Leve, rápido e veloz. Pesa 1.196 kg e sua potência máxima é de 173 cv (álcool), portanto sua relação peso-potência é de só 6,9 kg/cv. Seu torque máximo de 24,5 m·kgf já começa a partir de 1.450 rpm. Em vista disso ele faz o 0 a 100 km/h em 7,6 segundos e atinge a máxima de 222 km/h, segundo a fabricante. Esse é o Peugeot 208 GT, um foguetinho feito para ser uma inesgotável fonte de prazer.

É um perfeito exemplo do que lá fora chamam de pocket rocket (foguete de bolso), a curiosa expressão derivada de pocket battleship (encouraçado de bolso), nome que os ingleses deram aos relativamente pequenos, mas com alto poder de fogo, encouraçados alemães de até 10.000 t, limite imposto pelo Tratado de Versalhes à derrotada Alemanha na Primeira Guerra Mundial. Por analogia, é o que é um pocket rocket como o Peugeot 208 GT. E, o melhor de tudo, produzido no Brasil na fábrica da PSA em Porto Real, no estado do Rio de Janeiro, justamente quando se pensava que fórmula de carro no Brasil pertencia ao passado.

DSC05620

Nosso conhecido motor 1,6 THP traz ânimo de sobra

Um foguete de bolso estável. Sempre estável. Curvas de alta ou de baixa ele faz com total precisão. Apontou, ele vai de imediato com sua direção rápida e certeira. Os pneus largos, 205/45R17V, e o ótimo acerto de suspensão, que, claro, está mais firme que a do 208 “civil”, deixaram-no com reações mais rápidas; e é assim que a gente o quer.

Não é qualquer um que o acompanha. Ou melhor, em trechos sinuosos poucos e caros esportivos têm capacidade de acompanhá-lo, e desde que sendo bem pilotados, senão ele os “passa por entre as pernas” e some de vista.

Ótima posição para dirigir e instrumentos de fácil visualização

Ótima posição para dirigir e instrumentos de fácil visualização

O nosso conhecido e sempre elogiado motor  1,6 THP turbo lhe dá uma retomada impressionante. Tão versátil é esse motor que o Grupo PSA equipa praticamente todos os seus modelos Peugeot com ele (em vários Citroën também), de um pesado suve Peugeot 3008 a este leve 208, e ele se dá bem em todos. Injeção direta, duplo comando com variador de fase no escape e admissão, 16 válvulas, turbo, taxa de 10,2:1 e, para o Brasil, flex.

A pegada dele praticamente já começa desde a marcha-lenta. Além disso, o câmbio, manual, lógico, tem 6 marchas muito bem escalonadas, e próximas (veja o “dente de serra” abaixo), então é um tal de alimentar o apressado motor com uma marcha atrás da outra e quando se vai ver já estamos a velocidades impublicáveis. Mal se percebe, pois o pequeno GT vai estável, agarrado ao chão. Viajando com os vidros fechados, há um quase nada de ruídos aerodinâmicos, o carro segue colado ao chão e o motor sobra sempre. Viajar com ele é gostoso o tempo todo e não cansa.

Dente de serra 208 GT

A v/1000 em 6ª é 46,5 km/h, o que significa 120 km/h reais a 2.600 rpm  Por ser um câmbio 5+E, a velocidade máxima é atingida em 5ª, a 5.750 rpm, apenas 250 rpm abaixo da rotação de potência máxima. Veja na ficha técnica o alcance em cada marcha, puro prazer.

208gt 1

Se tiver que pegar trecho de terra, ele não se aperta

Comparando-o ao seu primo importado Citroën DS3, ele parece ter a suspensão mais macia e de maior curso; portanto, mais adaptada às nossas condições. Por outro lado, o DS3 parece ser ainda melhor em curvas de alta velocidade.

208gt 2

Bons pneus Michelin Pilot Sport 3 205/45R17V

“Sorte” que os freios estão condizentemente dimensionados para o ritmo um tanto ousado que esse capetinha nos induz a dirigir. A disco nas quatro,  dianteiros ventilados. Freia realmente muito bem. Além disso, os ótimos pneus Michelin Pilot Sport 3 (fabricados na Alemanha) contribuem não só nas curvas, mas também nas freadas, além de os freios serem fáceis de dosar.

208gt 3

Foto tirada em Campos do Jordão, a 1.600 metros de acima do nível do mar: outra vantagem do motor turbo, não perder potência com a altitude

Os pedais são bem posicionados, o punta-tacco sai sem que se perceba. O motor reage prontamente à menor pressão no pedal do acelerador, então o giro sobe rápido, o que facilita as reduções de marcha.

No frio do inverno esse teto solar vai muito bem

No frio do inverno esse teto panorâmico vai muito bem; aro do volante tem indicação de parte superior, prática nos carros de rali

O banco do motorista também tem regulagem de altura. O pequeno e ovalado volante — 330 mm de altura por 350 mm de largura — tem grande variação de altura e distância. E essa amplitude é grande, mesmo, certamente para que o motorista ache logo sua posição ideal de dirigir e boa visualização dos instrumentos, que serão vistos por cima do volante. Gostei dessa disposição desde quando vi o primeiro 208 e nele sentei. Já para quem vai atrás a situação não é das melhores. Falta espaço, se a pessoa for medianamente alta.

Isso aqui, câmbio manual, ainda é o modo mais legal de guiar um esportivo

Isso aqui, câmbio manual, ainda é o modo mais legal de guiar um esportivo

Só rodei com álcool. Fez entre 8 e 9,5 km/l na estrada, dependendo do grau de diversão tomado. Na cidade fez entre 7 e 8 km/l, sendo que na cidade costumo rodar devagar e em giro baixo, situação em que esse motor também se dá muito bem, devido à tremenda elasticidade. A Peugeot não informa o consumo de combustível desta versão.

Preço: R$ 80.300. Caro? Se formos medir a relação custo-diversão ele estará muito bem posicionado no mercado. Mas o 208 GT oferece mais que diversão, oferece equipamentos apreciados hoje como assistente de partida em rampa, iluminação de curva até 40 km/h e DRL (para não precisar ligar farol baixo nas rodovias e tomar multa se esquecer), câmera de ré, central multimídia com navegador, espelhamento de celular na tela de 7″, rádio. MP3, Bluetooh. e a função Link MyPEUGEOT, um aplicativo gratuito para smarphones, tanto Android quanto iOS, pelo qual se pode monitorar consumo de combustível, continuar a navegação depois de estacionar e até localizar o carro, entre outras funções.

Fora itens de real comodidade como o ar-condicionado digital de duas zonas, sensor de obstáculos traseiro e dianteiro, sensores de chuva e crepuscular, controlador/limitador automático de velocidade, faróis e luz traseira de neblina, bolsas infláveis frontais, laterais e de cortina, e cintos de segurança e apoio de cabeça para todos os ocupantes.

Tudo isso num visual que diz a que o 208 GT veio.

AK

 

FICHA TÉCNICA PEUGEOT 208 GT
MOTOR
Denominação EP6CDTM, 1,6 THP flex
Tipo de motor, instalação Otto, arrefecido a líquido, transversal
Material do bloco/cabeçote Alumínio
Nº de cilindros e disposição Quatro, em linha
Diâmetro x curso 77 x 85,8 mm
Cilindrada 1.598 cm³
Taxa de compressão 10,2:1
Nº de comandos/localização Dois/cabeçote, variador de fase na admissão e escapamento
Acionamento dos comandos Corrente
Válvulas por cilindro/atuação Quatro/indireta por alavanca-dedo com compensação hidráulica da folga de válvula
Aspiração Forçada por turbocompressor de dupla voluta a 1,2 bar, interresfriador
Potência máxima 166 cv (G) e 173 cv (A), a 6.000 rpm
Torque máximo 24,5 m·kgf a 1.400 rpm (G e A)
Rotação-limite 6.500 rpm (corte sujo)
Formação de mistura Injeção direta
SISTEMA ELÉTRICO
Tensão/bateria/alternador 12 V / 60 A·h / 120 A
TRANSMISSÃO
Rodas motrizes Dianteiras
Tipo Transeixo manual de 6 marchas + ré
Relações das marchas 1ª 3,55:1; 2ª 1,92:1; 3ª 1,32:1; 4ª 1,03:1; 5ª 0,82:1; 6ª 0,68:1; ré 3,58:1
Relação de diferencial 3,56:1
Embreagem Monodisco a seco, acionamento hidráulico
SUSPENSÃO
Dianteira Independente, McPherson, braço triangular, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
Traseira Eixo de torção, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora integrada ao eixo
DIREÇÃO
Tipo Pinhão e cremalheira, assistência elétrica indexada à velocidade
Relação de direção n.d.
Diâmetro do volante 350 mm na horizontal/330 mm na vertical
Diâmetro mínimo de curva 10,4 metros
FREIOS
Dianteiros Disco ventilado Ø 283 mm
Traseiros Disco Ø 249 mm
Operação Servoassistência a vácuo, ABS, EBD e auxílio à frenagem
RODAS E PNEUS
Rodas Alumínio, 6Jx17
Pneus 205/50R17V, de baixo atrito de rolamento (Michelin Pilot Sport 3)
CONSTRUÇÃO
Tipo Monobloco em aço, hatchback 4-portas, 5 lugares; subchassi dianteiro
AERODINÂMICA
Coeficiente de arrasto (Cx) 0,33
Área frontal 2,09 m²
Área frontal corrigida 0,69 m²
DIMENSÕES EXTERNAS
Comprimento 3.975 mm
Largura 1.702 mm
Altura 1.472 mm
Distância entre eixos 2.541 mm
Bitola dianteira/traseira 1.475/1.470 mm
PESOS E CAPACIDADES
Peso em ordem de marcha 1.196 kg
Peso rebocável sem freio/com freio 400 kg
Capacidade do tanque 55 litros
Capacidade do porta-malas 285 litros/com banco rebatido 1.076 litros
DESEMPENHO
Aceleração 0-100 km/h 8 s (G) e 7,6 s (A)
Velocidade máxima 218 km/h (G) e 222 km/h (A)
CONSUMO DE COMBUSTÍVEL (ÁLCOOL, COMPUTADOR DE BORDO)
Cidade 7~8 km/l
Estrada 8~9,5 km/l
CÁLCULOS DE CÂMBIO
V/1000 em 6ª 46,5 km/h
Rotação a 120 km/h em 6ª 2,600 rpm
Rotação à velocidade máxima em 5ª 5.750 rpm
Alcance nas marchas (6.000 rpm) 1ª 53 km/h; 2ª 99 km/h; 3ª 144 km/h; 4ª 184 km/h
(1.163 visualizações, 1 hoje)