Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas CHEVROLET CAPTIVA 2016, NO USO (VÍDEO) – Autoentusiastas

Este vídeo complementa a matéria sobre o Chevrolet Captiva  publicada em 2 de setembro de 2016.

Leia a matéria aqui: Chevrolet Captiva.

Sobre o Autor

Arnaldo Keller
Editor de Testes

Arnaldo Keller: por anos colaborador da Quatro Rodas Clássicos e Car and Driver Brasil, sempre testando clássicos esportivos, sua cultura automobilística, tanto teórica quanto prática, é difícil de ser igualada. Seu interesse pela boa literatura o embasou a ter uma boa escrita, e com ela descreve as sensações de dirigir ou pilotar de maneira envolvente e emocionante, o que faz o leitor sentir-se dirigindo o carro avaliado. Também é o autor do livro “Um Corvette na noite e outros contos potentes” (Editora Alaúde).

  • Alessandro, comentários como o seu fazem com que eu me sinta um inútil. Se era o que queria, parabéns, conseguiu! Pois eu digo que a Captiva tem 184 e 20 e não me lembro quantos kgf.m de torque, digo e repito que anda muito bem, subo a serra rapidinho no maior sossego e lá vem o senhor me dizer que lhe falta desempenho? Se eu falasse que ele tinha um motor “6 canecos” do Opala, na certa diriam : “Opa! Agora sim!”, mas acontece que o 4100 do Opala tinha uns 60 cv a menos que este 2400. Os tempos mudaram. Acorde para a modernidade. Dirija um, teste direito, e quero ver se muda ou não muda de opinião. Da próxima vez vou arrastar uma carreta de trem morro acima, com ela rabeando de lado de tão rápido. Talvez aí acreditem no que digo e eu me sinta mais útil.

    • Alessandro Peres

      Me perdoe, Arnaldo Keller!
      Me sinto péssimo por ter passado essa impressão, sou um grande admirador de seu trabalho e sei que é um grande conhecedor da área automotiva.
      Seus vídeos sempre detalhados com locações originais e seus textos tem um senso de humor que prende a atenção e ensina…
      Aliás… “Da próxima vez vou arrastar uma carreta de trem morro acima…” dei boas risadas e até esqueci que era pra mim.
      Gosto de dirigir motores de alto torque principalmente em veiculos mais pesados (preferência para motores diesel quando a versão permite) e como gostava da força do 6 canecos do Opala em baixa provavelmente eu precise de uma reciclagem mesmo.
      Lamento se meu comentário de alguma forma lhe ofendeu.
      O trabalho que vc e todos do site que testam carros para que gente como eu não tão “entendida” possa tomar futuras decisões de compra é de grande importância!
      Um abraço!

      • Caro Alessandro, uma das coisas que admiro num sujeito é ele saber reconhecer seu erro. É uma prova de caráter. Portanto, você está mais que desculpado. Ganhou minha admiração.
        Quanto a se reciclar, sempre é bom fazê-lo quando a gente tem interesse por um assunto, seja ele qual for. Como profissional, é com satisfação que constato a tremenda evolução que os motores estão passando. Faça um test-drive num Captiva e aposto que você vai se surpreender. Você falou em motor diesel. Veja só o quanto eles evoluíram de uns poucos anos para cá.
        Abraço,
        AK

  • kravmaga, isso de andar mais ou menos é algo subjetivo e relativo. Cada mercado tem suas características, e o americano é dos carros de grande cilindrada e ultimamente turbo, porque lá eles precisam de aceleração para acessar rodovias e vias de trânsito rápido, é o sistema deles. Aqui não é todo mundo se preocupa em “andar”.

    • Z_H

      Cansa… Imagino como deve ser para vocês.

    • Diego Mayer

      Aqui o pessoal se joga na frente e sai se arrastando igual uma lesma, mesmo que não venha nenhum carro atrás de você.

  • Z_H

    “por esse valor, prefiro o…”

    • Z_H, essa frase é mais escrita na internet do que o falado na cerimônia do Oscar, “The Oscar goes to…”

  • kravmaga

    A temperatura do motor aparece no computador de bordo.

    Muitos carros mais modernos já não têm mais um medidor analógico de temperatura no painel, só uma luz de alarme de temperatura e essa informação fica acessível pelo computador de bordo.

  • Reinaldo Verdasca

    Danchio, desculpe me intrometer na sua pergunta, mas não existe diferença entra a Captiva com motor 2,4 2012 e a modelo 2016. Tenho uma 2012 e posso falar sem modéstia que esse é um ótimo carro.

  • Reinaldo Verdasca

    O Captiva é um ótimo carro, alto, potente, econômico e confortável e devemos lembrar de uma coisa apenas: para que dirigir a mais de 120 km/h? Quando eu tinha meus 20 poucos anos eu achava que dirigir tinha que ser a 160, 170 km/h e carro automático era coisa de gente esnobe. Hoje com meus 40 anos não passo dos 110 km/h e não troco carro automático por um manual de jeito nenhum. Meu Captiva roda macio e gasta menos andando a 110 km/h. No meu bolso faz toda a diferença e chego no meu destino do mesmo jeito e com mais segurança. Gostaria de ter uma Captiva 6-cilindros só por causa do barulho que é lindo, no mais estou satisfeito com a minha 2,4-litros de quatro cilindros.

    • Diego Mayer

      Realmente não há muita necessidade de se passar de 120 km/h, porém um SUV não tem a mesma agilidade e segurança de um carro baixo ao realizar uma manobra de emergência nessa velocidade.