Foi em 1995, na Áustria, que a Volkswagen comemorou 60 anos contados desde a apresentação do primeiro protótipo, o V1, em julho de 1935.   

Esta matéria foi sugerida pelo amigo Marco Hammerand, alemão que atualmente mora em Pomerode (SC). Ele enviou um relato de sua participação num evento épico com o qual a Volkswagen AG comemorou o aniversário de 60 anos do Fusca em termos mundiais. O evento contou com a presença de um importante participante no projeto do Fusca, o filho de Porsche, Ferdinand Anton Ernst Porsche, mais conhecido como Ferry Porsche, que estava comemorando seu aniversário de 86 anos por aqueles dias.

Nesta foto Ferry Porsche em pé ao lado de seu pai (Foto: Volkswagen Archiv)

Vamos ver os critérios que definiram data e local para a realização desta grande festa:

O dia 22 de junho de 1934 mudou a história do automóvel: neste dia o escritório de engenharia e consultoria de motores e construção de veículos Dr. Ing. Hc F. Porsche GmbH recebeu da Associação Alemã da Indústria Automobilística do III Reich (RDA) o contrato para a concepção e construção do Volkswagen (“Volkswagen” no sentido de carro do povo, ainda não era marca).

Praticamente um ano depois do recebimento do contrato oficial foi apresentado o primeiro protótipo, com o código de V1, de um total de três que foram contratados. Esta apresentação, realizada na Villa Porsche em Stuttgart, ocorreu no dia 3 de julho de 1935 e se convencionou que esta data seria a origem dos tempos para contabilizar os aniversários do Fusca. Portanto, o aniversário de 60 anos foi comemorado em 1995.

No centro da foto a Villa Porsche, que foi o berço do projeto do Fusca, hoje em dia pertence à fábrica e é usada como casa de hóspedes e local para recepções (Fonte: Google Maps)

A escolha do local para a “Festa dos 60 Anos do Fusca” teve vários fatores, como veremos a seguir. Ainda durante a II Guerra Mundial, em 1941, Ferdinand Porsche comprou uma propriedade na cidade de Zell am See. Trata-se da fazenda chamada de Schüttgut, que na época já tinha 300 anos. As famílias Porsche e Piëch enviaram suas crianças para lá durante a guerra para que ficassem protegidas. Esta propriedade continua sendo da família Porsche, e próximo à sede da fazenda tinha sido construída uma capela onde estão as urnas mortuárias do próprio Ferdinand Porsche e de vários outros membros da família.

A casa da fazenda Schüttgut com a singela capela onde repousam os restos mortais de Ferdinand Porsche (Foto: Wikipedia)

Não muito longe de Zell am See está a Estrada Alpina do Großglockner (a letra ß é o sz do alemão gótico e se pronuncia como ss; leia Grossglockner), sendo que Großglockner é o nome da maior montanha da Áustria, com 2.504 metros acima do nível do mar. Esta estrada foi inaugurada em 1935 e portando faz aniversário com o Fusca, e segue o traçado de um velho caminho de passo de montanha que há mais de 3.500 anos foi usado pelos romanos:

Um trecho da estrada, em boa parte escavada na rocha na base da picareta, que atravessa lindos vales alpinos que descortinam panoramas maravilhosos (Foto: Diretoria da Estrada Alpina do Großglockner

Ocorre que esta estrada alpina, com suas subidas e descidas muito íngremes e inúmeras curvas e cotovelos, era usada por Ferdinand Porsche para a realização de testes em protótipos, tendo, portanto, sido importante no desenvolvimento do Fusca. Tanto é assim que seu neto Ernst Piëch recentemente comentou: “Meu avô era intimamente ligado à Estrada Alpina do Großglockner. Ele usou essa estrada como uma pista de testes para os seus modelos de automóveis e muitas vezes me levou em suas viagens. ”

Então, tanto Zell am See, quanto  a estrada alpina do Großglockner e sua ligação destes pontos com Ferdinand Porsche e sua família definiram a localização do evento, que se realizou, como veremos no relato do Marco, em várias localidades próximas a Zell am See e em parte desta estrada. Para situar estas localidades veja o mapa abaixo:

Mapa da região, onde nos círculos lilás temos: 1-Zell am See; 2- Kaiser-Franz-Josefs-Höhe, mirante que fica próximo do pico Großglockner que está à esquerda dele; 3- Edelweissspitze, outro mirante com restaurante e 4-Kaprun (Fonte: Google Maps + colagem e indexação do autor)

A data do evento foi definida em função do aniversário de Ferry Porsche que nasceu no dia 19 de setembro de 1909, e que, no contexto do evento, foi homenageado com a exposição “Ferry Porsche – Ein Leben für das Auto” (Ferry Porsche – uma vida para o automóvel) realizada no hotel Porschehof entre os dias 17 e 24 de setembro de 1995.

Este hotel, que fica próximo à casa da família – o Schüttgut — foi fundado em 1958 pelos filhos de Ferdinand Porsche, Louise Piëch e Ferry Porsche, para servir de colônia de férias para seus funcionários e, a partir de 2004, pertence a terceiros mudando de nome para “Hotel Amiamo”.

Segue o relato do fim de semana dedicado aos 60 anos do Fusca em Zell am See como o Marco Hammerand vivenciou:


SESSENTA ANOS DO FUSCA
A grande festa deste jubileu aos pés da montanha Großglockner na Áustria em 1995

Por Marco Hammerand

Foi através de um artigo bastante discreto em um jornal regional que eu fiquei sabendo de um encontro para festejar o aniversário de 60 anos do Fusca, que seria realizado nos dias 22, 23 e 24 de setembro de 1995, em Zell am See, cidadezinha da Áustria.   Então eu catei o meu Fusca 1963, vermelho Rubi com teto solar e peguei a estrada para dar uma olhada no que estava por ocorrer; foram 200 quilômetros até lá, a partir da cidade de Eichenau, distrito de Fürstenfeldbruck, na Bavária, a 20 quilômetros a oeste de Munique, onde eu morava.

Eu não tinha grandes expectativas, por este motivo eu nem cheguei a dar um trato no Fusca antes de sair para o evento; normalmente o trato no Fusca para prepará-lo para um evento levava toda a manhã de sexta-feira.

Saímos na sexta-feira um pouco tarde. Depois nós tivemos alguns problemas para encontrar alojamento. E por isso acabamos perdendo em grande parte a apresentação dos Volkswagens Veteranos e dos modelos especiais que foi realizada na zona de pedestres de Zell am See.

A cidade estava decorada para receber o evento. Nesta escultura de Fusca feita com flores o número 60 está em destaque (Foto: Marco Hammerand)

Quando chegamos o clima já era de dispersão e ninguém pôde nos dizer o que realmente estava acontecendo. Mas por uma incrível coincidência eu acabei perguntando a uma senhora, de aparência muito importante, e perguntei como é que o evento iria se desenvolver.

O que eu não sabia é que ela era a Frau (Sra.) Wiersch, do AutoMuseum Volkswagen em Wolfsburg. Ela me perguntou com que carro eu estava, no que eu respondi que estava com um 1963 com teto solar.

Aí que a minha sorte veio a brilhar intensamente! O AutoMuseum tinha convidado o proprietário de um Fusca 1963 para participar completando a série prevista de carros do evento, mas ele não compareceu. Por isso ela ficou feliz por ter encontrado uma substituição de última hora…. Isto foi muito bom para mim!

Ela, então, entregou-me uma pilha de cupons, convites, dois cartazes e uma grande placa de metal, e me pediu para, no dia seguinte, ir até o Großglockner, pois ia haver uma exposição lá.

Aproveitamos o resto da tarde para admirar os carros estacionados na zona de pedestres da cidade. Uma grande parte veio do AutoMuseum. Entre eles estavam um conversível e um sedã de 1938; o milionésimo Fusca; um Fusca com tração nas quatro rodas, Kommandeurwagen do exército do III Reich; um Kübelwagen tipo 82; um Schwimmwagen tipo 166; um lindo carro dos Correios Alemães, o tipo 147 (Fridolin); um dos Herbies que trabalhou no filme de 1969; um antigo Fusca de polícia original e o Fusca adaptado para rebocar o trenzinho que leva visitantes no tour pela fábrica em Wolfsburg. Passamos a fotos de alguns destes carros (Fotos de Marco Hammerand):

Além disso, muitos convidados particulares exibiram seus veículos. As joias maiores foram, provavelmente, um Dannenauer & Stauss, um Rometsch, o Fusca táxi de quatro portas do Willy Lottermann, e vários Fuscas originais de diferentes anos de fabricação.

Uma das joias do acervo da Volkswagen AG, o milionésimo Fusca  ficou parado no acesso da rampa onde estavam os protótipos de 1938

À noite, conforme o programa, ocorreu um encontro em um centro de gastronomia local, ao qual nós também comparecemos.  Todo o restaurante estava decorado com bandeiras VW. No entanto, não encontramos muitos rostos familiares.

(Continua na Parte 2)


AG

NOTA: Nossos leitores são convidados a dar o seu parecer, fazer suas perguntas, sugerir material e, eventualmente, correções, etc. que poderão ser incluídos em eventual revisão deste trabalho.
Em alguns casos material pesquisado na internet, portanto via de regra de domínio público, é utilizado neste trabalho com fins históricos/didáticos em conformidade com o espírito de preservação histórica que norteia este trabalho. No entanto, caso alguém se apresente como proprietário do material, independentemente de ter sido citado nos créditos ou não, e, mesmo tendo colocado à disposição num meio público, queira que créditos específicos sejam dados ou até mesmo que tal material seja retirado, solicitamos entrar em contato pelo e-mail alexander.gromow@autoentusiastas.com.br para que sejam tomadas as providências cabíveis. Não há nenhum intuito de infringir direitos ou auferir quaisquer lucros com este trabalho que não seja a função de registro histórico e sua divulgação aos interessados.
A coluna “Falando de Fusca & Afins” é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.
(1.066 visualizações, 1 hoje)