Alguns carros se recusam a morrer. Ainda bem.

A empresa americana VLF Automotive, nome formado pelas iniciais dos sobrenomes de  Gilbert Villarreal (ex-executivo da Boeing, entre outras), Bob Lutz (dispensa apresentações – veja matéria) e o designer Henrik Fisker, dá uma incrível notícia ao mundo automobilístico, mais especificamente aos que gostam de veículos fora-de-estrada.

O lançamento é o Humvee série C, a reedição do Hummer original, batizado de H1 quando a GM era dona da marca, e que foi descontinuado em 2006. A Hummer foi abatida em 2010, na esteira da crise americana que resultou na entrada da GM em Chapter 11, similar à recuperação judicial brasileira (antiga concordata), mas a AM General, criadora original do Hummer, sempre operou fornecendo componentes de reposição para a frota militar, principalmente.

A VLF existe como VL desde 2012, mas que teve recentemente a associação de Henrik Fisker confirmada,  está sediada junto de Detroit, em Auburn Hills, e os mercados almejados são países da África, Oriente Médio, China e alguns da Europa.

A VLF recebe conjuntos de peças e monta o carro, apenas para exportação, inicialmente para a China.  O problema é apenas o nome, pois Hummer continua de posse da General Motors, mas sabiamente a VLF usou o apelido anterior do carro, Humvee. Esse apelido vem da sigla que denomina oficialmente o jipe nas forças armadas dos EUA, HMMWV (High Mobility Multi-Purpose Wheeled Vehicle) — veículo de rodas multiuso de alta mobilidade.

Os motores são da GM, como no H1 original, e podem ser um V-8 Diesel de 6,5 litros em duas versões, uma com 190 cv e 53,2 m·kgf e o outro com 205 cv e 60,8 m·kgf, além de um ciclo Otto a gasolina, o LS3, um V-8 de 6,2 litros com 430 cv e 56,6 m·kgf. O câmbio é apenas um automático de quatro marchas.

JJ

(1.122 visualizações, 1 hoje)