Nissan mostrou seu próximo produto, o Kicks (foto acima). Segue o rito usual no processo: apresentação à imprensa, mídia sem custos; pausa para divulgação entre leitores; após, anúncios pagos e promoções. Até março será importado. Aí, quando iniciar ser produzido na fábrica de Resende, RJ, será o primeiro Nissan atualizado. March e Versa, atualmente lá feitos existiam há tempos. Por atualizado projeto inclui demandas de estilo, habitabilidade, uso de materiais para reduzir peso e aumento da rigidez estrutural, itens de segurança.

Vendas começam com o início dos Jogos Olímpicos — a Nissan é patrocinadora. Larga com veículos feitos no México — e estreando vendas no Brasil. Depois permeia ao mundo.

Lembrando

Foi exibido como conceito no Salão do Automóvel, São Paulo, 2014 e ali descrito como SAV — Sport Activity Vehicle. Termo, criado pela BMW, descreve veículos com habilidades superiores às de um automóvel, cara de pretensa disposição, entretanto sem tração total. Agora, entretanto, a Nissan mudou, dizendo-o crossover — misto de automóvel e station wagon. Rodar de automóvel, dimensionamento para enfrentar os desníveis e defeitos no piso urbano. Nesta miríade de siglas, fico com o acróstico criado pela Ford para seu projeto Amazon — o EcoSport. A companhia disse-o LUAV – Light Urban Adventure Vehicle – veículo leve para aventuras urbanas. É-me mais descritivo.

Entre um termo e outro, mesclando morfologias, a Nissan se apresenta como criadora dos crossover, assim tipificando Qashaqui, Muraro, X-Trail e Juke. O Kicks será o primeiro degrau nesta escala.

Por alto

Marca se assina por um “V” frontal. Coisa inexplicável — adquirentes do March pintam-no de preto e o carro melhora … Mais, tenta criar caminho próprio e particulizador num tempo de imposição pelos computadores de soluções ideais a todos os fabricantes, daí a similitude de linhas e a falta de personalidade de marcas. O Kicks consegue se diferenciar, com soluções mais rebuscadas ante um dos queridinhos do mercado e concorrente Honda HR-V, em especial pelo teto flutuante criada pelos vidros de grande área. Produto foi tratado como bloco único, daí ligações visuais entre elementos da frente à traseira e o realce pelas rodas em liga leve, aro 17” e para-choques pintados em preto fosco.

Mais atual dos produtos à venda no Brasil, além do estilo marcante, porta câmera 360 graus e detector de objetos em movimento, por quatro câmeras integradas. O interior tentativamente funcional e terminação em alto padrão intenta oferecer o melhor espaço da categoria, apesar da linha descendente do teto, lembrando o Land Rover Evoque, e a pretensão de sugerir a desempenho de um cupê. Painel evidencia tela colorida com 18 cm ao centro.

Dinamicamente utiliza o conceito de Mobilidade Inteligente, recursos de engenharia, manufatura e tecnologia focando equilíbrio entre desempenho e consumo, em paralelo aumento de segurança. Na prática, menor peso, aerodinâmica, motor moderno, 1,6 litro, 114 cv — embora em fim de vida e com substituição programada —, câmbio CVT eletrônico. Agrega adjutórios como o controle dinâmico de chassi; de curvas; de freio-motor, influindo na suspensão, freios e estabilidade. Estabilizador ativo da carroceria. O foco é proteger quem forma o conteúdo e dar boas sensações ao dirigir. Pacote moderno e atualmente único no segmento no Brasil.

Operacionalmente tem 200 mm de altura livre do solo — idêntica à da Kombi —, e capacidade de transposição de trechos alagados em 45 cm — parece, na fase de adequação ao país mediram algumas pequenas enchentes urbanas.

Em resumo

Atrevido em linhas, marcante, espaço interno bem administrado, bom tamanho urbano — 4,30 m, econômico, nível A pelo Inmetro. Ótimo conteúdo de tecnologia e segurança.

Tem peso político na Nissan — é produzido no México, mas de início apenas vendido no Brasil. Decisão impositiva mostra, a ordem de Carlos Ghosn, presidente mundial de Nissan-Mitsubishi-Renault para a Nissan ter com 5% do mercado, é para valer. Hoje mal cisca em 3%. Daí a solução tipo barriga-de-aluguel com o México. Visa disputar com Honda HR-V e Jeep Renegade, líderes, vendendo em torno de respectivos 6 mil e 5 mil unidades mensais. Nissan disse poder dispor de 3 mil exemplares ao mês, volume pouco superior ao obtido por Ford EcoSport e Renault Duster.

Inicialmente versão SL, topo de linha, a R$ 90 mil. Cara. Concorrente assemelhado, o HR-V, como todos os Honda com preço inexplicavelmente elevado, tem dimensões assemelhadas, câmbio para quem não gosta de dirigir, o sistema CVT de polias deslizantes, porém motor maior, 1,8 e 140 cv.

 

O City da Toyota

Fabricante japonesa administra os passos industriais para lançar, em dois anos, modelo intermediário entre o Etios sedã e o Corolla. Quer ocupar o espaço, como faz a Honda com o City, entre o Fit e o Civic. Sem nome definido, pode seguir tendência da marca em aproveitar denominação de outro produto, como faz no Brasil chamando Altis a versão de pico do Corolla. Lá fora é outro automóvel. Nesta lógica o produto pode se chamar Yaris.

Produto será baseado na plataforma do Etios sedã, adequada para receber carroceria mais comprida e mais larga, e empregará a arquitetura mecânica liderada por motor 4 cilindros, 1,5, 16V e 103 cv.

Produto assemelhado é o Vios, inspirador de linhas.

4 - Foto Legenda 02 coluna 3016 - Toyota

Novo sedã Toyota ficará entre o Etios e o Corolla (foto de divulgação)

 

Roda-a-Roda

Piração? – Atualmente os dois automóveis mais potentes em produção nos EUA são o Charger e o Challenger Hellcat, com briosos 707 hp — 717  cv — sobre plataforma já antiga, exigindo muita engenharia para torná-los dirigíveis.

Mais – Notícia mais recente, próxima geração terá plataforma do Alfa Giulia, recém-desenvolvida e com tração traseira, motor V-6, 3,0 e 512 cv. A FCA quer internacionalizá-la. Pela qualidade dinâmica novos Dodge terão potência elevada — uns dizem 750 hp — 760 cv —, outros 777. E tração total.

Negócio – Ferrari anunciou a acionistas bons números de atividade paralela, parques temáticos. Tem operação em Maranello e Abu-Dhabi; constrói em Barcelona; fez sociedade para implantar na China. Será negócio de franchise.

Caminho – Na trilha para atender às imposições legais de redução de consumo e emissões, fabricantes usam metais mais leves, ligas, e a Ford lidera caminho ao aplicar alumínio militar em seu produto mais vendido, o picape F150.

Mais – Jeep prepara nova geração do Wrangler com mesma fórmula, e GM adotará processo no seu topo de linha, o Cadillac CT6, seu primeiro a mesclar materiais. Será produzido nos EUA e na China. Plataforma com quase 2/3 em alumínio reduz peso em 100 kg. Fornecedor é canadense Novellis, líder mundial em laminação e reciclagem de alumínio.

Alemão – Audi R8 Spyder V10 teve pré-venda iniciada na Europa e aqui chegará até o final do ano. 5,2 litros, atmosférico, faz 540 cv e 55 m·kgf de torque. Acelera a 100 km/h em 3,6 s e atinge acima de 310 km/h.

Especial – Construção quase artesanal, plataforma mescla alumínio, e plástico reforçado com fibra de carbono; câmbio S tronic de duas embreagens, 7 marchas, tração nas 4 rodas. Tens R$ 1 milhão? É o preço projetado.

Motores – Expansão de mercado a veículos de grife, performance e preço induziu Porsche aplicar US$ 88M em nova fábrica de motores em Zuffenhausen, Alemanha. Apta a 200 unidades/dia faz V-8 4,0, twinturbo, 550 hp/557 cv. Também 4,0 diesel, 422 cv, para si e para o Audi SQ7.

Situação – Dentro da atual quadra econômica de contração de mercado, solução para chamar atenções do consumidor é fazer séries especiais — veículos com agregações de equipamentos e acessórios. Da Hyundai, Ocean nos HB20.

O que – Em 6.000 unidades, câmera de ré; grade frontal lembrando os Lexus; rodas diamantadas, bancos em couro. Trato vale para Hatch 1,0 e 1,6, e sedã 1,6. De quase R$ 50 mil a quase R$ 65 mil. Hyundai é marca coreana, mas produtos parecem japoneses da marca Takaro…

Prêmio – Desenho do picape Toro mereceu premiação internacional pelo Red Dot Design Award, um dos mais abrangentes e referenciais na especialidade. Recebeu-o pela equipe Peter Fassbender, diretor de design da FCA América Latina. Conformação estética, grupo óptico frontal, parecença com automóveis e porta traseira bipartida calçaram as diferenciações para a láurea.

Recorde – Paganani Logística, empresa goiana com 16 caminhões de potência acima de 350 cv, adotou filtros Fleetgard/Cummins. Surpreendeu-se obtendo 80 mil km de vida útil ante previsão do fabricante de máximos 60 mil km. Período esticado não é desídia confortável. Indicação de saturação por visor.

Atrás – O Pebble Beach Concours d’Élegance, visto como pico dos eventos de automóveis antigos, ampliou agenda: terá encontro, palestras e debates com pilotos famosos. No caso, os condutores dos míticos Ford GT 40.

Agenda – PB se ampliou nos últimos anos, incluindo pequeno salão de automóveis; test-drives com lançamentos; feira de automobilia. Mas a presença dos pilotos parece inspirada no feito há tempos pelo Amelia Island Concours d’Élegance, seu concorrente na Flórida.

Oportunidade – À venda espólio do colecionador Célio Ciari, médico em Jundiaí, SP, pioneiro no reunir Brasincas e Uirapurus. Dos raros brasileiros produzidos em circa sete dezenas, há versões conversível e SS. Ocasião única. Brasinca/Uirapuru, junto com os Willys Executivo, são formalmente os únicos Clássicos Brasileiros. O resto é papo. Thiago, (19) 99966-1696, zap.

5 - Foto Legenda 03 coluna 3016 - Brasincas Uirapurus

Brasincas/Uirapurus à venda em unidades

Gente – Oswaldo Barros, 82, alfista, passou. OOOO Ícone e referência em Alfa Romeo, dedicado exclusivamente há décadas, conhecia a teoria da prática. OOOO Assistia, preparava, competia, auxiliava com conhecimento enciclopédico em motores 2000/2150/2300. OOOO Por tudo, grande perda. OOOO Lyle Wallers, 51, novo presidente Ford América do Sul. OOOO Financista, vem para botar ordem e drenar e prejuízo de US$ 3M/dia. OOOO Steven Armstrong, inglês que passou três anos na função, sem se integrar ao país, transferido. OOOO Em dezembro Coluna 4915 antecipou troca.

 

O mítico Jeep faz 75 anos

6 - Foto Legenda 04 coluna 3016 - Jeep Wrangler

Jeep Wrangler decorado com seu antecessor, de 1941 (foto divulgação)

Dia 14 marcou o início da carreira de um dos mais míticos veículos do mundo, o Jeep. Em 1941, a Willys-Overland recebeu o primeiro pedido do governo dos EUA para produzi-lo, preparando-se para entrar na II Guerra Mundial.

Produto ímpar, projeto de Karl Probst, projetista contratado pela Bantam, pequena fábrica, então fechada, filial de marca inglesa, em apenas 18 horas. Olhou o que havia no mercado, pensou em modificações, reuniu componentes. Segundo passo, construiu-o do zero ao produto final em 44 dias! No capítulo, o governo dos EUA preocupou-se com a encomenda à Bantam, então fechada, única a cumprir o edital do Exército, abriu excepcionalidade à Willys e à Ford. Ao final, depurando o projeto, valeu o Willys MB, dividido com a Ford, o GPW. Dentre 637.000 Jeeps, Bantam BRC construiu imaginadas 2.000 unidades.

Outros marcos

Jeep criou o primeiro utilitário esportivo, a Rural; idem para o primeiro picape maleável com tração nas 4 rodas. Historicamente veículo definiu o surgimento das indústrias automobilísticas no Brasil e na Argentina; e pai e mãe de assemelhados mundo a fora. Do francês Hotchkiss ao indiano Mahindra e ao japonês Mitsubishi. Integra o acervo do MoMA, Museu de Arte Moderna de Nova York como exemplo de desenho limpo e funcional.

FCA, Fiat Chrysler Automobiles, atual dona da marca, homenageia a data produzindo unidade do seu produto Wrangler, tentando identidade ao mítico antecessor, apondo-lhe itens empregados no uso durante a II Guerra Mundial.

Pintado na cor Olive Drab, rodas em 16 polegadas com desenho lembrando as originais, pneus militares, releitura em retrovisores e estofamento, ganchos no para choque em forma de trilho, emblemas militares. Será utilizado mundialmente para o aniversário e, após, irá ao Museu do Jeep.

RN

A coluna “De carro por” aí é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.
(74 visualizações, 1 hoje)


  • Carlos Miguez – BH

    O freio do Nissan Kicks está comprovado que é muito bom !!
    https://www.facebook.com/jornalestacaonoticia/videos/1160856727298890/

  • Sergio

    Acho que com o tempo a Nissan vai ser igual Honda e Toyota, não? Pelo menos lá fora creio que seja assim, pelo menos nos EUA. Afinal, é também uma japonesa! Pelo menos sei que nos EUA vende-se bem o Sentra, o Altima, e algun(s) outro(s) que não me lembro agora.