A Nissan iniciou hoje (27) as vendas do grã-turismo de alto desempenho GT-R no mercado brasileiro, um dos veículos de produção em série mais rápidos do mundo.  O Nissan GT-R, que é produzido exclusivamente no Japão, será vendido no Brasil já como ano-modelo 2017 e apresenta novidades no desenho, motor, suspensão e lista de equipamentos. Ele chega na versão 3,8 V-6 Premium.

A estratégia de vendas do GT-R visa atender todo território nacional. O cliente que estiver interessado no modelo poderá contatar qualquer revenda da marca, independente da localização, que o indicará para a Nissan Carrera, concessionária localizada na Av. Brasil, em São Paulo, para dar continuidade ao processo de venda. Como será oferecido apenas sob encomenda, o prazo de entrega do GT-R é de três a quatro meses.

O carro, que está em sua sexta geração (lançado em 2007 no Salão de Tóquio), tem preço de R$ 900 mil e o comprador contará com um call center exclusivo, serviço de pós-vendas especializado com profissionais capacitados, e estrutura dedicada. O superesportivo está confirmado para ser exposto no Salão Internacional do Automóvel de São Paulo, em novembro.

Lançada em julho último no Japão,  o modelo 2017 do Nissan GT-R traz as alterações mais significativas do superesportivo desde o lançamento da atual geração. Com visual renovado tanto por fora quanto por dentro, o GT-R 2017 teve também os principais itens de desempenho da condução aprimorados, entre eles o chassi, que foi significativamente reforçado, e o motor V-6 biturbo 3,8 de 24 válvulas, que está mais potente.

O destaque do novo GT-R está na frente, com capô e para-choque redesenhados, faróis de rodagem diurna (DRL) e a assinatura de estilo atual da Nissan na grade “V-motion”, que traz acabamento cromado fosco. A grade foi alargada em 20% para aumentar o fluxo de ar para o motor, sem ocasionar mais arrasto aerodinâmico. Seu formato sofisticado harmoniza de forma suave com o novo capô, cuja rigidez estrutural foi aumentada. Os testes realizados mostraram que o novo desenho do capô aumenta consideravelmente o desempenho aerodinâmico na frente do veículo em velocidades acima de 200 km/h.

A maioria das mudanças no visual do GT-R teve como objetivo a melhoria das qualidades aerodinâmicas. Estas foram focadas em três áreas principais: geração de força de sustentação negativa (downforce), redução do arrasto e maior capacidade de arrefecimento dos sistemas vitais do veículo. A meta era maximizar o resfriamento do fluxo de ar, mantendo ao mesmo tempo o arrasto aerodinâmico sob controle.

Além da nova grade e do novo capô, o perfil curvado sob o defletor dianteiro foi levemente ampliado e rebaixado em alguns milímetros para melhorar o fluxo de ar em suas extremidades laterais. Com um novo desenho, a minissaia em ambos os lados do carro permite reduzir a quantidade de ar que é puxada de baixo do veículo, contrapondo a força de sustentação e melhorando a estabilidade. As colunas traseiras também receberam um novo desenho, cuja parte superior proporciona melhor gestão do fluxo de ar, evitando a geração de um turbilhonamento maior.

Os atributos de informação úteis ao usuário incluem o já conhecido mostrador multifuncional, que permite que o motorista personalize a sua configuração com os parâmetros e informações de desempenho do veículo que ele considera mais relevantes, como temperatura do líquido de arrefecimento, do óleo do motor e do câmbio, e do atuador de sobrepressão dos turbocompressores.

O comando de câmbio por borboletas foi montado diretamente no novo volante (antes era fixo na coluna de direção), permitindo que o motorista selecione facilmente as seis marchas do câmbio 6-marchas de dupla embreagem localizado na traseira. A tração do GT-R é integral e os freios são Brembo a disco nas quatro rodas.

A potência do motor foi aumentada em 20 cv e agora entrega 572 cv a 6.800 rpm, graças, em parte, ao aumento na pressão dos turbos e a um sistema de controle do avanço de ignição controlado individualmente por cada cilindro, uma tecnologia antes exclusiva do GT-R NISMO de competição.

A Nissan não informou aceleração e velocidade máxima, mas segundo o catálogo anual da revista suíça Automobile Revue, o 0-a-100 km/h é feito em 2,7 segundos (número um tanto otimista para um carro de 1.740 kg) e atinge 315 km/h. Isso com o motor de 20 cv menos.

Mas que é um supercarro, sem a menor dúvida.

JJ

Sobre o Autor

Juvenal Jorge
Editor Associado

Juvenal Jorge, ou JJ, como é chamado, é integrante do AE desde sua criação em 2008 e em 2016 passou a ser Editor Associado. É engenheiro automobilístico formado pela FEI, com mestrado em engenharia automobilística pela USP e pós-graduação em administração de negócios pela ESAN. Atuou como engenheiro e coordenador de projetos em várias empresas multinacionais. No AE é muito conhecido pelas matérias sobre aviões, que também são sua paixão, além de testes de veículos e edição de notícias diárias.

Publicações Relacionadas

  • Douglas

    Qual a lógica em não trazer o 370Z também?

  • antonio carlos cavalcanti

    Carro maravilhoso. Como todos superesportivos são lindos, potentes e caros. Não adianta chorar nem comparar preço, é para quem pode. Simples assim.