Em modo crescente, novas tecnologias estão invadindo as fábricas automobilísticas no mundo, em parte para cumprir as cada vez mais rigorosas exigências governamentais que regem o comportamento dos veículos e por outro lado chegando como modernidade nos sistemas de informação e entretenimento (infotenimento). E vêm na mesma esteira os sistemas autônomos que alertam e ajudam corrigir potenciais riscos de acidentes.

detroit-auto-show-2017-gmc-acadia4-1024x683

GMC Acadia 2017 e seu sistema de informação e entretenimento

Em verdade, tecnologia é caro. Por exemplo, motores com usinagens mais precisas, folgas menores para o uso de óleos lubrificantes menos viscosos e com redução de atrito requerem forte investimento em máquinas, equipamentos e controles.  Posso citar também os turbocompressores, menores e mais eficientes, com geometria e vazão de ar variável que aumenta e muito o controle do ar comprimido no motor. Utilizando materiais mais nobres e mais leves, incluindo ligas de titânio, às modernas turbinas nada têm a ver com as antigas, maiores, mais pesadas e menos duráveis, para não dizer bem mais problemáticas.

O que está cada vez mais sofisticado são os sistemas de infotenimento, nos quais componentes eletrônicos são baratos, de maneira geral e o que sai caro é o desenvolvimento do programa de atuação das tarefas, o software. Lembro-me quando era um jovem engenheiro, trabalhando na Ford nos idos dos anos 1970, a informática estava praticamente engatinhando na indústria automobilística. Nesta época tínhamos alguns poucos computadores IBM e HP, caríssimos, que comparados aos de hoje caberiam em uma cabeça de alfinete. Mesmo assim já preparávamos softwares importantes para cálculo de sistemas de freio, desempenho, consumo de combustível e de analises estruturais de chassis e carroceria. Ambos eram caros, o hardware (equipamento) e o software (programação).

E quem paga o custo da modernidade é sempre o consumidor; não adianta espernear. O segredo é garantir uma produção que consiga diluir os altos custos das tecnologias embarcadas. Sem produção não existe lucro e sem lucro as empresas entram em colapso. É ai que entra a globalização, aproveitando um desenvolvimento veicular único para aplicação mundial, em vários países. Escuto e leio comentários das mais variadas fontes, com afirmativas que carro novo no Brasil é muito caro e a preferência para os carros usados está cada vez presente. O que o consumidor deve ponderar é que sem as vendas dos novos, a falência é próxima e creio que ninguém deseja isso.

Na realidade o verdadeiro Brasil consumidor é pobre de maneira geral e as indústrias deveriam entender isso muito bem, oferecendo veículos mais básicos e mais baratos para a maioria da população. E nesta linha faço algumas sugestões para baratear os veículos sem prejuízo ao funcional:

– Rodas de aço estampadas, com desenho estruturado e uma boa pintura podem ser tão leves e bonitas quanto as de liga leve.

Ford Maio 2005 Lan?amento Ecosport 2006Flex

EcoSport primeira geração com elegantes rodas de aço estampado

roda-de-aco-corcel

Corcel II com rodas estruturadas em aço em bonito desenho

– Oferecer o sistema de infotenimento como item opcional.  Manter somente um bom sistema com velocímetro, conta-giros, temperatura do líquido de arrefecimento do motor e nível de combustível como padrão.

2012-bmw-328i-sport-line-sedan-instrument-cluster-photo-430117-s-1280x782

BMW 2012 328i Sport Line e seu simples, bonito e funcional arranjo de instrumentos; o conta-giros poderia estar no lado esquerdo, padrão AE

– Dependendo do peso do veículo, rodas e pneus menores e mais estreitos são perfeitamente possíveis. Como exemplo, tenho um Renault Twingo 1994 com pneus 145/80R13 que dão conta do recado perfeitamente. Inclusive a direção mesmo sem assistência é leve em manobras. Durante muito tempo essa foi a medida do Ford Ka, Corsa e Celta.

twingo-1994

Twingo 1994, leve, espaçoso e rodas estreitas com pneus 145/80R13

– Câmbio manual com 5 ou 6 marchas, mantendo o automático e outros como opcionais.

– Pintura sólida da carroceria com cores outras que não o vermelho, o preto, o branco e prata.

– Catalisador menor e integrado ao coletor de escape. Mais barato e melhor em termos funcionais, pois o elemento atinge rapidamente a temperatura ideal de funcionamento, além de se manter mais estável.

 

replacement-exhaust-manifold-with-integrated-catalytic-converter

Exemplo de catalisador integrado ao coletor de escapamento

– Tanque de combustível de plástico com menor capacidade volumétrica, compatível com 500 km de autonomia na estrada.

– Sistema de escapamento menor e mais leve. O uso de ressonador atenua algumas frequências importantes, possibilitando a utilização de abafadores menores e mais baratos.

– Freio a disco nas quatro rodas. Hoje em dia, por incrível que pareça, o freio a tambor é mais caro, sem falar da manutenção mais difícil.

– Eliminar apropriadamente alguns isolantes de carroceria, o do capô do motor, por exemplo, mantendo obviamente o limite sonoro permitido pela regulamentação governamental. Quem se importa com um pouquinho a mais de ruído na cabine?

– Manter acionamento elétrico somente nos vidros das portas dianteiras. E por que não acionamento manual em todas as portas?

– Desenho da carroceria com estudos topológicos em termos de vincos estruturais, espessura de chapa e reforços podem ser feitos hoje com muita facilidade, graças aos eficientes softwares disponíveis. Veículos bonitos, leves, seguros, duráveis e mais baratos são perfeitamente viáveis, basta querer.

hb-20

Hyundai HB20 e seu desenho rebuscado com muitos vincos estruturais

 

Creio que listar outros possíveis itens inteligentes para a redução de custos, barateando os veículos, é um bom exercício ao leitor.

Aproveitando a apresentação do Ford Fusion Hybrid 2017, à qual estive presente, fiz algumas contas de padaria para entender seu possível custo-beneficio ao consumidor.  A comparação que eu faço é o Hybrid versus o Flex e como hipótese, considerei 10 anos de utilização do veiculo, perfazendo um total de 250.000 km na cidade. O valor do consumo Inmetro é referente a gasolina para os dois modelos.

Versão Fusion 2,5 Flex Fusion Hybrid
Potência (cv) 175 190
Consumo cidade (km/l) 7,9 16,8
Litros/250.000 km 31.646 14.881
Preço do veículo (R$) 121.500 159.500

 

O Hybrid é R$ 38.000,00 mais caro que o Flex.

Em 250.000 km, o Hybrid consome 16.765 litros de gasolina a menos que o Flex. Transformado em dinheiro, considerando o preço do litro da gasolina de R$ 3,40, o Hybrid economizará R$ 57.001,00

Então, em dez anos a economia em favor do Fusion Hybrid será de R$ 19.001,00, obviamente não considerando o custo do dinheiro a partir do investimento inicial.

Detalhe importante: se a bateria precisar ser substituída após os oito anos de garantia, o consumidor vai ter que arcar com a enorme despesa de R$ 36.000,00 que é o preço do conjunto elétrico de íons de lítio, à base de troca, nas concessionárias da marca.

Há também que se pensar na poluição causada para a fabricação das baterias, além da toxidade dos materiais envolvidos e do processo de reciclagem mandatório. É assunto polêmico e que vale uma nova matéria específica no AE.

Enfim, economizar dinheiro e contribuir com o nosso ecossistema em termos de menos poluição e menor efeito estufa, realmente não tem preço. Creio que os veículos híbridos terão cada vez mais espaço, barateando o conjunto ao longo do tempo com inteligência e aumento de produção.

Hoje homenageio os engenheiros dedicados que lutam continuamente em sua verdadeira função de sempre conseguir mais com menos, agregando valor ao produto final.

art-crea

CM

Créditos: Google Images, acervo do autor, fotos de divulgação
(252 visualizações, 1 hoje)