Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas PSA vai fabricar F-E – Autoentusiastas

Categoria sinaliza grande crescimento para a temporada 2018/2019. Equipes tendem a se tornar construtoras. Audi deve ser a próxima.

 

Na temporada 2018/1019 vários fabricantes deverão participar oficialmente da categoria (F-E)

O grupo francês PSA vai se tornar um novo fabricante  da categoria F-E, que usa monopostos movidos a energia elétrica. A informação foi dada por Xavier Mestelan Pinon, diretor da DS Performance, divisão do grupo francês que engloba a Citroën, a Peugeot e a DS, marca premium dessa corporação. A DS Performance disputa a categoria de carros elétricos em associação com a equipe Virgin e já efetuou testes de avaliação parcial do sistema. Um teste mais completo está previsto para o início do mês de abril, logo após a etapa do México dia 1º de abril, na Cidade do México.

Atualmente o trem de força (foto), chassi e pneus são padronizados para toda a categoria (F-E)

A DS Performance espera obter em breve a licença de fabricante que deve ser expedida pela FIA. Além dela a Renault (ligada à e-Dams) e a Jaguar (Williams) também já iniciaram o desenvolvimento de peças para a temporada 2018/2019, quando o regime de equipamento padronizado será bastante reduzido e vários itens  poderão ser fabricados por diferentes empresas. Essa possibilidade vai consolidar a tendência de cada equipe firmar laços mais importantes com grandes fábricas. A Audi, por exemplo, deverá ser a próxima a anunciar planos mais ambiciosos.

Atualmente o modelo usado para fabricar o carro da categoria envolve a Spark Racing Technoloy (que fabrica o chassi projetado pela Dallara), McLaren (motor elétrico) Williams Advanced Engineering (sistema de baterias) e a Hewland (transmissão). Outra grande novidade para a temporada 2018-2019 será a utilização de apenas um carro durante toda a corrida; atualmente a pouca autonomia das baterias impõe a troca de monopostos durante as provas.

WG

Sobre o Autor

Wagner Gonzalez
Coluna: Conversa de Pista

Jornalista especializado em automobilismo de competição, acompanhou mais de 300 grandes prêmios de F-1 em quase duas décadas vivendo na Europa. Lá, trabalhou para a BBC World Service, O Estado de S. Paulo, Sport Nippon, Telefe TV, Zero Hora, além de ter atuado na Comissão de Imprensa da FIA. É a mais recente adição ao quadro de colunistas do AUTOentusiastas.

  • Eduardo Duarte

    É, a brincadeira esta ficando séria!

  • Noel Jr

    Fui conferir vídeo sobre a categoria para satisfazer a curiosidade de saber qual o ruído dos carros. Interessante a lógica da FIA de publicar no YouTube um canal específico reunindo destaques das baterias de cada etapa. Em fase de divulgação, deixam no ar de graça as provas, praticamente.

    Embora os carros tenham um desenho bem bonito, interessante, para quem gosta de ouvir ronco de motor a combustão, nem sei como descrever a frustração. Pareceu ruído de mixer, aquele eletrodoméstico, ou alguma sonoplastia aproveitada de qualquer episódio de Star Wars. Ou, na dúvida, um aerossol pode ser mortífero para os insetos aprisionados no sistema motriz. Terrível.

    Honestamente, acho legal a sustentabilidade, o cuidado com meio ambiente, desde que sejam iniciativas lúcidas, sem viés demagógico nem promocional, alienados de paranóia. Mas admito que quando passa um carro de escape direto que não queima óleo, dou aquela “puxada” para sentir ao máximo o cheirinho de gasolina ou álcool queimado. Ronco de Fuscão com escape aberto, daquele com ponteiras cromadas para cima, que delícia!

    São prazeres “peculiares”, para não dizer “exóticos”, que certas tecnologias talvez jamais reproduzirão nem oferecerão artifício substituto ou equivalente. Mas logo, viro passado.