Em 2018 Renault comemorará 120 anos de surgimento e 20 da operação Brasil. Eventos imagináveis pelas pretensões da empresa: ser, com Nissan e Mitsubishi, terceiro grupo de automóveis no mundo. Aqui, bem marcar o crescimento constante, sucessivo e consistente, mostrar estar presente desde 1959 via sociedade com a Willys-Overland para fazer seus produtos — Dauphine, Gordini, 1093, Interlagos —, e a herança do R12 aqui chamado Corcel.

Alpine

Um dos eventos nacionais será apresentar o Alpine A110, redivivo esportivo inspirado no mítico vencedor de ralis, produzido no Brasil, México, Espanha e Bulgária.  Aqui, graças ao talento dos pilotos e da Equipe Willys, mudou a vocação de rali, tornando-se vencedor em circuitos de velocidade.

Novo A110 utilizou a base conceitual criada pelo também mítico Jean Rédélé: aerodinâmica e pouco peso. Relativamente ao original, inverteu a posição do motor, girando-o da popa a entre eixos traseira — ironia, copiou a solução então dita alucinada, de 1965, pelo piloto carioca Ricardo Achcar, e viabilizada pelos irmãos lusos, de trocar o motorzinho L-4, 845 cm³, traseiro, por um V-8 de 2.500 cm³ entre eixos. (Perceba a emoção do autor no texto abaixo.)

Base

Projeto Alpine supera o patamar de ser apenas mais um produto. É projeto de esportividade, começando com equipe e motores na Fórmula 1, patrocínio de categorias no automobilismo, como a Copa Alpine, abertura de novo segmento de mercado. Há anos a Renault assumiu a Alpine e agora refez a fábrica de Dieppe, França, onde a marca nasceu e cresceu.

Não se baseia na proposta nacional do desenhista João Paulo Cunha Melo, levada à Renault Brasil, de baixo custo para industrialização. O novo Alpine A110 não utiliza carroceria em compósito de fibra de vidro, mas de alumínio, em processo único no mundo; motor da aliança Renault-Nissan — fase pré-Mitsubishi —, L-4, 1.800 cm³, 16 válvulas, turbo, 270 cv de potência, 32,6 m·kgf de torque. Transmissão distante da original: transeixo com caixa de dupla embreagem, sete marchas, tração traseira.

Proposta nacional para reviver o Interlagos

O que faz

Combinação de potência com baixo peso, menos de 1.100 kg, oferece larga dose de alegria. Muito esperto, 4,5 s de 0 a 100 km/h e velocidade final de 250 km/h.

Vinda será para tatear o mercado pós-queda do artificialismo dos 30 pontos adicionais no IPI; quantificar interesse dos revendedores — os definidores do sucesso ou fracasso do produto; pesquisar mercado para quantificar vendas, determinar investimento em homologações, treinamento de vendas e assistência.

Deverá ser atração no Brazil  Classics Show, mais elegante dos encontros de automóveis antigos no país, realizado em Araxá, MG. Neste ano, de 31.maio a 3.jun. A Renault será o principal patrocinador. Preço? Na Europa versão de entrada vendeu série inicial de 1955 unidades a 58.500 euros (231 mil reais na conversão direta). Lançamento das berlinettes em versões Pure e Legend será no Salão de Genebra, março.

O início: Achcar-Simca-Santa Fúria

O Santa Fúria, pioneiro com motor entre eixos (ilustração: Maurício Moraes)

O carioca Ricardo Achcar, gerador de ideias e moda, filho de família de muitas posses, de tudo fez – e bem. Piloto, construtor de automóveis, pioneiro em caminhos europeus, pilotou com Luizinho Pereira Bueno na SMART, equipe inglesa de Fórmula Ford, comandada pelo multimídia e hoje Sir Stirling Moss.

E promoveu casamento teoricamente impossível: Berlinette Willys Interlagos com motor Simca — entre eixos! Trabalho de engenharia de coragem, pois o projeto original do Alpine A 108, fabricado no Brasil como Interlagos, era baseado numa treliça central envolta em compósito de fibra de vidro, carro para exclusivo motor traseiro. Mas Achcar aplicou-o entre eixos com apoio dos irmãos Ferreirinha, Herculano e Antônio, depois fabricantes dos Fórmula Super Vê Heve.

Dele são os comentários e o texto escrito para os originais do inédito livro por mim cometido sobre a história do Simca.

É muito bom, dá ótimo cenário de época, pela avulsiva redação de Brimo Achcar. Não acatei sua ameaça, pois editei o amplo texto para caber na Coluna.

Assumo meus direitos de Publisher, aproveito o recém passado Natal para oferecê-lo como lembrança aos leitores apreciadores de história dos automóveis nacionais. (R Nasser)

“Se você alterar uma vírgula eu nunca mais peço para Maomé te dar um camelo. Fique rico e não me dirija mais a palavra.“

“ BRIMO! Escreve o que e como quiser. Suas palavras tem o cheiro do tempo e do vento – CHIM-EL HAUA, o cheiro do vento…”

 

A CAPOTAGEM DO MILTON AMARAL E O SANTA FÚRIA

                                                                                               Ricardo Achcar

“Tudo começou na 250 Milhas de São Paulo, 1965. Milton Amaral e eu estávamos com gosto de sangue na boca. Tínhamos feito a 1.000 Quilômetros em Interlagos com Berlineta Interlagos 845 cm³ de motor muito bem preparado pelo Antônio Ferreirinha, e suspensão apreciada pelo ícone Ciro Cayres, piloto cuja característica era compartilhar tudo que podia em prol do esporte motor.

Era madrugada e tínhamos rodado como um relógio. O único incidente comum na neblina de Interlagos foi com o Milton, perdendo a segunda tomada da Curva do Sol e, para não sair barranco afora pela externa, forçou uma rodada e ficou no meio da pista virado ao contrário, motor morto, carburador Solex de corpo duplo afogado, e dificuldade de dar partida.

Os segundos passaram, e o Milton tentava desafogar, mas era tarefa para a bateria perder o fôlego. E adivinhou na densa neblina, estar parado num ponto de desgarro de tangência, e que logo, logo, alguém ia chegar por ali. Entre pensar e enxergar, quatro luzes cresceram meteoricamente diante do para-brisas e passaram fulminantes de cada lado da Berlineta… Toco e Jaime Silva com os Simca Abarth. O motor pegou, Milton parou no box, e eu assumi o volante.

Após três horas trocamos posição. Às 9h a neblina levantava numa manhã exclusiva de Interlagos e Le Mans. Aquela camada levantando na reta dos box e no Retão, e o baixo circuito jogando para fora da neblina, aos ouvidos dos assistentes, o rasgo dos motores com a incógnita de quem ia chegar na subida da Curva da Junção. Estávamos em 9º lugar e gente boa vinha capengando e quebrando. A 40’ da chegada, em 2º lugar, na Curva do Pinheirinho, terceira marcha engatada, a alavanca de câmbio da Berlineta ficou na mão do Milton. Chegamos com frustração eterna. Afinal, o motor era de apenas 845 cm³.

Por isso, nestes 250 Quilômetros, na quarta volta, o Milton, muito rápido, atacou a Curva da Ferradura por fora, passou dois concorrentes e, sob nossos olhos soltou a Berlineta numa derrapagem controlada para ficar por dentro na Subida do Lago. Manobra para pilotos excepcionais. Mas, infelizmente, pegou um cascalho de beira de pista, e  foi para o brejo capotando violentamente. Por sorte saiu ileso…

Resultante, tínhamos a disposição de mudar: em vez da Berlineta uma Trolineta!

Começa

Herculano Ferreirinha recebeu a Trolineta ex-Berlineta em sua oficina em Vila Isabel, Rio de Janeiro. “Eu sou lanterneiro. Fibra de vidro não é a minha praia.”

Mas adquiriu bons conhecimentos, aplicados ao construir carros de corrida.

O chassis de espinha central do Jean Rédélé formava estrutura misturando tubos de aço com fibra de vidro, primórdio dos monocoques como conhecemos hoje. Ora, na violenta capotagem, o solavanco aplicado pelo motor na treliça integrada, provocou torções e deformações e, para corrigir, exigiria corte e remendo, com uso de solda autógena e certeza de incêndio geral. Risco e oportunidade provocaram-me considerar nova forma ao automóvel, ante perfis assemelhados entre a Lola GT de Le Mans e o possível da moribunda Berlineta.

Aí surgiu o Manoel Truviso, habilidoso, equilibrado e criterioso. Pau para toda obra, perfil rasante, não se fazia notar. Um bom pedaço do Simca-Achcar Santa Fúria teve as mãos e a inteligência do Manoel, somadas ao trabalho e ao comando de equipe do Herculano.

Assim tornei-me “designer” da Trolineta, e minha imaginação espacial alarmou os portugueses e meu copiloto Amaral, pois indicava, não seria coisa confiável.

Muito do projeto e execução vinha das palavras do Ciro Cayres, disparando processo de elocubração, misto de invenção e vontade de ganhar corrida, sem limite razoável dentro de mim. Mas eu acho, deve ser assim.

Ao Antônio não importava se o carro ia fazer curva ou segurar nos freios, mas como pendurar um motor num chassis de espinha central. Em sua inconformada cabeça o motor ficaria do meu lado direito — e de fato não ficou muito longe. Ao final, resultado prático, me incendiou a nuca meia dúzia de vezes antes de me vencer. Dava medo. A “porra” dava um tiro, e queimava a nuca aos berros, com assobio de caldeira e locomotiva na cabine da enfurecida Trolineta.

História

Mas antes espumar no cockpit rolou muita água. Ciro nos recebeu na fábrica da Simca, ouviu-me e ao Antônio, e disse: “Segura aí que vou falar com o Chico” (Chico era o Landi, ícone das corridas, chefe do departamento de competição Simca). Era da melhor qualidade como pessoa, mas tinha birra de “cariocas e suas baboseiras” — e ninguém lhe tira a razão. Landi só atendeu por ter sido pedido do Ciro, com motor de 142 hp medidos em dinamômetro, o melhor que tinham. Ciro Cayres é um nome inesquecível na minha agenda de recordações.

O Fazer

A propriamente dita amarração da treliça de suporte do motor na Trolineta Santa Fúria é de complicada narrativa: dois canos de parede grossa saíam do tronco central no limite traseiro, erguiam-se até 15 cm do coletor de admissão, carburadores e os cabeçotes planos, em alumínio. O bloco motor, em ferro, tinha um par de suportes estruturais, permitindo amarração de responsabilidade.

No encontro dos tubos ascendentes, o suporte da carroceria do chassi original, colocamos mais um tubo de suporte, fechando um triângulo estrutural.

Motor Simca V-8 entre eixos e a caixa Colotti (Foto: Ricardo Achcar)

Problema sem solução era a pouca espessura do eixo-piloto da caixa de 5 marchas criação do preparador Valerio Colotti, suprimindo anéis sincronizadores, aplicando engrenagens com dentes retos. Fora projetada para Renaults 4 CV, Dauphines e Gordinis e motores 750 e 850 cm³ — não o V-8 2500. Um duplo H, definia: primeira à esquerda, abaixo; quinta igual, à direita; ré oposta, para cima. O trambulador foi criação do Manoel exigindo nanoprecisão – ou se quebraria.

Outro era o sistema de arrefecimento. Radiador frontal, abaixo do motor, com caixa de compensação e sangradores para eliminar bolhas de ar. Bem calculado, mas fomos vencidos por um detalhe de verificação. O diabo está nos detalhes.

Voltando ao conjunto geral do carro, não foi difícil constatar, o aumento de peso ocasionado pelo motor baixo e entre eixos, respondeu ao resultado projetado.

O motor girava 6.200 rpm e podia chegar a 6.400, sem ponto fraco de quebra. Era muito resistente com limite definido pelo sistema arcaico de varetas de válvulas. Mas à época não havia carro para arrancar na frente do Santa Fúria.

Em relação ao conjunto, estabilidade e aderência limitadas pelos pneus radiais concebidos para derrapagem controlada.

Referência

O Simca-Achcar foi apelidado “Vem quente que eu estou fervendo…“ pelo jornalista Marcus Zamponi. Colou, e em nada enobrece a minha obra.

Razão estava no fato de, após algumas voltas, quando a temperatura da água chegava aos 103 ou 104 graus, a mangueira de saída inchava, se soltava espirrando a água fervente no meu pescoço.

Resumo a história: o sistema de arrefecimento do motor contava com o de melhor na indústria do país. Radiador celular Bongotti, aumentando o percurso da água, e o máximo de canais vazantes. Pedimos com capacidade para 11 l, mais a estocada nos canos de transporte, com diâmetro de 1 ½”. A bomba era poderosa, resistente, desenvolvida pelo Chico Landi, e o motor sempre com total rendimento e potência – e nunca fundiu.

Não aquecia por falta d’água, porém por má troca de calor no sistema baseado em alta pressão. Tantos anos passados creio, o problema estava na pressão formada pelo sistema de devolução dos estimados 11 litros d’água.

Explicação

Numa noite, quatro anos após, entrei no box de corrida na minha casa, e pedi ao Antônio me ajudar a medir a capacidade do radiador do Simca-Achcar: os 11 litros encomendados foram, na verdade física, apenas 7…

Silenciosos nos entre olhamos, fechamos a porta do box, e fomos para a Montenegro, hoje Vinicius de Moraes, e lá, no Garota de Ipanema, pedimos uns baldes de cerveja. Então, sem aviso algum o Português começou a esbravejar e a soltar impropérios que fariam Cabral ir de volta para Portugal. Bebia, espumava, me respingava. Eu fiquei calado e murcho.”

RN

P.S.: Há tempos busco localizar o Santa Fúria — ou seus restos, ou a história de seu fim. Se você souber, mande-me um e-mail. O Museu Nacional do Automóvel agradecerá. (RN)

Nota do editor: Conforme fora avisado aos colunistas e aos leitores/leitoras, não teríamos colunas de 25/12 a 2/1, mas o Roberto Nasser nos mandou a dele e não havia por que não publicá-la, especialmente esta e sua interessante história de um carro de corrida/BS.

A coluna “De carro por aí” é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.
(1.400 visualizações, 2 hoje)