Roberto Agresti recomenda:

Qual a maior qualidade do Chevrolet Equinox? Depois do teste de lançamento — breves duas centenas de quilômetros em excelentes rodovias do entorno da capital paulista — a novidade mostrou diversas características excelentes, uma bem marcante é sem dúvida o preço: R$ 149.900, valor que pode ser acrescido unicamente de R$ 1.000 a R$ 1.700, de acordo com a cor escolhida (são cinco) já que opcionais, não há.

O SUV hecho en México chega ao Brasil em versão única, batizada de Premier AWD, e se encaixa exatamente no meio dos Chevrolet deste segmento à venda no Brasil, abaixo da grande Trailblazer e acima do Tracker. A chance de fazer sucesso é grande pois por tal valor nenhum outro concorrente — anote especialmente Audi Q3, Honda CR-V, Jeep Compass, Peugeot 3008 — oferece tanto. Aliás, é de se perguntar qual a mágica que a General Motors do Brasil fez para conter o preço a “apenas” 150 mil reais em um carro que nos EUA, em versão equivalente, custa cerca de 40 mil dólares.

Um desenho atraente

Números à parte, vamos aos predicados do Equinox, que certamente não se destaca por um desenho marcante, criativo, mas que cativa quem o dirige conforme os quilômetros passam. Aliás, quem o dirige e também quem vai de passageiro: durante um trecho da experimentação ocupei o banco traseiro e pude aferir que o conforto é digno de um carro com verdadeiras pretensões familiares, onde por “família” se entende não apenas crianças mas sim marmanjos como eu mesmo: meu metro e 80 cm de estatura encontrou abrigo mais do que correto para horas de viagem no banco traseiro. E atrás dele, um porta-malas apenas razoável, relativamente “raso”mas que conta com um compartimento sob o piso para objetos menores e, abaixo disso tudo, um estepe de uso temporário, daqueles fininhos.

Fora o preço, o conforto dos bancos e espaço interno da cabine (o assoalho entre as fileiras de bancos é plano!) o que mais se destaca na Equinox? O motor vigorosíssimo, um Ecotec quatro em linha 2-litros turbo a gasolina do qual emanam nada menos que 262 cv de potência máxima e 37 m·kgf de torque, este bem distribuído, presente desde os mais baixos giros para resultar em boa potência bem cedo. Aliado de luxo deste motor é o novo câmbio automático de 9 marchas da GM que merece muitos adjetivos: suave, preciso, discreto, eficiente…

O motor 2-L turbo de 262 cv e 37 m·kgf propulsiona o Equinox com vitalidade

A parceria desta dupla motor+câmbio é excelente, e quase não se percebem as passagens e reduções de marchas. Tanto em tocada tranquila, levando a vovozinha para a missa, como na mais ardida, mostrando o quanto “fala” o Equinox para nosso amigo da adolescência, a conversa entre motor e câmbio é correta. E, sim, há opção 4×4. Digo “opção” pois no Equinox a tração padrão é a dianteira. A tração AWD, integral, é acionada ao gosto do freguês, ou seja pelo motorista através um botão no console central. Por ser assim, poderia fazer pensar que ela serve apenas ao uso em situações onde os pneus 235/50R19 encontrarão dificuldade em fazer progredir o Equinox decentemente, por exemplo estradinhas de terra ensaboadas ou aquela entrada desnivelada e úmida na qual a tração 4×2 terá dificuldade em dar conta.

Todavia o sistema 4×4 pode sim ser usado (e inclusive ligado) a qualquer velocidade e em qualquer condição de piso. Varia a distribuição de torque individualmente em cada roda e entre eixos pois tem diferencial central, e assim vale usá-la tanto em situação extrema como as descritas no parágrafo anterior, além de em piso molhado. Já no dia a dia, acionar o 4×4 significará desperdício de combustível sem efetiva contrapartida prática.

Como não poderia deixar de ser, o SUV da Chevrolet é um catálogo ambulante dos mais recentes dispositivos de segurança e conforto: tem seis bolsas infláveis, ajuste do banco do motorista elétrico com memórias, serviço de concierge OnStar, abertura da tampa do porta-malas elétrica, câmera de ré, sensores de distância dianteiros e traseiros, alerta de colisão frontal, de distância do carro à frente, de ponto cego, de permanência na faixa de rodagem e até de esquecimento de criança no banco traseiro! Tudo isso funciona por meio de uma associação de luzes, da vibração do volante, da vibração do assento do motorista e, claro, por alertas sonoros. Detalhar exatamente como e quando cada um desses dispositivos atua é tarefa para o editor do AE que for premiado com o “no uso” de um Chevrolet Equinox. Em breve, aguardem…

No trecho de rodovia que encarei com o Equinox a maior estrela foi — insisto — o vigoroso motor, porém surpreendeu também o equilibrado ajuste da suspensão independentes nas quatro rodas, McPherson na frente e multibraço atrás, nem “soft” demais, nem “hard”. Corretas e competentes também por não passarem à cabine imperfeições do piso.

Dotado de controle de estabilidade, os números praticamente coincidentes de altura da carroceria (1.695 mm) e da massa em ordem de marcha (1.693 kg) não incidem negativamente num dirigir mais animado. Quando o volante é provocado propositalmente além da conta, a sensação é das melhores, pois a intervenção eletrônica impede que a traseira passe à frente. Aliás, nem a menção disso é percebida.

Já em situação mais civilizadas como, por exemplo, em rodovia a 120 km/h, o motor ronrona a quase míseros 1.600 rpm, o que certamente contribui para cumprir o que promete o Inmetro para o modelo em condição rodoviária, 10,1 km/l de gasolina (o Equinox não tem versão flex). Na cidade a cifra declarada é de 8,4 km/l de média.

O Chevrolet Equinox é, como disse no início, um suve que entrega mais por menos e assim na lista de espetaculares “mimos” ainda não citados estão um teto solar panorâmico (cuja porção frontal abre de verdade), ar-condicionado digital bizona, controle de descidas, chave presencial e partida por botão, faróis full LED — de acendimento e comutação para facho alto automático, este só se não incomodar —, portas USB à vontade e a central multimídia MyLink com tela de 7″ associada a um sistema de áudio Bose que, inclusive, atua para redução do ruído interno, captando o ruído da cabine por meio de quatro pequenos microfones e fazendo com que os alto-falantes gerem frequência oposta, o que em conjunto com uma caprichada insonorização (para-brisa acústico e vedação tripla nas portas) faz do Equinox um dos carros mais silenciosos que já experimentei.

Mas no fundo, no fundinho, a estrela do novo suve Chevrolet (que repetitivo sou eu!) é a dupla motor+câmbio. Ao afundar o pé com fé nas saídas de pedágio o vigor da progressão encanta, seduz, provoca. Lembrar que isso vem junto com um conforto espetacular e uma infinidade de modernidades úteis e nem tanto, por “apenas” R$ 149.900 é realmente digno de nota.  O Equinox se posiciona muito bem na cena do mercado nacional. Será convenientemente recebido? Sua majestade o consumidor está com a palavra…

Dianteira imponente

RA

 

FICHA TÉCNICA CHEVROLET EQUINOX PREMIER AWD
MOTOR
Designação Ecotec 2,0 Turbo
Descrição 4-cil em linha, transversal, bloco e cabeçote de alumínio, turbocompressor de dupla voluta com interresfriaddor, duplo comando de válvulas com variador de fase contínuo em ambos, 16V, injeção direta, gasolina
Cilindrada (cm³) 1.998
Diâmetro e curso (mm) 86 x 86
Taxa de compressão (:1) 9,5
Potência máxima (cv/rpm) 262/5.500
Torque máximo (m·kgf/rpm) 37/4.500
Formação de mistura Injeção direta
SISTEMA ELÉTRICO
Tensão (V) 12
Bateria, capacidade (A·h) 70
Alternador (A) 150
TRANSMISSÃO
Câmbio Transeixo automático  epicíclico Hydra-Matic 9T50 de 9 marchas + ré, integral sob demanda, predominante dianteira
Relações das marchas (:1) 1ª 4,69; 2ª 3,31; 3ª 3,01; 4ª 2,45; 5ª 1,92; 6ª 1,45; 7ª 1,00; 8ª 0,75; 9ª 0,62; ré 2,96
Relação do diferencial (:1) 2,777
SUSPENSÃO
Dianteira Independente, McPherson, braço triangular, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
Traseira Independente, multibraço, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
DIREÇÃO
Tipo Pinhão e cremalheira eletroassistida indexada à velocidade
Diâmetro mínimo de curva (m) 11,4
FREIOS
Dianteiros e traseiros (Ø mm) Disco ventilado/321
Traseiros (Ø mm) Disco ventilado/303
RODAS E PNEUS
Rodas Alumínio, 7,5Jx19
Pneus 235/50R19
Estepe temporário T125/70R17
CARROCERIA
Tipo Monobloco em aço, suve, 4 portas, 5 lugares
AERODINÂMICA
Coeficiente de arrasto n.d.
Área frontal (calculada) 2,499 m²
Área frontal corrigida (Cx a A) n.d.
CAPACIDADES (L)
Porta-malas 468/930 com 2ª fileira de bancos rebatida
Tanque de combustível 59 litros
PESOS
Em ordem de marcha 1.742 kg
Carga útil 452 kg
DIMENSÕES (mm)
Comprimento 4.652
Largura sem/com espelhos 1.843/2.105
Altura 1.695 com estrados de teto
Distância entre eixos 2.725
DESEMPENHO
Aceleração 0-100 km/h (s) 7,6
Retomada 80-120 km/h (s) 5,5
Velocidade máxima (km/h) 210 (limitada)
CONSUMO DE COMBUSTÍVEL INMETRO/PBVE
Cidade km/l) 8,4
Estrada (km/l) 10,1
CÁLCULOS DE CÂMBIO
v/1000 em 9ª (km/h) 76,2
Rotação a 120 km/h, em 6ª (rpm) 1.570

 

PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS DO CHEVROLET EQUINOX PREMIER AWD
Abertura das portas e alarme antifurto através de sensor de aproximação na chave
Acendimento automático dos faróis através de sensor crepuscular
Acionamento elétrico de todos os vidros um-toque, com antiesmagamento e fechamento/abertura automática pela chave
Ajuste elétrico no banco do motorista, inclusive lombar, com duas memórias
Ar-condicionado bizona com controle eletrônico de temperatura, sistema de recirculação e dutos de ar para o banco traseiro
Assistente de partida em aclive
Chave presencial eletrônica
Computador de bordo com tela de LCD em cores, com cinco modos
Controlador automático de velocidade de cruzeiro
Controle de velocidade em declive
Controles de áudio e telefonia no volante
Direção eletroassistida indexada à velocidade
Espelho retrovisor interno eletrocrômico
Espelhos retrovisores externos de acionamento elétrico, aquecidos, com repetidoras de seta e rebatimento
Freio de estacionamento elétrico
Grade do radiador ativa
Partida sem chave
Sensor de chuva com ajuste automático de intensidade
Sistema de áudio Bose com 5 alto-falantes e 2 woofers
Sistema de partida do motor por controle remoto com acionamento do ar-condicionado
Sistema multimídia MyLink com tela capacitiva de 8″, GPS e compatibilidade com Apple CarPlay e Android Auto, que permitem projetar o smartphone do usuário diretamente na tela do carro
Stop/start (desliga/liga motor nas paradas); não pode ser desligado
Teto solar panorâmico
Trava elétrica das portas com acionamento na chave
Volante de direção com regulagem em altura e distância
Volante de direção, bancos e painel de apoios de braço com revestimento premium


  • Bruno Bertha

    262 cv por 150 mil. A GM finalmente parece ter entrado na briga para ganhar. Espero que a demanda não seja limitada por questões de importação. Belo carro.

  • Café Racer, é mesmo impressionante. O 2-L do Mercedes A 45 AMG, por exemplo, produz 381 cv a 6.000 rpm.

  • Clésio Luiz

    Com o mercado brasileiro pendendo fortemente para os crossovers e SUVs, não entendo como a Ford e a Chevrolet não têm uma linha completa disponível no Brasil, já que nos EUA eles tem modelos para todos os gostos e bolsos.

  • Marcio Klitzke

    A foto da alavanca de câmbio diz que não possui operação sequencial manual. Mas há um botão + e – na parte superior da mesma. Não é a melhor opção (aletas atrás volante), mas a GM não gosta de facilitar..

    • razorhanny

      Para onde tu vais passando 9 marchas manualmente, Zé?

  • Bruno, é que há cerca de três anos a metodologia de medicação de consumo do Inmetro foi modificada para aproximar os números de consumo daqueles observados no mundo real. Desse modo, à norma brasileira que rege o assunto, a NBR 7024, foi aplicada correção nos ciclos-padrão de cidade e estrada, respectivamente 22% e 29%. Por esse motivo tem, de fato, acontecido o que você diz.

  • Danniel

    Já eu lembro disto daqui:
    https://img.discogs.com/J-bdRD4arg_ZlA94UMBwsrlI-k4=/fit-in/600×600/filters:strip_icc():format(jpeg):mode_rgb():quality(90)/discogs-images/R-122268-1209709067.jpeg.jpg

  • Guilherme, esta impossibilidade de desligar o stop/start é uma forma torpe de patrulhamento. Você tem toda razão. Eu jamais compraria um carro com essa característica.

  • FocusMan

    Dizem os ecochatos que todos temos que fazer a nossa parte. Interessante que grande parte deles fumam bastante e não acham isso errado.

  • Rubergil Jr

    Muito obrigado pela resposta!

  • Pedro, pessimista você, hein! Já está secando o Equinox?

  • Pedro, pode explicar esse “quebrou a cara”?

  • Jão dos carros velhos

    Perdão: Tenho a mesma altura tua. Discordo de tudo. Não tem a mínima coerência dizer que a bagagem é menor do que estes supracitados modelos.

    Completo ao segundo: nada de mal construído. Excelente encaixe (sem vãos discrepantes entre si), bons materiais e arremates excelentes.

  • Gerson, já tentei me acostumar, mas não dá. É horroroso sentir o motor desligar. A GM errou ao adotar esse conceito de stop/start permanente. Essa estratégia seria eliminatória para eu adquirir um carro.

    • Gerson Borini

      Bob, realmente é uma questão de costume e acredito que num futuro próximo alguns carros deverão ter um botão para desabilitar o start-stop.

  • Patrulhamento, caro Guilherme, eis o motivo.

  • Boa dica, KVF. Mas seria mais fácil e sobretudo respeitoso haver um interruptor.

  • Gerson Borini

    Não é algoritmo. É físico, se você alivia a pressão do freio o sistema entende que o carro será colocado em movimento, portanto já parte o motor e como o sistema tem um tempo mínimo até o próximo autostop, ele ficará funcionando.

  • Piantino

    Desliga sim, tenho um A3 que tem a mesma função que diz que não desligaria se não atingir a temperatura programa, mas ele desliga.