ANP desiste de aditivar gasolina, ignorando problemão que aflige as fábricas e reduz eficiência dos motores.

Na maioria dos países de Primeiro Mundo (como  Japão, foto de posto acima), toda a gasolina recebe aditivos para reduzir o nocivo efeito dos depósitos carboníferos nos motores. Depois da aditivação básica, cada empresa se encarrega de acrescentar seus próprios aditivos para aumentar a qualidade e oferecer mais vantagens ao consumidor.

Não existe no Brasil a aditivação básica da gasolina: ela é comercializada nos postos como vem da refinaria (a chamada “comum”) ou a distribuidora aplica fórmulas próprias para criar a sua “aditivada” e, neste caso, cada marca tem aditivação específica.

Se o motorista pretende manter a uniformidade da gasolina, ou abastece em postos de mesma marca ou compra a comum e acrescenta ele mesmo o frasquinho de aditivo no tanque.

A importância da aditivação levou o governo federal a estabelecer sua obrigatoriedade a partir de janeiro de 2014. Caberia à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) estabelecer o modus operandi, ou seja, quais aditivos e em que volume, onde seria feita a mistura (refinaria, distribuidora?), custos, etc. Ou seja, uma operação de razoável complexidade, com dezenas de opções e envolvendo empresas privadas e órgãos públicos.

Incapaz de determinar como seria a aditivação, a ANP prorrogou a data inicial, de janeiro de 2014, para julho de 2015. Dezoito meses de reuniões, discussões, comissões e análises e…outra prorrogação, desta vez de dois anos, para julho de 2017. Alguém ouvir falar de aditivos na gasolina, este mês? Nem eu, pois agora a ANP desfechou o golpe fatal na aditivação, informando ter realizado em junho uma audiência pública para tratar do assunto. E acrescentou num comunicado à imprensa:

Entre as mudanças propostas, está a suspensão da aditivação compulsória da gasolina e a convocação dos setores envolvidos no assunto para um estudo de reavaliação da real necessidade da implantação da medida em nível nacional. A reavaliação levará em conta a evolução das tecnologias aplicadas aos combustíveis e aos motores nos últimos anos, assim como a proteção dos direitos do consumidor. O mercado brasileiro mudou. A gasolina evoluiu, o teor de enxofre passou de 1000 partes por milhão (ppm) para 50 ppm. A matriz veicular teve aumento da participação dos biocombustíveis. Essa sucessão de fatos nos levou a fazer uma reflexão, a colocar o assunto em estudo para verificarmos o melhor custo-benefício para a sociedade“.

E o órgão criou uma comissão que deverá apresentar o resultado dos estudos em até 180 dias…

Uma “reflexão” que é pura conversa para boi dormir, pois é inegável que a redução do enxofre contribui para a limpeza do motor. Entretanto, os depósitos carboníferos não resultam do enxofre, mas da expressiva presença de carbono na gasolina e, por isso, a aditivação continua sendo praticada mesmo nos países com reduzido teor de enxofre na gasolina. Por que a ANP voltou a prorrogar a exigência? Porque não quis enfrentar a Petrobrás, que alegou dificuldades técnicas para efetuar a aditivação nas refinarias.

A ANP faz de conta ignorar um problemão enfrentado pelas fábricas de automóveis: elas sabem da importância de se aditivar a gasolina mas são obrigadas a recomendar (nos manuais) o abastecimento com a “comum” pela falta de padronização dos aditivos. O dono do carro raciocina que, se a fábrica não sugere a aditivada é por ela não ser necessária. E abastece com a comum, comprometendo — a longo prazo — a eficiência do motor.

Por essas e por outras é que o Brasil segue cumprindo sua vocação de país do Terceiro Mundo: não tira do papel decisões de relevância como a inspeção veicular (exigida pelo Código de Trânsito Brasileiro desde 1998), certificação de peças de reposição e acessórios e a exigência de equipamentos de segurança. Agora, vai também para o lixo a aditivação compulsória da gasolina.

BF

A coluna “Opinião de Boris Feldman” é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.
(6.121 visualizações, 1 hoje)


Sobre o Autor

Boris Feldman
Coluna: Opinião de Boris Feldman

Boris Feldman é formado em Engenharia e Comunicação. Foi engenheiro da Metal Leve (fábrica de peças para motores) por 20 anos e editor de diversos cadernos de automóveis. Criou e produziu o programa Vrum em rede nacional pelo SBT, foi piloto de competições e vice-diretor da CBA. É colecionador e diretor do Veteran Car-MG. Além do AUTOentusiastas, assina coluna em jornais e outros portais e tem o programa de rádio Auto Papo em quarenta rádios. Lançou em julho de 2017 e é publisher do portal autopapo.com.br.

Publicações Relacionadas