Caro leitor ou leitora,

Desta vez, excepcionalmente, começamos o teste do Chevrolet Tracker 2018 pelo vídeo. A matéria completa, com ficha técnica e lista de equipamentos, será publicada neste início de noite.

O preço básico desta versão, a Premier, de topo, é R$ 96.790. Com o único pacote de opcionais e pintura metálica, monta a R$ 99.990.

BS

 

(1.311 visualizações, 3 hoje)


Sobre o Autor

Bob Sharp
Editor-Chefe

Um dos ícones do jornalismo especializado em veículos. Seu conhecimento sobre o mundo do automóvel é ímpar. História, técnica, fabricação, mercado, esporte; seja qual for o aspecto, sempre é proveitoso ler o que o Bob tem a dizer. Faz avaliações precisas e esclarecedoras de lançamentos, conta interessantes histórias vividas por ele, muitas delas nas pistas, já que foi um bem sucedido piloto profissional por 25 anos, e aborda questões quotidianas sobre o cidadão motorizado. É o editor-chefe e revisor das postagens de todos os editores.

Publicações Relacionadas

  • Fat Jack

    Corri ao YouTube para dar meu like e ainda não tinha “subido”, agora tenho que me policiar pra não esquecer. Seria legal se a postagem fosse conjunta.
    Uma pena a inexistência das “borboletas” para troca de marchas, eu ainda não me sinto tentado a adquirir um veículo com essa característica nem também tem o sistema start-stop obrigatório mesmo com as formas de contornar o sistema (não aceito isso do proprietário ter de se adequar ao carro).
    O consumo é bom levando em consideração a categoria e o formato da carroceria do carro.

    • Fat Jack, já ouviu a história do computador Eniac que deveria ficar pronto para a Segunda Guerra Mundial para os cálculos de balística, mas só ficou disponível em 1946? Faltou-lhes tempo. O mesmo com essa matéria do Cruze, faltou o essencial tempo….

  • Maximus Gambiarra

    Parece oferecer o mesmo que o Cruze LTZ por um preço menor.

  • guest, o original

    Off-topic: li num jornal de 1967 (infelizmente perdi o link) sobre a primeira prova dos Fórmula Vê no Rio de Janeiro; estava escrito que os monopostos, de origem Aranae, chegaram às vésperas da corrida e que, durante a classificação, o único piloto que não foi parar no lago foi o Bob Sharp. Muito interessante!

    Uma história como essa caberia como uma luva numa nova seção do Autoentusiastas, “Causos do Bob”…

    • luciano ferreira lima

      Interessante.

  • Marcos Alexandre

    Tenho muita vontade de conhecer (e dirigir) nessa estrada dos Romeiros. Pelo que pude perceber, após assistir a todos os vídeos postados pelo AE até hoje, trata-se de trecho que permite fazer boas curvas, acelerações, frenagens e retomadas. Tudo isso em um só lugar! Mas também acredito que exige experiência por parte dos condutores. Há sempre o tráfego de muitos veículos e ciclistas. Não tem muito acidente nessa estrada, caro Bob?

    • Marcos Alexandre, só vi dois acidentes esses anos todos, e um foi tombo de moto.

  • David, foi só neste teste, por questão de tempo. Mas sua observação é bem interessante. Bem, hoje à noite entrou o teste completo.