Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas PEUGEOT 208 ALLURE 1,2 PURETECH – 4ª SEMANA (COM VÍDEO) – Autoentusiastas

Termina o teste do Peugeot 208 Allure e não há motivo para não escancarar que foi um dos Testes de 30 Dias que mais prazer me deu. É certo que me diverti mais com a esportividade do Renault Sandero R.S. que o antecedeu, também é certo que o requinte do Volkswagen Jetta 2,0 TSI Highline deixou saudade e que em termos de conforto e espaço interno o Citroën C4 Picasso Intensive não teve rivais. Porém, usei o adjetivo “prazer” para o 208 e tenho de explicar de onde ele vem: do conjunto.

Do inegável talento da engenharia da marca francesa e seu empenho para oferecer um carro agradável de dirigir, competente no vai e vem urbano e eficaz se a missão for viajar; de funcionar bem carregado ao máximo e quando havia só o motorista; de ter mostrado pertencer a uma categoria especial, a dos carros que não têm preço exagerado mas oferece um nível de excelência — construtiva e dinâmica — que é um exemplo.

Peugeot 208 05

Volante pequeno e ovalado

É perfeito? Não. Jamais direi, por princípio, que um veículo é perfeito, mas o 208 chegou perto. Melhorar os bancos dianteiros, dotar o encosto do banco traseiro de divisão 1/3-2/3, aumentar a potência dos faróis e, principalmente, revisar o trambulador do câmbio e seu curso exagerado, pontos nos quais é fácil fazer melhor e deixar o 208 próximo da perfeição. Há pontos adoráveis no hatch francês feito em Porto Real, RJ: o design externo é um ponto alto, inspirado e elegante. A luminosidade do interior oferecida pelo teto de vidro é deliciosa assim como a bem-estudada ergonomia no qual o destaque vai para o pequeno volante ovalado e o quadro de instrumentos que em vez de ser mirado através dele se vê por sobre o aro, algo inovador e que é funcional.

Porém, nada se compara ao motor, o 1.2 litro PureTech, um espetacular engenho de três cilindros, todo de alumínio, com 12 válvulas acionadas por dois comandos variáveis em admissão e escapamento, um portento em termos de elasticidade. Como citado logo no começo do teste, este motor exige um “reset” de hábitos, pois dá o melhor de si em baixas e médias rotações. A tocada deve ser passando as marchas o quanto antes, explorando o rombudo torque cujo pico ocorre a 2.750 rpm.

208 4

O notável  tricilíndrico 1,2-l

Impressiona mesmo essa sua pegada, que só evidencia sua relativamente pequena cilindrada — exatamente 1.197,3 cm³ — quando se leva o pomteiro do conta-giros às alturas, lá onde o fôlego não é igual ao dos médios regimes, mas que não frustra. Ninguém poderá chamar o 208 equipado com este 1,2 litro PureTech de carro chocho.

Não mesmo. Aliás, nesta semana final do teste resolvi passar da gasolina ao álcool em razão da marcante diferença de potência e torque divulgados na ficha técnica. São 84 cv com gasolina e 90 cv com álcool, sempre a 5.750 rpm. No torque, dos 12,2 m·kgf com gasolina a cifra passa a 13 m·kgf com o combustível vegetal às mesmas 2.750 rpm.

Senti a diferença? Sim. Especialmente em retomadas no uso rodoviário. Em velocidades ao redor dos 100 km/h afundar o pé em 5ª marcha com o carro abastecido com álcool resulta em uma resposta nitidamente melhor. Já no uso urbano, naquela toada de passar a marcha cedinho, pouca diferença se nota. Obviamente, o consumo se ressente: a melhor marca do 208 com gasolina, em rodovia, respeitando o limite dos 120 km/h, foi de 16,4 km/l. Já com álcool consegui 13,2 km/l, o que é notável ao se considerar a diferença de poder calorífico dos dois combustíveis (70% contra o álcool), o que em teoria corresponderia a 11,5 km/l.

Lembro que tais marcas foram obtidas para trechos de viagem de mais de 100 quilômetros de distância, ou seja, não é uma marca “de laboratório”, medida em trecho curtinho e plano, mas sim da vida como ela é. Na cidade a pior marca registrada com gasolina foi 8,4 km/l e com o álcool 6,6 km/l (teoricamente seria de 5,9 km/l), e nunca é demais frisar que o território do teste é acidentado, a zona oeste de São Paulo e não a plana Brasília onde certamente tais marcas seriam muito melhores, chuto pelo menos 20 a 25%.

Como de hábito nos nossos testes de longa duração a semana final prevê a visita à oficina de nosso colaborador Alberto Trivellato, a Suspentécnica. Ao observar o 208 externamente, a primeira manifestação dele é elogiosa, Alberto aponta detalhes cá e lá e determina que o pequeno Peugeot é caprichado, e elogiando a cor incomum e logo assume o volante. Ao ajustar as regulagens do banco estranhou o assento, que mesmo tendo controle de altura sempre resulta em um posicionamento afundado. No giro costumeiro elogiou bastante a reatividade da direção de assistência elétrica indexada à velocidade e principalmente as suspensões, hábeis em filtrar as irregularidades sem passar desconforto ao interior.

Palavras boas mereceram o empurrão oferecido pelo motor, mas quanto ao câmbio Alberto não economizou críticas, quase que indignado sobre o fato de o 208, um carro com tantas qualidades, ter uma lacuna neste importante item. Argumentei com ele, explicando que com o passar dos quilômetros o curso longo e meio bobão da alavanca acaba sendo digerido, mas ele não se convenceu. Tem razão: o Peugeot 208 é bom demais para ter um acionamento do câmbio aquém do restante do carro.

De volta à oficina, com o hatch francês no elevador, o nariz de Alberto e de seus colaboradores da oficina farejam uma construção atenta, que não foge ao padrão da marca mas que traz uma nítida evolução. Não houve revolução se considerados os Peugeot anteriores, mas sim evolução, o que é bom. Segundo Alberto, há cuidado na construção e também elementos modernos, como o conjunto elétrico da assistência de direção, de generosas dimensões.

Como em outro carro do Grupo PSA que passou pelo Teste de 30 Dias, o C4 Picasso, também o 208 não tem a proteção plástica completa sob o motor. Os encaixes para ela estão lá, mas segundo Alberto talvez a necessidade de oferecer ao compartimento do motor uma maior ventilação pesou mais do que a boa aerodinâmica inferior e a necessidade de manter a temperatura no cofre em níveis em que nosso país seria prejudicial. No entanto, apesar da falta da cobertura, o que se vê é uma parte inferior bem organizada, com as linhas de combustível e freio cobertas por capa plástica e o sistema de escapamento bem isolado por anteparos térmicos.

Peugeot 208 07

Ausência da proteção plástica na parte de baixo do cofre

Na parte traseira, aponta-se para uma outra lacuna que julga ser exclusiva da versão nacional do 208, que é a falta de acabamento no para-choque traseiro que acaba funcionando como um paraquedas. A suposição é que o tal para-choque deva receber (em outras versões/mercados) uma alma interna de material absorvente tanto para ajudar a conter impactos como para não estragar a aerodinâmica inferior, sempre importante.

Ao final da sua análise, o Peugeot 208 ganha a aprovação, definido como bem-construído, bem projetado e sem invencionices. Soluções técnicas naturais da marca francesa estão ali, mas lapidadas. Nada de novo, mas tudo bem feito, ajustado, que é o que resultou no convívio prático destes 30 dias. Agradável no uso urbano, eficaz na estrada, confortável, moderno, bonito e soberbamente econômico — bateu o recorde do custo do quilômetro rodado que era do Toyota Etios, R$ 0,27 contra R$ 0,31! — o 208 merece ser considerado por quem procura um carro pequeno mas versátil, charmoso e com acabamento e materiais empregados que o fazem parecer pertencer à um patamar superior de preço.

RA

Teste de 30 dias – números finais

Dias: 30
Quilometragem total: 2.006 km
Distância na cidade: 922 km (46%)
Distância na estrada: 1.084 km (54%)
Consumo médio global: 11,7 km/l (70,8% gasolina/29,1% álcool)
Melhor média (gasolina): 16,4 km/l
Melhor média (álcool): 13,2 km/l
Pior média (gasolina): 8,4 km/l
Pior média (álcool): 6,6 km/l
Média horária: 33 km/h
Tempo ao volante: 60h47 minutos
Litros consumidos: 172,57
Custo: R$ 554,69
Custo do quilômetro rodado: R$ 0,28

 

Leia as semanas anteriores: 1ª semana, 2ª semana, 3ª semana

 

FICHA TÉCNICA PEUGEOT 208 ALLURE 1,2
MOTOR
Denominação PureTech 1,2
Tipo de motor, instalação Otto, arrefecido a líquido, transversal, flex
Material do bloco/cabeçote Alumínio
Nº de cilindros e disposição Três, em linha
Diâmetro x curso 75 x 90,34 mm
Cilindrada 1.197,3 cm³
Comprimento da biela 145,6 mm
Relação r/l 0,31
Taxa de compressão 12,5:1
Nº de comandos/localização Dois, cabeçote, variador de fase na admissão e escapamento
Acionamento dos comandos Correia dentada
Válvulas por cilindro Quatro
Potência máxima 84 cv (G) e 90 cv (A), a 5.750 rpm
Torque máximo 12,2 m·kgf (G) e 13 m·kgf (A), a 2.750 rpm
Rotação limite 6.500 rpm (corte “sujo”)
Formação de mistura Injeção no duto
Combustível Gasolina e/ou álcool
SISTEMA ELÉTRICO
Tensão/bateria/alternador 12 V / 60 A·h / 120 A
TRANSMISSÃO
Rodas motrizes Dianteiras
Tipo Transeixo manual de 5 marchas + ré
Relações das marchas 1ª 3,636:1; 2ª 1,950:1; 3ª 1,281:1; 4ª 0,975:1; 5ª 0,767:a; ré 3,330:1
Relação de diferencial 4,692:1
Embreagem Monodisco a seco, acionamento hidráulico
SUSPENSÃO
Dianteira Independente, McPherson, braço triangular, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
Traseira Eixo de torção, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora integrada ao eixo
DIREÇÃO
Tipo Pinhão e cremalheira, assistência elétrica indexada à velocidade
Relação de direção n.d.
Diâmetro do volante 350 mm na horizontal e 330 mm na vertical
Diâmetro mínimo de curva 10,4 metros
FREIOS
Dianteiros Disco não ventilado Ø 266 mm
Traseiros Tambor Ø 203 mm
Operação Servoassistência a vácuo, ABS e EBD
RODAS E PNEUS
Rodas Alumínio, 6Jx15
Pneus 195/60R15, de baixo atrito de rolamento
CONSTRUÇÃO
Tipo Monobloco em aço, hatchback 4-portas, 5 lugares; subchassi dianteiro
AERODINÂMICA
Coeficiente de arrasto (Cx) 0,33
Área frontal 2,09 m²
Área frontal corrigida 0,69 m²
DIMENSÕES EXTERNAS
Comprimento 3.975 mm
Largura 1.702 mm
Altura 1.472 mm
Distância entre eixos 2.541 mm
Bitola dianteira/traseira 1.475/1.470 mm
PESOS E CAPACIDADES
Peso em ordem de marcha 1.073 kg
Peso rebocável sem freio/com freio 400 kg
Capacidade do tanque 55 litros
Capacidade do porta-malas 285 litros/com banco rebatido 1.076 litros
DESEMPENHO
Aceleração 0-100 km/h 14,3 s (G) e 12,8s (A)
Velocidade máxima 171 km/h (G) e 177 km/h (A)
CONSUMO DE COMBUSTÍVEL (INMETRO/PBE)
Cidade 15,1 km/l (G) e 10,9 km/l (A)
Estrada 16,9 km/l (G) e 11,7 km/l (A)
CÁLCULOS DE CÂMBIO
V/1000 em 5ª 31,3 km/h
Rotação a 120 km/h em 5ª 3.830 rpm
Rotação à velocidade máxima em 5ª 5.650 rpm
Alcance nas marchas (6.500 rpm) 1ª 42,9 km/h; 2ª 80 km/h; 3ª 121 km/h; 4ª 160 km/h

Sobre o Autor

AUTOentusiastas

Guiado por valores como paixão, qualidade, credibilidade, seriedade, diversidade e respeito aos leitores, o AUTOentusiastas desde 2008 tem a missão de evoluir e se consolidar como um dos melhores sites sobre carros do Brasil. Seja bem-vindo!

  • Matheus Ulisses P.

    Agresti, mais uma vez parabéns pelos testes de 30 dias!
    Esse carrinho é realmente desejável, está na minha lista sem dúvidas, em especial nessa cor Dark Carmin.
    Mais desejável ainda é o GT, que mesmo que fora do meu alcance no momento, é meu atual sonho de consumo!

  • Fabiano Cappella

    Permitam-me. Está assim no segundo parágrafo “Do inegável talento da engenharia da marca francesa e seu empenho para
    oferecer um carro agradável de dirigir, competente no vai e bem urbano”. Acredito que era para ser ‘no vai e vem’
    Excelente trabalho do Autoentusiastas em minha opinião, que gosto de ler e ver os vídeos.
    Abraço.

    • Fabiano, correto, ‘vai e vem’. Está corrigido.

  • CorsarioViajante

    Ótimo texto, muito legal. Realmente surpreendeu. Aliás a linha do 208 é bem bacana, com este econômico 1.2, o versátil 1.6 e o delicioso THP.
    Quem será o próximo?

  • FOC, foi informado no primeiro parágrafo do texto da primeira semana: R$ 55.490.

  • Lorenzo Frigerio

    É claro que não rende tanto em rotações mais altas. É um motor extremamente subquadrado. Normalmente esperamos que motores de 3 cilindros tenham espaço no comprimento para ter o diâmetro maior que o curso. Mas esse motor pelo visto era um bloco 1,0 de 4 cilindros que perdeu um deles, ficando a relação r/l desfavorável. Deve ter sido projetado como tendo 800 cm³.

  • Francisco Passarini Junior

    O próximo carro a ser testado poderia ser um up! TSI 🙂

  • Corsário, Trailhawk.

    • CorsarioViajante

      Obrigado Bob!

  • Follmec, na verdade estamos esperando sair a versão com motor radial de cinco cilindros… Para uma pergunta grosseira, só uma resposta de mesmo teor.

  • Follmec, tudo bem. A resposta à sua pergunta entra hoje às 11h45.

  • O floco de neve é o modo neve, em que o câmbio sai em segunda marcha pra evitar patinação das rodas. Muito usado em (ahá) neve, grama molhada, asfalto enlameado, etc.

    E o S é o modo Sport, em que as marchas são trocadas em rotação bem mais alta.

  • FlatOut passou por aqui?

  • Rubergil, acho que não é case, foi uma pergunta grosseira mesmo, especialmente por o AE ter livre acesso, nada se paga por isso.

  • Eduardo Saito

    Parabéns, Roberto Agresti, pela avaliação e texto.

    Como sempre, de fácil leitura e muito bem escrito.
    Também considero o 208 um carro de muitas qualidades e que certamente poderia ser uma boa compra, caso estivesse para trocar de carro.
    Já considerava muito interessante pelo design coeso e atraente, que é uma boa evolução do 206 (acabo nem considerando o 207 como evolução, pois foi só o mesmo carro com “cara” de sapo) com linhas e proporções que remetem à este.
    As considerações que fez certamente ajudarão da troca de carro (quando ocorrer), principalmente por saber que o carro se sai bem nas montanhas perdigueiras, que também costumo rodar muito.

    Só fica uma dúvida: No final, elas amaram o carro ou não?

    Abraços