Alguns fatos acontecem nos momentos certos. A apresentação do novo Sportage no Brasil ocorreu no mesmo dia em que a J.D. Power divulgou nos Estados Unidos o resultado da pesquisa sobre qualidade de veículos novos nos três primeiros meses de uso. E a Kia aparece em primeiro lugar, com menos defeitos por cada 100 unidades do que Porsche, Hyundai, Toyota e BMW, as cinco melhores marcas nessa medição. José Luiz Gandini, presidente da Kia do Brasil mostrou os ótimos dados da renomada e respeitada pesquisa, após a apresentação geral do novo carro, feita em conjunto com Ary Jorge, Diretor de Vendas.

A empresa tem restrição de quantidade de carros para importação e venda, já que não produzindo no Brasil, está penalizada pelas regras do programa Inovar-Auto. Como as restrições terminam no final deste ano, não há que se esperar excesso de oferta do modelo, que deverá ter um maior número de unidades chegando apenas a partir de janeiro de 2017.

Os modelos e preços, com os equipamentos de série, são os seguintes:

Sportage LX – Ar-condicionado, controle de velocidade de cruzeiro, rodas de liga leve aro 17 polegadas com pneus 225/60 R17, sistema de áudio com MP3/CD/USB/Bluetooth, volante multifuncional, faróis de neblina, câmera de ré, sensor de estacionamento, engates Isofix, sensor crepuscular e modos de condução: Eco, Normal e Sport. Preço R$ 109.990.

Sportage EX – Todos os itens da versão LX, mais ar-condicionado de duas zonas, bancos dianteiros com ajuste elétrico, entrada e partida sem uso de chave, volante com borboletas para troca de marcha, DRL a LED, rodas de liga leve maiores, com aro 19 polegadas montadas com pneus 245/45 R19, lanternas traseiras em LED,  bancos em couro, teto solar panorâmico, pedais com sapatas de aço inox, faróis de neblina em LED, bolsas infláveis laterais e de cortina, controles de tração e estabilidade, controle de descida, multimídia com DVD e GPS, sensor de chuva, assistente de tráfego lateral para auxiliar em estacionamentos e evitar pequenas batidas com veículos ou toques em pedestres, assistente de partida em rampa, assistente de frenagem e detector de ponto cego. Preço R$ 134.990.

DSC_8381

Versão LX tem rodas menores e farol de neblina simples

DSC_8377

O EX com as rodas maiores de fundo escuro, repetidoras de seta no retrovisor e faróis de neblina de LED, quádruplos

Os estepes são de uso normal, tanto roda de liga como  pneu, na mesma medida dos quatro rodantes, ponto muito positivo, alojado no porão do porta-malas sob a tampa do assoalho e que tem bastante espaço ao redor dele. Medido até o teto, são 828 litros de capacidade de bagagem com o banco na posição normal e 1.700 litros com eles  rebatidos parcialmente, item sempre muito bem-vindo. O encosto do banco traseiro tem regulagem de reclinação.

No interior, bancos de tecido na versão LX, apreciados por muitos  por serem menos frios no inverno e segurarem melhor o corpo em curvas. O painel de instrumentos e de portas tem desenho bastante agradável, e comandos simples e diretos, sem complicações. De se notar o topo do painel de instrumentos acolchoado, em uma material bastante similar ao toque à borracha, com textura agradável e sem brilhos em excesso. Fugindo dos desenhos de painel com volume enorme que invadem área do passageiro, este tem um volume ocupado bastante contido, colaborando no espaço para os ocupantes. O volante é padrão Kia, idêntico ao que já conhecíamos da Grand Carnival avaliada em março deste ano, e tem ótima pega e comunicação adequada com o a direção de assistência elétrica.

Dirigindo o carro na versão de topo, a EX, notei a falta da função de consumo e autonomia no computador de bordo, item comum hoje na maioria dos carros. O motorista precisa se acostumar a olhar o marcador de nível, como faz em veículos mais antigos, sempre prevendo abastecer antes de percorrer trajetos com poucos postos de abastecimento.

O espaço na frente é muito bom, e no banco traseiro, surpreendente. Apenas pessoas próxima a dois metros de altura poderão reclamar de algo, pois com 1,81 m fiquei quase que perdido lá atrás, tamanho o volume disponível para pernas e cabeça. Ótimo.

Isso se deve ao fato da nova carroceria ser maior que a anterior exceto na largura sem os espelhos, que permanece em 1.855 mm, com 30 mm a mais de entre-eixos, agora 2.670 mm. O comprimento total é de 4.480 mm e a altura, 1.655 mm. Embora não seja muito compacto, não são números exagerados, e dirigi-lo em trânsito pesado e apertado não será desafio enorme, já que a visibilidade é boa, mesmo tendo linha de cintura bastante alta. Só se requer adaptação de visibilidade junto à base da coluna dianteira, que é alta e em curvas de esquina e manobras esconde um pouco mais que o normal as guias e outros obstáculos baixos.

A aerodinâmica foi melhorada, com coeficiente de arrasto informado 0,33, ante 0,35 do anterior, uma grande melhora. Até mesmo a cortina de ar para diminuir o arrasto gerado pela roda dianteira está presente, com entrada de ar junto do farol de neblina e uma saída bem visível na caixa de roda.

kia_sportage_detalhe

Entrada de ar sob farol de neblina

IMG_5674

Saída de ar na caixa de roda

 

 

O desempenho é bom, observado em trânsito urbano leve e 60 km de estrada para esse evento de apresentação. O motor é comum nas duas versões, o 2-litros de quatro cilindros e 16 válvulas, flexível em combustível, com 156/167 cv a 6.200 rpm e 18,8/20,2 m·kgf a 4.700 rpm (G/A), tendo ainda comandos de válvulas variáveis. O câmbio é automático epicíclico de seis marchas que pode ser comandado manualmente pela alavanca ou pelas borboletas junto ao volante. Não tem a velocidade de troca de marchas de um robotizado de  dupla embreagem, mas está perfeitamente adequado ao uso do carro.

As suspensões, McPherson na dianteira e multibraço atrás, são confortáveis e proporcionam ótima estabilidade. A versão EX com pneus de perfil mais baixo que a EX, é um pouco mais dura nas pancadas em irregularidades do que a LX, que tem rodas 2 polegadas menores em diâmetro e perfil mais alto no pneu, melhorando a absorção.

Com 1.570 kg em ordem de marcha, pode ser carregado com até 480 kg, passageiros mais bagagem. O tanque tem 62 litros, e saberemos o consumo em uso normal quando recebermos uma unidade para avaliação “no uso”.

A tração é dianteira, sem versão de tração nas quatro rodas, denotando que o cliente típico do modelo no Brasil não faz uso da tração total, e a Kia optou por torná-lo um suve apenas para asfalto. Lembramos que  no início do modelo, em 1995, o primeiro Sportage era tração nas quatro rodas. Foi interessante poder ver as três gerações anteriores do modelo, mantidos pela Kia do Brasil. Os exemplares da primeira e segunda geração são zero-quilômetro e estão absolutamente perfeitos.

DSC_7746

Lado a lado, as quatro gerações, surpresa magnífica para entusiastas da história e evolução

A carroceria é totalmente nova, com aços de diferentes resistências de acordo com as solicitações, tanto de uso quanto de impacto para absorção de energia. Não há nenhum indício de torções indesejadas, as portas e tampas fecham de maneira suave e sólida, bem como a ausência de ruído de vento, que mostra um belo projeto e construção.

O Sportage 2017 deverá ampliar o sucesso do modelo, muito ajudado pelo estilo de criação do renomado Peter Schreyer, o designer alemão responsável por todos modelos Kia desde 2009.

JJ

(410 visualizações, 1 hoje)