Leve, rápido e veloz. Pesa 1.196 kg e sua potência máxima é de 173 cv (álcool), portanto sua relação peso-potência é de só 6,9 kg/cv. Seu torque máximo de 24,5 m·kgf já começa a partir de 1.450 rpm. Em vista disso ele faz o 0 a 100 km/h em 7,6 segundos e atinge a máxima de 222 km/h, segundo a fabricante. Esse é o Peugeot 208 GT, um foguetinho feito para ser uma inesgotável fonte de prazer.

É um perfeito exemplo do que lá fora chamam de pocket rocket (foguete de bolso), a curiosa expressão derivada de pocket battleship (encouraçado de bolso), nome que os ingleses deram aos relativamente pequenos, mas com alto poder de fogo, encouraçados alemães de até 10.000 t, limite imposto pelo Tratado de Versalhes à derrotada Alemanha na Primeira Guerra Mundial. Por analogia, é o que é um pocket rocket como o Peugeot 208 GT. E, o melhor de tudo, produzido no Brasil na fábrica da PSA em Porto Real, no estado do Rio de Janeiro, justamente quando se pensava que fórmula de carro no Brasil pertencia ao passado.

DSC05620

Nosso conhecido motor 1,6 THP traz ânimo de sobra

Um foguete de bolso estável. Sempre estável. Curvas de alta ou de baixa ele faz com total precisão. Apontou, ele vai de imediato com sua direção rápida e certeira. Os pneus largos, 205/45R17V, e o ótimo acerto de suspensão, que, claro, está mais firme que a do 208 “civil”, deixaram-no com reações mais rápidas; e é assim que a gente o quer.

Não é qualquer um que o acompanha. Ou melhor, em trechos sinuosos poucos e caros esportivos têm capacidade de acompanhá-lo, e desde que sendo bem pilotados, senão ele os “passa por entre as pernas” e some de vista.

Ótima posição para dirigir e instrumentos de fácil visualização

Ótima posição para dirigir e instrumentos de fácil visualização

O nosso conhecido e sempre elogiado motor  1,6 THP turbo lhe dá uma retomada impressionante. Tão versátil é esse motor que o Grupo PSA equipa praticamente todos os seus modelos Peugeot com ele (em vários Citroën também), de um pesado suve Peugeot 3008 a este leve 208, e ele se dá bem em todos. Injeção direta, duplo comando com variador de fase no escape e admissão, 16 válvulas, turbo, taxa de 10,2:1 e, para o Brasil, flex.

A pegada dele praticamente já começa desde a marcha-lenta. Além disso, o câmbio, manual, lógico, tem 6 marchas muito bem escalonadas, e próximas (veja o “dente de serra” abaixo), então é um tal de alimentar o apressado motor com uma marcha atrás da outra e quando se vai ver já estamos a velocidades impublicáveis. Mal se percebe, pois o pequeno GT vai estável, agarrado ao chão. Viajando com os vidros fechados, há um quase nada de ruídos aerodinâmicos, o carro segue colado ao chão e o motor sobra sempre. Viajar com ele é gostoso o tempo todo e não cansa.

Dente de serra 208 GT

A v/1000 em 6ª é 46,5 km/h, o que significa 120 km/h reais a 2.600 rpm  Por ser um câmbio 5+E, a velocidade máxima é atingida em 5ª, a 5.750 rpm, apenas 250 rpm abaixo da rotação de potência máxima. Veja na ficha técnica o alcance em cada marcha, puro prazer.

208gt 1

Se tiver que pegar trecho de terra, ele não se aperta

Comparando-o ao seu primo importado Citroën DS3, ele parece ter a suspensão mais macia e de maior curso; portanto, mais adaptada às nossas condições. Por outro lado, o DS3 parece ser ainda melhor em curvas de alta velocidade.

208gt 2

Bons pneus Michelin Pilot Sport 3 205/45R17V

“Sorte” que os freios estão condizentemente dimensionados para o ritmo um tanto ousado que esse capetinha nos induz a dirigir. A disco nas quatro,  dianteiros ventilados. Freia realmente muito bem. Além disso, os ótimos pneus Michelin Pilot Sport 3 (fabricados na Alemanha) contribuem não só nas curvas, mas também nas freadas, além de os freios serem fáceis de dosar.

208gt 3

Foto tirada em Campos do Jordão, a 1.600 metros de acima do nível do mar: outra vantagem do motor turbo, não perder potência com a altitude

Os pedais são bem posicionados, o punta-tacco sai sem que se perceba. O motor reage prontamente à menor pressão no pedal do acelerador, então o giro sobe rápido, o que facilita as reduções de marcha.

No frio do inverno esse teto solar vai muito bem

No frio do inverno esse teto panorâmico vai muito bem; aro do volante tem indicação de parte superior, prática nos carros de rali

O banco do motorista também tem regulagem de altura. O pequeno e ovalado volante — 330 mm de altura por 350 mm de largura — tem grande variação de altura e distância. E essa amplitude é grande, mesmo, certamente para que o motorista ache logo sua posição ideal de dirigir e boa visualização dos instrumentos, que serão vistos por cima do volante. Gostei dessa disposição desde quando vi o primeiro 208 e nele sentei. Já para quem vai atrás a situação não é das melhores. Falta espaço, se a pessoa for medianamente alta.

Isso aqui, câmbio manual, ainda é o modo mais legal de guiar um esportivo

Isso aqui, câmbio manual, ainda é o modo mais legal de guiar um esportivo

Só rodei com álcool. Fez entre 8 e 9,5 km/l na estrada, dependendo do grau de diversão tomado. Na cidade fez entre 7 e 8 km/l, sendo que na cidade costumo rodar devagar e em giro baixo, situação em que esse motor também se dá muito bem, devido à tremenda elasticidade. A Peugeot não informa o consumo de combustível desta versão.

Preço: R$ 80.300. Caro? Se formos medir a relação custo-diversão ele estará muito bem posicionado no mercado. Mas o 208 GT oferece mais que diversão, oferece equipamentos apreciados hoje como assistente de partida em rampa, iluminação de curva até 40 km/h e DRL (para não precisar ligar farol baixo nas rodovias e tomar multa se esquecer), câmera de ré, central multimídia com navegador, espelhamento de celular na tela de 7″, rádio. MP3, Bluetooh. e a função Link MyPEUGEOT, um aplicativo gratuito para smarphones, tanto Android quanto iOS, pelo qual se pode monitorar consumo de combustível, continuar a navegação depois de estacionar e até localizar o carro, entre outras funções.

Fora itens de real comodidade como o ar-condicionado digital de duas zonas, sensor de obstáculos traseiro e dianteiro, sensores de chuva e crepuscular, controlador/limitador automático de velocidade, faróis e luz traseira de neblina, bolsas infláveis frontais, laterais e de cortina, e cintos de segurança e apoio de cabeça para todos os ocupantes.

Tudo isso num visual que diz a que o 208 GT veio.

AK

 

FICHA TÉCNICA PEUGEOT 208 GT
MOTOR
Denominação EP6CDTM, 1,6 THP flex
Tipo de motor, instalação Otto, arrefecido a líquido, transversal
Material do bloco/cabeçote Alumínio
Nº de cilindros e disposição Quatro, em linha
Diâmetro x curso 77 x 85,8 mm
Cilindrada 1.598 cm³
Taxa de compressão 10,2:1
Nº de comandos/localização Dois/cabeçote, variador de fase na admissão e escapamento
Acionamento dos comandos Corrente
Válvulas por cilindro/atuação Quatro/indireta por alavanca-dedo com compensação hidráulica da folga de válvula
Aspiração Forçada por turbocompressor de dupla voluta a 1,2 bar, interresfriador
Potência máxima 166 cv (G) e 173 cv (A), a 6.000 rpm
Torque máximo 24,5 m·kgf a 1.400 rpm (G e A)
Rotação-limite 6.500 rpm (corte sujo)
Formação de mistura Injeção direta
SISTEMA ELÉTRICO
Tensão/bateria/alternador 12 V / 60 A·h / 120 A
TRANSMISSÃO
Rodas motrizes Dianteiras
Tipo Transeixo manual de 6 marchas + ré
Relações das marchas 1ª 3,55:1; 2ª 1,92:1; 3ª 1,32:1; 4ª 1,03:1; 5ª 0,82:1; 6ª 0,68:1; ré 3,58:1
Relação de diferencial 3,56:1
Embreagem Monodisco a seco, acionamento hidráulico
SUSPENSÃO
Dianteira Independente, McPherson, braço triangular, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
Traseira Eixo de torção, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora integrada ao eixo
DIREÇÃO
Tipo Pinhão e cremalheira, assistência elétrica indexada à velocidade
Relação de direção n.d.
Diâmetro do volante 350 mm na horizontal/330 mm na vertical
Diâmetro mínimo de curva 10,4 metros
FREIOS
Dianteiros Disco ventilado Ø 283 mm
Traseiros Disco Ø 249 mm
Operação Servoassistência a vácuo, ABS, EBD e auxílio à frenagem
RODAS E PNEUS
Rodas Alumínio, 6Jx17
Pneus 205/50R17V, de baixo atrito de rolamento (Michelin Pilot Sport 3)
CONSTRUÇÃO
Tipo Monobloco em aço, hatchback 4-portas, 5 lugares; subchassi dianteiro
AERODINÂMICA
Coeficiente de arrasto (Cx) 0,33
Área frontal 2,09 m²
Área frontal corrigida 0,69 m²
DIMENSÕES EXTERNAS
Comprimento 3.975 mm
Largura 1.702 mm
Altura 1.472 mm
Distância entre eixos 2.541 mm
Bitola dianteira/traseira 1.475/1.470 mm
PESOS E CAPACIDADES
Peso em ordem de marcha 1.196 kg
Peso rebocável sem freio/com freio 400 kg
Capacidade do tanque 55 litros
Capacidade do porta-malas 285 litros/com banco rebatido 1.076 litros
DESEMPENHO
Aceleração 0-100 km/h 8 s (G) e 7,6 s (A)
Velocidade máxima 218 km/h (G) e 222 km/h (A)
CONSUMO DE COMBUSTÍVEL (ÁLCOOL, COMPUTADOR DE BORDO)
Cidade 7~8 km/l
Estrada 8~9,5 km/l
CÁLCULOS DE CÂMBIO
V/1000 em 6ª 46,5 km/h
Rotação a 120 km/h em 6ª 2,600 rpm
Rotação à velocidade máxima em 5ª 5.750 rpm
Alcance nas marchas (6.000 rpm) 1ª 53 km/h; 2ª 99 km/h; 3ª 144 km/h; 4ª 184 km/h


Error, group does not exist! Check your syntax! (ID: 7)

Sobre o Autor

Arnaldo Keller
Editor de Testes

Arnaldo Keller: por anos colaborador da Quatro Rodas Clássicos e Car and Driver Brasil, sempre testando clássicos esportivos, sua cultura automobilística, tanto teórica quanto prática, é difícil de ser igualada. Seu interesse pela boa literatura o embasou a ter uma boa escrita, e com ela descreve as sensações de dirigir ou pilotar de maneira envolvente e emocionante, o que faz o leitor sentir-se dirigindo o carro avaliado. Também é o autor do livro “Um Corvette na noite e outros contos potentes” (Editora Alaúde).

  • Davi Reis

    Aí Renault, custava fazer um câmbio 5+E no Sandero R.S.? Ninguém ia achar o carro menos esportivo por isso, o 208 GT é uma boa prova. Também gostei muito do carro, só deixaria a suspensão um teco mais rígida e gostaria de engates sensivelmente melhores no câmbio. No mais, um grande carrão pequeno. É caro, mas esportivos compactos sempre foram e bem… Uma Palio Adventure completa também fica na faixa dos 80 mil. Sei que é comparar bananas e maçãs, mas colocando sob uma perspectiva geral, não está tão absurdo para um mercado maluco como o nosso.

    • Matheus Ulisses P.

      Eu já prefiro essa “grauzinho” a menos de rigidez da suspensão, torna-o mais civilizado para o dia a dia de quem tem apenas um carro em casa. Minha mãe, que mora comigo dificilmente, gostaria de um carro duro.

    • CorsarioViajante

      Sinceramente, acho que no máximo se podia pedir um câmbio mais alongado como um todo no R.S., mas 5+e eu não vejo nenhum sentido.

      • João Guilherme Tuhu

        Andei num R.S.. Não precisa mudar nadica de nada…

  • Matheus Ulisses P.

    Aguardei muito por esse teste! Excelente!
    Está fora do meu alcance, mas isso não em nada desabona o carro. Acredito ser o carro ideal pra minha vida de solteiro no momento! Nesse vermelho Aden então….

  • CorsarioViajante

    Muito legal! Hoje estamos muito bem servidos de esportivos. O 208 é mais sofisticado e civilizado, enquanto o Sandero R.S. parece ser mais simples e brutal. Duas receitas que gostaria muito de provar! O fato é que se está bem servido com qualquer um deles.

  • Lorenzo, automático???

    • Ricardo kobus

      Tá feia a coisa.

    • Danchio

      Também anseio pelo cambio automático. Tenho um Golf DSG e não troco pelo manual nem a pau… rsrs

  • Corsario, raciocínio correto — não fosse você precisar da aptidão para pisos ruins ou estradas de terra em mau estado que a Weekend Adventure oferece.

  • Fat Jack, não haveria o menor problema em calcular uma quinta que proporcionasse 3.000 rpm a 120 km/h. Mas seria necessário abrir os dentes de serra para manter o escalonamento adequado de razões decrescentes à medida que sobem as marchas. Com as características do motor 2-L aspirado o resultado não seria bom, da mesma forma que colocar o comando do Golf GTi no primeiro Gol, de quatro marchas, só para ganhar alguma potência, foi um desastre. Lembre-se, o câmbio precisa atender às necessidades do motor antes de tudo, e nisso o do R.S. é perfeito. Duvido que você ou qualquer leitor dirija o R.S. num autoestrada e estranhe a última marcha como ela está.

  • Fat Jack, entendido. Só que uma sexta marcha dessas faria um estrago no escalonamento, ficaria uma cratera entre a quinta e a sexta.

    • Lorenzo Frigerio

      Não vejo por quê, se ambos os comandos são variáveis. Você sempre disse que para a maioria dos carros cinco marchas bastam. Então, por que uma 6a., se não para economizar? É altamente irreal que se dirija um Sandero RS a 150 km/h numa estrada pública sinuosa, aproveitando uma 6a. marcha “real”. Uma 5a. daria conta.
      Este aqui é um fórum de discussões mais ou menos qualificado… todos condenam o escalonamento do RS. Uma verdadeira gafe da Renault. Depois dizem que “a Renault Sport fez o projeto”. Acredita quem quer.
      O carro pode até ser bom para sair e dar um rolê na Estrada dos Romeiros, como vocês fazem. Mas comprar é outra coisa. Não me parece que ele foi, assim, um sucesso de vendas.

      • Lorenzo, você acha que o câmbio do Sandero R.S. está errado. A Renault Sport e eu achamos que está correto. Entendido? Então fim de assunto. Não há mais o que discutir. Não pretendo mudar a sua opinião. Não perca seu tempo tentando mudar a minha.

    • Ricardo kobus

      A opção da Peugeot em colocar um 5+E no 208 GT se deve ao motor THP ser mais elástico?

      • Sim, Ricardo. Mesmo em giro baixo o THP gera muita potência, o que permite retomadas rápidas, mesmo em 6a marcha.

        • Ricardo kobus

          Arnaldo,
          É bem por aí explicação das diferenças de escalonamento entre o 208 GT e o Sandero RS.
          Aliás ótima matéria, parabéns!

          • Ricardo, e tem outra coisa, o R.S. é mais visceral. Foi feito para sê-lo. A suspensão é mais firme, a pegada é mais esportiva, etc. Esses carros são assim, sempre o foram. Veja um Alfa Romeo 145 e ele é assim, a 5a, e última, é também relativamente curta para os padrões normais, e sua máxima é em 5a, mas é justamente isso que o fabricante e o comprador querem. A última marcha é de uso e não de descanso.

  • G. Vilchez, é que a pressão de superalimentação aumentou de 1 para 1,2 bar.

  • Corsário, não, quer dizer que não é tão robusta e a altura de rodagem é bem menor.

    • CorsarioViajante

      Pois é, no fundo são duas propostas diferentes, mas vale a reflexão causada pela brincadeira do Mr. Car.

  • Fat Jack, sinceramente, gosto de ambos. E acho que eles estão certos, cada um para um tipo de motor.

  • Fat Jack, a máxima do RS é, se não me engano, coisa de 210 km/h. Você acha que a 150 km/h o motor está se esgoelando? E a 120 km/h?
    Por favor! Deixem o câmbio do RS como está!!! Ninguém mexe! OK? Please.

    • Fat Jack

      Salvo engano 202 km/h.
      Apenas pode-se gostar da opção de uma rotação”de cruzeiro” mais baixa como é o meu caso.

  • Mr. Car, estou com o Mobi Like On e vou te dizer: esse carrinho é bem divertido. Depois te conto…

    • Mr. Car

      No aguardo, Keller. E não pense que eu quis dizer que o Mobi é ruim, he, he! Sou da mesma filosofia do Bob: hoje em dia, não existe carro ruim. Em tempo: se fosse comprar um Mobi, compraria justamente o Like On, mas esperaria pelo motor novo.
      Abraço.

  • WSR

    Este 208 acabou de desbancar dos meus sonhos o Up! TSi. Um 208 GT branco, com interior combinando marrom e bege, mais um jogo de bancos Recaro seria sensacional…

  • invalid_pilot

    Ta ai um carro esportivo e que pode ser usado tanto para se divertir quanto no dia dia (uma vez que o consumo do THP geralmente é bem honesto)

    Iria fácil e tranquilamente nesse Peugeot.
    Aliás o carro como um todo é de extremo bom gosto (nada de adesivos e excessos de elementos esportivos)

  • Fat Jack, nesse caso de alongar o diferencial alongaria também a primeira, o que é indesejável. Enfrentei exatamente esse problema quando colocaram um motor AP 2,0 no meu Santana AP 1,8, a quinta ficou curta devido à maior potência (eu trabalhava na VW). Havia diferencial mais longo, mas a primeira seria afetada. Resolvi reescalonando o câmbio mantendo o mesmo diferencial, desse modo mantendo a primeira igual. Criei um escalonamento que não existia em produção. Segunda, terceira, quarta e quinta foram alongadas corretamente, mantendo o dente de serra ideal.

    • Fat Jack

      Muito interessante!
      Obrigado pelas explicações e pela paciência Bob!

      • Fat Jack, nós e os demais editores estamos aqui para isso mesmo, compartilhar conhecimento e experiência. Fico à disposição e de todos.

  • Roberto Mazza

    Esse carro pra mim bateu na trave. Ficou em 2o lugar na minha escolha. Logo eu que sempre paquerei crossovers altinhos, sonhava com um distante Q3, espiei bastante o HRV, mas por fim decidi dar vez a um carro pequeno, compacto, moderno e com bom torque e potência. Ocorreu também que tive peugeot (206) por muitos anos e a sogra segue bem atendida com outro peugeot (207). Desta vez estava com vontade de ter um VW e fiquei bastante satisfeito com um Up TSI de menos de 50 mil. Como é bom achar alegria na simplicidade das coisas bem feitas. Esse peugeot é bastante interessante e até poderia chegar a negociar um desses, vai que de repente sai por 78 mil ou menos. Mas ficou pra próxima. Por hora a vez é de acelerar um impressionante 1.0 três cilindros. Potência sempre é bom, provável que o próximo seja algo como esse aí.

  • Israel Bellotti Nicori

    Meu próximo carro.

  • Cafe Racer

    Qual é a função dessa marcação (parte superior do volante) usada nos carros de rali ? Seria nos “saltos” para que as rodas caiam retas ?
    Muito interessante esse Peugeot , carrinho caprichado!
    Nos deixa salivando como cachorro, em frete aqueles fornos de padaria, em que se assam frango…

  • Leonardo Mendes

    Isso aqui, câmbio manual, ainda é o modo mais legal de guiar um esportivo
    Assino embaixo, passo recibo e reconheço em cartório essa frase… uma transmissão manual bem escalonada e com engates na medida é prazer de dirigir na certa.
    208 GT com qualquer câmbio que não seja manual é a mesma coisa que o James Bond dando aula de celibato: não orna, não combina, não funciona.

    E Arnaldo, já lhe disseram que você de bigode fica a cara do ator Jeremy Irons?

  • Fat Jack

    Definitivamente o acabamento Peugeot tende a agradar mais as mulheres que o Renault (digo, os modelos da família Sandero), o que pode ser ainda mais um motivo para ter o R.S., ela vai ter menos vontade de pedi-lo para você!!!

    • CorsarioViajante

      Hahaha ótima idéia!!

  • Luciano, não combina? Estamos com um, o Arnaldo o está testando. Você e muitos terão uma surpresa em alguns dias.

  • Eduardo Sérgio

    A menção à indicação de parte superior do volante me trouxe à lembrança uma dúvida antiga: por que alguns pilotos correm com o limpador de parabrisas na vertical em categorias turismo?

    • Eduardo, é para eliminar um ponto de resistência aerodinâmica, para o ar escoar pelo para-brisa mais facilmente.

  • Diney, corrigido.

  • Matheus Ulisses P.

    Uma coisa que acho ser quase unânime a respeito do 208 é o fato dele ser erguido. Ao menos o GT poderia ser mais baixo em relação solo. Além da estética, creio que melhoria ainda mais o já excelente comportamento.

  • Pastel

    Eu tive um Citroen DS3 2012, carro muito similar a este Peugeot GT (otimamente analisado no AE). Mas no DS3, na minha opinião, dois problemas: o câmbio muito longo dificultando o engate das 5a e 6a marchas e a sensação de claustrofobia dentro do carro. Talvez por eu ter 1.85 m de altura nunca achei uma posição confortável para dirigi-lo. No Peugeot o vidro dianteiro parece maior, deve ter melhor visibilidade.

    • Comentarista

      Tenho 1,85 m e um 500. Nunca me senti apertado dentro dele.
      Só quando saio dele e alguém vê, fica espantado. “Como que você cabe dentro desse carro?”

      • Pastel

        Possuo um up! TSI e não tenho a sensação claustrofóbica nele. Deve ser uma particularidade da cabine do DS3, ao menos para meu modo de dirigir.

      • CorsarioViajante

        Meu cunhado tem 2 metros e tinha um Ka de primeira geração, era a mesma coisa! rs

  • ochateador

    Uma pergunta simples (mas sem intenção de ofender).

    Você compra um carro ou uma constelação de estrela ?

  • Davi Reis

    Sim, essa questão com certeza passa pela proposta do carro. Consigo entender esse aspecto, a ideia de oferecer uma experiência bastante visceral, mas ainda assim a ideia de um câmbio de 6 marchas reais em um carro com as características do Sandero me parece exagero. Não só nele, como em muitos outros carros com câmbio assim. Relendo a avaliação dele, 3.550 rpm a 120 por hora realmente não é muito, mas ainda fico com a sensação de que poderia ser pelo menos um pouco mais longo sem prejudicar as boas características esportivas dele. E de quebra, recompensando o feliz dono com um consumo ainda melhor.

  • João Guilherme Tuhu

    Uma beleza. Pena é o…preço.

  • João Guilherme Tuhu

    Eu sei é que mesmo com motor ‘obsoleto’, o Mobi não esquenta pátio atualmente…

  • Felipe Lima

    Avaliação “Padrão AE” ! Foca somente no que interessa – motor, câmbio, freios, suspensão etc- as perfumarias são secundárias.

    AK, assisti ao vídeo por duas vezes, na primeira fiquei observando a bela tocada, com muitas trocas de marcha e quando percebi, nem prestei atenção direito no que você falou. rs Voltei o vídeo e assisti pela segunda vez.

    Sobre o carro, um belo foguete, agendarei um test-drive, o GT tem grandes chances de entrar na garagem.

  • RoadV8Runner

    Faço votos que outros fabricantes se empolguem e lancem modelos esportivos nos moldes do Peugeot 208 GT e Renault Sandero R.S.! Gostei do câmbio ser do tipo 5+E, pois como o motor 1,6-litro THP tem elasticidade absurda, pode-se andar rápido, mas viajar com rotação correta em estradas.

    • Francisco

      Ia ficar muito legal um Fiesta ST, usando o Duratec DirectFlex* do Focus mesmo, já que já está adaptado à nossa “gasolina”. Só seria fazer uma melhora nos freios, meter o MT6 do EcoSport 4×4 (este já deveria estar sendo usado do Ka 1.0 ao Focus 2.0), talvez um Multilink, melhoria no acabamento. Preço? Uns R$ 85.000 7.000 rpm de diversão…
      * trazer o Ecoboost 1.5/1.6 ia acabar saindo ainda mais caro

      • RoadV8Runner

        Pois é, opções de “prateleira” os fabricantes já tem, é só pôr a mão na massa. E eu lançaria uma versão esportiva do próprio Ka hatch, ainda mais agora que a Ford lançou no Fiesta o motor 1-litro turbo.

        • Francisco

          Sim, ia ficar muito massa um Ka XR (para relembrar os bons tempos do pequeno) 1,0 12v EcoBoost. Mas claro que a Ford não fará, como sempre tem o que precisa para ganhar terreno e não usa.

  • Fórmula Finesse

    É, o motor não chega a ser nenhum canhão não…

  • Danilo Grespan

    Tive a oportunidade de conhecer esse 208 assim que o mesmo chegou para a venda: é sensacional. Recomendo conhecê-lo, mesmo sem intenção de compra…

  • Francisco

    Essa r/l (0,323) me tira o gosto do Sandero… Um Fiesta ST com o Duratec DirectFlex do Focus ia ficar muito show, 7.000 rpm de diversão e excelente r/l (0,284), o MT6 do EcoSport 4×4 (que deveria ser usado do Ka 1.0 ao Focus 2.0) e as adaptações necessárias…

  • Paulo Cabral, certamente que é candidato ao 30 Dias, e forte.