Acima, a Plêiade, logo da Subaru

Pedro Nasser, meu avô (1881-1953) era libanês. Deixou sua então pequena Zahle, hoje turística com intensa produção de frutos, vinhos, azeitonas, azeites, passou pelo Estado do Rio, mercadejou pelas beiradas de Minas, casou-se, resolveu parar com os riscos, estabeleceu-se em Alegre, no sul do Espírito Santo. Cidadezinha interessante, tantos descendentes de árabes, seu prato típico é kibe … (Podendo, prove-o com alfavaca em lugar do hortelã).

Limite da mobilidade para árabes é o fim da linha do trem, como no caso, à época. Assim, montou uma venda — como se chamavam as lojas generalistas —, e outras lojinhas em outras pequenas cidades, vilas, corrutelas, de menor porte. Faziam parte da Grande Alegre…

Falo das décadas iniciais do século passado, quando o Brasil era arquipélago sólido, ligado pela cabotagem dos Itas do Dr. Henrique Lage, ou pelas estradas de ferro instaladas pelos ingleses. No Alegre, assim, masculino, recebia as mercadorias então quase todas trazidas desde o porto do Rio de Janeiro pelo trem da Estrada de Ferro Leopoldina — você não tem ideia da nossa limitação industrial. De prego a linha de costurar, tudo era importado.

Logística interessante, caixas, caixotes, latas de 20 litros, pacotes, uma miudezada inacreditável em formas, pesos e cores. Afinal, loja de árabe, venda, devia ter de tudo um tudo. De enxada a agulha; roupas, calçados, coisas para costurar, desenhar, cortar, furar. Material escolar, ferramentas de campo e semiprofissionais, cravos, ferraduras, bigornas, bicicleta. Meu avô foi-se por infarto, mal de árabes – exercitando controle sobre tal estoque e as cadernetas de crédito aos clientes, não abriria intimidades com o maldito alemão.

Veículo de transporte à época era afinada tropa de burros liderada pela mula madrinha, carros de boi para as cargas indivisíveis e, pico na atividade, alguns caminhões com motores ignitados através de férreas manículas. Saíam da estação para a loja principal e para as, digamos com generosidade, filiais …

SVX

Anos passados, ao encerrar o ciclo de uso de um ótimo station wagon, o Subaru Outback, recebi outro da marca como parte de pagamento. Um SVX. Veículo peculiar, de categoria não praticada no Brasil, Grand Tourer, um estradeiro. É cupê de duas portas sobre a plataforma do mesmo Outback, significando ser grande, 465 cm; motor H-6 frontal, seis cilindros contrapostos horizontais, 3.300 cm³, quatro válvulas por cilindro, fazendo 232 cv e quase 31 m·kgf, virabrequim na mesma altura dos eixos de transmissão, caixa automática de 4 velocidades, tração total, suspensão independente, grandes discos nas quatro rodas de liga leve. Quatro lugares bem esculpidos, revestimento em Alcantara, cintos frontais de segurança de acionamento automático correndo pelo trilho da armação dos vidros das portas. Como preocupação aerodinâmica, há dois vidros laterais sobrepostos: o de cima, com curvatura, é fixo; janela sobre janela. O inferior, móvel, com acionamento elétrico. Pela solução garante-se ser capaz andar com eles baixados sem fazer barulho ou ventar dentro do automóvel. Seja. Projeto curioso, assinado por Giorgetto Giugiaro, produzido entre 1991 e 1996, 25 mil unidades construídas, 17.000 para os EUA. Ao Brasil apenas 50 exemplares.

Diziam-no esportivo luxuoso, cruza de engenharia de Porsche com refinamento de Jaguar, e acabou por ser o mais caro dos Subaru, selando seu destino.

SVX: note a solução de janela-sobre-janela (foto subaru-svx.net)  MEU AVÔ E O SUBARU SVX svx red 1

SVX: note a solução de janela-sobre-janela (foto subaru-svx.net)

Creio, não é papo de automobilista, meu seja o melhor. Nunca bateu, ex de revendedor da marca, mantido por peças originais e mecânicos treinados. Sigo o ritmo, guardo-o em galpão fechado. Assim, tudo é como de fábrica, funciona, nada a fazer. E é um Subaru — quem do ramo sabe do respeito intrínseco pela sólida construção.

Não tem pique de arrancada como um Mitsubishi 3000 VR 4 urrando pelos poros. Sai-se bem para o início dos anos ’90 — 0 a 100 km/h em 8,7 s, pico de 232 km/h —, faz uns 9 km/l de Podium, cruza bem, desconhece subidas, marca elevadas médias e, se tiver serra com chuva, não tem p’ra ninguém.

Motor H-6, 3,3-L, 24V (foto conceptcarz.com)  MEU AVÔ E O SUBARU SVX Foto Legenda 03 Motor H6 1 1

Motor H-6, 3,3-L, 24V (foto conceptcarz.com)

Uso-o pouco — aliás quase não o faço. Integra o circuito de fim de semana para botar carros antigos a funcionar, embora tenha bobeado com o calendário, e numa manhã dominical, após uma oração a Santo Elígio, o protetor dos mecânicos, os dois não se entrosaram, e não funcionou.

 

Logística

Há quase um século, país sem indústria, transporte difícil, comunicação idem, Seu Pedrinho, como chamavam o libanês com menos de 1,70 m, conversando com as mãos, palavra contida, voz baixa, roupa formal mesmo sob o calor de Alegre, fazia de suas idas ao Rio de Janeiro um evento. Repor o estoque, buscar novidades e exclusividades, coisa feita com aperto de mão, olho no olho.

Aviso na venda/loja dizia da viagem. Assim, quem quisesse mercadoria especial, encomendasse e indicasse. Pessoalmente cumpria o ritual do convívio com o poder: se disponibilizava junto ao Monsenhor — talvez para comprar peças para o picape Studebaker da igreja —, à diretora do Grupo Escolar, do Hospital, Delegado de Polícia e Prefeito. E saía com um caderno de anotações, autorizado a escolher resolver, trazer. De terno para casamento a instrumento cirúrgico, espingarda para caça de pássaros. Imagino a mão de obra para visitas feitas a bonde ou a pé, coordenadas por confiável e denso Relógio de Bolso.

Relógio de Pulso era distante francesice de Santos-Dumont. Tal marcador de tempo era de Bolso. Meio volumosos, pesados. À frente o mostrador com inexplicável numeral equivalente ao 4, em algarismos romanos, grafava quatro pauzinhos. Acima uma coroa, onde se dava corda — 12 meias-voltas — e, levantando, permitia acertar as horas. E havia, sempre, uma corrente de ouro, onde na extremidade oposta ao relógio, um fecho de trava para ancorá-lo em pequeno gancho dentro do bolsinho da calça ou do colete. Tal arranjo permitia fazê-la cruzar o abdome, logo exibindo o status do portador. Como não se via o relógio, o parâmetro de identificação era a corrente… Relógio de Bolso era coisa de autoridade. Era após consultá-lo que, grave, circunspecto, autoritário, o chefe da estação soprava o apito determinando a partida da composição ferroviária.

História passada com ele ensina os descendentes valorizar o saber.

 

Um e outro

Você já percebeu, veículo automotor não era a praia do meu avô. Botina preta rebrilhando, charrete e trem resolviam os seus problemas. País tinha, há quase um século, uma merreca de relação entre carros x habitantes. E quanto à marca Subaru, chegando ao Brasil em 1992 com a abertura das importações, então importado pelos Steinbruch Fábio e Leo, Seu Pedrinho há muito havia partido levando sua pouca intimidade com o bicho automóvel, excetos Fords Modelo A, sempre carros-de-praça, como então se chamavam os táxis.

E o qual a ligação entre tais imigrantes?

Relógio do Seu Pedrinho – hoje, meu  MEU AVÔ E O SUBARU SVX Foto Legenda 05 Rel  gio do Seu Pedrinho 1 1

Relógio do Seu Pedrinho – hoje, meu

 

Simples,

Por razões desarrazoadas aproveitei impensável ociosidade em tarde de terça-feira e liguei para o Sérgio, mecânico do SVX. Expliquei, não acende o painel, nem vira o motor. Anunciei ter comprado bateria nova — possivelmente desnecessidade —, e nada.

Apareceu, fui ver de perto. Quando cheguei ao galpão no quintal, estava encantado com o motor V-6 do IBAP Democrata, parqueado ao lado do Subaru. Afinal, carro de quatro unidades e com apenas duas remanescentes, costuma instigar interesse.

Foi aos trabalhos. Tinha trazido um alicate de pontas finas, um spray de desmanchar azinhavre, chavinhas de fenda e Phillips, um pano – mecânico sério não usa estopa. Olhou, cutucou, conferiu minhas informações. Após, abriu uma das caixas de relês e fusíveis, pegou o alicate de pontas finas, cuidadosamente removeu dois terminais de encaixe, num deles, fio metálico roído por oxidação.

Está aqui o problema, anunciou com a calma dos conhecedores. Era. O tal de SVX usa trapizonga eletromecânica-termo-dinâmica dita fio-fusível. Oxidou, dá resultado idêntico a pisada de elefante.

Vai num eletricista e manda fazer um, ou numa loja com peças para Kia Besta, definiu.

— E $?
— Só R$ 100 pelo passeio.
— ??

O fio-fusível rompido  MEU AVÔ E O SUBARU SVX Foto Legenda 06 O fio fus  vel rompido 1 1

O fio-fusível rompido

Lição

Pedro Nasser contava didática história de seu relógio ter parado. E para quem tinha apenas um, havia de conduzir seu dia entre os dispostos na sala da casa, na loja, pelo curso do sol, ou guiar-se pelo sino da elevada e imponente Matriz de Nossa Senhora da Penha.

Abreviou o prazo para uma das viagens, foi a conhecido relojoeiro carioca pedir socorro. Ele anualmente revisava e lubrificava o Elgin.

foto-legenda-07-anuncio-euginio-masson  MEU AVÔ E O SUBARU SVX Foto Legenda 07 Anuncio Euginio Masson 1 1

Anúncio de Eugenio Masson

Evidentemente não sei se citado profissional foi Eugenio Masson, bem estabelecido na metade do século passado. Possível, mas não sendo em nada atrapalha a narrativa de costumes a um ou a outro.

Camarada preparado, tomou a preciosa máquina nas mãos, passou uma flanela para fazer fulgurar os brilhos dourados da caixa — e agradar o proprietário. Firmou, e com pequena lâmina chata e barrigudinha de canivete adequado, pressionou elevação dissimulada, e abriu uma tampa do diâmetro do relógio.

Mãos treinadas, repetiu a operação e abriu segunda tampa, basculando-a.

Expôs o mecanismo mágico, as engrenagens, as pequenas molas, desenhos, a barra de tensão na mola principal para regular o espaço do movimento de cada segundo. Muitas peças, todas paradas.

As entranhas mecânicas  MEU AVÔ E O SUBARU SVX Foto Legenda 08 As entranhas mec  nicas 1 1

As entranhas mecânicas

Olhou, olhou, e cerimonioso elevou o relógio aberto até uns 10 cm de distância dos lábios, e deu-lhe forte e certeiro sopro — um pré Exocet. Feliz, o preciso maquinário desandou em tics e tacs. Pingou uma gotinha de óleo — hoje vejo-a como efeito-demonstração…

Seu Pedrinho, aliviado tanto com o funcionamento quanto com o não precisar comprar outro relógio, perguntou, por perguntar, por achar ser cortesia, pela simplicidade e por ser cliente antigo.

— Quanto lhe devo, Mestre Masson?
— X Milréis Seu Pedro.
— X Milréis por um sopro?
preparou-se para argumentar.
— Não, Seu Pedro. X Milréis por saber onde soprar.

Não sei quantos foram os Milréis — assim tudo junto, corruptela de Mil Reais, moeda pós República —, menos ainda a significação monetária atual. Mas aos 27 netos a história se mantém, perpassa gerações. Quase secular, verídica, até hoje se faz presente entre seus netos e bisnetos para lembrar importância e a diferença do saber fazer. O Fio-Fusível, o Sérgio, seu conhecimento e seu alicate, versão moderna do sopro, me relembraram, muito agradavelmente o Seu Pedrinho e a origem da lição.

Quando você achar num texto ou defesa de minha lavra, informação ou raciocínio exclusivo, conclua: Nasser neto sabe soprar.

RN

Sobre o Autor

Roberto Nasser
Coluna: De carro por aí

Um dos mais antigos jornalistas de veículos brasileiros, dono de uma perspicácia incomum para enveredar pelos bastidores da indústria automobilística, além de ser advogado. Uma de suas realizações mais importantes é o Museu Nacional do Automóvel, em Brasília, verdadeiro centro de cultura automobilística.

Publicações Relacionadas

  • Gustavo73

    Belo texto e história do Seu Pedrinho, nome que simpatizo por ser o do meu filho. Não imaginava que só 50 SVX foram importados para o Brasil. Na época esbarra com alguns no Rio. Carro difícil de passar em branco principalmente pelo desenho singular das janelas. É provável que o tal relojoeiro deu origem a Masson Joalheria que existiu oi ainda existe aqui no Rio de Janeiro. E é exatamente isso se paga pelo conhecimento de como fazer, independente da simplicidade do ato em si.

  • BlueGopher, como mudou tudo, não? Acho que no Rio o primeiro foi o Disco. Ao que parece tudo começou nos EUA, quando chegou a Grande Depressão, reduzir número de funcionários.

    • CignusRJ

      Só a título de curiosidade o primeiro supermercado do Brasil foi o Disco.
      E o primeiro no mundo foi um francês o Bon Marchê, que ainda existe, isso no final do séc. XIX ou início do séc. XX.
      Morei no início dos anos 70 em Salvador e ainda peguei o restinho destes tempos. mas só nos bairros mais afastados e onde não tinha o então poderoso Paes Mendonça.

  • Thiago Teixeira2

    Meu pai teve um relógio de parede, tipo antigo, ou antigo mesmo. Tinha o 4 em IIII. Nunca procurei saber se existe o romano assim, mas agora lendo o texto já acho que esta certo o algarismo! Ou foi manufatura analfabeta mesmo?
    – O vidro lateral desse Subaru pode ser engenharia de arte, mas é feio…

    • Thiago, parece que na Roma antiga usavam IIII (4) e VIIII (9) em vez de IV e IX. / Feias, as janelas do SVX???

      • Alessandro

        Eu acho o maior charme desse carro justamente essas janelas!

    • CignusRJ

      A título de curiosidade.
      Em Roma o numeral 4 era IIII e o 9 era VIIII.
      Os copistas medievais mudaram a grafia dos números para como conhecemos hoje. IV e IX apenas pra agilizar a cópia.
      A questão do mostrador do relógio se da por causa do Rei Luis XIV(se não me engano caso não for é outro Luis próximo) que se confundia ao ler o relógio, não sabia se era 4 ou 6 horas.
      Ninguém iria dizer que o rei era burro então resolveram a questão mudando o mostrador para a grafia original latina os quatro i.

  • Mumm Rá

    Sorte dele de ter um Subaru SVX : sempre fui apaixonado por este carro e Isuzu Impulse

  • Gustavo73

    Pensamos o mesmo sobre a Masson.

  • LBReis

    IIII, V, VI; IV, V, VI. Talvez uma forma de evitar enganos numa consulta rápida, com o relógio em qualquer posição…. vai saber né?

  • Belo texto. Andei em um Subaru destes uma única vez na vida, eu ainda estava na faculdade. Belo carro; achava ele demais. Se quiser vender podemos conversar, abraço!

  • Luiz F

    Prezado Nasser,

    Muito obrigado. Você juntou duas coisas que adoro: Subaru e histórias, narrativas que nos fazem admirar o ser humano. Em uma prece, Clarice Lispector, pede ter apenas uma alegria modesta e diária. Hoje você foi o responsável.

  • Ricardo Carlini, isso prova que o brasileiro não é um povo inteligente. Como pode unidade ser mil?

  • Roberto Neves

    Minha avó materna, se não me engano, nasceu em Alegre. Depois que casou com meu avô mudou-se para Baixo Guandu, divisa com Minas Gerais.

  • Ricardo Carlini, põe milagre nisso!