Apresento mais um dos causos do meu livro “EU AMO FUSCA II – Uma coleção de causos de felizes proprietários de Fusca”, desta feita mais um delicioso causo escrito por uma das mulheres que participam deste livro com seus escritos, a Maria Helena Viana Carneiro.

 


ANOS DOURADOS
Por Maria Helena Viana Carneiro

Professora recém-formada, interiorana, sonhadora e cheia de planos: primeiro ajudar meus pais, depois comprar um carro. O tempo passava e os parcos rendimentos de professora atropelavam meus objetivos, fazendo com que o sonho da compra do carro se tomasse uma utopia.

Meu namoro com a Volkswagen remonta dos idos de 1975, quando me preparava para casar, ideal de toda jovem. Folheando uma revista em busca de um modelito para meu vestido de noiva, deparo-me com uma imagem dantesca: um Fusca envolto com um laço de fitas vermelhas e, ao seu lado, uma linda mulher com um vestido longo e preto, em cujos dedos pendia uma piteira prateada. No contexto, uma frase mais ou menos com estes dizeres: “Dê este presente a quem você ama.” Fiquei perplexa. Era realmente lindo. A imagem impregnou a minha imaginação e, naquele momento, me vi no lugar da modelo. O sonho voltara mais forte!

Como poderia eu possuir este carro? Mostrei a foto ao meu noivo. Ele sorriu e não alimentou a minha euforia, pois já possuía um carro e dizia ser o suficiente para nós dois. Decepcionada concordei, mas aquela página da revista permaneceria indelével em minha mente.

Casei-me. Continuei a lecionar, agora, no Ensino Médio. Meu esposo ganhava razoavelmente e arcava com as despesas da casa. Motivada pelo meu sonho, abri uma poupança no Banco Econômico e depositava ali, todo mês, o que podia, inclusive alguns trocados que sobravam das compras, apesar de uma bronca aqui e ali por estar gastando muito.

Mês de novembro. Fui à concessionária Volkswagen e conversei com o gerente. O dinheiro já era suficiente para a entrada e a proposta do financiamento não ultrapassaria ao meu orçamento mensal. Nada disse ao meu esposo. Eu me amava e queria realizar o meu sonho.

Havia um porém: precisava aprender a fumar, pois o vestido, já o possuía, e a faixa vermelha já estava bem guardada. Comprei a piteira prateada e, com grande esforço, superei minha aversão ao cigarro.

O carro fora entregue na véspera do Natal. Eram dezenove horas. Meu esposo chega do trabalho, abre o portão e para atônito: junto ao Fusca verde envolto com o laço vermelho, lá estava eu vestida a rigor a exibindo artisticamente a piteira prateada, caracterizando a cena da revista.

— Eu não acredito…!? — disse ele, pasmado diante daquela cena ímpar.

Eu também não acreditava, mas meu sonho se tomara realidade. Abraçamo-nos carinhosamente a passamos um Natal maravilhoso…

Bem, o financiamento foi pago sem problemas e, hoje, apesar de viúva e graças à facilidade dos consórcios, meu namoro com a Volkswagen continua, permitindo-me a alegria de possuir, atualmente, um Gol 2000, quatro-portas, lindo e maravilhoso.


AG

A coluna “Falando de Fusca” é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.
(1.115 visualizações, 1 hoje)