Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas RETÍFICA DE MOTOR – Autoentusiastas

Recebi este vídeo que mostra o processo de retífica de um motor V-8 Ford flathead 8BA (lançado em 1932, foto de abertura, Henry Ford apresentando o motor), e achei que devia compartilhá-lo com o leitor ou leitora para verem como é o processo, que inclui desmontagem e montagem. Está em imagem corrida, mas dá para ver muito bem todas as fases do trabalho, que é belíssimo.

Boa “aula” neste último dia de outono!

BS



Sobre o Autor

Bob Sharp
Editor-Chefe

Um dos ícones do jornalismo especializado em veículos. Seu conhecimento sobre o mundo do automóvel é ímpar. História, técnica, fabricação, mercado, esporte; seja qual for o aspecto, sempre é proveitoso ler o que o Bob tem a dizer. Faz avaliações precisas e esclarecedoras de lançamentos, conta interessantes histórias vividas por ele, muitas delas nas pistas, já que foi um bem sucedido piloto profissional por 25 anos, e aborda questões quotidianas sobre o cidadão motorizado. É o editor-chefe e revisor das postagens de todos os editores.

  • Wendel Cerutti

    como diria o marco bianchi , maravilha o alberto !!!!!

  • Lucas Hernandes

    E segue ao final o link para o vídeo da retífica do Chevy V8 small-block, igualmente interessante de ver.

  • Acyr Junior

    Vídeo que edifica e entusiasma !!!
    O final da história bem que poderia ser a restauração, merecida, da pick-up.

  • smarca

    Muuuito interessante! Tenho uma dúvida, de fato, duas (uma delas é off-topic):
    1) Com o “rebaixamento” do cabeçote e “aumento” do diâmetro dos cilindros, uma retífica bem feita pode proporcionar um motor “melhor” do que quando original novo? Sei que são medidas micrométricas, mas enfim, sempre tive esta dúvida.
    2) Já dirigiu um Lobini H1? O que achou? O que pensa deste carro, digamos, purista?

  • Já tinha visto esse vídeo antes, mas mesmo assim vale a pena “perder” mais 6 minutos assistindo-o novamente. Me faz lembrar da retífica do Zetec do meu Focus, que tive a sorte de acompanhar boa parte do serviço de perto e aprender bastante sobre alguns componentes internos e sobre o trem de força do carro, descobrindo finalmente o que era o tão chamado Casquilho de biela e outras peças de nome estranho.

  • Brenno

    Talvez não atingiremos a perfeição. Mas podemos chegar perto…
    Uma gota de óleo acabou de escorrer.

  • Manoel Malafaia

    Espetacular… passei 6 minutos hipnotizado…

  • Ricardo Jr Xavier

    Outro vídeo espetacular deste tipo é esse sobre a retífica de um flat six porsche

  • Gustavo

    E o detalhe das válvulas junto ao bloco?! Interessante, até hoje só tinha ouvido falar!

    Obrigado Bob!

  • Claudio

    Ao concluir o serviço de reforma o motor parece que é zero quilometro. E o virabrequim cruzado e escapamento duplo provocam aquele ruido de escapamento que é inconfundível e inesquecível . Coisa para quem conhece e aprecia e… viveu.

  • Mr. Car

    Que beleza, Bob! E que trabalho! Se um dia precisar retificar um motor e me cobrarem “X”, vou pensar duas vezes antes de dizer “está caro”, he, he! E fiquei pensando: a própria camionete merecia uma restauração completa que a deixasse em estado de 0 Km.
    Abraço.

    • Fernando

      Mr. Car, acredito que a mão de obra em um serviço geral no motor é até bem barato, ainda mais se considerar que além do próprio suor do mecânico, por trás há diversas ferramentas caras e além de tudo isso, o ambiente que hoje também é bem caro (aluguel, e demais custos relativos à operação).

      Por isso que é para se desconfiar de retíficas a baixos preços, ainda mais com peças “sortidas” e que geralmente há pouco critério com o uso delas, já vi os bastidores disso e até me perguntei como alguns motores funcionam “bem” nessas condições, ainda que a garantia seja curta…

      Até a pintura no motor é algo muito legal e que havia nos GM nacionais e foi deixado de lado, mas fazendo um motor antigo é uma etapa muito legal.

  • Lucas

    UAU!! Show de bola. Coração novo para a velha pick-up. Ao final nem sei se desejo o mesmo do motor para a lata da pick-up ou se não ficou legal esse estilo roosty.
    E para o show não parar, ao final a sugestão de assistir o mesmo processo em um Chevy Small-Block.
    Bacana!

  • Paulo Roberto de Miguel

    Lindo mesmo!

  • Matheus Ulisses P.

    Vídeo fantástico!
    Acho o Flathead muito bonito! A cor laranja do bloco combina bem. Minha admiração por esse motor começou lá no natal de 97, quando ganhei una miniatura de uma F100 1953, escala 1:18 e riquíssimos detalhes!

  • Pércio Guimarães Schneider

    Muito bom. Pena que não foi feita a mesma recuperação no restante da pick-up

  • Fórmula Finesse

    Vamos atazanar o Bob com as palavras tabu: “Nossa, o bloco depois de montado parece zerinho km saído da caixa da montadora para equipar o calhambeque picape!” – rsrsrsr
    Já experimentou esse motor em versão original Bob?

  • Rodrigo Villarim

    Vídeos antológicos!

  • Zeitgeist, caro JT, Zeitgeist!

  • Luis Felipe, isso mesmo! Comigo foi igual.

  • Que diversão! Eu já ajudei meu pai, lá pelos idos dos anos sessenta, a montar pelo menos três motores em nossa própria garagem (desmontávamos, enviávamos para a retificadora e após montávamos nós mesmos, pois era bem mais barato em tempos de pouco dinheiro!) Fazíamos ainda o “assentamento” das válvulas manualmente. com uma ferramenta de madeira com duas ventosas de borracha, uma em cada extremidade, na qual movimentávamos as mesmas girando e batendo-as levemente contra a sede com o uso de uma pasta abrasiva…E assim varávamos algumas horas da noite, quando o pai chegava em casa depois do trabalho e após o jantar ficávamos no velho galpão dando forma de novo aos motores que desmanchamos…Foi assim com um Chevrolet Fleetmaster 39, um Austin A40 51 e o seu primeiro caminhão próprio, um Dodge 52 “seis parafusos” que, reformado de cabo a rabo, nem chegou a trabalhar, pois foi dado como entrada no seu primeiro Alfa Romeo D 9500 ano 1957. Posso garantir que a primeira partida do motor reformado assim produz bem mais que o sorriso do mecânico que ajustava o carburador no vídeo..É puro êxtase! Boas lembranças me vieram com este vídeo, Bob, e fazem nos perceber que o que somos nada mais é do que também o resultado de onde viemos… Tenho que agradecer mais esta ao meu velho pai, de vez em quando ele se culpa pelo que nos fez passar quando meninos ainda e eu posso garantir que não trocaria por nada este tempo!

    • Huttner, que belo relato!

    • RoadV8Runner

      Linda história!

  • Gustavo73

    Isso sim é arte. Muito melhor do que algumas coisas que têm aparecido com essa classificação atualmente.

  • m.n.a.

    legal !

    segue um link de um vídeo mais detalhado da parte “mecânica” da coisa…

    https://youtu.be/d4sNz6C5MAk

  • Fernando

    Que belo vídeo!

    É sempre um belo trabalho, e o tipo de coisa que se faz manualmente com a mesma qualidade ou é possível até mais, do que originalmente pelo feito em larga escala na fábrica.

    Acompanhei o meu avô fazendo alguns motores e tive a oportunidade de acompanhar e ajudar no que foi possível nos meus carros mais tarde e acho que é das pequenas coisas que nos dão muito prazer.

    E o ponto mais legal quem sabe seja justamente a primeira partida do motor após tudo isso!

  • RoadV8Runner

    Belíssimo vídeo, com uma boa escolha de música, que nos faz mergulhar no processo e nos deixa surpresos quando, de repente, acaba!

  • Lightness, vivendo e aprendendo. Aprendi mais uma, obrigado.

  • Christian Govastki

    Alexandre, como faço para fala com você para conversarmos sobre a conversão da minha Veraneio em V8?

  • Espetácular!!!

  • lightness RS

    Mas preto é a pior cor para se colocar num bloco de motor, nunca verá vazamentos.

    • lightness RS, eu me referia à tinta propriamente dita e não à aplicação dela no motor. Para qualquer aplicação, fora essa preta fosca de alta temperatura, as demais são muito frágeis. Esbarrou, riscou ou descascou.

      Por outro lado, o uso do preto em motores é bem interessante. Existe um fenômeno chamado “radiação do corpo negro” que diz que um corpo absolutamente negro é o que absorve e depois irradia energia térmica com perfeição.
      Todo mundo sabe que carro preto é o que mais esquenta debaixo do sol, mas poucos sabem que esse mesmo carro é o que esfria mais rápido na sombra.
      Motores motociclísticos, especialmente os de alto desempenho, são pintados de preto, porque isso facilita a irradiação do calor excessivo do motor, e isso é interessante.

  • Belford, desconheço esse fato.

  • Lorenzo, essa de Suvinil e Colorgin foi perfeita!

  • Claudio

    Acho que se baixasse o imposto de importação, o preço dos carros nacionais de preço médio para cima também baixariam de preço. Como consequência, aumentaria as vendas de carros nacionais com os benefícios resultantes de mais empregos e arrecadação de impostos. Este elevado imposto é um tiro no pé.

  • Eduardo, não necessariamente abri-lo antes de algumas providências. Deve-se antes de tudo tirar as velas e com um almotolia colocar um pouco de óleo nos cilindros. Depois, acionar a partida e ver se o motor gira solto. Se não girar ou girar pesado, aí é preciso desmontá-lo. Mas suponha que gire bem, solto. O próximo passo é trocar óleo ( não precisa todo o volume, chegando à marca inferior da vareta basta). Como óleo novo colocado, ainda sem pôr as velas, acione bastante o motor de partida para o óleo novo ser bombeado. Aproveite e esgote todo combustível e coloque novo, uns 10 litros. Acione mais o motor de partida (ainda sem velas) para a bomba de combustível funcionar e encher a tubulação de combustível e o carburador. Coloque as velas e dê partida. Se o motor não pegar, coloque um pouco de combustível diretamente na entrada do carburador (bem pouco mesmo, tipo meia xícara de café pequeno. Dê partida de novo, deve funcionar. Deixe-o cerca de 10 minutos funcionando, acelerando um pouco e tirando o pé. Observe o ponteiro do termômetro d’água se acusa temperatura normal ou se não acende a luz-testemunha da temperatura da água. Verifique se mangueira superior do radiador (a de entrada na caixa d’água do radiador) está aquecendo normalmente, sinal de que válvula termostática está aberta, dando passagem do cabeçote para o radiador. É por aí.

  • Alexandre Garcia

    Lorenzo,

    Depende do motor em questão.
    Se for um motor antigo, convencional como um AP, Opala ou V-8 americano velho, tudo a ver, imprescindível, ainda mais de for para performance e for usar pistões forjados.
    Se for por exemplo Alfa ou Marea, nenhum ganho porque o repuxo dos parafusos no bloco não deforma os cilindros, aí você não ganha nada, nem em motores com camisas removíveis como Corcel ou VW a ar.

  • Bera Silva, também achei aquilo o máximo!

  • Marcio, essencial não é, mas é bom usar água desmineralizada no sistema de arrefecimento, como é bom usar nitrogênio em vez de ar atmosférico no enchimento de pneus. Acho que você não precisa se preocupar com isso, como eu não me preocupo.

  • André Garcia, isso mesmo, você deu um bom exemplo!

  • Que bárbaro, Newton!

  • Christian Govastki

    Valeu, vou preparar o e-mail e te mando em seguida.