A Renault apresentou ontem (14)  o seu novo modelo Captur, que é fabricado no Complexo Ayrton Senna em São José dos Pinhais, na Grande Curitiba, e é a aposta da marca para o competitivo e crescente segmento de suves. No cenário atual, onde o mercado brasileiro encolheu quase dois milhões de unidades nos últimos anos, principalmente na base, ou nos produtos de entrada, a participação de suves no mercado total aumentou de 6% em 2014 para 15% em 2016. E os fabricantes estimam o potencial de crescimento baseado em outros continentes, como na Europa, que tem 25% de participação dos suves.

Assim podemos entender a onda de lançamentos. E do ponto de vista do transporte familiar com versatilidade, espaço e visibilidade é difícil de negar que essa onda não faça algum sentido, ainda mais agora com os suves derivando de plataformas de carros de passeio e não mais de picapes, o que reduz os custos e melhoram o preço de entrada.

A invasão dos suves

O Captur foi lançado na Europa em 2013 onde rapidamente se tornou um sucesso (alguém aí se lembra da Scénic?). A Renault cogitou e estudou trazer o modelo importado, mas considerando prazos para necessidades de adaptação e o apelo para o consumidor brasileiro, tomou a decisão acertada em fabricá-lo no Brasil. Com isso, o modelo sofreu importantes alterações deixando-o mais capaz de enfrentar a concorrência já instalada aqui, vide Creta, Renegade, HR-V, entre outros.

O destaque sem dúvida é o desenho da carroceria que é praticamente o mesmo do modelo europeu com algumas alterações que deixaram a nossa versão mais moderna e atraente. Na Europa a combinação de cores de teto diferentes das cores da carroceria, chamada por ela de biton (bitonalidade), também fez muito sucesso, tanto que a Renault precisou fazer um investimento adicional na fábrica brasileira para adequação do processo de pintura.  Junta-se ao desenho atraente as dimensões aumentadas no comprimento, largura e altura, e ainda um posicionamento de preços de certa forma comedido, e o Captur proporciona boas relações custo-benefício, tamanho-benefício ou ainda desenho-benefício.

Na versão brasileira, que foi desenvolvida aqui no Brasil, no Renault Tecnologia Américas (RTA), centro de desenvolvimento no Paraná, o maior porte, a maior altura e as rodas de 17″ enfatizam mais o estilo suve, tão desejado pelos brasileiros. O Captur (pronuncia-se Cap-tur e não Cap-tur) tem as maiores dimensões do segmento: 4.329 mm de comprimento, 1.813 mm de largura, 1.619 mm de altura e 2.673 mm de entre-eixos. E o destaque, para quem gosta, é o ponto H, altura do solo de 212 mm e altura do assento do banco, de 708 mm. Os ângulos de entrada e saída são 23° e 31° respectivamente.

Com uma ampla área envidraçada (também a maior do segmento de acordo com a Renault), o ambiente interno e a visibilidade à frente e para os lados também são pontos fortes.

No lançamento a Renault também parece ter acertado nas versões com uma estrutura enxuta e que facilita bastante a vida dos consumidores. São apenas duas versões, ambas com um bom nível de equipamentos e segurança. A mais voltada para a economia de combustível, a Zen, tem o novo motor SCe 1,6-litro de 118/120 cv e 16,2 m·kgf, e câmbio manual (CVT a caminho). E a segunda, nomeada Intense e voltada ao desempenho, com o conhecido conjunto motor F4R 2-litros de 143/148 cv e 20,2/20,9 m·kgf, e câmbio automático epicíclico de quatro marchas. Com o Captur a Renault também inaugura essa nova nomenclatura de versões, já usada na Europa.

O preço e os principais equipamentos das duas versão são:

Zen

Captur Zen 1,6 SCe manual (R$ 78.900): quatro bolsas infláveis (dianteiras e laterais), controle eletrônico de estabilidade, controle eletrônico de tração, assistente de partida em rampas, freios com ABS + EBD, Isofix, direção eletro-hidráulica, volante com regulagem da altura, ar-condicionado, rodas de alumínio de 17 polegadas, vidros elétricos, alarme perimétrico, chave-cartão hands-free, comando de áudio e celular na coluna de direção (comando satélite), banco do motorista com regulagem de altura, travamento automático das portas a 6 km/h), luzes diurnas em LED, retrovisores rebatíveis, controle de cruzeiro e limitador de velocidade.
Opcionais: MediaNav + câmera de ré (R$ 1.990); pintura biton (R$1.400).

Galeria versão Zen

Intense

Captur Intense 2,0 automático (R$ 88.490): adiciona rodas aro 17 polegadas de alumínio diamantadas, apoio de braço, MediaNav com tela tátil de 7”, câmera de ré, ar-condicionado automático, sensor de chuva, farol de neblina com função de curva, sensor crepuscular.
Opcionais: bancos em couro (R$ 1.500) e pintura biton (R$ 1.400).

Galeria modelo Intense

Hoje (15) é o dia reservado à experimentação pela imprensa, em que vou dirigir o Captur. Hoje ou amanhã escrevo sobre o que achei do novo Renault.

PK

FICHA TÉCNICA RENAULT CAPTUR ZEN INTENSE
MOTOR
Instalação Dianteiro, transversal Dianteiro, transversal
Material do bloco/cabeçote Alumínio / alumínio Ferro fundido/alumínio
Configuração / n° de cilindros Em linha / 4 Em linha / 4
Diâmetro x curso (mm) 78 x 83,6 82,7 x 93
Cilindrada (cm³) 1.597 1.998
Aspiração Atmosférica Atmosférica
Taxa de compressão (:1) 10,7 11,2
Potência máxima (cv/rpm) (G/A) 118/120/5.500 143/148/5.750
Torque máximo (m·kgf/rpm) (G/A) 16,2/16,2/4.000 20,2/20,9/4.000 rpm
N° de válvulas por cilindro Quatro Quatro
N° de comando de válvulas /localização/acionamento 2 / cabeçote com variador de fase / corrente 2 / cabeçote com variador de fase / corrente
Formação de mistura Injeção no duto Injeção no duto
ALIMENTAÇÃO
Combustível Gasolina  e/ou álcool Gasolina e/ou álcool
TRANSMISSÃO
Câmbio / rodas motrizes Transeixo manual / dianteiras Transeixo automático / dianteiras
N° de marchas 5 à frente e 1 à ré 4 à frente e 1 à ré
Relações de transmissão (:1) 1ª 3,73; 2ª 2,05; 3ª 1,32; 4ª 0,94; 5ª 0,76; ré 4,200 1ª 3,51; 2ª 1,93, 3ª 1,29; 4ª 0,92:1; ré 3,55
Relação do diferencial (:1)  4,07 3,65
FREIOS
De serviço Hidráulico, duplo circuito em diagonal, servoassistido, ABS Hidráulico, duplo circuito em diagonal, servoassistido, ABS
Dianteiros (Ø mm) Disco, 269 Disco, 280
Traseiros (Ø mm) Tambor, 229 Tambor, 229
SUSPENSÃO
Dianteira Independente, McPherson, mola helicoidal. amortecedor pressurizado e barra estabilizadora Independente, McPherson, mola helicoidal. amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
Traseira Eixo de torção, mola helicoidal e amortecedor pressurizado Eixo de torção, mola helicoidal e amortecedor pressurizado
DIREÇÃO
Tipo Pinhão e cremalheira, assistência eletro-hidráulica Pinhão e cremalheira, assistência eletro-hidráulica
Diâmetro mínimo de curva (m) 10,7 10,7
RODAS E PNEUS
Rodas Alumínio Alumínio
Pneus 215/60R17 215/60R17
PESOS (kg)
Em ordem de marcha 1.273 1.352
Carga útil 449 449
CONSTRUÇÃO
Tipo Monobloco em aço, 4-portas, 5 lugares Monobloco em aço, 4-portas, 5 lugares
DIMENSÕES EXTERNAS (mm)
Comprimento 4.329 4.329
Largura (sem espelhos) 1.813 1.813
Altura 1.619 1.619
Distância entre eixos 2.673 2.673
Distância mínima do solo (vazio) 212 212
CAPACIDADES
Porta-malas  (L) 437 437
Tanque de combustível (L) 50 50
DESEMPENHO
Velocidade máxima (km/h) (G/A) 169/178 174/179
Aceleração 0-100 km/h (s) (G/A) 13,3/11,9 12/11,1
CONSUMO DE COMBUSTÍVEL (INMETRO/PBEV)
Cidade (km/l) (G/A) 10,9/7,6 8,8/6,2
Estrada (km/l) (G/A) 11,3/8,0 10,8/7,3
GARANTIA E MANUTENÇÃO
Duração da garantia 3 anos ou 100.000 km 3 anos ou 100.000 km
Revisões, intervalo (km) 10.000 10.000
Troca de óleo do motor (km/tempo) 10.000 / 1 ano 10.000 / 1 ano

 

(2.759 visualizações, 1 hoje)