Da Automotive News Daily
Por David Welch e Nathan Crook/Bloomberg

 

A General Motors encerrou operações na Venezuela depois que autoridades tomaram a fábrica de montagem e os veículos da fabricante, na primeira nacionalização de operações de uma empresa importante no país em mais de dois anos.

A fábrica de GM foi “inesperadamente tomada pelas autoridades públicas, impedindo as operações normais,” segundo uma declaração por e-mail. A fabricante disse “rejeitar veementemente as medidas arbitrárias tomadas pelas autoridades e tomará com máximo vigor todas as ações legais, dentro e fora da Venezuela, para defender seus direitos.”

O fechamento da fábrica ocorreu ao mesmo tempo em que manifestantes encheram a capital Caracas na maior demonstração de oposição ao governo do presidente Nicolas Maduro em meses. A indústria automobilística entrou em colapso com vendas caindo 92% em março com a falta de dólares levando os preços dos carros novos para além dos meios de todos os Venezuelanos, a não ser os mais ricos.

A Venezuela está passando pela pior recessão em décadas, com o produto interno bruto caindo 10% em 2016, segundo o Fundo Monetário Internacional. A venda de petróleo, responsável por 95% de todos os ganhos de moeda estrangeira, caiu junto com os preços. Com o país sem caixa para importa, cidadãos precisam esperar em longas filas para comprar os escassos itens domésticos.

O Departamento de Estado dos EUA está revendo os detalhes do caso envolvendo a GM e está em contato com as autoridades para que o assunto seja resolvido rapidamente, disse o porta-voz Mark Toner.

“Um sistema judicial justo, previsível e transparente é crítico para a implementação de reformas econômicas críticas para restabelecer o crescimento e atender as necessidades do povo Venezuelano,” disse Toner.

A Clorox Co. suspendeu operações na Venezuela em setembro de 2014 depois que inflação e congelamento de preços ordenados pelo governo tornou o negócio deficitário para o vendedor de produtos que iam de removedores a tempero de salada. O governo de Maduro encampou e reabriu as instalações da Clorox.

Custos da GM

A GM pretende pagar benefícios fim de contrato de trabalho aos trabalhadores de acordo com a lei Venezuelana, disse a empresa. São 2.678 funcionários e 79 concessionários no país com mais 3.900 trabalhadores.

As restrições a moeda estrangeira continuam a atormentar os fabricantes na Venezuela, apesar de um acordo feito com a Ford Motor Co. em 2015 que permitiu à fabricante vender alguns modelos em dólares. Segundo o acordo, os venezuelanos pagariam os concessionários em dólares para custear materiais de produção importados e em bolívares para cobrir os custos de montar os veículos localmente. O governo fez o mesmo no ano passado com a GM, Fiat Chrysler Automobiles e Toyota Motor Co.

JJ

(1.176 visualizações, 1 hoje)