Foi anunciado oficialmente a compra de 34% dos negócios de automóveis da Mitsubishi, em nível mundial, por parte da Nissan Motors, que  gastou 2,3 bilhões de dólares no negócio.

Com isso, o brasileiro Carlos Ghosn aumenta ainda mais seu campo de atuação, sendo CEO (executivo-chefe) das duas marcas japonesas, mais a Renault, que não faz parte deste negócio, mas integra a aliança Nissan-Renault.

Como sempre ocorre nesses casos, o objetivo é aumentar a força na hora de negociar com fornecedores, dividir arquiteturas, motores, transmissões e outros componentes, procedimentos de testes, áreas de manufatura, sistemas de logística e outras atividades que custam muito dinheiro.

Os detalhes de como as três marcas irão operar em seus desenvolvimentos e fabricação devem ser apenas conhecidos internamente, já que não é simples elaborar todos esses processos de forma a evitar repetição de trabalho e desperdícios.

JJ