Sei que é um título estranho, talvez o mais esquisito que já dei a uma matéria, mas reflete exatamente o que senti e vi ao ficar usando o Gol 1,6 Highline 2017 durante uma semana. Até a bela cor metálica azul Lagoon, um opcional de R$ 1.378, parece fazer parte do elixir. Sim, elixir porque o modelo foi lançado em julho de 2008, faz tempo portanto, em especial em meio a tanta novidade lançada, especialmente nos últimos quatro anos.

Usando-o por aí, na cidade e na estrada num raio de 100 quilômetros da capital paulista, em absoluto parece um carro com oito anos de história. Passa a impressão de ter sido fabricado com o esmero de um europeu premium. Tudo que se olha e toca é bem-feito, dá prazer de se estar dentro parado ou rodando. A revitalização interna, especialmente do painel, caiu-lhe muito bem.

Esse Gol da foto custa, básico, R$ 54.770, mas dotá-lo de todos os opcionais importa em pagar mais R$ 6.707, ficando tudo por R$ 61.477.

Mas o maior efeito do elixir da juventude está naquilo que muitos torcem o nariz, até eu quando do lançamento da linha 2017 dele e do Voyage em fevereiro: o “velho” motor EA111. Àquela altura eu “chiei” com o pessoal de imprensa e engenharia da VW por não reservarem pelo menos para o topo Highline o bem mais moderno EA211 1,6 MSI, de características marcantes como bloco e cabeçote de alumínio, duplo comando de válvulas com variador de fase na admissão, de 110/120 cv a 5.750 rpm e 15,8/16,8 m·kgf a 4.000 rpm, dispensa de gasolina nas partidas a frio tendo álcool no tanque, enfim, um grande elenco de novidades.

Não, lá permanecia o EA111 de 101/104 cv a apenas 5.250 rpm e 15,4/15,6 m·kgf a 2.500 rpm, bloco de ferro fundido, nada variador de fase mesmo que fosse monocomando de válvulas. Nada que empolgasse. Engano total meu.

20160824_092141

O motor 1,6-L EA111 nunca teve o nível de excelência que tem hoje

Esse EA111, no seu atual estágio de evolução, é daqueles motores que me fazem sorrir a cada saída com o carro. Tem — ou está — com uma pegada de baixa notável. A partir de 1.500 rpm já empurra (ou puxa, a tração é dianteira) de maneira convincente. Ali vai, 2.500, 3.000, 3.500 rpm, rápido, em qualquer marcha. Mas quando aquele ponteiro vermelho do instrumento da esquerda fica “de pé”, posição correspondente a 4.000 rpm, vem um berro, um clamor, um aumento forte de aceleração sentida no corpo,  e o ponteiro vermelho vai a 6.500 rpm de uma vez só, quando a borboleta de aceleração se fecha o bastante para o giro parar por aí. Nada menos que 1.250 rpm acima da rotação de potência máxima! E estava com gasolina, menos potência do que com álcool.

E sossegado, nesse giro do corte a velocidade média do pistão é apenas 18,8 m/s. Vibração, nada por toda a faixa; aspereza, nenhuma. É evidente que o motor passou por melhorias & evoluções naturais de todo o motor na sua vida em produção, embora nada especificamente o explique, nenhuma informação a respeito.

Pode parecer uma bobagem, mas a cada cravada de pé no fundo para saborear esse momento, escutar e sentir a batida seca do pedal do acelerador no seu batente  definido, sólido, um dos DNAs da marca, dá um enorme prazer — “tec”, e lá vai o ponteiro vermelho célere rumo ao corte.

Mas todas essas agradáveis sensações não se resumem ao “coração”, estendem-se ao “corpo”. Monobloco rígido, acerto de suspensão irretocável em função e rumorosidade, direção assistida hidráulica (“coisa velha”) de 14,9:1 imexível e freio modulável pelo cérebro, não pelo pé direito. Pneus, 195/50R16V Pirelli P7 em belas rodas de 6″ de tala, fazem parte do show.

20160824_092355

Uma bela roda aro 16

Que continua — nem precisaria falar — no câmbio MQ200 com comando primoroso e cálculo de seleção e engate seguramente feito por um autoentusiasta. Com esse jeito e com uma carga do pedal de embreagem das mais baixas, com uma progressividade de acoplamento ideal, pode-se ficar três horas num anda e para infernal que não faz a menor diferença. Câmbio automático diante disso que falei? Supérfluo. Mas quem fizer questão de só acelerar e frear pode pedir o câmbio robotizado I-Motion pagando R$ 3.300 mais.

Zero a 100 km/h em 10,1/9,8 segundos, 80 a 120 km/h, em 5ª, em 13,2/13 segundos e 186/188 km/h de velocidade máxima mostram o que esse conjunto motriz “velho” é capaz de fazer. Isso com dotes aerodinâmicos nada especiais — Cx 0,345, área frontal 2,01 m², área frontal corrigida (Cx x A) de 0,693 m².

Consumo, nada especial, tampouco ruim: 11/13,1 km/l com gasolina e 7,6/9,2 km/l com álcool, nota B no Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular. Mas ninguém ficará mais pobre por isso.

A v/1000 em 5ª é boa, 36,5 km/h, deixa o motor quieto o suficiente, 3.290 rpm a 120 km/h reais. A velocidade máxima é em 5ª mesmo, a 5.100 rpm, 150 rpm abaixo do pico. Mas deve ir em 4ª também, porém a 6.400 rpm (29,2 km/h/1.000 rpm). O casamento motor-câmbio está mesmo muito bom.

dente de serra Gol 1,6 Highline 2017

Gráfico “dente de serra” mostra perfeito escalonamento de marchas

É mesmo notável a característica desse EA111 — queimei a minha língua ao reclamar de não terem aplicado o EA211 no Gol Highline.

Diante de toda essa excelência mecânica,  o Gol Highline mereceria luz traseira de neblina (só tem faróis) e  a eternamente reclamada (por mim) faixa degradê no para-brisa.

20160322_105444

No “eu atrás de mim”, espaço razoável para pernas e cabeça

A dotação de itens de série e opcionais é adequada (veja lista no final, após a ficha técnica), o espaço no banco traseiro não é dos maiores mas é razoável (passa bem no “eu atrás de mim”) e o ambiente interno é agradável, especialmente pelo tom cinza-claro dos revestimentos e carpete dominantes.

Acho que o leitor vai entender essa história de “elixir da juventude”.

BS

 

FICHA TÉCNICA VW NOVO GOL 1,6 HIGHLINE 2017
MOTOR
Instalação Dianteiro, transversal
Material do bloco/cabeçote Ferro fundido/alumínio
Configuração / n° de cilindros Em linha / 4
Diâmetro x curso 76,5 x 86,9 mm
Cilindrada 1.598 cm³
Taxa de compressão 12,1:1
Potência máxima 101 cv (G), 104 cv (A) a 5.250 rpm
Torque máximo 15,4 m·kgf (G), 15,6 m·kgf (G) a 2.500 rpm
N° de válvulas por cilindro Duas, atuação indireta por alavanca-dedo roletada, fulcum com compensador hidráulico
N° de comandos de válvulas / localização Um, correia dentada / cabeçote
Formação de mistura Injeção eletrônica no duto
Combustível Gasolina comum e/ou álcool (flex)
TRANSMISSÃO
Rodas motrizes / câmbio Dianteiras / manual
Número de marchas 5 à frente + ré
Relações de transmissão 1ª 3,455:1; 2ª 1,954:1; 3ª 1,281:1; 4ª 0,927:1; 5ª 0,740:1; ré 3,182:1
Relação do diferencial 4,188:1
SUSPENSÃO
Dianteira Independente, McPherson, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora de Ø 20 mm
Traseira Eixo de torção, mola helicoidal e amortecedor pressurizado
DIREÇÃO
Tipo Pinhão e cremalheira, assistência hidráulica
Diâmetro mín. de curva 10,8 m
Relação de direção 14,9:1
N° de voltas entre batentes 3
FREIOS
De serviço Hidráulico, duplo-circuito em diagonal, servoassistido, EBD
Dianteiros Disco ventilado de Ø 256 mm
Traseiros Tambor de Ø 200 mm
RODAS E PNEUS
Rodas Alumínio 6Jx16
Pneus 195/50R16V – estepe 195/55R15H temporário
PESOS
Em ordem de marcha 1.028 kg
Peso bruto total 1.450 kg
Carga máxima 422 kg
Rebocável 400 kg com/sem freio
CONSTRUÇÃO
Tipo Monobloco em aço, hatchback 4-portas, 5 lugares, subchassi dianteiro
AERODINÂMICA
Coeficiente de arrasto 0,345
Área frontal 2,01 m²
Área frontal corrigida 0,693 m²
DIMENSÕES EXTERNAS
Comprimento 3.897 mm
Largura sem/com espelhos/com repetidoras 1.656 / 1.893 / 1.898 mm
Altura 1.469 mm
Distância entre eixos 2.466 mm
Bitola dianteira/traseira 1.429/1.416 mm
CAPACIDADES
Porta-malas 285 L
Tanque de combustível 55 L
Reservatório de gasolina part. a frio 0,8 L
DESEMPENHO
Aceleração 0-100 km/h 10,1 s (G) e 9,8 s (A)
Aceleração 0-1.000 m 31,7 s (G) e 31,5 s (A)
Retomada 80-120 km/h, 5ª 13,2 s (G) e 13 s (A)
Velocidade máxima 186 km/h (G), 188 km/h (A)
CONSUMO INMETRO/PBEV
Cidade 11 km/l (G) e 7,6 km/l (A)
Estrada 13,1 km/l (G) e 9,2 km/l (A)
CÁLCULOS DE CÂMBIO
v/1000 em 5ª 36,5 km/h
Rotação em 5ª a 120 km/h 3.290 rpm
Rotação em vel. máxima, 5ª 5.100 rpm

 

EQUIPAMENTOS NOVO GOL 1,6 HIGHLINE 2017
DE SÉRIE
Acionamento elétrico dos vidros
Ajuste de altura do banco do motorista
Ajuste de altura dos cintos dianteiros
Ajuste de altura e distância do volante de direção
Ajuste elétrico dos espelhos externos com orientação para baixo no direito ao engatar ré
Alarme com controle remoto
Alças de teto
Alerta de frenagem de emergência
Alerta sonoro e visual de cinto do motorista desatado
Alto-falantes (6) e tweeters (2)
Antena de teto traseira
Apoio de cabeça no banco traseiro (3)
Ar-condicionado com filtro de poeira e pólen
Banco traseiro com encosto rebatível
Chave tipo canivete com controle remoto
Cintos dianteiros com pré-tensionador e limitador de carga
Cintos traseiros laterais 3-pontos e central subabdominal
Console central com porta-copos
Desembaçador do vidro traseiro
Espelho externos e maçanetas na cor do veículo
Faróis de neblina
Iluminação no porta-malas
I-System com Eco-Comfort – computador de bordo
Lavador e limpador do vidro traseiro
Par luzes de leitura dianteiras e traseiras
Parassóis com espelho e iluminação
Pneus 195/55R15
Porta de carga com abertura elétrica
Porta-revistas nos encostos dos bancos dianteiros
Repetidoras de setas nos espelhos
Retrorrefletores no para-choque traseiro
Revestimento dos bancos em tecido
Rodas de alumínio 15″ “Marga”
Sapatas de pedais de desenho esportivo
Sensor de obstáculos traseiro
Sistema de infotenimento Composition Media com MirrorLink
Tampão do compartimento de carga removível
Tapetes em carpete
Tomada 12 V no console central
Travamento de portas elétrico
Volante multifuncional revestido de couro comandos de áudio e do I-System
OPCIONAIS
Conjunto Highline completo consistindo de controle automático de velocidade de cruzeiro, encosto do banco traseiro bipartido, espelho interno fotocrômico, faróis com função de aproximação e afastamento do veículo, pneus 195/50R16, revestimento dos bancos em couro sintético “Native”, rodas de alumínio 16″ “Varvito”, sensores de chuva e crepuscular – R$ 3.418,00
Suporte para celular – R$ 342,00
Conjunto Modulo Navegação consistindo de sistema de infotenimento “Discover Media” com tela tátil, Bluetooth, comando de voz, navegação e App-Connect, suporte para celular – R$ 1.911,00
(1.281 visualizações, 1 hoje)