O suve Kia Sportage de quarta geração (primeira: 1993) foi apresentado no dia 22 de junho último, o Juvenal Jorge esteve no evento na cidade-sede da Kia Motors do Brasil em Itu (SP) e em seguida escreveu a respeito do novo Sportage, já ano-modelo 2017. Agora chegou a ocasião de ver como é o novo Kia versão topo EX em uso no mundo real durante uma semana. Esta tem preço público sugerido de R$ 137.990, mas há a versão mais simples LX por R$ 112.990.

A motorização é única, um 4-cilindros flex de 2-litros, duplo comando de válvulas acionado por corrente, variador de fase em ambos, de 156/167 cv a 6.200 rpm e 18,8/20,2 m·kgf a 4.700 rpm; sua taxa de compressão é 12:1.  O suve pesa 1.570 kg, portanto a relação peso-potência com cada combustível é 10,0/9,4 kg/cv, e com álcool a aceleração 0-100 km/h é feita em 10,6 segundos e a velocidade máxima, 175 km/h. Esta poderia ser maior não fosse a 5ª marcha ainda ser longa (veja na ficha técnica) e em 4ª o motor ficar fora de giro (acima do limite).

O câmbio é automático epicíclico “da casa”, ou seja, Hyundai-Kia, seis marchas com trocas manuais sequenciais pelas borboletas e pela alavanca, e a v/1000 em 6ª é 46,9 km/h. Viajando a 120 km/h o giro é 2.500 rpm e a essa rotação o motor é praticamente inaudível, mal se percebe seu funcionamento. Uma pisadela no acelerador provoca rápida redução de marcha, e de 6ª o câmbio automático baixa quantas marchas forem necessárias para que a rotação traga a potência que o pé direito pede.

O Sportage pareceu econômico. Digo “pareceu” porque o computador de bordo não informa o consumo, porém pelo Inmetro/PBVE é de 8,7/6,0 km/l na cidade e 11,0/7,5 km/l na estrada. Tive impressão de ter gasto menos que isso.

Há quatro modos de funcionamento do câmbio: o ECO visa economizar combustível, portanto estando nele é necessário ser mais enfático no pedido, pisar mais fundo no acelerador, para que baixe marchas. Achei esse o modo ideal para os trajetos urbanos, onde se anda com calma e se aproveita a boa elasticidade do motor.

Com um clique num botão do console vem o modo Normal, no qual o câmbio reage com maior presteza, ideal para viajar, seja em pista simples ou dupla. Mais um clique e vem o modo Sport, onde com bem pouca solicitação ele baixa marcha e só as sobe em giro mais alto. Bom modo para uma rápida subida de serra, por exemplo. São sensíveis as diferenças entre um modo e outro. Vai do gosto e/ou das necessidades do momento.

Em todos esses três modos, com uma acelerada funda o câmbio entende que é sinal de emergência e isso traz redução imediata para a marcha que proporcione a maior aceleração possível. Em todas o limite de giro é 6.500 rpm (300 rpm acima da do pico de potência), quando então ele sobe marcha. Mesmo em Drive ele aceita os comandos das borboletas, elas têm prioridade, o que acho bom, pois às vezes se quer “soltar mais o carro” subindo marcha ou então reduzir.

Ótima posição para dirigir e conforto para todos os ocupantes

Ótima posição para dirigir e conforto para todos os ocupantes

Trazendo a curta alavanca de câmbio para a esquerda entra o modo Manual, no qual as mudanças podem ser feitas através da alavanca ou das borboletas junto ao volante. Nesse modo ele obedece fielmente às nossas ordens mas sobe marcha quando atinge o limite de rotação, as mesmas 6.500 rpm que no modo automático. Nunca reduz por sua própria conta, e para ganhar velocidade trata de se esforçar na marcha em que está.

Instrumentos funcionais e com bom design. Tem opção de velocímetro digital na telinha central

Instrumentos funcionais e com bom desenho; há opção de velocímetro digital no mostrador central

Isso é bom, pois algumas vezes assim é desejável, principalmente quando em piso de baixíssima aderência, porém mesmo no modo Manual ele deveria ter resposta (pelo kickdown) para uma situação de emergência, como alguns outros câmbios automáticos têm.

Suspensão traseira independente. Macia e bem acertada

Suspensão traseira independente multibraço, macia e bem acertada

A posição ideal de dirigir é facilmente achada. O encaixe é perfeito e o volante tem ajuste de altura e distância. O banco do motorista e o do passageiro contam ampla regulagem elétrica. Uma delas é o apoio lombar. Ergonomia perfeita. O volante, revestido em couro, tem tamanho e pegada ideais. A direção eletroassistida mostra calibração acertada, com peso no volante correto para as várias velocidades.

Há pouca diferença de altura entre banco do motorista e assoalho, portanto a posição de dirigir se assemelha à de um bom sedã. Os instrumentos são de fácil e definida visualização, tipicamente alemã — influência do alemão Peter Schreyer, o executivo-chefe de Design da Hyundai-Kia há dez anos? Aliás, o desenho do novo Sportage é muito bom, além de ter ampla visibilidade em todas a direções, que a câmera de ré ajuda nas manobras.

Os pedais são bem posicionados, sendo que o do acelerador pivota no assoalho e tem um batente final bem definido depois do degrau do kickdown: téc! O curso do pedal do acelerador é bem calculado e a modulação do freio é exata.

Bom estradeiro

Bom estradeiro, mas bom na cidade também com diâmetro mínimo de curva de apenas 10,6 metros

Agora vem a cereja do bolo para os que gostam de proporcionar conforto para os de trás: atrás há um imenso espaço para as pernas, e o encosto, dividido em 2/3-1/3, é reclinável, fora que há saída de ar-condicionado na traseira do console. Realmente, atrás “a diretoria” não terá do que reclamar; ela dorme logo e não enche a paciência. O grande entre-eixos de 2.670 mm permite esse bom espaço interno.

Defletor no teto solar propicia que se viaje com ele aberto sem turbulências

Defletor no teto solar propicia rodar na estrada com ele aberto sem turbulências

Tem teto solar panorâmico, que por ter um defletor de ar permite viajar com ele aberto com pouca turbulência interna. Os pneus 245/45R19 de asfalto: parece que os fabricantes entenderam que quem compra suve  busca beleza e utilidade para a família, e não porque pretendem pegar estradas de terra com eles — uma “descoberta” da Porsche com o Cayenne em 2002. Na versão LX os pneus são 225/60R17. Em ambas as versões o estepe é igual às demais rodas.

Há controle de tração e estabilidade, recursos que não chegaram a intervir, pois a natural boa dinâmica do Sportage propiciou curvas fortes com muito boa aderência, mesmo sob garoa. A suspensão McPherson na frente e independente multibraço atrás, ambas com barra estabilizadora, é macia mas firme, rola pouco nas curvas. É um suve ágil, rápido, que mascara bem o peso nada desprezível de 1.570 kg em ordem de marcha. Perfeitamente firme nas retas, é bom de freada e de curva, e rapidamente se estabiliza após uma desviada ou mudança rápida de faixa, por exemplo.

Hoje os SUVs fazem o papel que antes as peruas faziam, com a vantagem para os fabricantes poderem cobrar mais

Hoje os suves fazem o papel que antes as peruas faziam, mas são mais caros

O porta-malas acomoda 868 litros segundo a Kia, mas deve considerar a altura até o teto (estimo metade dessa capacidade até o nível do encosto do banco traseiro, acima de 400 litros), e chega a 1.700 litros quando o encosto é rebatido. O tanque de combustível é de 62 litros.

Conclusão: tendo interesse num suve, vá conhecer o Sportage, faça um test-drive. Vai ser difícil não gostar.

Veja o vídeo:

AK

 

FICHA TÉCNICA KIA SPORTAGE EX 2017
MOTOR
Designação 2.0 L FLEX
Descrição 4-cil. em linha, bloco e cabeçote de alumínio, duplo comando de válvulas, acionamento a corrente, variador de fase na admissão e escapamento, 4 válvulas por cilindro
Cilindrada 1.999 cm³
Diâmetro e curso 81 x 97 mm
Taxa de compressão 12:1
Potência máxima 156 cv (G) e 167 cv (A) a 6.200 rpm
Torque máximo 18,8 m·kgf (G) e 20,2 m·kgf (A) a 4.700 rpm
Formação de mistura Injeção no duto
Limite de rotação 6.500 rpm
TRANSMISSÃO
Câmbio Transeixo automático epicicloidal de 6 marchas, tração dianteira
Relações da marchas 1ª 4,40:1, 2ª 2,726:1, 3ª 1,834:1, 4ª 1,392:1, 5ª 1,000:1, 6ª 0,774:1, Ré 3,440:1
Relação de diferencial 3,648:1
SUSPENSÃO
Dianteira Independente, McPherson, braço triangular, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora; subchassi
Traseira Independente multibraço, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora; subchassi
DIREÇÃO
Tipo Pinhão e cremalheira eletroassistida indexada à velocidade
Diâmetro mínimo de curva 10,6 m
FREIOS
Dianteiros A disco ventilado Ø 300 mm
Traseiros A disco Ø 262 mm
Controle ABS, EBD e auxílio à frenagem
RODAS E PNEUS
Rodas Alumínio, 7,5Jx19
Pneus 245/45R19
CONSTRUÇÃO
tipo Monobloco em aço, utilitário esporte, 4 portas, 5 lugares
CAPACIDADES
Porta-malas 868 L até o teto e 1.700 L com encosto rebatido
Tanque de combustível 62 L
PESOS
Em ordem de marcha 1.570 kg
Carga útil 480 kg
DIMENSÕES
Comprimento 4.480 mm
Largura sem espelhos 1.855 mm
Altura 1.665 mm
Distância entre eixos 2.670 mm
Bitola dianteira/traseira 1.612/1.625 mm
Altura mínima do solo 182 mm
DESEMPENHO
Aceleração 0-100 km/h 10,6 segundos
Velocidade máxima 175 km/h
CONSUMO DE COMBUSTÍVEL INMETRO/PBEV
Cidade 8,7 km/l (G) e 6,0 km/l (A)
Estrada 11 km/l (G) e 7,5 km/l (A)
CÁLCULOS DE CÂMBIO
v/1000 em 6ª 46,9 km/h
Rotação a 120 km/h, em 6ª 2.500 rpm
Rotação à velocidade máxima em 5ª 4.820 rpm

 

EQUIPAMENTOS KIA SPORTAGE 2017
LX EX
CONFORTO E COMODIDADE
Ar-condicionado de controle manual S ND
Ar-condicionado digital bizona com ionizador ND S
Banco do motorista com ajuste elétrico ND S
Banco do passageiro com ajuste elétrico – 8 posições ND S
Banco traseiro bipartido e rebatível S S
Bancos dianteiros com porta-revista no encosto S S
Bancos em tecido S ND
Botão Start/Stop para partida do motor com chave Smarr Key ND S
Chave Smart Key para abertura remota de portas e alarme a distância ND S
Chave-canivete para abertura remota de portas e tampas a distância S ND
Computador de bordo S S
Console central com descansa-braço, porta-objetos e porta-copos S S
Console de teto com porta-óculos e luzes de leitura S ND
Console de teto com porta-óculos e luzes de leitura de LED ND S
Controlador automático de velocidade com controle no volante S S
Descansa-braço no banco traseiro com porta-copos (2) S S
Encostos de cabeça com ajuste de altura (5) S S
Freio de estacionamento acionado a pedal S S
Iluminação de cortesia na maçanetas externas ND S
Iluminação no porta-luvas e porta-malas S S
Imobilizador de motor S S
Maçanetas internas cromadas S S
Para-sóis com espelho, iluminação e porta-tíquetes S S
Porta-garrafas nas portas S S
Revestimento de couro nos bancos,.volante, câmbio e painéis de portas ND S
Saída de ar-condicionado para o banco traseiro S S
Sensor de chuva ND S
Sistema de áudio com 4 alto-falantes e 2 tweeters S S
Sistema de áudio com tela tátil de 5″, controle de áudio e chamada no volante, Bluetooth, rádio/toca-CD e MP3, entrada Aux e USB S ND
Sistema de áudio com tela tátil de 7″, controle de áudio e chamada no volante, Bluetooth, rádio, entrada Aux e USB ND S
Soleira das portas de aço com detalhe “Sportage” ND S
Tampão do compartimento de bagagem S S
Tomadas 12-V no console dianteiro (2) e no console traseiro (1) S S
Travamento central de portas e tampa do compartimento de carga S S
Travamento de portas automático ND S
Vidro da motorista com antiesmagamento ND S
Vidros elétricos com um-toque para descida no do motorista S S
Volante de direção com ajsute de altura e distância S S
Volante esportivo “D-Cut” ND S
EXTERIOR E DESENHO
Antena tubarão S S
Defletor traseiro S S
Espelhos externos com rebatimento elétrico, aquecimento e repetidoras de setas ND S
Espelhos externos com regulagem elétrica S S
Estrado de teto S S
Faróis de neblina halógenos S ND
Faróis de neblina de LED ND S
Grade do radiador com detalhes cromados ND S
Lanterna dianteiras e traseiras de LED ND S
Maçanetas das portas com detalhes cromados ND S
Maçanetas das portas na cor do veículo S ND
Molduras dos vidros laterais cromadas S S
Para-choque e espelhos na cor do veículo S S
Rodas de alumínio aro 17 e pneus 225/60R17 S ND
Rodas de alumínio aro 19 e pneus 255/45R19 ND S
Teto solar dupla panorâmico ND S
Vidros esverdeados S S
TECNOLOGIA E SEGURANCA
Acelerador elétrico sob comando eletrônico S S
Assistente de partida em aclives ND S
Assistente de tráfego – RCTA ND S
Auxílio à frenagem ND S
Barras antiinvasivas nas portas S S
Bolsas infláveis frontais, laterais e de cortina S S
Borboletas de troca de marchas ND S
Câmera de ré com visor no sistema de áudio S ND
Câmera de ré com visor no sistema multimídia ND S
Cintos de segurança traseiros de 3 pontos (2), central subabdominal S S
Cintos dianteiros com pré-tensionador, limitador de carga e aj. de altura S S
Controle de descida ND S
Controle de estabilidade e tração ND S
Desembaçador do vidro traseiro temporizado S S
Detector de ponto cego ND S
Direção eletroassistida indexada à velocidade S S
Encostos de cabeça dianteiros ativos S S
Engates Isofix para 2 bancos de crianças S S
Espelho interno eletrocrômico ND S
Estepe igual às demais rodas S S
Limpador de para-brisa e vidro traseiro com acionamento variável S S
Luz de rodagem diurna a LED ND S
Sensor crepuscular S S
Sensor de obstáculos dianteiro ND S
Sensor de obstáculos traseiro S S


  • Mr. Car

    Pois é, Keller: já pelo descrito, é difícil não gostar. E achei bonito. Para mim, só é difícil comprar, he, he! Apenas a minha crítica de sempre: interior “pretinho básico”. Ah, e também foi uma mancada este computador de bordo que não informa o consumo.
    Abraço.

  • Marco Schneider

    Apesar de não ser fã de SUV, achei este Sportage muito bonito, além de bom para um casal com filhos. Os únicos pontos negativos que vejo são o escalonamento de marcha (a quinta podia ser mais curta para aumentar a velocidade máxima, visto que temos a sexta para overdrive) e um computador de bordo que não mostra o consumo, que mancada! Sobre o modo de câmbio manual não reduzir ao pisar fundo, eu gostei porque quando uso este modo quero ter total controle, para quem quer reduções ao pisar basta usar o modo Sport.
    Abs!

  • Alberto Carneiro

    Que conforto hein? Muito bom.

  • Pluto, nunca sequer entrei no modelo anterior. Não tenho como te responder.

  • Fat Jack

    Um carro interessante, um painel que demonstra perfeitamente o que se pode chamar de leitura intuitiva, um interior agradável, preço razoável, a estética externa não é o que eu mais admiro, mas não assusta criancinhas. Parece poder agradar…

  • Roxy, um motor diesel custa bem mais caro e só compensa para quem roda muito.
    Agora, uma coisa é certa, hoje você tem espaçosos suves que andam muito bem e até que gastam bem pouco em relação aos suves antigos, que precisavam de V-8, V-6.

  • Joe

    Já vi pessoalmente e achei muito bonito. Apesar de manter o mesmo formato básico, parece melhor acabado e bem mais sofisticado. Parece uma boa opção mas deve precisar de uma redução de preço para emplacar. Além da óbvia competição do novo Compass pelo mesmo preço dá para levar as versões iniciais de Audi Q3 ou Mercedes GLA. Menores, mas melhor acabados e com mais nome tornando difícil a escolha.

    • Joe, de novo, não me canso de repetir: quem quiser um Jeep Compass não está pensando em Audi ou Mercedes, está pensando em Jeep Compass. Isso de “pelo mesmo preço” não existe.

    • Fernando Fagundes

      Concordo com você,Joe, quem for pesquisar suves entre 100 e 150 mil reais levará em consideração os modelos que você citou, dentre outros. Cada um com suas características que o consumidor deve levar em consideração, no entanto, a maioria compra pela emoção mesmo.

      Essa faixa de preço está bastante concorrida.

  • Joe, você tem razão nesse ponto, por mais que um comprador almeje determinado produto, se este não estiver ao seu alcance ele vai procurar alternativa.

  • Flying Like a Bird

    Dos carros que passaram em casa o Mitsubishi Galant e o Alfa Romeo 164 possuiam ajuste de inclinação dos assentos, já o Alfa Romeo 155 possuía o mesmos comandos do Tempra, só ajuste longitudinal. Uma curiosidade é que alguns BMW E36 possuem o ajuste de inclinação manual!

  • Flying Like a Bird

    Achei muito bom o design desse Sportage, é nítida a inspiração nos Porsche. Uma pena a Kia não ter entrado na onda do downsizing.