que estávamos indo para dois dias corridos numa região praticamente rural, com bons hotéis e vinícolas muito bonitas que tínhamos agendado e que ficam ao lado de uma cidade minúscula chamada Santa Cruz. Tratei de estacionar sempre numa sombra e fui monitorando a fissura. Rodamos bastante ali de carro e a marca aumentou pouco, menos de dois centímetros.

No Chile, na sequência da viagem passaríamos circundando Santiago, mas esse dia de viagem era num sábado. Na sexta-feira consegui fazer contato com o responsável pelo hotel da região próxima à capital Mendoza, Argentina. Localizei no Google um lugar especializado em troca de para-brisa e pedi que fizesse a gentileza de ligar para confirmar o valor e disponibilidade. Me viro bem no espanhol mas achei melhor pedir para alguém com sotaque local cotar o serviço. Explicaram que era só ir segunda às 8 horas e retirar ao meio-dia. Valor equivalente à R$ 780. O seguro que tenho para o carro cobre no exterior, mas quando liguei me explicaram que troca do vidro só fariam no Brasil.

Hotel Cava Colchagua na região das vinícolas noChile

Tivemos no Valle Colchagua clima perfeito com sol, piscina, tempo para degustar vinhos, comer bem e relaxar. Esse vale fica a 180 km ao sul de Santiago, recomendo ir por três dias inteiros, o que corresponde a quatro noites.

Chegou o sábado e tínhamos que seguir viagem. Como Santiago é uma cidade grande e com trânsito intenso, passamos direto e deixamos para conhecê-la no futuro, quando pudermos ir de avião. Nossa rota era seguir até Lujan de Cuyo, cidade satélite de Mendoza, perto das principais vinícolas argentinas. O detalhe é que ainda com a fissura no vidro teríamos que cruzar a Cordilheira dos Andes por uma estrada bastante sinuosa que vai a 3.200 metros de altitude. Fiquei apreensivo por conta do trajeto e pela possibilidade de algum problema com autoridades locais.

Fissura no vidro, passível de acontecer na estrada

Após passar por Santiago trocamos de pista para a 57 e andamos no mesmo ritmo dos chilenos. No entanto, uma dupla de policiais usando radar parou os carros à minha frente e o meu também. Ele mostrou que eu estava a 115 e que aquele trecho era até 100 km/h. Comentei que dirigia desde a Ruta 5 onde a velocidade era de 120. Ficou somente uma advertência verbal e mandou seguir. Melhor assim.

Encaramos a Cordilheira com o vidro como estava, e felizmente não tivemos nenhum contratempo. A rachadura somente aumentava quando parava sob o sol. Na segunda-feira o carro ficou na oficina e devolveram com vidro novo, perfeito e com o mesmo grafismo pontilhado nas bordas. Aproveitamos essa manhã para caminhar pelas ruas de Mendoza.

Depois de quatro dias passeando por lindas vinícolas argentinas e excelentes restaurantes de Lujan de Cuyo e Tupungato, regiões vizinhas à capital Mendoza, chegou a hora de ir para casa. Nas regiões de vinícolas do Chile e Argentina não há lei seca, você pode provar vinhos moderadamente e dirigir.

Vinícola Kaiken em Lujan de Cuyo, Argentina, perfeito para um tour e degustar vinhos

Saímos de Tupungato após um maravilhoso almoço em uma vinícola, neste último bebi apenas água, deixamos Mendoza para trás e atravessamos outra região bastante deserta. Neste percurso fez calor — o termômetro do carro marcou 40 ºC — mas o ar-condicionado deu conta perfeitamente. Com o carro em movimento não há problema. O truque é: sempre que parar num dia ensolarado, procure uma sombra, mesmo que tenha que caminhar até 200 metros. Como o rumo do dia era para o oeste, tivemos o cuidado de viajar na parte da tarde, com o sol atrás do carro. Pernoitamos em Merlo, pequena e bonita cidade turística no centro do país.

Os pedágios argentinos se concentram nas estradas que vão para Buenos Aires e Rosário, para o lado afastado que fomos não havia nem pardais eletrônicos ou radares. Vimos placas de até 130 km/h e alguns chegavam trafegar entre 140 e 160. Estradas planas, retas e vazias são bem seguras. Percebemos que não valia a pena ir além de 130 km/h dado o aumento exponencial de combustível, ruídos de vento, risco de multa, etc.

Neste caminho nos alertaram que a província de Córdoba tem policiais trabalhando com fins arrecadatórios, regulando ultrapassagem sobre faixa contínua ou velocidade. O Google Maps, que usamos em modo offline perfeitamente, nos indicava cruzar essa província por estradas de menor porte, e não vimos ninguém perturbando.

Depois da tarde de muito calor amanheceu chovendo bastante e vimos dezenas de árvores imensas arrancadas pela força do vento. Entre estradas e fazendas as árvores são muito altas e bonitas, diferentes das que vemos no Brasil. Após passar por um povoado chamado Pascanas nos deparamos com um trecho alagado. Por morar no Rio tenho alguma noção com locais alagados, mas quando você está em outro país a preocupação é maior. Pensei em dar uma volta e perder duas horas de viagem, mas isso não era bom porque a jornada prevista de 930 km era longa, e para evitar multas estávamos indo sem correria. Felizmente um Gol passou sem problemas, então nós também passamos.

 

Parte extra: multa na Argentina

Conhecia os relatos de paradas policiais nas províncias de Corrientes e Entre Ríos. Suspeitei que depois da cobertura da imprensa brasileira e argentina sobre propinas essas coisas estariam mais calmas. Levamos os itens obrigatórios: habilitação brasileira, documento do carro em meu nome, seguro carta-verde, extintor e dois triângulos (em espanhol dizem mata-fuego e balizas), itens que constam no artigo 40 da lei de trânsito 24.449. Imprimi e levei a lei 24.449 de 1995 e a 26.363 de 2008. Conhecia a obrigatoriedade de trafegar sempre com faróis acesos. E levei itens citados em blogs que não foram solicitados: cambão, kit de primeiros socorros, e permissão internacional para dirigir. Para o Chile precisa levar um jaleco reflexivo. Tudo comprado antes via internet. Levei até um formulário de reporte de incidentes que encontrei num blog para uma eventualidade. Não foi necessário.

No trajeto de ida vimos os primeiros policiais da Ruta 14 na divisa entre Corrientes e Entre Rios. Era perto das nove da manhã de um domingo e apenas começavam a colocar cones. Mais adiante, passando por Concórdia, fizemos um pit-stop no hotel Hathor que fica na estrada e era onde tínhamos reserva para a volta da viagem. Aqui tirei uma dúvida: os hotéis aceitam pagamento em dólares, dão troco na moeda local, mas para obter isenção de 21% do IVA (Imposto sobre Valor Agregado, uma espécie do nosso ICMS) é necessário pagar com cartão estrangeiro.

Saímos desse hotel e apenas 3,4 km depois fomos parados por policiais que ficam na base móvel de um trailer sob a sombra de um viaduto. Que mancada a minha, já tinha feito 400 km em solo argentino dentro das regras e justamente após essa parada tinha saído com os faróis desligados. O dia estava muito claro e não me dei conta. Conferiram documentos, extintor e triângulos, e fui ao trailer para ser notificado. Gentilmente explicaram que poderia pagar ali mesmo com 50% de desconto ou depois em algum Banco Nación. Em nenhum momento fizeram menção de propina, e eu não deixei margem para isso. Informei que pagaria no banco. Pronto, liberado.

O que me deixou cabreiro foi o valor da notificação, que poderia variar de 300 a 1000 UF, e no meu caso não sei por qual motivo colocaram 300. Li na internet que isso é assim mesmo e que UF significa unidade fixa e equivale a um litro de gasolina. E a notificação de faróis apagados é considerada grave, similar a avançar sinal vermelho. A multa, portanto, era equivalente a 1100 reais. Nitidamente um valor desproporcional e com fins arrecadatórios. Em Mendoza nos explicaram que essas multas são definidas e arrecadadas por província, são leis locais. E comentaram que as restrições aos argentinos são ao renovar a habilitação ou para revender carros.

Cheguei a ler sobre relatos de abono de multa, mas tinha que ser solicitado por escrito em dia útil e em prazo de 10 dias na prefeitura local. Quando li isso já estava longe, com muita estrada pela frente, e na volta passaria 20 dias depois e num final de semana. Sem chance. Tive receio porque tinha que sair para o Chile e voltar para a Argentina. Dias depois fui numa agência desse Banco Nación para pagar. Me explicaram que ali eu não quitaria, faria um depósito do valor na conta indicada e levaria um comprovante. No entanto alegando que eu era estrangeiro não puderam proceder com o depósito, o sistema exigia uma identificação local. Conclusão, tentei pagar e não teve como. Continuamos a viagem e felizmente não disseram nada ao cruzar as fronteiras ida e volta para o Chile. Entrei por Mendoza sem problemas com uma notificação aberta e um vidro trincado.

Na volta revisamos o plano para passar por Concórdia numa sexta em vez de sábado, assim se fosse necessário poderia ir à alguma repartição. Ressabiado, verifiquei que os bancos funcionam das 8 às 13 horas, muito cedo pra quem ia percorrer 900 km. Decidimos fazer o trecho longo na quinta e viajar parte à noite. Passamos no ponto dos policiais às 23h30 e não havia ninguém, somente o trailer no mesmo lugar. Fica aqui o alerta: quando dirigir lá jamais esqueça de verificar os faróis.

Deixamos a Argentina por Uruguaiana após esperar 30 minutos de fila dentro do carro. Devolvemos o visto de turismo e até breve. Cruzamos a ponte e no lado brasileiro ninguém perguntou qualquer coisa.

Saudade do Hotel Terraviña ao lado dos parreirais no Valle Colchagua

No Sul novamente vimos uma rodovia brasileira tratada com desleixo. A BR-290 que vai até Porto Alegre está com piso ruim. Eu poderia imaginar isso por conta das reportagens da crise do governo gaúcho e do Brasil todo. Mas depois de rodar pelos países vizinhos, que não são ricos, é estarrecedor ver a situação das coisas aqui e a incapacidade que temos de pleitear e fiscalizar melhoras.

Ficamos um dia e meio em Porto Alegre e depois a estrada pelo litoral foi muito tranquila. Como é bonito passar na parte de serra que sobe de Joinville até Curitiba. Antes de chegar em casa parei em Taubaté e levei o carro para a revisão, pois estava perto do limite estipulado de 10 mil km e mais mil de margem. Antes de viajar tinha feito uma revisão também.

O carro foi perfeito sem qualquer ressalva. Mesmo sendo leve o up! TSI não balança ao cruzar caminhões em sentido contrário. É um excelente modelo para uso rodoviário com dois a bordo. Costumo encerar o carro periodicamente, levei um kit para lavar o carro, e providenciei dois acessórios: uma capa para o capô, e um metro de tela antimosquito para proteger o radiador. Eu sabia que no interior da argentina usam variados tipos de tela na frente, não é bonito mas funciona, e realmente vi carros assim. Nenhum policial reparou nisso. Fixei a tela por fora da grade do para-choque amarrando com cadarços.

Nessas regiões imensas com muitas áreas planas há muito mais do que mosquitos. São vespas, borboletas e um monte de pequenos pássaros que ficam no asfalto até os carros chegarem perto para sair voando. Chegamos a pegar um passarinho e por conta da tela ele não chegou no radiador.

Também é comum perguntarem sobre os gastos. Em resumo, depois de cotar e separar o valor para os hotéis, nós consideramos a previsão de gastar 50 dólares por dia por pessoa com restaurantes para almoço e jantar e extras como comprar água, alfajores, sorvetes, farmácia, etc. Para o combustível consideramos o custo médio do Rio de Janeiro, similar ao do Rio Grande do Sul e um pouco acima dos valores de São Paulo. Na Argentina o custo da gasolina não é muito diferente, a não ser na região afastada da Patagônia que tem combustíveis subsidiados pelo governo, chegando a ter 22% de redução. No entanto os gastos com alimentação na Patagônia são um pouco mais altos. No planejamento consideramos fazer 15 km/l e previsão de rodar 10 mil km. Ao todo rodamos mais, 11 mil km, com média geral de 17 km/l.

Foram 26 dias fora de casa. Considero que o ideal é viajar a dois, no conforto dos bancos dianteiros de um carro, sem carga máxima, conhecendo bons hotéis e restaurantes, e com uma boa poupança prévia. Não fizemos esta viagem de carro porque seria mais barato do que ir de avião, e talvez nem seja. Por via aérea um casal poderia ficar menos dias fora, gastando menos.

Ir de carro era o que queríamos fazer. Viajar é bom demais e a experiência é excelente.

Pedro Mazza
Rio de Janeiro, RJ

(3.847 visualizações, 1 hoje)