A Marcopolo e a Polomex, sua operação para produção de ônibus no México, estão concluindo o desenvolvimento de um exclusivo modelo de ônibus rodoviário de dois andares, que será fornecido inicialmente para a IAMSA, um dos principais operadores de transporte daquele país. O novo modelo Marcopolo MP 180 MX é exclusivo para o mercado mexicano.  Serão fornecidas 110 unidades que estão sendo produzidas no Brasil e que serão exportadas para a Polomex, que finalizará a montagem interna e fará a entrega aos clientes. A aquisição dos ônibus faz parte do programa de modernização das frotas das empresas ETN e La Línea e serão utilizados nas linhas da Cidade do México, Guadalajara, Queretaro e litoral.

Segundo Paulo Andrade, diretor-geral da Polomex, o negócio representa a quebra de diversos paradigmas em relação ao padrão de qualidade e sofisticação dos ônibus produzidos no continente americano em relação à Europa. “Foram diversos meses para definição da configuração e dos equipamentos a serem utilizados, que demandou um trabalho de parceria muito estreito entre a Marcopolo no Brasil, a Polomex, a MAN  e a IAMSA. O projeto é completamente novo e possui diferenciais tecnológicos importantes”, enfatiza o executivo.

O ônibus desenvolvido para a IAMSA é o primeiro modelo Double Decker produzido pela Polomex a ter 15 metros de comprimento e chassi MAN.

O foco é a sofisticação e o elevado padrão de conforto e segurança. Possui novos sistema de ar-condicionado, mais eficiente e silencioso, sistema inédito para saída de emergência com escada embutida na lateral do veículo, bagageiros internos superiores com tampas (similares às de avião), janelas do piso inferior mais amplas e panorâmicas, para-brisa colado e camarote para motorista auxiliar mais amplo.

Outras novidades que foram desenvolvidas e trabalhadas pela engenharia da Marcopolo e Polomex são os novos sanitários, um masculino e outro feminino, mais espaçosos e funcionais; o novo piso do salão inferior, 100% plano, com o túnel de passagem da cabine totalmente acessível com altura de 1,80 m, e a nova escada de acesso para o piso superior que torna a operação de entrada e saída mais confortável, rápida e ergonômica.

“Mais as inovações não se restringem ao interior. Também desenvolvemos um novo sistema para retirada do conjunto roda/pneu estepe, com sistema a pistão, acionamento das portas dos bagageiros externos com sistema eletropneumático para abertura e ampliamos o bagageiro principal na parte traseira, com acesso mais fácil e ergonômico”, salienta Paulo Andrade.

O novo Marcopolo MP 180 MX conta com poltronas semileito no piso superior e poltronas leito no piso inferior, mais ergonômicas e confortáveis, todas com cintos de segurança de três pontos retráteis. Os passageiros podem usufruir do sistema audiovisual em monitores individuais atrás das poltronas desenvolvidos especialmente para atender às necessidades dos operadores em viagens de média e longa distâncias. A iluminação do salão de passageiros é toda em LEDs, com luzes indiretas, que criam um ambiente de comodidade e sofisticação. Os LEDs estão presentes também nas luzes de leitura dos porta-focos, com acionamento por toque, que contam ainda com saídas individuais para ar-condicionado, plug para fone de ouvidos e controle de volume do som. Os amplificadores de áudio são individuais e integrados ao porta-focos.

O painel de instrumentos, com satélites retráteis, incorpora todos os equipamentos, como o mostrador da câmera de ré, as câmeras internas e o sistema multiplex (funções conjugadas de todos os equipamentos do ônibus). Conta, também, com saídas de ar reposicionadas e sistema de ventilação mais eficiente, porta-objetos atrás da poltrona, iluminação individual para o motorista e para o motorista auxiliar com acionamento sensível ao toque.

 

JJ

 



Sobre o Autor

Juvenal Jorge
Editor Associado

Juvenal Jorge, ou JJ, como é chamado, é integrante do AE desde sua criação em 2008 e em 2016 passou a ser Editor Associado. É engenheiro automobilístico formado pela FEI, com mestrado em engenharia automobilística pela USP e pós-graduação em administração de negócios pela ESAN. Atuou como engenheiro e coordenador de projetos em várias empresas multinacionais. No AE é muito conhecido pelas matérias sobre aviões, que também são sua paixão, além de testes de veículos e edição de notícias diárias.

Publicações Relacionadas

  • A viagem começa com a viagem! porém nem todos sentam na janela além de haver as viagens noturnas,

  • Recentemente andei num G7 com 1.200.000 km rodados e o carro parecia novo, não batia absolutamente nada, e olha que era toco. Dias depois, outro G7 trucado, com quase 1 milhão no hodômetro e tão silencioso e confortável quanto o primeiro.

  • Antônio do Sul

    Os chassis atuais estão vindo com suspensão ativa: nas curvas, as molas pneumáticas externas ficam mais cheias e, portanto, rígidas, o que propicia uma maior estabilidade.

    • Antônio do Sul, controla-se mais a rolagem, mas isso não aumenta necessariamente a estabilidade.

  • Antônio do Sul, a menor rolagem prende-se a razões de conforto apenas, e nas retas também, ônibus altos costumam rolar nas retas também, muito incômodo.

    • Os primeiros “double decker”, que aqui em Maringá apareceram na Viação Garcia, eram de fato, ruins nesse aspecto. Dava até agonia andar neles. Eram estáveis (dada a categoria do veículo) mas muito ruins para quem ia em cima.
      Em abril viajei de Resende a Maringá, num ônibus da Catarinense, segundo o motorista era um 2015. Absurdamente confortável, mesmo no andar de cima.
      E forte, como andava aquele carro, meu Deus! Eu e minha insônia demos trabalho ao motorista na Castello Branco, rsrsrs!

  • Marcio Pessoa, o Uno Fiorino não tem nenhum problema de estabilidade, vazio ou com carga máxima.

  • Antônio, gozado, não percebi a oscilação de que você está falando e nesse que viajei (só uma vez, do Rio a São Paulo) tampouco havia ruído associado às trocas de marchas. Mas o que gostei mesmo foi da sensação estar mais rápido do que estar no “convés superior” devido à proximidade do solo.

  • Marcio, é um veículo alto, de carga. Nunca pode ser igual a um hatch ou sedã, mas ruim não é.

  • Marcio Pessoa, não tenho esse dado e outros do motor, mas vou solicitá-los amanhã mesmo; aguarde resposta neste espaço.

  • Tyrion do céu! Adorei esse link que você postou! Obrigado.
    Esses ônibus são muito “famosos” aqui no Paraná, infelizmente por causa do contrabando nas fronteiras. Vira e mexe eu cruzo com algum desses nas madrugadas, vindo de Foz do Iguaçu ou de Guaíra, rsrsrs.
    Como correm! Caraca, são muito fortes mesmo! Uma vez, vindo de Cascavel (sou de Maringá), era perto das 3h… Um desses encostou… Emparelhou e passou! Simples assim! Andei no ritmo dele um tempo, para ver o que dava, incrível, rsrsrs..
    Dava muito! Às vezes, faltava Peugeot para acompanhar o dino!

  • Lucas Mendanha

    Agora, imagina rodar 160 km todo dia na dupla Comil Campione 3.25+ VW OT 17-260. Graças a Deus saí dessa vida.. kkkkk

  • Lucas Mendanha

    De fato. Aliás, dentro da própria Marcopolo. O G6 era bem mais robusto que os G7. A Aguia Branca mantinha apenas G6 1050/0-500RS na linha Vitória-Aracruz, fazendo coisa de 4/5 ciclos por dia, com muito anda e para, e sempre lotado. Anos nessa rotina e o onibus inteiro..firme no rodar e interior em ótimas condições.. Daí tinha dia que me atrasava e pegava a linha de João Neiva (mesma rotina, estrada, distancia) num G7 1050/0-500RS. Onibus mais novo, porem bem detonado. Acabamentos soltando.. Quando passava em algum buraco ou ondulacao na pista, tudo sacudia..

    Enfim..ficava claro que rodando nas mesmas condições, o G7 era um carro bem inferior.. Convivi diariamente 8 meses nesse trecho, depois voltei a viajar pela sofrida Viação Planeta..

  • Marcio Pessoa, o motor é o MAN D2676 LOH4. Seis cilindros em linha, 12,4 litros, 480 cv a 1.900 rpm, 234 m·kgf de 1.100 a 1.400 rpm. Se quiser mando-lhe a ficha técnica toda, informe-me seu e-mail em [email protected]

    • João Carlos

      Impressionante! Só mais uma curiosidade, como é o câmbio?

      • João Carlos, é um robotizado ZF Tipmatic de 12 marchas.

  • Marcio Pessoa, de nada, é um prazer fazer isso,

  • Tyrion, traseiro.

  • Pablo Lopes

    Ultimamente tenho viajado pouco de ônibus, mas pelo pouco que vejo os chassis VW MAN são muito utilizados com a carroceria espanhola Irizar ( que tem um sorriso na frente do ônibus ). As nacionais utilizam mais o Scania e Mercedes-Benz.