Aproveitando o jargão em inglês DIY (Do it yourself), gostaria de falar um pouco sobre manutenção de veículos, mecânicos e manuais. Uso o título em português, pois acredito que utilizar um termo estrangeiro quando temos tradução na língua nativa é ignorância.

A foto aí em cima é do meu Tempra, que comprei para um trackday no Autódromo de Curitiba, ou Autódromo Raul Boesel, em Pinhais, na Grande Curitiba. A foto foi feita na garagem de um boxe no dia 7 de maio do ano passado, durante o trackday. Toda a história está nesta matéria.

Final de 2016 (novembro para ser mais exato), o motor do Tempra rajou (bateu), parado no elevador em marcha-lenta. Não preciso dizer que ofendi até a trigésima oitava geração do fundador da Fiat. A princípio achei que era o cabeçote, a esperança de que seja algo simples é a primeira que aparece. Removi o cabeçote, neste já o primeiro erro: a chave não era a correta e um dos parafusos arredondou a cabeça.

Tive que soldar um parafuso sextavado em cima do estragado (que agora estava liso), mas não dei importância, pois sempre que se tira o cabeçote o ideal é trocar o parafuso (ledo engano, abaixo irei explicar melhor). Levei o motor à retífica e o resultado foi: não tem nada de errado com o cabeçote. Pronto, sentença decretada, o motor bateu mesmo, e vem o pensamento: Maldito Fiat, porcaria, esta fábrica só faz lixo, motor dos infernos…

Fiquei aproximadamente umas duas semanas olhando para o carro e criando coragem, mas também fiquei na dúvida: faço eu mesmo ou envio para algum mecânico? Eu já havia removido o motor do Tempra uma vez, e foi um trabalho infernal (três horas para remover o câmbio e mais quatro para remover o motor). Mas eu estou meio irritado com mecânicos em geral, tudo que eles fazem fica errado. Explico melhor: Fiats usam parafuso M10 com passo de 1,25 mm (rosca fina) ou M12 com passo de 1,25 mm (rosca fina, a rosca grossa é de 1,75 mm), e todos os parafusos que foram trocados estavam errados, mal apertados (excesso ou falta de aperto), torquímetro é algo extremamente ignorado em oficinas. Pensei comigo: Quer saber? Faço eu mesmo, não tem pressa e vai ficar mais barato.

Comecei o serviço, mas desta vez resolvi fazer diferente: remover o motor e a caixa juntos, sem separá-los. Além das ferramentas manuais eu possuo uma empilhadeira manual e um elevador de colunas para o auxílio. Me dei bem, em menos de três horas e meia o motor e a caixa estavam fora. Esta ideia de remover tudo junto veio de um programa que assisti que chama “Joias sobre rodas”, no caso ele (Ed China) removeu o conjunto motriz de um Mercedes SL dos anos 80. E aí vai uma dica: copie o serviço dos outros, você vai ganhar muito tempo com isso.

O bloco não tinha problema, o virabrequim é que precisava ser retificado

Motor fora, soltei o câmbio, são quatro parafusos, simples e rápido. A caixa é leve, deve pesar uns 20 kg, e já a coloquei no chão, o problema não é com ela, o motor continuou na empilhadeira. Travei o motor na empilhadeira e comecei a desmontagem, nesta hora a gente começa a ver o quanto os mecânicos falham, tanto no retentor traseiro quanto na bomba de óleo (que no Tempra faz as vezes do retentor dianteiro, entre a engrenagem da correia dentada e o bloco). Os parafusos estavam todos errados (já é a segunda retifica deste motor), prossegui com a desmontagem — esta parte é bem simples, desmontar é bem mais fácil do que montar.

Levei bloco e componentes para a retífica, veio o parecer: é preciso retificar o virabrequim, mas o bloco não precisa ser retificado, é possível utilizar os mesmos pistões. Saí à compra de peças: bronzinas, anéis de encosto (alguns chamam de arruela, outros de espaçador) e anéis de segmento novos. Comprei também um jogo de juntas e parafusos para o cabeçote. Aconselho que procurem bem as peças, comprei muita coisa pela internet e posso dizer que o desconto se aproximou da casa de 30% em relação às lojas físicas.

Começo de janeiro, peças na mão pensei comigo, vamos melhorar a encrenca: reduzi o peso do volante do motor (de 9,3 para 7,5 kg), mais redução de peso das polias dos comandos (não pesei, mas foi considerável a redução), e levei tudo para um balanceamento dinâmico. Se você retificou o motor, leve tudo para balancear, vale muito a pena e o serviço não é caro (240 reais para ser exato). Pronto, eu estava com todas as peças na mão, e era hora de começar a montagem.

Volante do motor teve o peso reduzido de 9,3 kg para 7,5 kg

Aqui vem uma dica para os autoentusiastas e um apelo aos fabricantes: Manual de Reparação! Se você tem o do seu carro, guarde-o com carinho, é útil demais, usei-o, torque de aperto, posições de montagem, tudo que foi possível eu aprendi ali (por exemplo, o torque de aperto dos parafusos do volante é de 140 Nm (14,3 kgfm), e toda vez que o volante é retirado é necessário trocar os parafusos. Os do cabeçote podem ser aproveitados quatro vezes sem problema algum (foi a que me referi no começo). Lembre-se do que eu disse lá em cima, não ter uma ferramenta correta, de R$ 30, me custou R$ 280. Torque de aperto dos mancais, forma de montagem (anel de encosto com o canal para o lado do virabrequim), posição das juntas, sequências de aperto, e por ai vai.

Aos fabricantes, que disponibilizem estes manuais, são importantes demais. Onde conseguir o material: 1- Página do fabricante (a Fiat tem o Reparador Fiat, a Peugeot tem o Peugeot Service, se seu carro vende nos EUA ou na Europa ele obrigatoriamente tem que ter o manual disponibilizado); 2 – Fóruns da marca e/ou modelo (seja aqui no Brasil ou estrangeiro — treine o inglês); 3 – Fabricante das peças (a Mahle tem muito conteúdo, bem como os fabricantes de bombas), 4 – Youtube; 5 – Peça ajuda à retífica, em geral as autopeças fornecem a eles documentação para reparo.

Em 11/02 terminei a montagem da sincronia dos comandos com o virabrequim — sim, estou devagar, quero fazer sem pressa; utilizei trava-parafusos em todas as possíveis situações, apliquei torque recomendado pelo manual, juntas novas; e é incrível a diferença que faz uma montagem seguindo o recomendado pelo fabricante e uma montagem feita de qualquer jeito: o motor está girando bem solto na mão, exatamente como deve ser, parafusos novos — utilizei Allen (sextavado interno) de inox na maioria das situações, assim evito corrosão e fica mais bonito. Tenho orgulho do serviço que eu estou fazendo, e tenho uma certeza: foi bem feito.

As duas polias dos comandos também foram aliviadas, mas não muito

A todos que querem começar o faça-você-mesmo: leia muito antes de qualquer coisa, não tenha medo, tenha paciência, use as ferramentas corretas, use equipamentos de proteção e se tiver um amigo, melhor ainda. Alguns serviços que podem ser feitos com apenas um pessoa e pouco conhecimento:

– Troca de óleo, motor e câmbio (inclusive automático)
– Troca dos filtros de combustível, óleo e ar
– Troca das pastilhas de freio (dianteiras é bem simples, as traseiras requerem ferramenta especial, que pode ser comprada na internet por 20 reais)
– Troca do líquido de radiador (não esqueça de sangrar, nos Fiat o sangrador fica no radiador, nos PSA, junto à válvula termostática). Caso você não saiba onde fica, retire a mangueira pequena do reservatório de expansão, ligue o motor, espere sair a água e encaixe-a de novo)
– Troca da correia auxiliar poli-V (alternador, bomba d’água).
– Mangueiras em geral.
– Velas (requer ferramenta especial, mas são baratas) e cabos de velas.
– Bobinas
– Terminal de direção (requer alinhamento após o serviço).
– Troca fluido de freio (requer ajuda de um amigo).

Fontes de informações:

Tempra BR: http://forum.temprabr.com/
Marea: http://www.clubedomarea.com.br/forum/index.php?act=idx
Peugeot: http://www.clubepeugeot.com/forum/
Citroën: http://www.ccdob.com.br/forum/index.php
Oficina Brasil: http://www.oficinabrasil.com.br/forum/
Manual de reparação do Fiat Tempra: http://migre.me/w8tyR
Manual de reparação do Nissan Tiida: http://migre.me/w8tIv

ML
Curitiba – PR



  • vstrabello

    Manual de reparação ajuda em muito para quem gosta do faça-você-mesmo. Sempre tive medo de trocar correia dentada e tomei coragem de fazer no 147, depois de eu ter quebrado a do Celta (negligência minha, me perdoem) e vi que a do 147 não estavam legais de ver. Tenho um livro da série do Amaury F. de Almeida que tem bastante coisa legal e os comentários do Bob me ajudaram a fazer este serviço por conta. Troquei o rolamento do tensor, correia nova e até agora, só cuido a quilometragem para a próxima troca.

  • Real Power, bem coisa de gente vagabunda, que não vale nada. É o que mais tem.

  • Virei adepto do “faça você mesmo” tem uns dois anos. Dá trabalho, demora, mas vale a pena. Ao menos você tem a certeza que está fazendo a coisa certa do jeito certo. Com a grana que gastaria de mão-de-obra comprei várias ferramentas e ainda economizei um bocado.

    Quando li o texto me identifiquei de cara com o autor, pois ele falou dos manuais de reparação da Peugeot e da Fiat, são as duas marcas que eu tenho na garagem. No fim de janeiro resolvi encostar o Mille EP para reparar a coifa da caixa de direção, mas quanto mais vou mexendo no carro, encontro mais coisas para fazer. Tem tanta coisa para arrumar que daria vários posts aqui no AE. Espero colocá-lo para rodar na quarta-feira de Cinzas.

  • Ricardo, o que é caro nesses países citados é apenas a mão de obra, pois peças são bem acessíveis, ao contrário do que ocorre aqui.

  • Mr. Car

    No meu caso, falta mais uma coisa: espaço. Moro em prédio. A garagem é apertada, escura, e a convenção ainda proíbe que se faça consertos nos carros, he, he! Em uma garagem de casa, só minha, ainda podia arriscar a domar minha impaciência, he, he!
    Abraço.

  • Levei o meu Gol GL 90 1,8 AP a um mecânico no final do ano passado para trocar o kit do trambulador e me dei mal… O câmbio ficou excelente nas trocas de marcha, mas ele meu roubou uns 15 litros de gasolina e soltou todos os parafusos da tampa de válvulas, foi óleo para todo lado. Me sabotaram, só pode ser, pois não tem nada haver mexer na tampa de válvulas.

    Sempre troco eu mesmo o que eu posso – velas, cabos, filtros, etc, mas trambulador é sofrido trocar na garagem, então recorri a um “especialista”.

    Então a melhor coisa é fazer você mesmo, pois assim a gente não tem dor de cabeça.

  • Caio Guermandi Curvelo

    Belo relato! Infelizmente não posso ir muito fundo no DIY por falta de garagem apropriada, mas entendo a falta de confiança e irritação com mecânicos em geral. Depois que comprei meu 206 levei quase um ano para achar uma oficina que me passasse confiança (ainda mais por ser Peugeot, a maioria das oficinas parece que criam medo do carro, só faltam abaixar a porta quando veem um passando na frente). Hoje rodo 20 km para levar a um cara de Santo Amaro, especializado em PSA e Renault: na primeira visita que fiz o mecânico usou torquímetro nos parafusos de roda! Podem chamar de preciosismo ou o que quer que seja, mas se tomam o cuidado até com o parafuso de roda, isso te inspira uma confiança danada para deixar o carro lá para qualquer outro tipo de intervenção.

    • Caio Guermandi, não é preciosismo apertar parafusos de roda com torquímetro, mas o correto.

    • Noel Jr

      Gostaria de conhecer este local.
      Depois que erraram nível de fluido de direção hidráulica e arrefecimento, quase ciência oculta para acertar, praticamente tudo eu olho antes e depois de levar o carro ao mecânico atual. Morrem R$ 125,00 a hora para eu ter que ficar inspecionando. Ok que o interesse é meu, mas honestamente não dá para conceber a índole.

  • WSR
  • Cristiano Reis

    Os parafusos estão firmes, eu já desmontei umas três vezes para tentar ver o que era, a única coisa que não troquei foi o volante, é uma dessas:
    http://www.4x4brasil.com.br/forum/attachments/vendem-se-pecas-e-acessorios/186112d1250397282-vendo-ou-troco-volante-bi-massa-dupla-massa-de-motor-mwm-sprint-2-8-s10-e-outros-volante-mwm3.jpg Como eu sei se o problema é nela mesmo sem trocar?

    • Thiago Teixeira2

      Parece ser bi-massa. Pode ser as molas dentro dele.

  • Antonio F.

    Mexi muito nos meus carros (Fusca, Brasília, Corcel, Passat, Gol BX..) quando era carburador, sem essa baita tecnologia embarcada de hoje, agora quando abro o capô do meu up! e vejo aquela parafernália ali tão apertada que não cabe três dedos bate aquela depressão… hehe.

  • Noel Jr

    Legal é fabricante que manda você procurar concessionário para trocar lâmpada de farol de neblina, aquele embutido em para-choque. Basta soltar uma carenagem plástica e lá está o soquete ao alcance. Já uma outra oriental explica toda essa parte básica sob título “faça você mesmo”.

    Quando vou olhar algum lançamento em mostruário ou mesmo um carro candidato a aquisição, na cara dura abro motor, olho acabamento de caixa de roda, lanternagem, cantos. Eu me recuso a não ter como saber se filtro de óleo foi trocado, se vou ser forçado a depender de alguém para troca de lâmpadas ou se vai ter lugar impossível de deixar limpo lavando em casa. Nessas, já peguei carro que a caixa é parcialmente pintada, só no fundo, sem carenagem que havia antes.

    Calibrar pneus sempre é bom momento para dar uma olhada rápida nos pneus, apesar do costume semanal de tirar os pedriscos da banda de rodagem. Ou alguém já viu algum rapaz solícito de posto avisar que é necessário manter em dia o estepe também?

    De chorar, foi ter que bater pé numa troca de óleo numa oficina: são 3,3 L de óleo lubrificante, mas queriam colocar 4L alegando que o filtro “sugaria” 700 ml. A fabricante já informa 3,3 L contemplando o “chorinho”.

  • Noel Jr

    Seu Saraiva hahaha
    Não estou só. hahaha

  • Roque, parabéns pela remoção do Insulfilm do para-brisa, mas tire o dos vidros laterais dianteiros também. Além de ficar dentro da lei, a maior visibilidade lateral ajudará muito na percepção do tráfego à volta, principalmente à noite.

  • João Carlos

    A Fiat é a fábrica que mais fornece informações sobre seus carros. Todos os catálogos de peças e manuais de reparação estão na internet.

  • Eduardo Sérgio, acho que o autor da “façanha” de o carro ficar com quatro marchas para trás e uma para frente tenha sido eu, inclusive citado nominalmente, ao remontar um diferencial de Fiat 500 C, do início dos anos ’50, após trocar os rolamentos da caixa de satélites. O adolescente de 14 anos montou a coroa do lado errado.

    • Agora sabemos quem montou o câmbio do Lancer do Bryan O’Conner no “2 fast 2 Furious”, rsrsrsrsrsrs!

      Para andar de ré desse jeito e ainda ultrapassar todo mundo, só pode ser um câmbio igual ao seu, Bob!

      Se permite a sugestão, Bob, que tal um post semelhante a esse aqui no AE? Seria maravilhoso!
      Causos de pista, manutenção, etc… Abraço.

      • Mike Castro, fui eu!!!! (rsrsrs). Sugestão anotada e já sob análise!

  • Antônio, isso foi provado ou é apenas lenda? Ficar passando corrente de baixa tensão pela bobina não leva a esse nível de aquecimento.

  • Marcus, as pessoas acharem que dirigem normalmente, sem problema, tendo o carro sacos de lixo, independente do grau de (pouca) transparência, está na minha série “Morro sem entender”.

    • Bob já ouvi da tudo, mas a mais usada é segurança, e eu sempre contra-argumento da seguinte forma: o bandido sabe que alguém esta dirigindo o carro, que este alguém não está armado, que a arma dele faz qualquer um entregar o que ele deseja. Assim cai por terra o maior argumento.

      • Davi Reis

        Sem falar que no caso de carro roubado, sequestro ou qualquer coisa de errada, fica ainda mais difícil para a polícia reconhecer a situação de risco.

  • Racer

    Eu tenho uma “girafa”, mas usei umas três vezes. Tenho pensado é em comprar um Elevacar, já que espaço eu tenho. Levantar o carro no macaco é possível, mas nada como poder ficar em pé, sob o carro.

  • Eduardo Edu

    O programa “Joias sobre rodas” me serve de inspiração para muita coisa. Se os mecânicos fossem caprichosos e “fuçadores” igual ao Ed China o mundo estaria salvo. Na real o que temos hoje são “trocadores de peças”.
    O site do “Reparador Fiat” é um oásis no deserto para quem precisa buscar de peça pelo código do fabricante. Existem sites parecidos para a VW, só que estrangeiros. O VAGFAN.ME, que era muito bom, fechou.

  • Luciano Ferreira Lima

    Caminhoneiro e mecânico, duas profissões que tenho marginalizadas. Procuro ser o diferencial e mais nada.

    • Antônio do Sul

      Marginalizadas pelas pessoas comuns, mas nunca por entusiastas! Sou neto de ex-caminhoneiro, sobrinho de ex-mecânico e, agora, primo de caminhoneiro.

  • Rinno, desculpe, mas pressa, ou serviço feito rapidamente, não é necessariamente sinônimo de malfeito. Há muitos mecânicos excelentes que são rápidos na execução dos trabalhos.

  • Mike Castro, pode até ser, mas não se pode generalizar. Quanto à garantia de pneus, ela é do fabricante e não do revendedor.

  • Noel Jr., exatamente!

  • Noel Jr., é que seu colega é muito inteligente…

  • Mike, lembre-se de pegar a nota fiscal da montagem dos pneus e do balanceamento de rodas para o caso de acionar a garantia.

  • Corsário, é sério? Você tem qualquer tipo de prova disso? Eu gostaria de comunicar o fato à fábrica.

  • Corsário, acabamos de recusar um MINI de teste por ser filmado. Pedimos para remover os filmes dos vidros da condução mas não nos atenderam, alegaram que o carro era de uso de um diretor da MINI. Esses caras são completamente irresponsáveis.

    • Milton Evaristo

      Tenho um amigo que tem uns carros legais, e sempre que saímos eu guio pra ele, o que mata é que todos os carros são como esse MINI, filmados. Tira todo o barato. Aliás, sem querer generalizar, mas esse pessoal que ama películas, guia “diferente”, mal. Esse amigo fica com uma mão no topo do volante com braço todo esticado, e o cotovelo do outro braço no apoio de braço. Deu pra perceber porque que eu guio o carro dele…

  • Flying, vai dizer para quem acha que o carro com sacos de lixo fica “lindão”… vão dizer que você tem deficiência visual.

  • Danniel

    Acompanho o canal do ChrisFix no Youtube e em um dos vídeos ele disse que uma simples troca de velas de ignição sai por 150 dólares, ou seja, é bem mais vantajoso fazer em casa mesmo, já que como o Bob disse, as peças são bem em conta.

  • Danniel

    As fechaduras da porta, só me venderiam mediante a apresentação do chassi e mais uns 15 dias de espera. Detalhe, era apenas o mecanismo de trava elétrica, que é vendido com o “trinco”, e não tinha nenhum segredo de chave envolvido pois era da porta traseira esquerda…

    • Danniel, reitero o pedido, informe qual é essa concessionária. Isso tem que chegar à alta direção da VW.

  • Newton (ArkAngel)

    Dê uma olhada na mangueira que conecta o sensor MAF no corpo de borboleta. É comum a mesma trincar ou ficar mal encaixada, entrando ar falso. Houve também uma série dos Marea que veio com defeito de fábrica no conector do sensor de posição do acelerador (chassis 7035698 A 7043619), que apresentava mau contato, a Fiat disponibilizou um kit de reparo (kit de reparo FIAT MAREA,N- 7082558). Outra possibilidade, porém mais remota, é a roda fônica ter se soltado, ela fica localizada dentro do motor. Boa sorte.

  • Danniel

    Uma vez pedi os esquemas elétricos do Fox na VW, o cara só faltou rir da minha cara dizendo que essa informação nem eles têm… Quase voltei um mês depois para esfregar os esquemas não só do Fox, mas de praticamente todos carros da VAG da época.

    • Danniel, ninguém quer mesmo nada com coisa nenhuma. Estamos nos tornando uma nação de vagabundos.

  • Antonio F.

    Sou tão fissurado por carro que sempre que venho a pé do meu trabalho, que é relativamente próximo de casa, passo perto de uma mecânica especializada nos “velhinhos” e sempre tem um(ns) na rua com capô aberto, são Opalas de 4 e 6 “canecos”, S10 V-6, Zetec Rocam, APs, Fires e até um Landau V-8, eu na maior cara de pau paro para apreciar as máquinas. Como um autoentusiasta conhece outro, o pessoal da oficina até sorri cordialmente. Isso é normal (rsrs)??

    • Tipo cachorro que se reconhece pelo cheiro. rsrsrsrs. Definitivamente sim, acredito que nós nos reconhecemos a distância.

  • Milton Evaristo

    Eu peguei poucos anos de volante em que se podia ver por através dos carros, era bem melhor, facilitava até para cruzar uma rua movimentada e com muitos carros estacionados. Infelizmente a burrice prevaleceu em nome da “beleza”, “segurança”, “conforto visual dos passageiros”. Carro não tem de ter filme em nenhum vidro.

  • Obrigado. Com certeza, o faça você mesmo serve para tudo.

  • Show! Sabe que depois que o motor funcionou tive uma das maiores alegrias da minha vida? A emoção é bem forte, saber que você fez tudo certinho.

  • Vale a pena passar por um scanner, caso nenhuma mecânica próxima tenha, o APP para android ALFA OBD (ou algo assim) consegue ler a injeção do Marea (meu pai teve um 2.4), você vai precisar de: – leitor obd bluetooth, celular android, adaptador de pino de duas vias para obd (compra no aliexpress) e o app alfa obd; Durante 20 minutos ele é de graça e você consegue ler o defeito ou ler os parâmetros. Em geral este tipo de problema não é difícil de resolver se você conseguir ler os parâmetros.

    • Flying Like a Bird

      Marcus, obrigado pela dica. Atualmente o carro está num mecânico especialista em Marea aqui em São Paulo, ele que é acostumado está de cabelo em pé com esse problema insolúvel! Posto aqui no comentário a resolução, será de grande valor.

      Abraço

  • Eu gosto muito deste programa, mas tem aquele da AS MECÂNICAS, os MESTRES DA MECÂNICA e FANTON WORKS; são bem bons também.

  • Que bacana. Eu acho os GM os mais fáceis de mexer, temos uma Montana aqui na empresa e te digo que é como passar uma faca quente na manteiga. Além, claro, que os GM dos anos 90 são demais.

  • Belford, bem lembrado.

  • Davi Reis

    Carro de aluguel com vidros escuros é o fim da picada, como o Bob diz, uma daquelas que morro sem entender.

  • Caio, bujão usa aperto de 4 kgfm (+/- 0,5) compre um torquímetro de vareta, eu uso e esta loco de bom.

    O problema de abrir e deixar pingar (falando sobre sangria de freio) é que demora demais, vai passar a tarde pingando nas 4 rodas. Melhor alguém para dar uma apertada no pedal. Uma bomba de sucção também resolve o problema.

  • Bacana, eu sempre vejo o pessoal de moto mais empenhado na manutenção, não sei se pela facilidade ou se pelo gosto. Mas são máquinas fantásticas.

  • Danniel, solução ótima, é usada nas linhas de montagem das fabricantes, reservatório pressurizado.

  • Mas, Corsário, o negócio é o carro ficar “lindão”, ora…

  • Pena, Corsário, essa merecia chegar à diretoria.

  • André Andrews, boa essa!

  • lightness RS

    Bom que ninguém se encosta amigo, boa ideia!

  • Christian, gostaria muito, mas não tenho como lhe ajudar nisso de momento. É preciso procurar muito em todo lugar. Talvez o Senai tenha o que você precisa.

  • Noel Jr

    Falo exatamente da Renault, lightness RS.
    Ainda mais com a rede enorme de concessionários que ela tem.
    Certos itens devem ser passíveis de substituição caseira, fácil e imediata, sobretudo de iluminação.

  • Noel Jr

    Para quem não mantém lâmpadas funcionando, acho que o estilo fica agradável.
    Ou disfarça o constrangimento de se instalar lâmpadas de LED, daquelas que anulam todo o projeto óptico das lanternas, brilhando menos do que os “olhos de gato”.

  • Ricardo kobus

    Realmente as ferramentas no Brasil são extremamente caras, esses dias precisei de um cachimbo 13 mm longo, o consegui pela bagatela de 37 reais!

  • César, isso mesmo!

  • Bob

    Idem, fiz com meu Subaru. Melhorou em muito a visibilidade, principalmente à noite e com chuva. Daqui para frente, TODOS meus carros não terão filme e serão devidamente arrancados (se houver). Ah, só compro carro usado e normalmente eles vem filmados.
    E Bob, o AUTOentusiastas, depois de tantas reportagens com peruas, “fez” com que eu comprasse um Impreza 2002 SW. Que carro!

    • Xará, não é por acaso que apreciamos tanto as peruas! E receba nossos parabéns por se livrar dessa praga nacional que são os sacos de lixo!

  • Anônimo, não me canso mesmo. O fato é que o povo brasileiro está extremamente emburrecido. Treze anos de PT contribuíram muito para isso.

  • Rafael Guerra

    Somente mais atenção com os parafusos de aço inox, que são mais sucetíveis à fadiga e sofrem corrosão sob tensão sob a presença de cloretos, que é imperceptível e causa a fratura do mesmo, no mais, parabéns pelo empenho. Sempre realizei muita manutenção por conta própria, mas ainda vai chegar a minha hora de desmontar um motor.

  • JJ Neves, isso é mesmo incrível, como as pessoas se idiotizaram!