Depois das primeira impressões do Polo 1,0 200 TSI por ocasião do  lançamento no dia 26 de setembro, seguinte ao da apresentação, o AE ficou com um por 12 dias até esta semana. A versão era a topo Highline 1,0 200 TSI. Na sessão de fotos e gravação de vídeo na Estrada dos Romeiros, o Paulo Keller e o Juvenal Jorge tiveram oportunidade de experimentá-lo e, assim como a minha, a impressão deles foi totalmente favorável. Nós três tínhamos como referência o 1,6 MSI, o de motor aspirado e câmbio manual de cinco marchas e nossas opiniões sobre as duas versões convergiram, o que era esperado.

O novo Polo é decididamente um carro moderno com sinais evidentes de boa construção e dotado de boas características de habitabilidade, conforto de rodagem e desempenho, tanto em reta quanto em curva. Tem o DNA da marca na sua plenitude.

Posando com a “nossa” Maison Blanche ao fundo

A versão Highline que tivemos em mãos não era a mais completa. Não tinha, por exemplo, o grande atrativo que é o quadro de instrumentos digital-virtual, que é parte de um pacote (Tech High), tampouco o opcional livre rodas de 17 polegadas com pneus 205/50R17. O “nosso” 200 TSI, com o pacote Technology (R$ 2.800), tem preço de público sugerido de R$ 73.740, contra R$ 75.740 da versão dotada de todos os equipamentos. O preço do TSI 200 básico é R$ 69.190.

O carro testado tinha os opcionais pintura metálica prata Tungstênio (R$ 1.450) e o pacote Space (R$ 300), em que o mecanismo reclinador do banco do passageiro dianteiro permite que o encosto seja totalmente rebatido para frente, boa solução para transportar objetos longos.

O que esse tricilindro 1,0 turbo faz é realmente surpreendente

O trem de força traz como única novidade o motor 1,0 TSI com 3 cv mais (128 cv) que o  do Golf de mesmo motor. Isso com álcool, pois com gasolina permanecem os 116 cv, sempre a 5.500 rpm, e sem mudança no torque de 20,4 m·kgf no patamar de 2.000 a 3.500 rpm. O motor, desnecessário dizer, é brilhante sob qualquer aspecto e empurra com brilho os 1.147 kg da versão. A relação peso-potência de 9,89/8,96 kg/cv espelha bem isso.

O que mata um pouco o brilho do motor é o exclusivo da versão câmbio automático epicicloidal de 6 marchas. Sua aceleração certamente seria melhor que os 10,1/9,6 segundos para o 0 a 100 km/h fosse manual o câmbio. Mas para quem não gosta, não sabe ou tem preguiça de trocar marchas pela velha alavanca, o automático tem motivos para ser apreciado, embora a VW devesse oferecer os dois tipos.

Bom câmbio automático, mas a VW bem poderia oferecer o 200 TSI com o câmbio manual de 6 marchas do Golf 1,0 TSI

O carro é bastante ágil no trânsito urbano, pulando na frente da massa de veículos com facilidade à menor pressão no pedal do acelerador.

O câmbio automático — Aisin AQ250-6F, japonês — mostra bom funcionamento. O conversor de torque estola a 2.400 rpm e ajuda no tirar rapidamente o carro da imobilidade.  O conversor bloqueia-se a da terceira marcha em diante e há o bem-vindo controle de neutro, ou seja, ele fica fora de ação com carro parado/motor em marcha-lenta enquanto o pé estiver no freio. Há leve trepidação do motor nessa condição, mas não incomoda absolutamente. Saiu da marcha-lenta o motor é liso.

É bem programado visando economia de combustível, com trocas ascendentes sempre bem cedo, e “aprende” que o veículo está no anda  e para, passando a arrancar em segunda quando no plano.  Permite retomadas em 6ª já 1.500 rpm desde que não se acelere muito. A marcha em uso e o modo — D, S e manual — são indicados no painel, útil para quem se interessa por coisas mecânicas.

As trocas de marcha sequenciais podem ser feitas tanto pela alavanca seletora (sobe marcha para frente) quanto pela borboletas, estas tendo prioridade imediata sobre as trocas automáticas. Nas reduções há aceleração interina, embora não tão intensa como a que tenho visto em outros câmbios automáticos ou robotizados.

A v/1000 em sexta é 48,2 km/h com os pneus de série 195/55R16V, para 2.490 rpm a 120 km/h reais (com os 205/50R17 opcionais, pouco maiores em diâmetro, 49,5 km/h e 2.420 rpm). A velocidade máxima da versão é 187/192 km/h em 5ª a pouco mais de 5.000 rpm.

O consumo oficial Inmetro/PBVE é 11,6/8 km/l na cidade e 14,1/9,8 km/l, na estrada. Na Castello Branco cheguei a observar 14, 7 km/l (gasolina) a 128 km/h com controlador de cruzeiro e ar-condicionado ligados. Quem rodar em ritmo mais calmo, em torno de 100 km/h conseguirá números bem melhores. Com o tanque de 52 litros se vai longe, especialmente com gasolina.

O comportamento em curva, experimentado bem na Estrada dos Romeiros, é perfeito. Os pneus 195/55R16V (Goodyear Efficientgrip) são plenamente adequados para o tipo e porte de carro.  O subesterço é mínimo e a traseira é “pregada” no chão. O freio a disco nas quatro rodas cumpre seu papel com louvor. A direção eletroassistida, com o motor elétrico na árvore de direção, tem talvez a melhor calibração que já vi em indexação à velocidade, com peso correto em todas as situações.

A relação de direção 14,8:1 está entre as mais baixas, portanto rápidas, e torna o manuseio do volante bem fácil, embora o diâmetro mínimo pudesse ser algo menor que 11 metros, afinal o entre-eixos de 2.565 mm não é tão longo. São três voltas do volante, de 375 mm de diâmetro, entre batentes.

O rodar do Polo foi definido para ser mais favorável aos ocupantes de modo a eliminar a pecha de que “VW é duro”. Não que tenha ficado macio, longe disso, mas agora enfrenta-se com mais conforto as”pistas de teste” que são ruas de muitas cidades brasileiras, São Paulo entre elas.

Um problema no volante de direção é a mola do acionador da buzina forte demais, levando à  longa”buzinada de barbeiro”, sem intenção, em vez das educadas e breves de cortesia. Dá para corrigir facilmente e sem custo.

A lamentar a falta de alças de teto, daquilo que nem preciso dizer, e da luz traseira de neblina. Se há faróis de neblina é porque existe o fenômeno meteorológico, diz a lógica. Ou será que faróis de neblina são apenas para deixar o carro “lindão”? Em compensação há a luzes de rodagem diurna (por LEDs), para paz de espírito ao pegar uma rodovia por ser desnecessário ligar o farol baixo.

O quadro de instrumentos digital-virtual que conheci no breve teste no lançamento é maravilhoso e o carro todo é muito bem pensado, com bons espaço interno e porta-malas. Chama a atenção o fecho duplo do capô, dificilmente visto hoje, para maior certeza de que não abra em movimento (era assim no primeiro Passat, de 1974, eliminado na primeira reestilização, em 1979, passando a um só).

As setas mostram os dois fechos do capô

Para os mais ligados em segurança passiva, o Polo é 5 x 5 estrelas (adultos e crianças) no Latin NCAP, mesmo sem dispor de bolsas infláveis de cortina.

O sistema de infotenimento Discover Media, parte dos dois únicos pacotes opcionais oferecidos, é dos mais completos e por ele há inúmeras configurações para personalizar o veículo, das mais completas do mercado. Uma leitura da lista de equipamentos do Polo 200 TSI, após a ficha técnica, permitirá ao leitor ou leitora aquilatar melhor o elevado nível de equipamentos do novo Polo.

Por tudo, o novo Polo nesta versão tem tudo para agradar muito tanto a quem gosta de automóvel quanto a quem só o considera um meio de ir do ponto A ao ponto B.

Assista o vídeo:

BS

(Atualizado em 19/11/17 às 20h30, correção do nome da cor e adição do pacote de opcionais  do veículo testado)

 

FICHA TÉCNICA NOVO POLO 1,0 TSI 200 HIGHLINE
MOTOR
Designação EA211 R3
Instalação Dianteiro, transversal
Material do bloco/cabeçote alumínio/alumínio
N° de cilindros/configuração Três/em linha
Aspiração Forçada por turbocompressor BorgWarner com interresfriador, 1,3 bar
Diâmetro x curso (mm) 74,5 x 76,4
Cilindrada (cm³) 999
Taxa de compressão (:1) 10,5
Potência máxima (cv/rpm, G/A)) 116/128/5.500
Torque máximo (m·kgf/rpm, G/A) 20,4/2.000~3.500
Corte de rotação (rpm) n.d
N° de válvulas por cilindro 4, atuação indireta por alavanca-dedo roletada com fulcrum hidráulico
N° de comandos de válvulas Dois, no cabeçote, correia dentada, variador de fase na admissão em 50º e escapamento em 40º
Formação de mistura Injeçaõ direta a 250 bar
Gerenciamento do motor Bosch MED 17.5.21
Combustível Gasolina e/ou álcool
TRANSMISSÃO
Embreagem não aplicável.
Câmbio Transeixo dianteiro Aisin AQ250-6F com câmbio automático epicíclico de 6 marchas à frente e uma à ré, trocas manuais pela alavanca ou borboletas, com controle de neutro
Relações das marchas (:1) 1ª 4,459; 2ª 2,508; 3ª 1,556; 4ª 1,142; 5ª 0,851; 6ª 0,672; ré 3,185
Relação de diferencial (:1) 3,502
Rotação de estol do conversor (rpm) 2.400
Bloqueio do conversor de torque De 3ª em diante
SUSPENSÃO
Dianteira Independente, McPherson, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora Ø 20 mm
Traseira Eixo de torção, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora interna
DIREÇÃO
Tipo Pinhão e cremalheira, eletroassistida indexada à velocidade, motor elétrico na árvore de direção
Diâmetro mínimo de curva (m) 11
Relação de direção (:1) 14,8
N° de voltas entre batentes 3
FREIOS
De serviço Hidráulico, servoassistido a vácuo, duplo-circuito em diagonal
Dianteiro (Ø mm) Disco ventilado/276
Traseiro (Ø mm) Disco/230
Controle ABS obrigatório, EBD e assistência à frenagem
De estacionamento Mecânico a cabo, acionamento por alavanca
RODAS E PNEUS
Rodas Alumínio 6Jx16 (opcional 6,5Jx17)
Pneus 195/55R16V (opcional 205/50R17V)
Pneus, estepe 185/60R15H temporário
CONSTRUÇÃO
Tipo Monobloco em aço, hatchback 4-portas, 5 lugares, subchassi dianteiro
AERODINÂMICA
Coeficiente de arrasto (Cx) 0,344
Área frontal (m²) 2,15
Área frontal corrigida (m²) 0,74
DIMENSÕES EXTERNAS (mm)
Comprimento 4.057
Largura sem/com espelhos 1.751 / 1.964
Altura 1.468
Distância entre eixos 2.565
Bitola dianteira/traseira 1.524/1.501
Distância mínima do solo 160
CAPACIDADES (L)
Porta-malas 300
Tanque de combustível 52
PESOS (kg)
Em ordem de marcha 1.147
Carga máxima 433
Máximo rebocável com/sem freio 400
DESEMPENHO
Aceleração 0-100 km/h (s. G/A) 10,1/9,6
Velocidade máxima (km/h, G/A)) 187/192
CONSUMO INMETRO/PBVE
Cidade (km/l, G/A)) 11,6/8
Estrada (km/l, G/A)) 14,1/9,8
CÁLCULOS DE CÂMBIO
v/1000 em 6ª (km/h) 48,2 (49,5 com pneus 205/50R17V)
Rotação a 120 km/h em 6ª (rpm) 2.490 (2.420 com pneus 205/50R17
Rotação à velocidade máxima, 5ª (rpm) 5.040
MANUTENÇÃO
Revisões (km/tempo) 10.000/1 ano
Troca de óleo do motor 10.000/1 ano
Troca de óleo do câmbio Não troca, é vida-toda
GARANTIA
Inclusive legal (tempo anos) Três
Perfuração de chapa por corrosão, (tempo anos) Três

 

EQUIPAMENTOS DE SÉRIE E OPCIONAIS DO NOVO POLO 1,0 TSI HIGHLINE
Acionamento elétrico do vidros (4), um-toque dianteiros
Ajuste do volante em altura e distância
Alarme com controle remoto
Alerta de frenagem de emergência
Alerta sonoro de cintos dianteiros desatados
Alerta sonoro de faróis ligados ao desligar motor
Alto-falantes (4) e dois tweeters
Antena de teto traseira
Apoios de cabeça e cintos de três pontos no banco traseiro (3)
Ar-condicionado digital Climatronic com filtro de poeira e pólen
Assistente de partida em aclives
Banco do motorista com ajuste milimétrico de altura
Banco traseiro com encosto dividido rebatível
Bancos revestidos em tecido
Bolsas infláveis frontais (obrigatórias) e laterais
Câmbio automático epicíclico de 6 marchas
Chave-canivete presencial com controle remoto
Cintos dianteiros com ajuste de altura e pré-tensionador
Controle de estabilidade/tração, bloqueio eletrônico do diferencial
Descansa-braço com porta-objetos entre os bancos dianteiros
Desembaçador, limpador e lavador do vidro traseiro
Direção eletroassistida indexada à velocidade
Engates Isofix e pontos de fixação superior para 2 bancos infantis
Espelho direito com orientação para baixo ao engatar ré
Espelhos externos com ajuste elétrico e repetidoras de setas
Faróis de dupla parábola
Faróis de neblina com luz de conversão estática
Grade dianteira com inserto cromado
Iluminação do porta-luvas e porta-malas
Indicador de marcha em uso
I-System com Eco-Comfort e computador de bordo
Lanternas traseiras escurecidas
Luz de cortesia dianteira e traseira
Luz de rodagem diurna DLR em LED ao lados dos faróis de neblina
Maçanetas das portas e espelho na cor do veículo
Para-sóis com espelho e iluminação
Partida a frio sem injeção de gasolina
Partida por botão
Porta-óculos
Rodas de alumínio Avalanche com pneus 195/55R16
Saídas de ar-condicionado e tomada USB (2) para o banco traseiro
Sensores de estacionamento traseiro
Sistema de áudio Composition Touch com App-Connect
Sobretapetes
Suporte para celular removível com tomada USB para carga
Tomada 12-V no console central
Travamento elétrico e remoto de portas, porta-malas e tanque
Volante multifuncional com borboletas de troca de marcha
OPCIONAIS
Rodas de alumínio 17″ desenho Razor com pneus 205/50R17 – R$ 1.200
Couro Native – revestimento dos bancos em couro Native; revestimento das portas e laterais parcialmente em couro sintético Native – R$ 800
Pacote Space, encosto do banco do passageiro dianteiro rebatível – R$ 300
Pacote Tech High – Quadro de instrumentos digital, sensores de estacionamento dianteiro e traseiro; controle da pressão dos pneus; sistema S.A.V.E. de ajuste variável do espaço no porta-malas; antena Diversity Tubarão; câmera de ré; detector de fadiga; espelho interno eletrocrômico; farol com sensor crepuscular (posição “A” no interruptor de luzes) e função luz de aproximação/afastamento; rede no porta-malas; sensor de chuva; freio multicolisão; sistema de infotenimento Discover Media com tela tátil de 8″, Bluetooth, navegação, App-Connect e comando de voz. R$ 3.300
Pacote Technology Pack – sensores de estacionamento dianteiro e traseiro; controle da pressão dos pneus; sistema S.A.V.E. de ajuste variável do espaço no porta-malas; antena Diversity Tubarão; câmera de ré; detector de fadiga; espelho interno eletrocrômico;  farol com sensor crepuscular (posição “A” no interruptor de luzes) e função luz de aproximação/afastamento; rede no porta-malas; sensor de chuva; freio multicolisão; rede no porta-malas; sensores de chuva e crepuscular; sistema de infotenimento Discover Media com tela tátil de 8″, Bluetooth, navegação, App-Connect e comando de voz. R$ 2.800
(11.374 visualizações, 1 hoje)


Sobre o Autor

Bob Sharp
Editor-Chefe

Um dos ícones do jornalismo especializado em veículos. Seu conhecimento sobre o mundo do automóvel é ímpar. História, técnica, fabricação, mercado, esporte; seja qual for o aspecto, sempre é proveitoso ler o que o Bob tem a dizer. Faz avaliações precisas e esclarecedoras de lançamentos, conta interessantes histórias vividas por ele, muitas delas nas pistas, já que foi um bem sucedido piloto profissional por 25 anos, e aborda questões quotidianas sobre o cidadão motorizado. É o editor-chefe e revisor das postagens de todos os editores.

Publicações Relacionadas