Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas CITROËN ADVANCED COMFORT – Autoentusiastas

Amortecimento, estabilidade da carroceria, acústica, bancos, luminosidade, habitabilidade, ergonomia, modularidade. A Citroën apresenta o conceito que engloba os parâmetros que ajudam a definir o bem-estar que os passageiros sentem dentro de um carro. O programa “Citroën Advanced Comfort®” permite que a Citroën caracterize todas essas grandezas mensuráveis do conforto durante o desenvolvimento de seus modelos.

O programa  tem quatro objetivos:

  • Proteger os passageiros das perturbações externas, tanto aquelas vindas das suspensões quanto as acústicas.
  • Facilitar a vida a bordo graças a volumes generosos, porta-objetos práticos e um arranjo astucioso.
  • Racionalizar o uso do carro e de seus equipamentos graças a uma tecnologia intuitiva, assistências úteis no dia a dia e uma continuidade digital entre os passageiros e o carro.
  • Garantir a paz de espírito ajudando o motorista a dirigir, organizando as informações para exibir apenas aquelas realmente úteis e proporcionando um ambiente interno sereno.

Das diversas dimensões do conforto, o protótipo “Citroën Advanced Comfort® Lab” concentra-se na filtragem das irregularidades da estrada e agrupa as inovações da Citroën nesta área. Quando um carro passa sobre uma deformação do pavimento, o impacto desta perturbação é transmitido para os passageiros em três tempos, o primeiro sendo o trabalho da suspensão, seguido pela passagem de vibrações para a carroceria e finalmente nos bancos, que são a principal parte de contato dos passageiros.

O protótipo “Citroën Advanced Comfort® Lab’”, um modelo Cactus para demonstração, apresenta, portanto, três inovações, uma para cada um dos vetores, que permitirão reduzir as perturbações sentidas pelos passageiros e assim melhorar significativamente o conforto de rodagem. Suas tecnologias requereram o depósito de mais de 30 patentes, mas todas foram desenvolvidas para serem, econômica e industrialmente, aplicáveis a todos os veículos da linha Citroën.

Para a suspensões foi criado o batente hidráulico progressivo, que filtra de forma eficiente os impactos provenientes do solo. Seu princípio de funcionamento é simples, mas o resultado é impressionante. Enquanto uma suspensão convencional é composta por um amortecedor com batente hidráulico, uma mola e um batente mecânico, o sistema Citroën acrescenta dois batentes hidráulicos (um de expansão e um de compressão) de cada lado. A suspensão trabalha, assim, em dois tempos de acordo com as solicitações:

  • nas compressões e expansões leves, a mola e o amortecedor controlam conjuntamente os movimentos verticais sem ter que acionar os batentes hidráulicos. Mas a presença desses batentes permitiu que os engenheiros proporcionassem uma maior liberdade de movimento ao veículo, o que resulta num efeito de “tapete voador”, dando a sensação de que o carro está voando acima das deformações da estrada;
  • nas compressões e expansões importantes, a mola e o amortecedor trabalham juntos com o batente hidráulico de compressão ou de expansão, os quais retardam o movimento de forma gradativa, evitando assim as paradas súbitas de final do curso. Diferentemente de um batente mecânico clássico, que absorve a energia e restitui uma parte, o batente hidráulico absorve e dissipa esta energia. Não há assim nenhum fenômeno de ricocheteio.

Graças a essa solução técnica inovadora, os Citroën de amanhã oferecerão um conforto soberano, específico da marca e apreciado por seus clientes desde sempre. Vinte patentes foram depositadas no âmbito do desenvolvimento dessas novas suspensões.

_NZS9483

Batente hidráulico progressivo em corte, note as áreas em vermelho do lado direito da haste com furos de diâmetro que vão diminuindo para baixo

Para a carroceria, foi desenvolvida a colagem estrutural “por filetes descontínuos”, complementada por pontos de solda. Ganhou-se na rigidez da carroceria em cerca de 20%, o que ajuda a isolar os fenômenos de vibrações externas, que filtra melhor as vibrações transmitidas pelas condições de rodagem — e isso melhora o conforto. A segunda vantagem desta técnica de colagem é melhorar o desempenho da carroceria sem as portas, motor ou qualquer acessório, sem acrescentar nenhuma massa.

No conjunto de bancos, há uma combinação de espumas com durezas e texturas diferentes de acordo com a área do banco, tanto viscoelástica quanto com recortes, vazios e reentrâncias que auxiliem o  retorno sempre à condição de projeto após o uso por passageiros, seja apenas um ou vários em sequência.

99448ea3-e94c-4058-bbb1-9985f0510a33

Espumas tem recortes e densidades projetadas para mais conforto e adaptação ao corpo dos ocupantes.

JJ

 

 

 



Sobre o Autor

Juvenal Jorge
Editor Associado

Juvenal Jorge, ou JJ, como é chamado, é integrante do AE desde sua criação em 2008 e em 2016 passou a ser Editor Associado. É engenheiro automobilístico formado pela FEI, com mestrado em engenharia automobilística pela USP e pós-graduação em administração de negócios pela ESAN. Atuou como engenheiro e coordenador de projetos em várias empresas multinacionais. No AE é muito conhecido pelas matérias sobre aviões, que também são sua paixão, além de testes de veículos e edição de notícias diárias.

  • Matheus Ulisses P.

    Citroën fazendo “citroenzices”… Vê-la de volta com sua criatividade ímpar é muito bom!
    Estou aqui em grande torcida para ver um opulente sedã grande da DS, esbanjando todo requinte e distinção que só eles sabem fazer!
    Espero também um dia poder ao menos ver ao vivo um mítico SM em bom estado.

  • Palmas para a Citroën. Nossa coluna vertebral agradece.

  • AlexandreZamariolli

    No final do ano passado, surgiram os primeiros rumores de que a Citroën estaria trabalhando num novo conceito de suspensão, destinado a substituir sua tradicional hidropneumática (que consideravam ultrapassada…) a partir de 2017 e que não seria instalado nos DS e nos Peugeot – apenas nos Citroën.
    Aparentemente é essa, até porque sua prototipação num C4 Cactus corrobora a parte final da notícia.

  • André Stutz Soares

    Obrigado pelo depoimento, Glaucio! Vai se somando a outras experiências que tenho ouvido. Abraços!