Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas KICKS, NA HORA CERTA – Autoentusiastas

A Nissan precisava mesmo de algo diferenciado para dar impulso às vendas no Brasil e diminuir a ociosidade da fábrica de Resende (RJ), até agora restrita ao March e ao Versa. A aposta nos SUVs compactos (em cincos anos o segmento passou de 2% para 10% do mercado), com o lançamento em 5 de agosto próximo do Kicks, veio com o produto certo, na hora certa. A marca tem pressa. Vai importar do México pelo menos 3.000 unidades/mês e o carro estará disponível primeiro aqui. No início de 2017 começa a produção brasileira.

O estilo marcantemente rebuscado de um verdadeiro crossover atrai, de fato, a atenção. A frente mostra uma grade cromada em V, faróis avantajados e “assinatura estilística” em LED (não é DRL). O desenho do teto em leve inclinação e a solução da coluna traseira lembram o Ranger Rover Evoque, muito bem aceito em todo o mundo. Na tampa traseira uma série de recortes acompanha o contorno das lanternas em forma de bumerangue. Coeficiente de forma aerodinâmica (Cx) de 0,34 está entre os melhores do segmento.

Arquitetura reforçada nos locais certos é a mesma do Versa, mas a distância entre-eixos de 2,61 m (1 cm a mais que o sedã) coincide com a do HR-V. Comprimento igual ao crossover da Honda, largura e altura também muito próximas, não deixam dúvida sobre o adversário-alvo. O interior do Kicks, porém, é mais ousado e moderno. Além da tela multimídia de 7 pol., traz como exclusividade no segmento o quadro de instrumentos totalmente digital com 12 configurações. Na versão de topo SL, única oferecida de início, parte do painel frontal revestida em couro (três cores disponíveis) busca certo refinamento, mas há ainda grandes áreas de plástico duro. O volante ajustável agora não “desaba” mais ao se soltar sua trava.

Entre outros recursos eletrônicos, destaca-se o sistema de visão de 360° por meio de quatro câmeras: traseira, frontal e duas sob os retrovisores externos, sem dispensar o sensor traseiro de obstáculos. O banco traseiro tem ótimo espaço para joelhos e cabeça. Há dois airbags frontais e quatro laterais. Volume do porta-malas, de 432 litros, também é muito bom (apenas 5 litros menos que o do HR-V).

O motor de 1,6 litro da linha March/Versa tem 114 cv (3 cv extras) com etanol ou gasolina e torque de 15,5 kgfm (0,4 a mais). Taxa de compressão de 10,7:1 poderia ser mais alta. Consumo recebeu nota A do Inmetro: 8,1 km/l na cidade e 9,6 km/l na estrada (etanol); 11,4 km/l e 13,7 km/l, respectivamente, com gasolina. Graças aos 1.142 kg de peso em ordem de marcha, o Kicks se desloca com alguma desenvoltura, mas o desempenho não é um ponto forte.

Seu câmbio CVT apresenta uma característica interessante. Quando o motorista pisa além da metade do curso do acelerador, o sistema simula passagem de marchas de automáticos convencionais. Apesar de trocas virtuais lentas, houve uma evolução em termos de sensações. Os bancos dianteiros oferecem conforto acima da média e o diâmetro de giro, de apenas 10,2 m, facilita as manobras de retorno e de estacionamento. Faz falta o freio de estacionamento eletrônico.

Preço desta versão completa é de R$ 89.990, cerca de 10% mais em conta que o HR-V de topo. A briga promete ser boa.

 

RODA VIVA

 

AINDA sem divulgação pela PSA, os motores turbo avançam na linha de médios-compactos. Citroën C4 Lounge, Peugeot 308 e 408, produzidos na Argentina, não são mais importados com motor aspirado de 2 litros. Agora, apenas o 1,6-L THP, turbo, mais potente e econômico. Todos de olho na média de consumo de frota do Inovar-Auto, a ser declarada em outubro próximo.

POTENCIAL de confusão ainda maior sobre a obrigatoriedade, incorreta no entender da Coluna, de ligar faróis comuns de dia em rodovias. Alguns modelos novos têm apenas “assinatura” em LED e não faróis DRL que são eficientes e estão “liberados” com a improvisação de sempre. Faróis de xênon, por exemplo, quase não têm utilidade de dia. Legisladores se perderam.

HYUNDAI HB20 de um litro com turbocompressor é um motor flex que, ao utilizar etanol, tem desempenho claramente superior. Uma pena não dispor de injeção direta de combustível, que dispensa assistência de partida com gasolina em dias mais frios. Torque máximo, também por isso um pouco menor, só surge com vigor acima de 2.500 rpm e aí impressiona bem.

PNEUS não param de evoluir, inclusive os de alto desempenho para aros de 17 e 18 pol. como o Pilot Sport 4, da Michelin. Em provas comparativas do instituto alemão TÜV SÜD esse modelo conseguiu distância de frenagem (80 km/h a 20 km/h) até 2 metros inferior em pista molhada e 1 metro menos no seco (100 km/h a 0 km/h) em relação à média de outros desse tipo.

EMBORA limitado às rodovias federais, a segunda edição do Atlas da Acidentalidade no Transporte Brasileiro é um trabalho de alto nível do fabricante de caminhões Volvo (independente da marca homônima de automóveis). Aponta os trechos mais perigosos, causas dos acidentes e os mais letais, além de tipos de veículos envolvidos.

FC

A coluna “Alta roda” é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.
  • Luís Carlos K.

    Apesar do preço absurdo de R$ 90 mil, que espero ser barateado após a nacionalização e com o lançamentos das outras versões, visto que essa SL é a topo de linha, eu considero o Kicks uma das melhores alternativas do segmento. Resta saber o preço das outras versões. Uma intermediária na casa dos R$ 75 mil, seria a melhor alternativa ao invés de Ecosport, Renegade e Duster. Juntamente com um motor mais forte, sem abandonar a economia, na versão topo de linha (poderia custar até R$ 100 mil) para brigar com HR-V. É o que mais se sente falta, um motor mais forte (apesar do 1.6 ser econômico e não chegar a ser fraco). Se a Nissan fizer isso eu aposto que receberá elogios e (principalmente) compradores.

    • Christian Govastki

      Nem sonhando… Não teve um modelo nacionalizado que não foi depenado e que o preço não foi da versão importada fora mantido.

  • João Carlos

    Estranho esse carro não vir com luz diurna.

    • Christian Govastki

      Nossos legisladores entendem que DRL não supre o mesmo papel do farol baixo durante o dia. Como disse, se fosse fabricante, eu não colocaria por dois motivos, 1 – Redução de custo e 2 – Possíveis ações emanadas de consumidores que usavam DRL nas estradas e foram multados.