Mercado em queda instiga formas de provocar os consumidores. Vão desde os programas de fidelidade na compra, fórmulas de financiamento, reformatação dos veículos baixando preço, novidades em produto.

Realização do Salão do Automóvel sempre balizou ocasião para antecipar apresentação de modelias, e neste exercício, combinando mudanças de local para a mostra, e sua data de realização — 10 a 20 de novembro, para coincidir com o GP da Fórmula 1 —, indústrias correm para antecipar novidades.

Quem é quem

Fiat exibirá novo Uno com novos motores 1,0 e 1,3, de três e quatro cilindros, base para os próximos anos. Mudou a frente do automóvel e incrementou o conteúdo para separá-lo do urbano Mobi. Em fase de pré-apresentação aos concessionários treinando argumentação para vendas, compara-o diretamente com o Chevrolet Onix, atualmente o mais vendido no país, mas prejudicado em eventual comparação entre motores. O do Fiat, atualizado, inicia um caminho; o do GM, motor da década de ’70, já passou da época de encerrar o ciclo — como se diz no mercado, novo já é Placa Preta, expressão do ramo indicando ter mais de 30 anos. Comparação estática e dinâmica também é feita com o Ford Ka, de motor novo, mas de preço elevado e de menor conteúdo.

Mitsubishi, com novo picape L 200 Triton ao final de setembro (foto de abertura). O dito All New Triton é produto novo, de chassis, motor e carroceria — quem entende ? O carro é de origem japonesa, finalizado em Goiás, e a denominação em inglês.

Volkswagen, em processo de construção de fórmulas para conquistar vendas e deixar o incômodo terceiro lugar em vendas, avia novidades em esforço para reduzir preços pelo aplicar motores TSI, de injeção direta, 1,0 e 1,4. Setembro. Picape Amarok com frente reestilizada, motor V-6 3,0 diesel, 220 cv e 55 m·kgf de torque — será a mais potente do mercado, e conteúdo implementado, incluindo o Park Assist, adjutório eletrônico para estacionar — mas somente ao Salão.

Neste mês, entre 19 e 21, Ford exibirá na Bahia retoques no Fusion trazido do México. Seguindo vertente adotada há alguns anos, elevará os preços. Versão de topo, Titanium, arranha os R$ 108 mil.

Fecha a dupla de efetivas novidades ao lado do Mitsubishi Triton, novidade da Jeep, o Compass — já descrito na Coluna de 28/8. Maior e mais luxuoso ante o Renegade, e a novidade na motorização. Além da versão superior, diesel 2,0, terá motor flex de 2 litros, o Tigershark, também importado, atracado a câmbio manual ou automático de seis machas. Aplicar o motor 2-litros importado da América do Norte sinaliza, tal opção deve chegar ao picape Toro também no Salão do Automóvel. Quem compra estes veículos tem a pretensão de se achar — e aí a exigência de melhores respostas ao acelerador — os 2 m·kgf adicionais em torque em muito auxiliam a complementação da imagem.

foto-legenda-02-coluna-3716-compass  NOVIDADES PRÉ-SALÃO Foto Legenda 02 coluna 3716 Compass

Jeep Compass, produto novo (foto Jeep)

 

 Roda-a-Roda

Xing Ling – Porsche Cayenne — o utilitário esportivo grande da premium marca alemã — sairá de fábrica com pneus coreanos, da Nexen Tire. Anuncia estabilidade inigualável. Marca está em marketing agressivo para conquistar fabricantes. Desconhecida no Brasil, última pesquisa de satisfação pela J.D. Power mostrou-a em 4º lugar.

Mais – Matriz Volkswagen comprou 1/6 das ações da americana Navistar, dona da marca de caminhões International e e da fábrica MWM de motores diesel existente no Brasil. Companhia passava por agruras com problemas de emissões de família de motores. Com a participação, VW fornecerá os motores — não se sabe se MAN ou Scania, marcas por ela controladas.

Diferença – Ford iniciou vender o Mustang na Argentina. Automóvel bem formulado, mesclando conceitos mecânicos da Europa e EUA, está em consistente projeto de internacionalização. Custa US$ 95 mil.

Aqui – Operação local baixou a velocidade de planos e providências, e o projeto Mustang está no fim da fila. Possivelmente daqui a dois anos, quando da primeira reestilização.

Situação – Hoje Ford local se dedica a equilibrar preços, lucros e participação no mercado.  Tsumani de pessoas e jeitos. Trocou presidente, inverteu diretores, deu descontos para aumentar vendas.

Mais – Mercedes agregou o GLA, mais festivo da família, como novo produto em sua operação de montagem na fábrica de Iracemápolis, SP. Inova industrialmente ao permitir veículos com tração traseira, como o Classe C, e dianteira, caso do GLA, montados na mesma linha de produção. Ambos lideram nas vendas Premium da marca.

foto-legenda-03-coluna-3716-gla  NOVIDADES PRÉ-SALÃO Foto Legenda 03 coluna 3716 GLA

GLA, made in Iracemápolis (foto Mercedes)

Festa – Mercedes-Benz comemora 65 anos de produção na Argentina. Das instalações nas beiradas de Buenos Aires já saíram mais de meio milhão de veículos. De lá Brasil importa Sprinter e Vito.

Duas Rodas – Harley-Davidson plena em atrações nas famílias Sportster, Softail e CVO. Agregam atualizações em suspensão, cruise control, confortos como alarme, travamento, monitoramento da pressão dos pneus, luzes em LEDs. Mudanças determinadas pelos consumidores, ressalta Flávio Vilaça, gerente de marketing, produto e RP da empresa.

foto-legenda-04-coluna-3716-fatboy-familia-softai  NOVIDADES PRÉ-SALÃO Foto Legenda 04 coluna 3716 FATBOY fam  lia Softai 1

H-D

Dúvida – Juiz Renato Borelli da Justiça Federal em Brasília concedeu liminar sustando aplicação de multas a veículos transitando em estradas sem faróis acesos. Entendeu não haver a sinalização adequada, obrigatória por lei.

Mais – Ministério das Cidades — onde, curiosamente, estão pendurados Contran e Denatran—, avisa, recorrerá. Entende, a liminar não considera o bem coletivo e a segurança do trânsito.

E? – Será? Contribuinte desconfia das medidas ligadas ao trânsito, muitas com inafastável odor de dúvidas. Será para aumentar a segurança do trânsito ou apenas fomentar o faturamento oficial ? País com passado em cintos de segurança sem obrigatoriedade de uso; de estojos de primeiros socorros de uso cancelado; de troca de extintores igualmente sustada após prazo final para compra; de nunca implantada inspeção de segurança em veículos, não navega no mar da credibilidade. Ao contrário. Segurança é conceito incontroverso, mas honestidade do estado com o cidadão, também.

Elétrico – Aderindo a projeto da Universidade Federal de Santa Catarina, para viabilização de ônibus elétrico, fabricante de ônibus Marcopolo diz ter capacidade industrial para produzi-lo. Coletivo tem 37 lugares, ar-condicionado, wi-fi, pontos USB e autonomia de 200 km com 4 cargas de 6 minutos.

Soma – Financiamento pelo Ministério da Tecnologia e junção de conhecimentos por empresas interessadas em viabilizá-lo: Eletra, Marcopolo, chassis Mercedes-Benz e WEG.

foto-legenda-05-coluna-3716-eletrico-da-ufsc  NOVIDADES PRÉ-SALÃO Foto Legenda 05 coluna 3716 El  trico da UFSC 1 1

Elétrico da UFSC: união faz a melhor força

Nobreza – Contrariando conceito de ver motores como coisas de ferro bruto, FPT está agregando materiais nobres em seus produtos. Aplica DLC – carbono quase tão duro quanto diamante, ligas de titânio e de silício-molibdênio. Busca reduzir peso nas massas internas, ganhar melhor operação e durabilidade.

Brinde – Quem comprar seguros para automóveis BMW e MINI, e motos BMW, leva presentinho. Nos automóveis, miniatura 1:18 do veículo segurado. Nas motos, R$ 400 para aquisição de roupas da marca. Seguro inclui vidros e faróis de xenônio ou LED, lanternas e retrovisores. É pouco.

Utilidade – Para lembrar: em caso de Perda Total de veículo, a seguradora é obrigada a devolver o saldo entre o valor pago e os dozeavos calculados entre a data do evento de perda e o fim do período segurado.

Cautela – Editora Escala com novo produto na praça: A História Carros. Nada das confiáveis edições sobre modelos nacionais e suas características, mas inexata história do automóvel em fatos e cronologia. Diz, primeiro carro de Henry Ford como sendo a vapor – era a gasolina; Karl Benz e Gottlieb Daimler decidiram juntar as companhias em 1926 – Daimler faleceu em 1900 -, por aí.

Negócio – Quem gosta de Fórmula 1 sabe, não é esporte, mas simplesmente negócio — grande. E o detentor dos poderes de fazer e desfazer, incluir e abduzir provas, é o inglês Bernie Ecclestone, 85, controlador da empresa CVC, dona dos direitos de organização e transmissão dos Grande Prêmios.

$? – Cifras e condições em desconhecida exatidão, mas crê-se, o americano John Malone, controlador da Liberty Media, teria oferecido US$ 8,5B — uns R$ 26B — pelas ações — ou parte — delas, e o concurso de Ecclestone — por prazo inexato — para administrar e redesenhar as regras de participação na categoria.

História – Governo de Maurício Macri, na Argentina, irá restaurar o Cadillac cabriolet, de 1955, presente da General Motors ao Tenente-General Juan Domingo Perón num dos seus exercícios de Presidente da República. Automóvel integra a frota histórica do Museu da Casa Rosada — o palácio presidencial. Usado em festividades oficiais, em 60 anos rodou apenas 15 mil quilômetros. Frota inclui outro, de 1973. Macri não conseguiu ir à posse neles, daí a decisão de tê-los operacionais.

Experiência – Embaixador argentino no Brasil poderia consultar os mecânicos do Palácio do Planalto, mantenedores de seu Rolls-Royce 1953 Formal Cabriolet sempre em ótimas condições.

foto-legenda-06-coluna-3716-caddy  NOVIDADES PRÉ-SALÃO Foto Legenda 06 coluna 3716 Caddy

Caddy do governo argentino, restauração

 

Data – 67ª edição do Pebble Beach Concours d’Élegance será realizada no terceiro domingo de agosto, dia 20, do ano que vem. Marcas homenageadas, Isotta Fraschini, Lincoln, em centenário, Dream Cars dos anos ’60. Antes, múltiplos exemplos de colecionismo, capazes de rotular o período como Semana Santa.

GenteParis Pavlou, australiano, 45, engenheiro mecânico e de manufatura, promoção. OOOO Novo presidente da GM para Argentina, Uruguai e Paraguai. OOOO Substitui Carlos Zarlenga, mandado à presidência da operação brasileira. OOOO Está na antiga corporação há 22 anos, os últimos na GM em São Paulo, na área de compras. OOOO

RN

A coluna “De carro por aí” é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.

Sobre o Autor

Roberto Nasser
Coluna: De carro por aí

Um dos mais antigos jornalistas de veículos brasileiros, dono de uma perspicácia incomum para enveredar pelos bastidores da indústria automobilística, além de ser advogado. Uma de suas realizações mais importantes é o Museu Nacional do Automóvel, em Brasília, verdadeiro centro de cultura automobilística.

Publicações Relacionadas

  • Luciano Lopes

    Entre o compilado de notícias, a Ford do Brasil precisa de reestruturação em seu pós-venda, e testar melhor seus carros antes dos lançamentos. É inconcebível a nova Ranger no terceiro recall e nem todos as concessionárias são preparadas e dispostas a resolver problemas, muitas vezes pontuais. Uma pena, line-up global, bons carros, marca tradicional. Merece melhor atenção da matriz em nosso mercado, está se queimando rápido .

  • Roberto, não temos conhecimento disso, mas nada é impossível.

  • Gustavo73, importar Mustang? Esqueça, isso dá um trabalho danado…

  • Gabriel Felipe Moretti

    Bem essa impressão que me passou, os faróis e a grade lembram muito os MAhindra, tem tbm um quê de Ssang Yong… Estas caminhonetes estão cada vez com cara de veículo frágil.

  • Davi Reis

    Pelo visto, o novo Uno virá mais equipado do que o Ka, em versões equivalentes.

  • Davi Reis

    Também li isso em outro site, parece que estão preparando para o Salão do Automóvel.

  • Davi Reis

    Um Ka Ecoboost formaria uma trinca das boas com o HB20 Turbo e Up TSI. Tomara que a ficha da Ford não demore a cair.

  • Antonio Carlos, o autor certamente se enganou.

  • Corsario, bom comentário!

  • Leo-RJ, está vendo por que tem que mandar prender o quanto antes o Jorge Ben Jor? Patropi abençoado por Deus, sei…

  • Ilbirs

    Sim, eu sei. Apenas falei desse motor por ser algo bem emblemático, ainda que para o mal, na história da parceria entre VW e Navistar.

  • Diego Mayer

    Tenho que usar fones com supressor de ruído quando pego o ônibus articulado com motor dianteiro. Coitado do motorista que trabalha o dia todo “em cima” do motor. Já vi eles tirando aquela tampa plástica no console que dá acesso ao motor, aquilo tem uma mísera mantinha fina, não isola nada do barulho e do calor. É impressionante como esquenta o interior, mesmo no inverno do sul, o ônibus se torna incrivelmente quente.