O Peugeot 3008 agora é um SUV, sucedendo o modelo anterior, que era uma mistura de perua com minivan, um pouco diferente de todos os outros carros. Em um primeiro contato, não há como não dizer que o ponto alto desse novo 3008 é o estilo. Todo criado na França, o principal estilista do 3008 é Sebastien Criquet, e o site Car Body Design publicou algumas imagens dos desenhos conceituais de Criquet. Não pude resistir à tentação de publicá-los aqui, bem como algumas outras do protótipo 3008 DKR que venceu o rali Dakar em janeiro passado. Para entender melhor este protótipo com tração traseira, recomendo a leitura do texto do Milton Belli, onde ele o explica em detalhes.

Poucos ficam indiferentes a ele. Gente de todos os sexos e idades dobraram os pescoços para olhar melhor, e não foi uma ou duas vezes durante os dias que passei com ele. Foram muitas. E quem tem a sorte de poder dirigi-lo nota rapidamente que o 3008 não é só atraente pelo visual.

Andar na cidade dá uma pequena ideia da habilidade dinâmica, em muito ajudado pelo diâmetro de curva pequeno, de 10,7 metros. Mas é só quando o prato cheio de curvas da Estrada dos Romeiros é servido é que o leão francês saliva de verdade. E eu salivei junto.

Tentando andar devagar para sentir as reações nas curvas e me acostumar ao carro, ele parecia conversar comigo. Eu querendo andar devagar e ele rápido. Rapidamente trocamos uma ideia. Esqueci a minha e fiquei com a dele.

Acelerar o 3008 é agradável. O motor é o conhecido THP (turbo high pressure) criado e desenvolvido pela PSA Peugeot Citroën em conjunto com a BMW e por ela usado nos modelos de tração dianteira da série 1. até os anos-modelos 2012. O nome dessa família de motores de 1,4 e 1,6 litro dentro da empresa é Prince. Tem injeção direta e comando de válvulas variável.

Os modelos que o utilizam são vários na PSA e e o foram nos MINI, como os Countryman, Countryman S, Paceman, Paceman S, Countryman Cooper Works, Paceman Cooper Works. Nos produtos da PSA, Peugeot 208, 308, 208 GTI, 308 GTI, Citroen DS3, DS3 Racing, DS4, DS5.  Com ele, o 3008 anda muito bem, como acelerar de 0 a 100 km/h em 8,9 segundos e atingir 206 km/h, dados do fabricante.

Este motor tem vários prêmios, de 2007 a 2014 o melhor na categoria entre 1,4 e 1,8 litro segundo a publicação britânica Engine Technology International, em júri formado por mais de 30 jornalistas de todo mundo (júri do qual nossos colunistas  Fernando Calmon e Roberto Nasser fazem parte), e o 3008 foi escolhido como Carro do Ano 2017  na Europa, por um júri de 58 jornalistas. Portanto, uma boa combinação, essa que testamos.

Todo novo em estrutura de carroceria, começou a ser vendido em janeiro de 2016 na Europa. Esse carro agora é feito na arquitetura EMP2 (Efficient Modular Platform 2), da PSA, e que no Brasil chegou primeiro no Citroën C4 Picasso. É fabricado apenas em Sochaux, França.

Apesar de ter uma gama grande e motores diesel (claro) na Europa, por aqui chega apenas uma versão, a julgada mais conveniente Griffe, a gasolina e com câmbio automático de seis marchas.

Esta caixa tem o trabalho alterado pela tecla Sport, que muda as rotações de trocas, fazendo-as mais altas, e muda também a direção, deixando-a menos leve, mais agradável. A tração é dianteira, e o câmbio automático de seis marchas funciona de maneira exemplar, sem trocas de marcha desnecessárias, antes ou depois da hora exata. Se quiser andar mais rápido, com mais rotação antes de trocar, basta acionar a tecla S no console, junto da interessante alavanca de seleção, que é feita sem correr em grelha.

A caixa de câmbio é Aisin, japonesa, marca utilizada em várias empresas e de qualidade inquestionável. O nome é EAT6, Efficient Automatic Transmission,  é a última evolução da caixa transversal de seis marchas lançada em 2004. Está muito rápida nas trocas, com um ótimo controle de força nas passagens de marcha, o que deixa em patamares mínimos os trancos, que nem podem ser assim chamados, pois na maioria das vezes não se sente quase nada de alteração de força do motor e seu efeito no balanço da carroceria.

Pelas informações da Peugeot local, o carro pesa 1.567 kg em ordem de marcha, ou seja, tanque cheio e sem ninguém dentro. Achei estranho o fato de ser divulgado que ele está cerca de 100 kg mais leve que o modelo anterior e ainda ter mais de 1,5 tonelada. Procurei no manual do proprietário, escrito em português de Portugal:  1.300 kg. Olhei no release da Europa, 1.300 kg a 1.400 kg, dependendo de motor, câmbio, versão e opcionais. Procurei em testes de publicações europeias, e mais uma vez, números entre 1.300 kg, até 1.375 kg em ordem de marcha, considerando motorista de 75 kg (metodologia do Mercado Comum Europeu).

Portanto, leitor ou leitora, A PSA brasileira pode agora divulgar o número exato e mostrar que tem um carro bem mais leve do que estava informando. Assim, não se preocupe de afundar o piso da sua garagem com quase 1.600 kg de carro, pois o novo 3008 pesa 1.300 kg em ordem de marcha.

Para conseguir esse número, capô e para-lamas dianteiros são em alumínio, assoalho do porta-malas é em plástico revestido de carpete, a tampa traseira tem estrutura em aço, mas painel externo em plástico, e há aços de resistências e espessuras variadas, formando peças projetadas para a melhor resistência possível com mínima massa. Mesmo assim, há componentes bem pesados, como a roda de 19 polegadas e seus pneus enormes, que removi para fotografar as suspensões, e precisei fazer força para movê-las.

E esse peso em ordem de marcha — nada excessivo — explica em parte o consumo, bem contido para o tipo de carro. São 16,6 km/l em uma viagem de 100 km, com 20 km na cidade e 80 km em estrada. Em área urbana, em um dia de “inferno pré-feriado”, seco e quente, em inverno fajutíssimo, 7,5 km/l andando por 4 horas, a- condicionado ligado todo tempo. Bastante bom pelas condições péssimas de fluxo.

Outros consumos anotados conforme o computador de bordo, foram:

– urbano livre, ruas e avenidas com semáforos, 9,0 km/l
– via expressa, trânsito entre 70 e 90 km/h, 20 km/l
– rodovia de pista dupla, limite 120 km/h, 18,0 km/l andando calmo, 16,3 km/l andando “nervoso”
– durante o vídeo, estrada dos Romeiros, 8,5 a 12 km/l
– estrada com limite de 90 km/h, andando alegre (desviando das chicanes móveis) 18,0 km/l

 

Grande trunfo

Mas o grande trunfo do 3008 é sua dirigibilidade precisa e sua carroceria que não balança como de suves normais, mesmo não sendo pequeno, com 4.447 mm de comprimento, 2.090 mm de largura nos espelhos e 1.625 mm de altura. O carro tem um movimento muito contido, e apenas em pisos mais ruins é que se nota que não estamos em um carro baixo. Mesmo assim, agrada bastante, em muito auxiliado pelas suspensões que são clássicas e simples, mas muito bem calibradas de mola, amortecedor e buchas, resultando em bom comportamento. McPherson na frente e eixo de torção atrás prestam um serviço muito bom. Nem mesmo foi necessária barra estabilizadora atrás, a rolagem é bastante pequena.

Para andar à noite, um equipamento cada vez mais difícil de encontrar.  Quatro faróis baixos, provendo luz em quantidade e qualidade elevadas. LEDs fazem o show à frente, permitindo segurança e tranquilidade.

Para manobrar, o sistema Visio Park tem câmera de ré com duas imagens, a normal e outra com formação de imagem superior (planta), feita por software, que ajuda bastante em locais apertados e/ou escuros. Dependendo da distância dos obstáculos, a imagem passa a ser apenas em planta, em dois tamanhos.

Dentro dele, só alegria. Banco com ajustes elétricos para motorista, inclusive lombar. No do passageiro, apenas o lombar é elétrico,  mas ambos tem comando de massagem em cinco modos e três velocidades, dispositivo movido a oito bolsas pneumáticas que fazem as pessoas ficarem na estrada por mais tempo sem ter que parar para esticar o corpo.

Atrás, espaço amplo no banco que tem rebatimento de encosto 60:40, favorecido pelo entre-eixos de 2.675 mm, duas saídas de ventilação, tomada de energia no console, porta-garrafas nas portas, mais espaço para objetos nelaas, luzes de leitura e um teto de vidro que abre metade e tem a outra metade fixa. Eu faria a dianteira fixa e a segunda abrindo, melhorando mais a ventilação quando o ar-condicionado está desligado. Tudo tem cor clara acima da linha de cintura, ampliando visualmente o espaço. Em suma, uma delícia de carro para viagens, um ambiente agradável.

Os instrumentos são uma tela no quadro visível acima do volante, solução primeiro apresentada no 208. Bastante bem feito, está no lugar certo, desde que o motorista sente-se corretamente e ajuste o volante de acordo. Este é pequeno, tem a parte inferior e superior achatadas (350 mm de largura pr 340 mm de altura), e pelo seu tamanho, com capa central grande, onde está a buzina, atrapalha quem tem o hábito de “ordenhar vaca” no volante (pegá-lo por dentro do aro, situação que atrapalha os braços e pode provocar problemas). Ponto mais do que positivo esse conjunto.

Esse quadro tem três modos de instrumentos, um padrão com velocímetro à esquerda e conta-giros à direita, este de funcionamento anti-horário, muito  estranho, é uma nota destoante nesse excelente 3008. O outro modo é com um conta-giros à esquerda, com padrão de tambor giratório na horizontal, e informações de computador de bordo à direita, com consumo, autonomia e distâncias percorridas. Há também o modo mínimo, apenas com velocidade em número digital (que funciona nos três modos sempre) e indicação de marcha, além dos sempre presentes hodômetro total e parcial. Esse funciona bem para a noite, quando pouca luz diante dos olhos é sempre salutar, pelos poucos reflexos no vidros e menos cansaço visual.

A tela central pode ser desligada quando aquelas informações sempre ao lado dos olhos se tornam cansativas,  e tem as informações de rádio, ventilação e GPS, esse apenas com o smartphone pareado, e com a possibilidade de ver as fotos que se carrega no telefone na tela.

Há luzes azuis nas portas, porta-objetos, porta-luvas, ao redor do teto solar e em alguns outros pontos. É a “iluminação de humor”, que pode ser desligada pelo menu do veículo. Debaixo do descansa-braço central há um porta-objetos profundo com iluminação e refrigeração, que funciona quando se liga o ar-condicionado. Perfeito para aquela bebida de sua preferência (sem álcool, claro) na estrada ou nos sempre presentes congestionamentos.

No mais, teclas de aquecimento de bancos e os normais pisca-alerta e desembaçadores, todos nas teclas do tipo toggle (comutador de lingueta alternado, ou, outra em interessante tradução que encontrei, teimoso, pois ao ser acionado ele volta à posição inicial) e mais botões abaixo delas. Abaixo dessas teclas, carregamento de celular por indução e tomada USB e outra circular para telefones, tablets ou outros.

Freio de estacionamento é elétrico, e não precisa nunca ser acionado pelo motorista. Ele freia quando se coloca o câmbio em P, e solta-se em Drive, apenas quando se acelera, evitando acidentes com o carro solto. Em N o freio está sempre ativado. Como se faz na manutenção, para ter o carro solto, não está explicado.

Porta-malas grande, 520 litros com o banco traseiro em posição de uso, com placa removível no assoalho, estepe temporário e ferramentas alojados no porão, feito em plástico também para reduzir peso e eliminar possibilidade de corrosão, todo acarpetado e com isoladores de ruído. Há dois calços de roda dobráveis para ajudar na troca de pneu, servindo como apoio.

O Peugeot 3008 é confortável, anda bem e gasta pouco. Tem visibilidade ótima, espelhos externos perfeitos, estilo agradável para a maioria – parece um carro conceito suavizado – e muita criatividade tanto fora quanto dentro.

Um carro que merece atenção de quem precisa de algo desse tipo e está cansado das marcas “sempre as mesmas”, ou dos estilos de jipes enfeitados. Tem uma enorme dose de carronalidade, a personalidade dos carros, e com um bom trabalho de propaganda poderá ser um sucesso na categoria, pois grandes qualidades não lhe faltam. E seu preço, R$ 139.900, deixa a sensação de que vale o que custa.

JJ

Mais fotos:

Equipamentos:

  • alarme perimétrico e volumétrico
  • ar-condicionado automático de duas zonas com saídas para os bancos traseiro
  • assistente de saída em rampa
  • bancos dianteiros com ajustes elétricos e massageador (memória no do motorista)
  • câmera traseira de manobras
  • carregador de celular por indução (sem fio)
  • chave presencial para acesso e partida
  • controlador de velocidade de cruzeiro com limitador
  • controle de tração e de estabilidade
  • engates Isofix para bancos infantis
  • faróis de neblina de LEDs com iluminação de curvas
  • faróis de LEDs com luzes diurnas e regulagem automática de altura de facho
  • faróis e limpador de para-brisa automáticos
  • freios antitravamento (ABS) com distribuição eletrônica de frenagem (EBD) e assistência adicional em emergência (REF)
  • quadro de instrumentos digital de 12,3 pol
  • revestimento de bancos em couro
  • rodas de alumínio modelo Boston de 19 polegadas
  • seis bolsas infláveis (frontais, laterais dianteiras e de cortina)
  • sensores de estacionamento à frente e atrás
  • sistema de áudio com tela de 8 pol
  • teto solar panorâmico com abertura elétrica
  • volante com regulagem de altura e distância.
FICHA TÉCNICA PEUGEOT 3008
MOTOR
Tipo THP165, 5GZW, 1,6,  L-4, comando por corrente, 4 válvulas por cilindro, injeção direta, gasolina
Instalação Dianteiro, transversal
Material do bloco/cabeçote alumínio/alumínio
N° de cilindros/configuração 4 / em linha
Diâmetro x curso (mm) 77 x 85,5
Cilindrada (cm³) 1.598
Aspiração Turbocompressor com interresfriador
Taxa de compressão (:1) 10,5
Potência máxima (cv/rpm) 165/6.000
Torque máximo (m·kgf/rpm) 24·5/1.400 a 4.000
N° de comando de válvulas/localização 2 /cabeçote, variável na admissão
Formação de mistura Injeção direta
TRANSMISSÃO
Rodas motrizes Dianteiras
Câmbio EAT6, automático, 6 marchas à frente e uma à ré
Relações das marchas (:1) 1ª 4,04; 2ª 2,37; 3ª 1,56; 4ª 1,16; 5ª 0,85;  6ª 0,67
Relação de diferencial 3,683
FREIOS
De serviço ABS obrigatório
Dianteiro (tipo, Ø  mm) Disco ventilado/300 (medido)
Traseiro (tipo, Ø  mm) Disco, 285 (medido)
SUSPENSÃO
Dianteira McPherson, triângulo inferior, mola helicoidal e amortecedor pressurizado, concêntricos
Traseira Eixo de torção, mola helicoidal, amortecedor pressurizado
DIREÇÃO
Tipo Pinhão e cremalheira eletroassistida indexada à velocidade
Voltas entre batentes 3,1
Diâmetro mínimo de curva (m) 10,7
RODAS E PNEUS
Rodas Liga leve 7,5J x 19
Pneus 235/50R19
PESOS (kg)
Em ordem de marcha 1.300
Carga máxima 650
Peso bruto total 1.950
Reboque máximo sem freio/com freio 685 /1.550
CARROCERIA
Tipo Monobloco em aço, 4 portas, 5 lugares
DIMENSÕES EXTERNAS (mm)
Comprimento 4.447
Largura sem/com espelhos 1.906 / 2.098
Altura 1.625
Distância entre eixos 2.675
Bitola dianteira/traseira 1.579 / 1.601
Altura do solo 226
AERODINÂMICA
Coeficiente de arrasto (Cx) 0,30 (calculado)
Área frontal calculada (m²) 2,478
Área frontal corrigida (m²) Cx x A = 0,76 (dado PSA Europa)
CAPACIDADES (L)
Porta-malas 520 /1.482
Tanque de combustível 53
DESEMPENHO
Velocidade máxima  (km/h) 206
Aceleração 0-100 km/h (s) 8,9
Relação peso-potência (kg/cv) 7,9
CONSUMO DE COMBUSTÍVEL (Observado)
Cidade (km/l) vide texto
Estrada (km/l) vide texto
CÁLCULOS DE CÂMBIO
v/1000 na última marcha (km/h) 53,3
Rotação do motor a 120 km/h em 6ª (rpm) 2.250
PREÇO  (R$) 139.900
GARANTIA
termo 3 anos

 

(4.535 visualizações, 1 hoje)