Que belo motor! Além de suas características já comentadas quando do lançamento em setembro em matéria aqui no AE, o conjunto formado pelo Uno revitalizado com  novo estilo desenho frontal e o novo Firefly de 1.332 cm³ de quatro cilindros ficou admirável. Os 101 cv a 6.000 rpm com gasolina e 109 cv a 6.250 rpm, com álcool, resultam em 9,7 kg/cv na condição mais favorável, o que se traduz numa vivacidade para acelerar e retomar velocidade de fazer sorrir que gosta de automóvel e está operando o pedal da direita. A aceleração 0-100 km/h em 9,8 segundos (10,6 s com gasolina) explica o porquê do sorriso. Numa hipotética Autobahn pode chegar a 177 km/h, independente do que haja no tanque.

O Uno Way 1,3 custa R$ 47.640 e o belo vermelho Alpine do carro testado é de série. Há três kits opcionais: o Comfort (R$ 890), o Tech (R$ 4.500) e o Tech Live On (R$ 4.700).

fiat-uno-way-2017-132  FIAT UNO WAY 1,3, NO USO Fiat Uno Way 2017 132

O novo motor 1.332-cm³ Firefly supera as expectativas; pintura do cofre igual à externa: elogiável

O Comfort traz terceiro apoio de cabeça traseiro rebaixado, descansa-braço central no banco do motorista, banco do motorista com regulagem de altura, banco traseiro bipartido, cinto de segurança traseiro central retrátil de 3 pontos e porta-objetos para smartphone.

O Tech inclui o Comfort, mais alarme antifurto, auxílio de partida em aclive, controle de estabilidade e tração (desligável), rádio Connect integrado ao painel com RDS, entrada USB/AUX, Bluetooth e função áudio streaming, volante com comandos do rádio e telefone, retrovisores externos elétricos com função de orientação para baixo no direito ao engatar ré, rodas de alumínio 5,5 x 14 exclusivas “Way” com  pneus “superverdes” de uso misto 175/70R14, sensor de estacionamento traseiro com visualizador gráfico, e vidros elétricos traseiros com um-toque e antiesmagamento.

Finalmente o Tech Live On, que é o Tech mais sistema de conectividade via Bluetooth com rádio e aplicativo para smartphones com sistema IOS e Android e inclui volante com comandos do rádio/telefone, suporte retrátil e entrada USB para carregamento.

Além do vermelho Alpine, a outra cor sem acréscimo é a preto Vulcano. As demais seis custam R$ 1.547. Veja a tabela com os itens de série no final.

O mesmo Way 1,3 pode vir com câmbio robotizado Dualogic e custa R$ 51.990. No preço estão incluídas borboletas de troca de marcha.

Como anda

O rodar desse Uno está melhor do que nunca. A suspensão não emite nenhum rumor de funcionamento e no caso do “aventureiro” Way aplaina as irregularidades da pavimentação, especialmente em estradas de terra (o mesmo já havia sido dito do Mobi Way). A calibração de toda a suspensão revela compromisso perfeito entre conforto e estabilidade, característica dos carros fabricados no Brasil em geral (a turma aprendeu) e dos Fiat, em particular. Percebe-se ausência de torções e flexões do monobloco.

A direção eletroassistida tem função City que aumenta a assistência em baixas velocidades, típicas de manobras de estacionamento. Fica bastante leve, embora o modo normal proporcione assistência mais que suficiente. A assistência normal não é invasiva. Não há informação de relação de direção, mas de lenta não tem nada. Associado à direção está o conveniente diâmetro mínimo de curva de 9,8 metros.

A posição de dirigir é encontrada sem dificuldade com os ajustes de altura do banco, ancoragem do cinto e volante. Como em todos os Fiat “Fiat”, é mais alto do que nos outros carros, mas nada que incomode — a mim, pelo menos. O conjunto de pedais atende corretamente as todas as necessidades, inclusive ao punta-tacco. Há uma verdadeira prancha para o pé esquerdo.

Nas curvas pode ser atirado com vigor, apesar dos pneus de uso misto Pirelli Scorpio ATR. Andei forte em algumas curvas e no controle de estabilidade nem chegou a atuar; é realmente do tipo para corrigir situações anormais. O subesterço mesmo exagerando é bem discreto. Isso aparece bem no vídeo (será colocado posteriormente).

A v/1000 em 5ª é 36,2 km/h, levando a 3.300 rpm a 120 km/h. A velocidade máxima é em 4ª, motor a 6.300 rpm. Portanto, a Fiat dotou o Way 1,3 de câmbio 4+E, uma boa decisão.

dente-de-serra-uno-way-13  FIAT UNO WAY 1,3, NO USO dente de serra Uno Way 13

O gráfico “dente de serra” do câmbio do Uno Way 1,3

Consumo, dados do Inmetro, 12,9/14,1 km/l cidade/estrada com gasolina e 9,2/10,1 km/l com álcool. O carro testado estava com este combustível e os números foram reproduzidos sem dificuldade. Rolando a 120 km/h um pouco menos, em torno de 9,5 km/l.

O agradável mesmo é usar a potência do Firefly 1,3-L. O ótimo torque de 13,7/14,2 m·kgf a 3.500 rpm significa boa potência a essa rotação, 67 cv com gasolina e quase 70 cv com álcool. Mas mesmo a partir de 1.500 rpm o motor levanta com facilidade. Se deixar, chegar rápido ao corte limpo a 6.800 rpm. Tudo com a suavidade típica dos bons 4-cilindros e sua uniforme sonoridade. Realmente, um motor bem projetado e construído. É como se o Firefly pedisse “use-me e abuse de mim”.

A Fiat claramente não objetivou elevada potência específica ao adotar 2 válvulas por cilindro com comando único e não recorrer à injeção direta, mas mesmo assim ela é de 81,1 cv/l (75,8 cv/l com gasolina), o que pode ser considerado resultado surpreendente. Mas empregou tecnologia de cilindros descentralizados 10 mm em relação ao virabrequim reduzindo os esforços tangenciais do pistão nos cilindros e também uma relação raio da manivela-comprimento de biela (r/l) de convenientes 0,289 para a mesma finalidade.

O comando de válvulas tem variador de fase que usado à plenitude ao retardar o fechamento de válvulas em até 50º quando a velocidade estabiliza-se no plano, reproduzindo o ciclo Atkinson (que nisso é igual ao ciclo Miller). Com isso o motor não “faz força” para aspirar ar, a conhecida perda por bombeamento. E como outros fabricantes, reduziu a viscosidade do óleo para 0W20, além de tornar a pressão de óleo variável. Todos essas soluções foram aplicadas também ao motor tricilíndrico de 999 cm³.

O Uno continua a ser um carro para prestar bons serviços, fácil de dirigir, com desempenho que agrada muito com esse novo motor, mesmo sem ser um primor de espaço interno para quem vai atrás. Mas conta com um razoável porta-malas de 280 litros que pode ganhar mais 10 litros ajustando o encosto do banco traseiro mais para vertical. E traz um detalhe que sempre elogio quando tem: faixa degradê no para-brisa.

BS

Nota: Foi feito vídeo, a ser integrado proximamente.

Após a ficha técnica e lista de equipamento de série, mais fotos.

 

FICHA TÉCNICA UNO WAY 1,3
MOTOR
InstalaçãoDianteiro, transversal
Material do bloco/cabeçoteAlumínio / alumínio
Configuração / n° de cilindrosEm linha / 4
Diâmetro x curso (mm)70 x 86,5
Cilindrada (cm³)1.332
AspiraçãoAtmosférica
Taxa de compressão (:1)13,2
Potência máxima (cv/rpm) (G/A)101/6.000 // 109/6.250
Torque máximo (m·kgf/rpm) (G/A)13,7/3.500 // 14,2/3.500
N° de válvulas por cilindroDuas
N° de comando de válvulas /localização/acionamento1 / cabeçote com variador de fase/ corrente
Comprimento de biela (mm)149,33
Relação r/l0,289
Formação de misturaInjeção eletrônica no duto
Gerenciamento do motorMagneti Marelli integrando injeção e ignição
ALIMENTAÇÃO
CombustívelGasolina e/ou álcool
TRANSMISSÃO
EmbreagemMonodisco a seco, comando mecânico a cabo
Câmbio / rodas motrizesTranseixo manual / dianteiras
N° de marchas5 à frente e 1 à ré
Relações de transmissão (:1)1ª. 4,273; 2ª. 2,316; 3ª. 1,444; 4ª.1,029; 5ª. 0,795; ré 4.200
Relação do diferencial (:1)3,933
FREIOS
De serviçoHidráulico, duplo circuito em diagonal, servoassistido, ABS
Dianteiros (Ø mm)Disco
Traseiros (Ø mm)Tambor
SUSPENSÃO
DianteiraIndependente, McPherson, mola helicoidal. amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
TraseiraEixo de torção, mola helicoidal e amortecedor pressurizado
DIREÇÃO
TipoPinhão e cremalheira, eletroassistida
Diâmetro mínimo de curva (m)9,96
RODAS E PNEUS
RodasAlumínio, 5,5Jx14
Pneus175/70R14T (Pirelli ATR Scorpio no carro testado)
EstepeRoda de aço 5,5Jx14, pneu 175/70R14T
PESOS (kg)
Em ordem de marcha1.057
Carga útil400
Peso rebocável (sem freio)400
CONSTRUÇÃO
TipoMonobloco em aço, hatchback 4-portas, 5 lugares
DIMENSÕES EXTERNAS (mm)
Comprimento3.820
Largura (sem espelhos)1.656
Altura1.555
Distância entre eixos2.376
Bitola dianteira/traseira1.430/1.420
Distância mínima do solo (vazio)190
CAPACIDADES
Porta-malas  (L)280/290
Tanque de combustível (L)48
DESEMPENHO
Velocidade máxima (km/h) (G/A)177/177
Aceleração 0-100 km/h (s) (G/A)10,6 / 9,8
CONSUMO DE COMBUSTÍVEL (INMETRO/PBEV)
Cidade (km/l) (G/A)12,9/9,2
Estrada (km/l) (G/A)14,0/10,1
CÁLCULOS DE CÂMBIO
v/1000 em 5ª (km/h)36,2
Rotação em 5ª a 120 km/h (rpm)3.300
Rotação à vel. máx. em 4ª (rpm)6.300
GARANTIA E MANUTENÇÃO
Duração da garantia3 anos
Revisões, intervalo (km)10.000
Troca de óleo do motor (km/tempo)10.000 / 1 ano
 

EQUIPAMENTOS DE SÉRIE FIAT UNO WAY 1,3

Alça de segurança dianteira lado passageiro
Alças de segurança traseiras retráteis
Alertas de limite de velocidade e manutenção programada
Apoia-pé para o motorista
Apoios de cabeça dianteiros e traseiros(3) com regulagem de altura
Ar-condicionado e vidros climatizados verdes
Assistente de partida em aclives
Avisos de luzes e portas abertas ou malfechadas
Banco traseiro totalmente rebatível com 2 posições para o encosto
Barra de proteção nas portas
Barras longitudinais no teto
Bolsa porta-objetos nas portas dianteiras
Bolsa porta-revistas no encosto dos bancos dianteiros
Chave canivete com telecomando (abertura e fechamento das portas e vidros elétricos) com Fiat code 2ª geração das portas e vidros
Cintos de segurança dianteiros retráteis de 3 pontos com regulagem de altura
Cintos de segurança laterais traseiros retráteis de 3 pontos
Comando interno de abertura do porta-malas e da tampa do tanque de combustível
Console central com porta-objetos e porta-copos
Console de teto com porta objetos e espelho auxiliar
Controle de estabilidade e de tração
Detalhe estético inferior cinza nos para-choques dianteiro e traseiro
Detalhes internos na cor Grafite (Maçanetas, aros das saídas de ar, volante)
Direção eletroassistida com função City
Espelho no para-sol lados motorista e passageiro
Faixa horizontal no painel na cor grafite
Faróis com máscara negra
Faróis de neblina
Frisos laterais das portas com inscrição Way
Grade dianteira texturizada com detalhes cinza
Indicador digital de troca de marchas, temperatura da água e nível de combustível
Lanternas traseiras com acabamento fumê
Limpador, lavador e desembaçador do vidro traseiro (temporizado)
Luz de acompanhamento ao deixar o carro
Luzes de leitura dianteira com dimmer (redução/aumento gradual de intensidade)
Maior altura em relação ao solo
Moldura nas caixas de roda na cor cinza
My Car Fiat (personaliza várias funções do carro)
Painéis de porta integrais revestidos parcialmente em tecido
Palhetas com tecnologia Flat Blade
Pisca-5
Pneus super “verde” de uso misto 175/70R14
Porta-luvas iluminado
Porta-óculos
Quadro de instrumentos iluminado com conta-giros e display LCD de alta resolução equipado com computador de bordo A e B (distância A e B, consumo médio A e B, consumo instantâneo, autonomia, velocidade média A e B e tempo de percurso A e B) comandado por teclas no volante
Rádio com RDS e entradas Aux. e USB para MP3/WMA
Relógio e hodômetro (total e parcial) digitais
Retrovisores externos na cor do veículo e luzes indicadoras de direção
Revestimento externo na coluna central das portas
Revestimento interno da soleira das portas
Revestimento porta-malas completo e ganchos de fixação de carga
Rodas de aço estampado 5.5×14″ com calotas integrais Way
Sistema de partida a frio injeção de gasolina
Sistema desliga/liga motor nas paradas
Terceira luz de freio e alerta de frenagem de emergência)
Tomada 12 V
Travas elétricas + trava automática das portas a 20 km/h
Válvula antirrefluxo de combustível
Vidros elétricos dianteiros com um-toque e antiesmagamento
Volante com regulagem de altura e detalhes em grafite

 

Mais fotos:

Sobre o Autor

Bob Sharp
Editor-Chefe

Um dos ícones do jornalismo especializado em veículos. Seu conhecimento sobre o mundo do automóvel é ímpar. História, técnica, fabricação, mercado, esporte; seja qual for o aspecto, sempre é proveitoso ler o que o Bob tem a dizer. Faz avaliações precisas e esclarecedoras de lançamentos, conta interessantes histórias vividas por ele, muitas delas nas pistas, já que foi um bem sucedido piloto profissional por 25 anos, e aborda questões quotidianas sobre o cidadão motorizado. É o editor-chefe e revisor das postagens de todos os editores.

Publicações Relacionadas

  • Lorenzo, tudo visa o mesmo efeito, inclusive os pinos de pistão descentralizados. Essa tecnologia dos cilindros descentralizados não é tanta novidade.

  • Davi, divida torque em m·kgf por 0,7162 para encontrar força em kg e multiplique pela rotação/1000.

  • Mr. Car, tive o mesmo pressentimento, mas superou minha expectativa.

  • Fernando, ainda não, mas será somente em curva devido aos pneus de asfalto.

    • Silvio

      A Sporting não tem diferença de constante de molas e carga de amortecedores?

  • Claiton, os Fiat têm a faixa degradê há anos. A agradável surpresa é ela ter sido mantida.

  • Diogo

    O Uno é um carro que foi sendo aprimorado com o tempo. Na primeira leva, era extremamente espartano, algo meio “cru”. Na última atualização, há uns dois anos, dói dotado de requinte de equipamentos e mimos para agradar o motorista. Nessa versão atual ganhou a devida atualização mecânica e equipamentos de segurança ativa. Para aqueles que não precisam de muito espaço é uma opção interessante.

  • Marcelo Conte

    Um belo motor para celebrar os 40 anos da marca no Brasil. Muito legal poder ter acompanhado a trajetória da Fiat no Brasil.

  • Fernando

    Muito legal a avaliação!

    Achei curiosas algumas soluções:
    1- O retorno do tanque em metal ao invés do plástico, será que se chegou ao ponto de ver não haver problemas com o álcool?

    2- A barra estabilizadora estar bem deslocada para trás, sendo que geralmente ela fica à frente do eixo.

    Pelas fotos fiquei na dúvida se aquele componente em perto do filtro de ar seria o compressor do ar-condicionado e pelo que entendi da polia e mangueiras seria mesmo, estranhei ele ser tão grande, ele possui alguma variação de relação interna visando reduzir desperdício de energia?

    O filtro de óleo ficar em baixo também é fácil para troca, só não vi o protetor de cárter na lista e no caso de estradas de terra ou mesmo asfaltadas, para evitar que pedras atinjam o filtro creio que seria indispensável.

    • Fernando, a peça é a capa da polia do comando de válvulas, que tem o mecanismo de variação de fase. O compressor do ar-condicionado pode ser visto na foto que mostra a parte inferior do motor. Quanto ao filtro de óleo ser atingido, note que fica bem recuado em relação ao cárter.

      • Fernando

        Obrigado pela resposta Bob, agora que vi sua resposta vi que escrevi filtro de ar mas na verdade queria dizer filtro de óleo, então na verdade é o visto pela parte de baixo, a peça à frente dele em formato arredondado.

  • Sempre gostei do motor Fire, mas este parece ser realmente uma evolução. Parabéns à Fiat.

  • Silvio, nenhum problema em perguntar. Ainda não testamos o Civic Sport manual, a Honda ainda não nos disponibilizou a versão.

  • Marcelo R.

    Bob,

    Gostei da sua cara da felicidade, apontando a faixa degradê no para-brisa (rsrs). Mas, tenho que concordar com você. Troquei o da Parati, por um com a dita faixa, e realmente faz diferença:

    http://i39.photobucket.com/albums/e195/aquattro/IMG_0498.jpg

    P. S.: Não reparem nas rodas e nem nas portas. Elas serão substituídas em breve.

  • Pablo Lopes

    Dentre as fabricantes nacionais, a Fiat tem se destacado em “ouvir os consumidores” antes de criar, ou inovar seus produtos. Quando surgiu a notícia desses motores com apenas 2 válvulas por cilindro, muitos torceram o nariz, mas aí esta o resultado, com números de potência, torque e consume totalmente satisfatórios. E o preço não está absurdo pelo que se lê na reportagem ( ao menos se tratando de Brasil ). A única barreira que eu vejo para o Uno se chama preconceito, assim como no que “migrou” de compacto para compacto premium e as pessoas não entenderam, ou não aceitam!!!

  • guest, falha nossa. A assistência é elétrica, como diz o texto. Correção imediata!

  • José

    Bob, bom dia.
    Dada a similaridade nos preços, qual seria sua preferência entre esse Uno 1,3 e o up! TSI?

    • José, manifestar preferência fere a ética jornalística. Você mesmo precisa deduzir após a leitura das duas matérias.

      • Marúcia Paulino Baiocchi

        Oi, Bob. Essa é uma questão incompreendida. Como funcionam os comparativos? Os jornalistas não podem escolher aquele carro que preferem e manifestar expressamente essa escolha?
        Abs.

        • Marucia, é simples: não fazemos comparativos, portanto não podemos escolher. A escolha cabe ao leitor ao ler os nossos testes individuais.

  • Lucas Sant’Ana

    Bob, porque censuraste a figura que postei?

    http://www.insightcentral.net/_images/enoffset.jpg

    • Lucas, a figura que aparece agora não estava no comentário anterior. Foi o que aconteceu.

  • David, obrigado pela atenção. As rodas de série são de aço e as de liga opcionais, explicado no texto. PK

  • Boa Marcelo! Apenas 14 litros! Parabéns. Eu acho que preciso evoluir mais para ter esse controle sob o meu pé direito. Costumo aplicar o método binário, acelerador 100% ou 0%. :]

  • David Diniz

    Eu tive um palio 1,8R em 2007 e a primeira providencia foi “tacar no mato” as capas dos pedais esportivas pois atralhavam demais em uma condução mais “animada” e eu só consigo dirigir carro manual (ainda mais em uma tocada esportiva) se eu estiver descalço(sim eu tiro até a meia para não atrapalhar)

    • David, também gosto de dirigir descalço. E nunca de meia, senão escorrega.

      • AK, essa é mais uma da série “Morro sem entender”. Como é possível gostar de dirigir descalço? Já dirigi, claro, acho péssimo.

        • David Diniz

          Bob é que você não deve ter utilizado sapatos largos ou mesmo “grosso”. Fora que a sensibilidade no pedal aumenta absurdamente.

        • João Carlos

          Outra coisa péssima é dirigir com calçado de sola grossa, tipo tênis de corrida, acaba com o prazer de guiar.

    • agent008

      E eu que até hoje achava meu gosto por dirigir descalço uma coisa estranha! Sempre “no pelo” , como já dito. Com meia, escorrega..!

  • Douglas

    Bob,
    Dada a ótima relação r/l, não daria para a Fiat aumentar o curso para chegar a 1,4 litro?

    • Douglas, certamente daria, mas a escolha foi por motores 1-L e 1,33 modulares.

  • braulio

    Coincidências interessantes: No Uno de uma mola só na suspensão traseira e limpador único do pára-brisas, 1300 era a MENOR cilindrada possível para comprar-se quando o carro foi lançado. Já o curso de 86,5 mm é muito próximo do curso que a GM e a VW adotavam… Em seus motores de dois litros.
    O vagalume parece mesmo ótimo no quesito potência/consumo. Claro que não há milagres, mas aparentemente, vários detalhes foram bem feitos. Ainda vou esperar para ver como ele quebra (andar bem, quase todo carro anda, gastar pouco quando quebra ainda é um diferencial…), e vou lamentar que, embora a Fiat saiba o que faz, ela não faça mais carros com duas portas, que seria minha carroceira favorita.

    • Lucas Vieira

      Mas o Uno tem versões 2 portas.

      • Ivan Búrigo

        Tinha nos primeiros anos, se não me engano até 2013, agora não mais.

  • Davi Reis

    Acredito na boa performance desse Uno, mas ainda assim o Up TSI parece puxar melhor (e com uma diferença perceptível). Além disso, o Move Up (de 50 mil reais) já vem bem equipado, com som, computador de bordo, alarme, ar-condicionado, direção elétrica, repetidores de seta… Dá uma dúvida boa entre esse carro e um Uno Sporting, de qualquer jeito.

    • Caio Ferrari

      Ka, Uno e up!. Isso resume minha dúvida atual.
      Ao que dizem, o up! é o popular a ser superado.

  • marcio pessoa de faria neto

    Caio,com a relação a isso é só uma questão de tempo.Fiat Uno é o “queridinho das locadoras’ no segmento dos populares.

    • Caio Ferrari

      Não sei, Marcio. Há tempos que as locadoras estão povoadas de Nissan e Renault. Com sorte, acha-se alguma coisa da Chevrolet e Ford (apenas o Ka).

      • marcio pessoa de faria neto

        Caio,aqui em Belo Horizonte é muito fácil encontrar o Uno nas locadoras da cidade.Quase todas oferecem o carro,das maiores, às menores.Creio que seja por causa das proximidades com a Fábrica de Betim. A Fiat vende muito na região,Acho que isso deve ser comum em todos as cidades ou estados onde as Fabricantes se instalam. Betim por exemplo, “só tem” carros da marca nas ruas,supremacia absoluta.Para todos os lados que se olha ,eles estão lá,rodando ou estacionados é realmente notável e Betim fica bem perto de BH,questão de poucos quilômetros. Inclusive, Caio,a maior locadora da América do Sul,que é daqui de BH,sempre trabalhou com Fiat. É Bastante comum também,ver os Uno rodando com a escada no teto a serviço de operadoras de TV e internet, por aqui!. A maioria na cor prata,em sua versão básica,frota quase sempre de locadora.Eu mesmo, quando li a matéria,fui logo pensando em alugar um na primeira oportunidade. As diárias são acessíveis!. PS: Mesmo modelos que não são feitos em Betim,são facilmente encontrados em locadoras da cidade.

    • Lucas Vieira

      Localiza ultimamente, só Ford Ka 1,0 e Sandero 1,0.

  • Silvio

    Concordo! Seria interessante uma versão normal (não altinha como a Way, nem esportivada como a Sporting) com este motor que me pareceu muito bom. Ficaria mais barata e visualmente mais discreta.

  • Davi Reis

    A faixa é em um tom claríssimo de azul algo acinzentado, bem difícil de se ver dependendo da luz. Penso que o Fox melhorou absurdamente não só em equipamentos, mas como carro, de modo geral. Conheci a primeira versão (um Route 2006 ou 2007) e hoje tenho um Highline 2015, e as diferenças em acerto de suspensão, acabamento e dirigibilidade são muito grandes. Achava o primeiro um carro desconfortável demais, muito duro, de interior pouco acolhedor e ainda com o agravante daquelas excentricidades sem sentido, como o porta-luvas sem tampa e o painel diminuto. Antes não via sentido na existência do Fox, já que Polo e Gol supriam muito bem na área dos compactos, mas com o Polo descontinuado e o Gol simplificado, o carro passou a fazer algum sentido. Sem falar que ele recebeu bons atributos para brigar junto de Fiesta e 208 na última remodelação (ESP, câmbio de 6 marchas, direção elétrica, motor EA-211). Para o futuro, acho que ele vai acabar saindo de linha ou mudará drasticamente de perfil. Dizem por aí que tem um Gol novo saindo do forno em 2018, mas eu sinceramente acredito que seja um herdeiro do Fox chegando, especialmente considerando que o antigo campeão de vendas mudou esse ano e os alemães não costumam mexer nos seus carros tão rápido assim.

    • guest, a ressurreição

      Não tem mais a faixa. Se você entrar num Fox fabricado mais recentemente e sem películas, olhe para o céu pelo topo do para-brisa e por outras áreas que você constatará que a faixa que existia desde o G1 não está mais lá.

      Eu já dirigi um Fox 1,0 L G1 (2008, acho) e um 1,6 L 16v G3 (2015 ou 2016) calçados com os mesmos pneus (Pirelli P7 195/55R15) e não percebi diferenças significativas na dirigibilidade e na sensação de firmeza da suspensão. Não que mudanças não tenham acontecido. A VW alterou a pressão dos pneus recomendada para meia carga de 27/27 (dianteiro/traseiro) para 29/28, então acho que também devem ter mexido em outros elementos da suspensão.
      Não sei como esqueci desse porta-luvas do G1. No mais, de resto, o interior do carro segue a mesma fórmula: todos os botões iluminados, cintos de segurança dianteiros com regulagem de altura, três apoios de cabeça no banco traseiro, cintos de segurança traseiros retráteis e de três pontos apenas para os passageiros das pontas, três alças de teto retráteis, todos os botões de acionamento dos vidros estão nas portas, há muitos porta-objetos, etc.

      Sobre os atributos do Fox que você citou, talvez não em 2014, mas atualmente esses itens permeiam o segmento, ainda que como opcionais ou como exclusivos de versões mais caras.

      Em relação ao Gol, o Fox faz sentido porque tem bom espaço para a cabeça, para as pernas (no banco traseiro, mais do que o Golf), altura dos bancos mais favorável ao conforto e é mais fácil de entrar ou sair (no Gol, vez ou outra esbarro a coxa no volante, e ainda há maior dificuldade para acomodar algum passageiro com movimentação limitada).

      Vamos ver o que a Volkswagen trará ao mercado nos próximos anos.

  • Belford

    Bob esse relato sobre o motor foi show, me deu até vontade de colocar esse motor em um UNO modelo antigo com seus 800 e poucos quilos!!!!! 109 cv de alegria!!!!!
    Bob me tire uma dúvida; o novo uno é menor internamente que o antigo?

    • Belford, sim, é menor.

    • Daniel Saraiva Vila Nova

      Eu tenho pensado nisso desde que esse motor saiu! O Mille way pesa literalmente 200 kg a menos que esse Uno

  • Douglas

    O Fire Evo 1,4 é bem ruim, muito ruidoso e fraco para um 1,4.

  • David, essas são as rodas de série. As de liga leve vêm no pacote Tech.

  • guest, a ressurreição

    Os itens que eu citei eram só para demonstrar que praticamente nada de relevante foi mudado positivamente no interior. O “praticamente” fica por conta de volante, direção elétrica e painel (completo, incluindo porta-luvas).

    Se fosse para comentar sobre o interior do Fox sob outro ponto de vista, eu também poderia dizer que, exceto por uma tímida tira de tecido nas portas e pelos tapetes de carpete, ambos presentes apenas nas versões mais caras, há plástico duro em todo lugar.

    Entendo que, comparando com o G1, o motorista deve ter uma percepção positiva sobre o interior do G3, uma vez que foi na parte dianteira do interior em que ocorreram as maiores mudanças. Porém, ainda assim estou curioso: fora o que eu já comentei aqui, o que você viu de tão acolhedor no interior do G3 em relação ao G1?

    • Davi Reis

      Linhas mais agradáveis (essa parte é mais pessoal), seleção mais adequada de cores e materiais onde o corpo toca (acabamento do volante por exemplo e até mesmo a parte em tecido da porta, que poderia ser um pouco almofadada, porém) e melhor visualização dos comandos (painel maior e mais claro, comandos mais precisos de som e ar-condicionado). Um detalhe que me incomodava em particular era o comando do vidro traseiro, que exigia que o passeiro torcesse a mão para fora para ser acionado, como nos VW’s dos anos 80. O plástico duro ainda impera, mas o primeiro Fox tinha o interior em um tom único de cinza que também não me passava uma boa impressão.

  • Paulo Júnior, o Firefly 1,3-l ficou mesmo muito bom.

  • Silvio, as plantas dos pés não foram feitas para apertar pedais.

  • Sérgio Neves, o que o Paulo Keller quis dizer com método binário foi em tom irônico, ele não ficar procurando dirigir com se estivesse num concurso de economia, ou seja, acelerando muito sempre. O método carga foi uma recomendação da Saab no sentido de se dirigir com a maior abertura de acelerador e com a rotação mais baixa possíveis, obtendo ao mesmo tempo menor perda por bombeamento e menor potência, inclusive pulando uma marcha, tipo 1ª, 3ª e 5ª.

  • David, como assim, sapato atritando com o tapete? Essa situação não existe.

  • Maycon Correia

    Que bom ver novidades decentes! Sejam todas elas bem-vindas.

    Bob, quanto à faixa degradê, coloquei um vidro novo em meu Fusca prata e ela está lá! Encontrei um belo Fanavid de produção recente e muito bem acabado.

    • Maycon, que bom você ter achado esse vidro!

  • Daniel Saraiva Vila Nova

    Um dia ainda irei comprar um Mille Way e colocar esse motor 1,3 nele. Acho que vai ficar mais forte que o up! TSI, especialmente lá pelos primeiros 400 metros. 109 cv e 850 kg soa algo muito empolgante e que vai beber muito pouco.

  • Brenno

    Eu ainda prefiro o sobrealimentado. Além do consumo dele ser muito bom. Não tive oportunidade de andar no FireFly 1.3. Mas no Up! Tsi já e é bem delicioso.

  • Marcelo R.

    Obrigado, Leonardo. Mas, eu acho que dá para melhorar muito ainda… rsrs

    Eu também não gosto de calhas de chuvas, ainda neste modelo moderno que não combina nada com o carro. Ela já veio com essas calhas e a do motorista caiu certa vez. Quando eu ia arrancar a do passageiro, enfrentei uma chuva e não podia deixar minha janela um pouco aberta pois eu me molhava… Depois desse dia, coloquei a bendita de volta e vou tentar a achar uma de época, pelo menos, já que é um mal necessário…

    Sobre as portas, colocaram nela o modelo que é usado de 88 a 94. O correto é esta aqui:

    http://i39.photobucket.com/albums/e195/aquattro/577518108413937.jpg

    Quebra-vento com bico e retrovisor na altura da “coluninha” do mesmo.

    Um abraço!