A foto acima mostra um verdadeiro show sobre as colinas de Zeltweg, porém na pista, um desastre.

Num momento crucial para a renovação do seu contrato com a Mercedes, Nico Rosberg cometeu um erro antológico na corrida na qual o vencedor Lewis Hamilton sobreviveu a uma manobra deplorável do alemão, como mostra este vídeo. De volta aos boxes com o bico do seu carro destroçado, Rosberg saber do resultado obtido por Pascal Wehrleim, mais do que um pequeno e solitário ponto para a equipe Manor, seu décimo lugar foi um grande salto do novato alemão para garantir um equipamento mais competitivo para 2017. Quem sabe exatamente o mesmo que este ano é ocupado pelo ainda líder do campeonato.

Nico Rosberg tentou uma manobra bizarro e teve um prejuízo concreto (Foto Mercedes)

Nico Rosberg tentou uma manobra bizarra e teve um prejuízo concreto (Foto Mercedes)

Em uma corrida que transcorreu sem maiores disputas emocionantes, Nico Rosberg assumiu a liderança na volta 27, posição que só abandonou momentaneamente durante duas paradas para trocar pneus, mesma tática do seu companheiro de equipe Lewis Hamilton. Na fase final da prova o alemão tinha pneus supermacios novos, mas que desgastaram mais rápido que os macios usados do inglês; não bastasse essa desvantagem, o Mercedes nº 6 já tinha um defletor quebrado e detritos de borracha — cortesia do pneus estourado do Ferrari de Sebastian Vettel — detalhes que contribuíram para deteriorar ligeiramente a aerodinâmica e equilíbrio do carro.

Nas voltas finais Hamilton mostrou-se mais eficiente ao negociar as ultrapassagens sobre retardatários e no início dos últimos 4.324 metros de corrida viu suas chances aumentarem quando Rosberg errou a tangência e perdeu ritmo na saída da curva 1. Na próxima curva, também à direita, Lewis ficou por fora e Nico por dentro, mas optou por um traçado tão bizarro quanto condenável para forçar o inglês a frear. O choque foi tão inevitável quanto o peso que ele carregará por toda a vida, independente de vencer ou não o campeonato deste ano. Dez segundos de penalização no resultado da prova foi uma penalização que não fez nem “cosquinhas” no orgulho ferido de Rosberg.

Hamilton não sucumbiu aos ataques de Rosberg e voltou aos boxes de cabeça erguida (Foto Mercedes)

Hamilton não sucumbiu aos ataques de Rosberg e voltou aos boxes de cabeça erguida (Foto Mercedes)

Não foi o primeiro acidente do gênero na F-1 — Alain Prost e Ayrton Senna, Michael Schumacher versus companhia limitada nos brindaram vários episódios do tipo —, muito menos na equipe Mercedes. A partir de agora, ordens de equipe deverão ser dadas claramente — ou nem tanto — e em caso de réplicas ou tréplicas será impossível manter os dois pilotos juntos por mais uma temporada.

Aos 18 anos Max Verstappen já está se acostumando a tomar champanhe. Foi segundo e quase venceu (Foto Red Bull/Getty Images)

Aos 18 anos Max Verstappen já está se acostumando a tomar champanhe; foi segundo e quase venceu (Foto Red Bull/Getty Images)

Desgraça de uns, alegria de outros. Max Verstappen esteve próximo de conquistar sua segunda vitória na categoria e, mais vez, a Ferrari errou na estratégia de ida aos boxes de Sebastian Vettel. As câmeras de TV mostraram claramente o estado do pneu traseiro direito minutos antes do estouro acontecer na reta dos boxes. Houve tempo para chamar Vettel aos boxes, mas isso não feito e novamente Kimi Räikkönen salvou a pátria de Maranello ao ocupar o terceiro degrau do pódio com sua peculiar expressão de alegria e felicidade.

Kimi Räikkönen e sua forma de celebrar um treceiro lugar em um GP de F-1 (Foto Ferrari)

Kimi Räikkönen e sua forma de celebrar um terceiro lugar em um GP de F-1 (Foto Ferrari)

A felicidade maior, porém, foi de Pascal Wehrleim, cuja conquista tem muito a ver com os brasileiros que disputam a temporada da F-1, em particular Felipe Nasr: o ponto da Manor coloca a equipe inglesa à frente da suíça Sauber e garante, por enquanto, importante vantagem financeira na partilha de lucros gerados pela comercialização dos direitos promocionais do campeonato.

Massa tem razões para não estar feliz na Williams. Uma mudança pode renascer a garra que mostrou na Ferrri (FOto Williams/LAT)

Massa tem razões para não estar feliz na Williams; uma mudança pode fazer renascer a garra que mostrou na Ferrsri (Foto Williams/LAT)

Em Red Bull Ring, que os tradicionalistas conhecem desde os tempos que o autódromo era conhecido como Österreichring, ou mesmo Zeltweg, Felipe Nasr fez uma de suas melhores atuações da temporada, algo que pode ajuda-lo a definir para onde ele vai mudar no ano que vem. A situação na Sauber continua complicada e, mais uma vez, fala-se no aporte de investidores internacionais, história a ser conferida.

Pascal Wehrleim brilhou em sua primeira apresentação em um circuito que já conhecia (Foto F1 Com)

Pascal Wehrleim brilhou em sua primeira apresentação em um circuito que já conhecia (Foto F1 Com)

Mais sobre Wehrleim: como a Mercedes fornece motor para equipes mais competitivas que aquela onde ele descobre o caminho das pedras, ele bem poderia acabar promovido à uma vaga na Force India ou na própria Williams, possibilidade que já deve ter sido aventada no planejamento 2017 de Felipe Massa. Quem vê a F-1 de fora dos boxes nota que vice-campeão mundial de 2008 não tem a mesma motivação de antes, provavelmente porque seu equipamento também não acalenta sonhos mais ambiciosos.  Até domingo os números que você vê aqui mostram a quantas anda o campeonato, que prossegue neste fim de semana com a disputa do British Grand Prix, que em terras latinas é mais conhecido como GP da Inglaterra, corrida que se realiza no tradicional circuito de Silverstone.

 

Christian segue líder

Chrsitian Fittipaldi e João Barbosa seguem líderes no campeoanto norte americano de resistência (Foto José Mário Dias)

Christian Fittipaldi e João Barbosa seguem líderes no campeonato americano de resistência (Foto José Mário Dias)

A vitória na 6 Horas de Watkins Glen manteve o brasileiro Christian Fittipaldi  e o português João Barbosa na liderança do IMSA WeatherTech SportsCar Championship, principal campeonato americano da categoria resistência. A equipe Action Express de Fittipaldi e Barbosa fez dobradinha — Dane Cameron e Eric Curran terminaram em segundo lugar —, e o brasileiro Oswaldo Negri completou o pódio ao terminar em terceiro, junto com John Pew e Pla Michael. A próxima etapa da temporada será domingo que vem (10), no Canadian Tire Motorsport Park, em Clarington, no Canadá.

 

Di Grassi morre na praia, de novo

Lucas DI Grassi exagerou no arrojo e acabou vice-campeão (Foto F-E)

Lucas Di Grassi exagerou no arrojo e acabou vice-campeão (Foto F-E)

Pela segunda temporada consecutiva, o brasileiro Lucas Di Grassi chegou ao final do Campeonato Mundial da F-E com chances de sair campeão. Tal qual aconteceu na temporada 2014/2015, quando Nélson Piquet Jr. saiu vencedor, no certame 2015/2016 o brasileiro foi derrotado na última prova, desta vez por um erro seu e que gerou muita controvérsia. Na etapa final, uma rodada dupla no Battersea Park, em Londres, pode-se ver a largada do brasileiro, que alinhou em terceiro, atrás de Nico Prost e Sébastien Buemi, na liderança. Na segunda curva uma freada arrojada acabou com Lucas e Sébastien fora da pista. O suíço conseguiu fazer a volta mais rápida da prova, o que lhe garantiu dois pontos extras e, consequentemente, o título. Terminada a prova Buemi não poupou críticas ao brasileiro, que declarou: “Sébastien freou antes do normal e eu fui um tanto agressivo na minha tentativa porque eu sabia que tinha de passar o Nico naquela hora para permanecer na disputa. Quando tudo está em jogo, coisas assim podem acabar acontecendo, infelizmente”.

Alain Prost celebra com Sebastien Buemi a conquista dos títulos de Equipes e PIlotos na temporada 2015/2016 da F-E (Foto F-E)

Alain Prost celebra a segunda vitória do filho Nico, que ajudou a garantir o título de Equipes, além da vitória de Sébastien Buemi entre Pilotos, na temporada 2015/2016 da F-E (Foto F-E)

Nico Prost venceu as duas corridas do final de semana e garantiu os pontos suficientes para a E.Dams-Renault vencer entre as equipes. O resultado completo do campeonato, que também teve a participação dos brasileiros Bruno Senna e Nélson Piquet Jr., você encontra aqui. A temporada 2016/2017 começa dia 9 de outubro, em Hong Kong e está prevista para ser disputada em 12 etapas, sendo que as duas finais, em Montreal (15 e 16 de julho) e Nova York (29 e 30 de julho) terão duas corridas.

WG

A coluna “Conversa de pista” é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.


  • Christian Govastki

    A legenda da foto não estaria errada, não seria o Nico e o Alain?

    • Wagner Gonzalez

      FIz a correção que você indicou necessária.

  • Fat Jack

    A manobra do Nico poderia figurar na categoria “isso é dantesco!”
    Quer defender a posição? Ok!
    Deu aquela tradicional “espalhadinha” na saída da curva? Ok!
    Ignorar a existência da curva porque o adversário está por fora (ou seja, jogá-lo para fora) é outra muito diferente!
    A penalização, mesmo que branda, foi no mínimo justa. E acho mesmo que Nico está provando cada vez com maior intensidade que não está merecendo uma posição numa equipe de ponta, precisando de um “downgrade” para tentar reiniciar o sistema…
    Quanto ao Massa, cada vez seu caminho na F-1 fica mais estreito e difícil…, sair da Williams e ir para onde? Force India (o que é quase trocar 6 por meia dúzia)? Uma vez que é dificílimo que ele tenha uma oportunidade nas grandes equipes (Mercedes, Ferrari e Red Bull) me parece bem clara a sua situação, ou fica onde está ou vai para coisa pior (tudo bem que devido às alterações do regulamento podem embaralhar bastante as cartas pra 2017, mas é efetivamente um “tiro no escuro”…).

  • Wagner Gonzalez

    Mineirim,

    O Nico ão não mudou a trajetória nenhuma vez, isto sim. E um piloto sempre espera que o traçado do circuito seja onde a posição seja defendida…

  • João Lock

    Uma das categorias, da “irrelevante” Nascar, foi decidida no Frame neste mesmo final de semana.

  • Fat Jack

    Para mim não ha defesa ou argumento, foi descaramento puro! Momento”Dick Vigarista”! Se manobras como a de Schumacher sobre Hill tivessem sido exemplarmente penalizadas, a chance desse tipo de coisa acontecer seria menor.

    • Fat Jack, a impunidade é que gera esse comportamento. Igual no futebol, a violência que se vê atualmente é culpa exclusiva da arbitragem, que a foi deixando se instalar. Nomes como Pelé e Garrincha, no cenário de campo de hoje, jamais teriam o destaque que tiveram.

      • Fat Jack

        Exato Bob, pior é que em boa parte desses casos de impunidade teve interesses políticos dos dirigentes da categoria, sendo rígidos somente com pilotos e equipes pequenas.

  • Fat Jack

    Imagino a Renault figurando na melhor hipótese entre as 5 melhores em 2017, e se a questão financeira é negociável, ele deveria buscar algo melhor…

  • João Guilherme Tuhu

    Massa caminha inexoravelmente para o seu canto de cisne. Nem – com o perdão do trocadilho – massa de manobra consegue ser mais. E Hamilton está cheirando a tetracampeão; seu companheiro é visivelmente mais fraco.

  • Eduardo Sérgio

    Considero o estouro de pneu mais espetacular o sofrido por Mansell em 1986 na Austrália. Custou-lhe o campeonato daquele ano. Piquet, seu companheiro de equipe, vinha em segundo e herdaria o título, mas a Williams chamou-o aos boxes por conta do que aconteceu com o piloto inglês. “Não sei se foi a decisão mais acertada”, disse o brasileiro.
    No final das contas, esses imprevistos abriram caminho para o bicampeonato de Alain Prost.

    • Eduardo, bem lembrado, aquele estouro de pneu é antológico!

  • RoadV8Runner

    Volto a repetir: o Rosberg não corre pensando no título, simples assim. E, sob pressão, o Rosberg é mestre em fazer bobagem, como essa sobre o Hamilton na Áustria. É fato que todo piloto corre para vencer, mas dadas as condições do carro dele naquele momento, há que se usar a massa cinzenta de acordo… Daria muito bem para espalhar na curva de outra forma, forçando o Hamilton a meter a faça nos dentes se quisesse ultrapassar. Com certeza o inglês o faria, mas seria uma situação que mostraria o quão “cara” a ultrapassagem custaria. Mas como falta talento, deu no que deu.
    Essa do Lucas Di Grassi também foi de lascar…

  • Marcio

    Button e Wehrleim!

  • Alex Ctba

    Julgar e condenar um piloto é fácil, e, de fato, Rosberg errou bisonhamente em jogar o carro contra o Inglês. Mas, fazendo o advogado do diabo, ele está na terceira temporada com um carro que o possibilita ser campeão mundial, e foi batido nas duas ultimas temporadas pelo Hamilton.

    Começou muito bem essa temporada e, apesar de muitos o chamarem de fraco, não considero fraco um piloto que consegue andar sempre próximo a um talento como de fato é o Hamilton.

    Ano passado foi imensamente criticado pela forma com que, apaticamente, permitia as ultrapassagens do Inglês. Nesse último GP, naquela fração de segundos em que ocorreu o incidente, acredito que é permitido a um ser humano, perder o controle, cerrar os dentes e tentar defender sua vitória a qualquer custo. Eles são pilotos, tem a competição no sangue.

    Claro que analisando friamente, o prejuízo foi grande, pois, se tentasse manter a trajetória, poderia ainda tentar vencer, pois tinha a preferência da curva, ou chegar em segundo ao invés de quarto e ter permitido ao Hamilton descontar apenas sete e não treze pontos no campeonato.

    Rosberg errou, é fato, mas prefiro que ele tente sempre vencer, do que entregar sem luta. É mais divertido para nós telespectadores, ou não estaríamos aqui, comentando o fato e, tampouco a Mercedes precisa de “ordens de equipe”, pois não há uma ameaça ao seu título de pilotos e construtores. O campeão será Hamilton ou Rosberg, então que libere a disputa e não incorra do anti-marketing esportivo, que maculou a imagem da Ferrari durante anos.

    Da próxima vez, se aprender com esse erro, espero que o alemão seja limpo. Pode ser duro na disputa, mas que seja limpo, como por exemplo Alonso que sempre foi em suas disputas.

  • Christian Govastki

    Eu acho que o Rosberg fez caca… Se é para empurrar para fora que seja com estilo. Dá uma panca de respeito no Hamilton e saem da corrida os dois.