Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas ADVENTURANDO POR AÍ – POR NOEL FASTERSON – Autoentusiastas

Paulínia/SP, 14 de agosto de 2016

 

Exmo. Sr.
Sergio Marchionne
Executivo-Chefe da FCA Fiat Chrysler Automobiles E.V.

 

Eu, Noel Fasterson, marido da proprietária de uma station wagon (SW) Palio Weekend Adventure (PWA) 2011/2012, venho, por meio desta, externar meu agradecimento pela dedicação de seus comandados em projetar, construir e nos vender um carro que merece o título de utilitário.

Sei que você carrega a responsabilidade de lidar com o legado de grandes marcas como Ferrari e Maserati. Poderia ocupar estas linhas lhe pedindo encarecidamente para considerar o retorno da Alfa Romeo ao mercado brasileiro, pois meu sedã 156 ficaria grato em poder contar novamente com uma rede oficial de concessionárias capaz de lhe fornecer peças para reparos. Mas deixarei isto para outra ocasião, pois sabemos que a base de todo o conglomerado que você comanda está na Fiat.

E a despeito das críticas que andei lendo sobre a PWA — quais sejam: projeto ultrapassado, motor beberrão, poucas estrelas nos testes de segurança e muito plástico na lataria — creio que a Fiat está fazendo um ótimo trabalho com o modelo. Como não sou engenheiro mecânico ou jornalista especializado no assunto, recorro à minha recente experiência como pai de família, célula da sociedade para a qual as SWs ainda servem muito bem.

Há alguns dias pedi a PWA de minha esposa emprestada para resolver assuntos fora da cidade. Logo cedo tinha que levar a documentação de um projeto para a cidade de Jaguariúna, que embora sendo uma cidade vizinha, só pode ser acessada por asfalto via praça de pedágio. Economizar alguns trocados foi a desculpa que arranjei para transitar pela estrada vicinal paralela, que serpenteia junto ao leito da antiga ferrovia Mogiana, na zona rural de Campinas.

PWA04 cc

Passagem sob a antiga Estrada de Ferro da Mogiana

Passei por velhas fazendas de café, cruzei com uma estação de trem abandonada, lagos, buracos, caminhos cobertos por copas de eucaliptos, algum cascalho e pouca manutenção. A suspensão reforçada da PWA não reclamou. Saindo de Jaguariúna segui direto para Holambra, onde comprei mudas para o jardim de uma obra que estava administrando. Lotei o interior do carro com plantas e sacos de cascas de troncos de pinheiros. Quem me avistou na pista poderia pensar que se tratava de um vidrado em paisagismo — e isto sequer seria uma metáfora.

Pensa que o dia terminou? Não. Descarreguei as mudas na construção e enchi o bagageiro do veículo com sobras de blocos de cimento e conexões de instalações hidráulicas e elétricas. Os tijolos foram para outra obra e os cotovelos, cruzetas e bocais foram devolvidos na loja, onde ganhei crédito para a compra seguinte. Entreguei o carro para minha esposa todo empoeirado, mas a bronca só veio depois que ela voltou do supermercado. Ao tirar as sacolas do carrinho ela viu que o bagageiro estava com cheiro de Pinus elliottii e o carpete repleto de farelo de concreto, com alguns fiapos de embalagens diversas.

Tinha que limpar minha barra com a patroa, que também queria que eu limpasse o carro dela. Propus que faria isso depois do fim de semana, pois no domingo poderíamos almoçar em Águas de Lindoia e passear de tarde em Monte Sião, onde poderíamos comprar algumas malhas para o inverno.

Voltando do sul de Minas Gerais, inventei de fazer o caminho por Socorro e, antes de chegar à cidade, reparei numa placa que indicava uma rota turística pela Estrada Municipal do Oratório. A curiosidade para explorar a região só foi saciada porque estávamos montados na Palio, cuja versão sedã ganhou o nome de Siena por causa da corrida de cavalos (Palio) realizada na praça medieval da cidade, entre os paredões de um lado e a população ensandecida do outro.

PWA02 c

Capelinha no caminho do Oratório, em Socorro

Está certo que não estávamos na Toscana, mas a roça autêntica do interior paulista é igualmente bela. Percorremos o fundo de um vale entre duas cadeias de morros e elevações que intercalavam a luz do sol com sombras encardidas pela poeira da estrada, tingindo as empenas das capelas e igrejinhas pontilhadas a cada dois ou três quilômetros, que dava nome ao trajeto.

Atingimos o cume perto do vilarejo de Sertãozinho e começamos a descer para Agudos, já em outro vale. Cada curva descortinava campos arados e plantações diversas, até que encontramos um pasto. Minha filha, de apenas três anos, viu uma vaca de verdade pela primeira vez. Quando me dei conta da importância do momento e estacionei o carro, baixei a janela e fiz uma foto. O odor do curral estercado me levou de volta para a infância, quando passava férias nas colônias do Paraná e do Rio Grande.

PWA03 c

O povoado de Sertãozinho vive em outro ritmo

Minha filha verá muitas coisas pela primeira vez e não sei o que isto significa para um executivo do seu porte, salvo que muitas de tais “primeiras vezes” será a bordo de uma PWA da FCA. Talvez, por isso, lhe escrevo esta carta.

PWA01 c

A primeira vaca da memória visual de uma criança

Voltamos para o asfalto já perto de Monte Alegre do Sul, depois de desviar de siriemas e galinhas de angola que volta e meia passeavam diante de nós. O súbito contraste do rodar macio após uma sessão de solavancos nos permitiu ligar o som para ouvir um pouco da Rádio Cultura de Amparo. Eles tocam músicas italianas de noitinha, para deixar o clima ainda mais romântico.

O domingo se aproximava do fim, mas a história da PWA ainda teria mais um capítulo. Meu sogro pediu a valente emprestada para buscar telhas francesas numa reforma. Estavam trocando o telhado e as telhas seriam jogadas fora, mas parte delas ficará de estoque para a cobertura da casa da minha sogra, que após trinta anos também pede um conserto.

Já não se fazem mais telhas francesas. Elas são do tempo que as famílias eram grandes e tinham uma SW na garagem. Isso tudo está acabando junto com a era do motor a combustão.

Encerro esta carta comunicando que você tem um grande problema para resolver: estamos tão satisfeitos com nossa PWA, que não pretendemos trocá-la tão cedo. Ela não quebra e não consome muito com a gente, pois não dirigimos como finlandeses num rali — o que nos garante um pouco mais de segurança no trânsito, também.

PWA05 c

A Palio Weekend Adventure fazendo jus ao nome

Entregando carros bons e resistentes para gente como a gente, não sei como a FCA pretende manter-se ativa no mercado por muito tempo. Peço apenas que não tirem a Adventure tão cedo da linha de produção. Mas se o fizerem, reservem um lugar de destaque para ela em algum museu de Turim ou Betim.

Sem mais para o momento, subscrevo-me com votos de renovada estima.

Atenciosamente,

PWA07

Noel Fasterson



Sobre o Autor

Autoentusiastas

Guiado por valores como seriedade, diversidade, emoção e respeito aos leitores, desde 2008 o Autoentusiastas tem a missão de evoluir e se consolidar como um dos melhores sites sobre carros do Brasil. Seja bem-vindo! Pratique autoentusiasmo.

  • João Lock

    Que beleza de relato. Sou um fã desse tipo de carro. Meu pai, tinha uma Parati CL desde 1984. Vendeu ela ano passado. Sim, vendeu em plenas condições.
    Estou atualmente considerando trocar minha Fielder numa Subaru Outback, mas fiquei surpreso em ver na loja as mais novas. Estão parecendo SUVs. Então estou garimpando alguma mais “antiga”. Acho que foi o mesmo destino da Forester, que nasceu perua e agora é só mais uma na multidão. Se souberem de alguém vendendo alguma Outback, modelo entre 2010 e 2012, me avisem por aqui.

  • Ótimo relato para se ler numa tarde de domingo.
    Muitos carros, que com o tempo caem no desgosto da crítica especializada, têm valor para além do espectro financeiro para todos os seus donos. E outra, carros da Fiat são encantadores; até o simples Uno, que continuou rebatizado Mille, tem seu charme especial que o diferencia dos “concorrentes”.
    Tivemos em casa muitos Fiat: meu pai buscou minha mãe e eu na saída da maternidade, lá em 1996, em um Tempra, versão Ouro, que foi nosso até 2004. Pelo caminho, simultaneamente ao Tempra, tivemos uns dois Uno, uma Palio Weekend e um Palio. Muito depois disso tivemos outra Weekend, já em 2014, pelo simples fato de meu pai amar o porta-malas daquele carro (mesmo tendo na época um Santa Fe — então a desculpa do porta-malas não colava). Ano passado, quando tirei minha CNH, ganhei dos meu pais um Palio, dessa vez usado, mesmo assim perfeito justamente devido à qualidade de robustez inerente aos Fiat e também ao histórico de donos, que foram três pessoas muito zelosas. Estou com ele até hoje, mesmo com diversas oportunidades para trocá-lo. Acho que foi devido ao costume, mas meu “entusiasmo” ao guiar qualquer modelo Fiat é muito superior a quando dirijo qualquer carro de outra marca, por melhores que eles sejam.

  • Marcelo Junji

    Quando aparece um carro da linha Adventure em uma reportagem, o que mais se lê nos comentários são criticas, algumas pessoas até insinuam que quem compra este tipo de carro é burro.
    Neste relato do Sr.Noel fica claro que o burro proprietário de uma Adventure pode ir nos mesmos lugares que outros vão, mas por caminhos mais interessantes e ainda por cima carregado e com pouca preocupação em raspar o fundo do carro e ainda sair com a pintura ilesa devido ao excesso de plásticos pela carroceria.

  • Comentarista

    Adoro os Fiat. Já tivemos 147, Unos, Prêmio, Tipo, Palios, Brava, Punto e atualmente um 500. Sempre digo que não quero mais Fiat, mas o custo-beneficio não se encontra em outra marca e sempre volto neles. Atualmente estou gostando muito dessa Weekend Adventure que, seminova, está com preço bom. Uma Strada também, além de bonitona e valente, está no páreo.

  • O que dizer? Tenho muita vontade de fazer tal relato com meu Mille Economy 2010 (primeiro carro meu e de minha esposa, comprado zero-km) e com a sua irmã Strada Fire 2008 (comprada usada, com 160 mil km à época – 09/2012) e que hoje, do alto de seus 147 mil km (Mille) e 227 mil km (Strada), têm muitas histórias para contar!

    Texto excelente. Ótima leitura para o domingo!

  • Caio Ferrari

    Ler um texto desses numa época em que planejo vender o Mille, é de dar nó.

  • Marcelo

    Na minha opinião (claro!), este carro é mais ou menos para tudo.

  • Diogo Santos

    Belo texto. Mais que uma ode à Weekend Adventure, é uma descrição da praticidade que só as peruas possuem. Não imagino esse mesmo relato estrelado por um Renegade, EcoSport, HR-V, exceto talvez por um Duster por ter o porta-malas maiorzinho. Mas ainda assim menor que o da Weekend. Prezado Noel, infelizmente temo que sua súplica não será atendida pela FCA, pois a Weekend deve sair de linha a qualquer momento e duvido que seja lançada outra perua no lugar. É a mesma situação que a minha: tenho um Partner Escapade 2012, e adoraria trocá-lo daqui alguns anos por um modelo zero-quilômetro. Entretanto no Brasil só sobrou a versão furgão, enquanto na Argentina ainda se vendem tanto o Partner quanto o seu irmão gêmeo Berlingo na versão passageiros. Os executivos de marketing das fábricas brasileiras devem achar que somos uma imensa nação de “aventureiros ostentação”, e que portanto não precisamos de carros para transportar família tampouco cargas volumosas.

  • Bera Silva

    Muito bom o texto, prazeroso de ler.

  • Noel

    Caro Paulo,
    Grato pela dica de passeio. Andradas já está no radar para uma próxima escapada com a PWA.
    Neste fim de semana transportei quatro mesas e 16 banquetas nela – de uma só vez – para um pequeno banquete que recepcionou um grupo de dança folclórica do Paraná, que se apresentou na festa dos alemães em Cosmópolis.
    Nos vemos pela estrada, piscando os faróis.

  • Victor Alves

    Caro Noel, gostaria de parabenizá-lo pelo texto. Pude me imaginar em cada momento da viagem. Deu até vontade de pegar o Siena e fazer essa mesma rota.