Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas EXTRA: MORRE O JORNALISTA MAHAR – Autoentusiastas

Faleceu hoje no Rio de Janeiro, onde nasceu e residia, vítima de complicações renais, o jornalista José Benedito Rezende de Ribeiro Filho, muito conhecido pelo singular apelido “Mahar”. Tinha 65 anos e era solteiro.

Sempre foi conhecido por sua invejável cultura automobilística, combinado com divertido jeito calmo e ao mesmo tempo irreverente. Deixa muitos amigos, entre eles este editor-chefe e diversos jornalistas da área.

Nos últimos dez anos tinha e conduzia o blog “Maharpress” (maharpress.blogspot.com.br), depois de mais 30 anos na imprensa escrita, com atuação em várias revistas e coluna em jornais, como a Revista da Moto! do Roberto Agresti, revista Manchete e outras (leia mais sobre sua carreira e personalidade na página principal de seu blog, link acima).

Vai-se um grande jornalista automobilístico, que tanto nos divertiu e nos ensinou.

R.I.P., velho amigo.

AE/BS

Nota: O funeral do Mahar será nesta sexta-feira (10/6) no Cemitério São João Batista, com velório começando às 11h00 na Capela 04 Real Grandeza e sepultamento às 15h30.



Sobre o Autor

Autoentusiastas

Guiado por valores como seriedade, diversidade, emoção e respeito aos leitores, desde 2008 o Autoentusiastas tem a missão de evoluir e se consolidar como um dos melhores sites sobre carros do Brasil. Seja bem-vindo! Pratique autoentusiasmo.

  • Edison Guerra

    Lamentável perda para o meio automobilístico. Visitava seu blog esporadicamente, que conheci anos atrás, indicado pelo Flávio Gomes. R.I.P. Mahar.

  • Mr. Car

    Putz! Vi o Mahar uma vez, em uma exposição de antigos, no Museu Militar Conde de Linhares. Estava conversando com outras pessoas, e fazendo piadas. Quase interrompi para lhe dizer que acompanhava seu blog. Triste notícia. R.I.P.

  • Opa, Rodrigo, vou acertar já. Me dê dois minutos.

  • RoadV8Runner

    Que coisa, não esperava ler uma notícia dessas. Infelizmente, uma grande pessoa que nos deixa. Meus sentimentos e que descanse em paz.

  • Sua vasta cultura não se limitava à automobilística, sobre a qual era uma enciclopédia ambulante. Manjava muito de jazz, de literatura, e sabe-se lá mais quais assuntos. Um cavalheiro com as mulheres e um imperdoável com os estúpidos, aos quais falava na cara o que não gostavam de ouvir. Grande cara! Sempre nos surpreendia com suas sacadas geniais. Tristeza.

  • André, que o Mahar descanse em paz realmente. Os últimos anos foram muito duros para ele. O diabetes levou à necessidade de amputar o pé esquerdo e parte inferior dessa perna, logicamente afetando-lhe a mobilidade. Só podia dirigir carros que não tivessem pedal de embreagem. Os danos da doença prosseguiram e atacaram seriamente sua visão, que ficou muito prejudicada. O problema renal acentuou-se cada vez mais, obrigando-o a três sessões semanais de hemodiálise que pela sua dificuldade de locomoção e morando sozinho, fê-lo descumpri-las muitas vezes. Para piorar, as assessorias de imprensa deixaram de convidá-lo para os eventos de lançamentos, produzindo-lhe grande depressão. Foi mesmo um final triste, mas que agora terminou. Ele finalmente descansará em paz e de onde quer que esteja acompanhará o trabalho dos seus colegas e o desenvolvimento desta máquina maravilhosa que era o seu altar, o automóvel.

  • Italo

    “Conheci” o Mestre Mahar ainda moleque, lendo a Motor3, desde então a admiração só aumentou.

    Mais triste que a morte dele é saber pelo Bob que as assessorias de imprensa o deixaram no ostracismo.

    • Tio Ítalo, como você e muitos leitores sabem, fui um dos dois gerentes de imprensa da GM durante quase quatro anos (5/97–10/2000). Já naquela época percebi má vontade do meu chefe para com o Mahar, talvez — aliás, com certeza — por ele ser um jornalista que entendia de automóvel. Por incrível que pareça, isso existe. Num determinado evento que vi que ele não estava lista de convidados. Para quê… armei uma bruta confusão com este meu chefe, mas por fim o Mahar acabou sendo convidado. Minha filosofia nesse tipo de trabalho é sempre respeitar o jornalista. Quando na Embraer, preparávamos a lista de convidados para ir a Paris para a Feira Aeronáutica de Le Bourget, a mais importante do mundo do setor, quando soubemos que um importante e competente jornalista aeronáutico americano havia saído da revista onde trabalhara muitos anos. Falei com meu chefe que deveríamos convidá-lo assim mesmo e dele obtive aprovação imediata. Pela resposta ao nosso e-mail-convite, o jornalista pareceu não acreditar no que estava acontecendo, receber tal convite da Embraer.
      Outro caso neste campo, ao contrário do acima, foi o editor-chefe de famoso site automobilístico de São Paulo ter sido demitido depois de convidado para um evento de lançamento no exterior. Ele, corretamente, era seu dever, avisou à fabricante que não estava mais trabalhando para o tal site — para, incrédulo, ouvir secamente do gerente de imprensa que “Nesse caso, você está desconvidado”.
      Com isso fica mais fácil entender a depressão do nosso amigo Mahar ao ser “esquecido” pelas fabricantes.

  • Um autoentusiastas dos mais sensíveis que conheci. Ele sempre me incentivou de maneira genuína tanto profissionalmente como na fotografia. E isso teve influência direta na concepção e criação do AE. Ele também compartilhava conhecimento e sensibilidade de maneira tranquila e sincera. No AE Classic há algumas matérias dele.

  • Mibson Fuly

    Fará muita falta.

  • Faço aqui minha singela homenagem ao Mahar e coloco um vídeo que gravei durante o ABC Old Cars, no dia 16/02/2013. Que ele descanse em PAZ.
    .
    https://youtu.be/KISA-MeNFiQ
    (331)
    .

  • BlueGopher, sei muito bem do que você está falando. Quando eu comandava competições na VW, tinha um monte de “amigos”. Foi eu sair da empresa para eles sumirem. Felizmente eu tinha consciência desse fato e isso não me abalou absolutamente, senão acho que não estaria aqui no AE com vocês.

    • Ricardo kobus

      Bob,
      que bom que o senhor não se abalou com isso, mas tem que se abalam e muito com isso.
      É triste como pessoas boas são tratadas como meros objetos.

  • Eduardo Palandi

    Uma perda enorme. Descanse em paz, mestre Mahar.

  • Thiago, toda essa gozação pesada que ele tinha a capacidade de promover entre amigos homens, o que nos fazia chorar de rir, sumia quando ele estava em companhia de mulheres. Daí ele virava, como disse, um cavalheiro. Sei bem disso porque quando eu estava junto de minha mulher e o encontrava ele era incapaz de besteirol pesado. Educadíssimo, um gentleman. Ponto pra ele.

    • Thiago A.B.

      Arnaldo, pois bem, agia como um legítimo gentleman deve se portar. Ou seja, por tudo isso, uma pessoa ímpar.

  • AlexandreZamariolli

    Levei um baque ao ler a notícia. Não o conheci pessoalmente, mas comentava esporadicamente no blog dele e gostava muito de seu estilo, tão denso de conhecimento quanto prazeroso na leitura. Que acelere forte nas autobahnen celestiais, sob as bênçãos da santa de sua devoção, Nossa Senhora da Combustão Interna, padroeira desta igreja onde comungamos todos os dias.

  • Leonardo Mendes

    Lembro de ter lido a respeito dele e de seus carros há uns anos atrás, acho que foi aqui mesmo… fui atrás do blog dele e me matei de rir com algumas de suas colocações.
    Evidentemente não o conheci em vida mas creio – a julgar pelos depoimentos – ter sido uma figura impar, daquelas de iluminar a escuridão só com a presença.

    Que descanse na paz do Senhor.

    • Leonardo, você certamente deve ter notado o tamanho exagerado do corpo das letras no blog dele: ele estava com a visão muito precária, era a maneira de ele enxergar.

  • Fernando

    Foi uma pena não conhecê-lo pessoalmente, mas por tudo que vi, foi uma pessoa que viveu bem e fez diversas contribuições para não ser esquecido. RIP

    • Fernando, você gostaria muito dele.

  • Leonardo, inclusive os erros de digitação eram frequentes. Por isso ele meu deu a senha para eu mesmo entrar no Maharpress e editar para corrigir, o que fiz muito.