Defronte à entrada principal do Hotel Tauá, no tapete vermelho, um prateado Mercedes 380 K Cabriolet B, recheado de cromados, rebrilhava a ponto de nos ofuscar. A letra K em seu nome significa que seu motor é superalimentado por um compressor. Esse cabriolet foi fabricado em 1933, ano em que Adolf Hitler foi eleito chanceler da Alemanha. Pois é, algumas ditaduras se valem da democracia para galgar o poder.

Ao seu lado, compartilhando do mesmo tapete vermelho, outro cabriolet, só que na cor vermelho vinho, um Mercedes 300 D Adenauer, de 1952. Seu nome de batismo é uma homenagem ao estadista Konrad Adenauer, primeiro chanceler alemão eleito após a guerra. Democrata, perseguido e preso pelos nazistas, foi libertado pelos Aliados. Eleito chanceler em 1949, reergueu economicamente a Alemanha, democratizou-a e inseriu-a no mundo livre. Mereceu, portanto, todas as gratidões e homenagens, inclusive essa que a Mercedes-Benz lhe fez.

Este ano o evento foi patrocinado pela Mercedes-Benz, portanto, nada mais lógico que haver dois dos mais importantes clássicos da marca em destaque.

DSC00545  BRAZIL CLASSICS SHOW 2016 - ARAXÁ-MG (COM VÍDEO) DSC00545

No tapete vermelho ao lado estava um Lincoln K Coupe Le Baron V-12, de 1933. Esse foi o ganhador do Prêmio Roberto Lee deste ano, prêmio esse dado ao automóvel mais significativo do evento. A Grande Depressão americana estourou em 1929, e esse enorme roadster, digno de um Grande Gatsby, pode parecer fora de sintonia com um país que passava por sua pior agrura econômica e social. Mas nem todos se lascam nessas situações e sempre haverá quem forneça aos sempre milionários os exagerados luxos de que necessitam.

Logo atrás do banco, junto ao estribo, há uma portinhola que abre o compartimento do saco de tacos de golfe. Seria imperdoável não ter como levá-lo condignamente. Enormes pneus faixa branca evidenciavam que na casa havia um chofer para limpá-los, escovando-os com espuma até que atingissem a alvura. Lavar faixas brancas de pneus é um serviço para serviçais. Se for para o proprietário limpá-las, o melhor é não tê-las, e isso serve para qualquer carro, ano ou modelo.

Este Bugatti tipo 57 foi o vencedor da edição passada  BRAZIL CLASSICS SHOW 2016 - ARAXÁ-MG (COM VÍDEO) DSC06207

Este Bugatti tipo 57 foi o vencedor da edição passada

Cada carro conta seu momento histórico. Basta que nos interessemos mais a fundo, que eles nos revelam o momento histórico que os produziu. O que a sociedade deseja, a indústria produz. Olhar os carros antigos, tanto pode ser um simples ato de admiração, como pode ser algo mais profundo, uma reflexão sobre a história; não só a história da evolução da tecnologia, mas a história das sociedades que os desejaram e absorveram.

Aqui o Adenauer. Ali a réplica do triciclo da corajosa Sra. Bertha  BRAZIL CLASSICS SHOW 2016 - ARAXÁ-MG (COM VÍDEO) DSC06208

Aqui o Adenauer; ali a réplica do triciclo da corajosa Sra. Bertha

No mesmo tapete do 380 K e do Adenauer uma réplica do primeiro Benz, e primeiro automóvel, produzido. Em 1888, com o original, cuja carroceria era um pouco diferente da exposta, Bertha, a esposa de Karl Benz, e dois de seus filhos fizeram uma viagem de 100 km para visitar a mãe; e isso sem que o marido soubesse. Lá chegando, mandou um telegrama a Karl avisando que estava tudo bem e que voltaria dali três dias, o que realmente ocorreu. Essa foi a primeira propaganda de automóvel, pois a repercussão dessa aventura foi enorme, já que até então nunca ninguém se arriscara a viajar com uma máquina esquisita dessas. Karl era um técnico circunspecto e Bertha, além de mulher corajosa, era uma boa vendedora.

Em 2006 a Mercedes-Benz fabricou 175 réplicas do modelo e uma é esta exposta. E ela funciona. O neto do dono, que coleciona modelos da marca, é um rapazote de uns 12 anos e é ele quem melhor a dirige, o que parece ser um tanto complicado, já que é um tal de abrir e fechar registros sem parar. O motor rende coisa de 1 cv quando tudo vai bem. É um instável triciclo, porque na certa desconheciam os princípios de Ackermann, que já eram usados em algumas carruagens.

Foto para o caro leitor quebrar a cabeça para descobrir seu funcionamento  BRAZIL CLASSICS SHOW 2016 - ARAXÁ-MG (COM VÍDEO) DSC06209

Foto para o caro leitor quebrar a cabeça para descobrir seu funcionamento

Sob condições ideais de bom piso roda à velocidade de um cavalo trotador comum, o que não devia entusiasmar os observadores de então, que, por ainda não estarem acostumados às máquinas e muito menos à velocidade com que evolui sua tecnologia, na certa achavam que o automóvel seria para sempre só aquilo. Seria interessante que um pó de pirilipimpim os trouxessem para hoje para darem uma voltinha no novo Mercedes GLE Coupé, como fiz em Araxá. Que carro moderno! Em breve teremos um no uso.

Mercedes GLE Coupé, um super suve  BRAZIL CLASSICS SHOW 2016 - ARAXÁ-MG (COM VÍDEO) DSC00542

Mercedes GLE Coupé, um super suve

O elegante conversível 280 SE, ano 1971, do nosso amigo, colunista e editor Boris Feldman, estava ali, merecidamente, entre esses “MB” clássicos. Carro chique. Ideal para passear com uma princesinha pela Riviera Francesa. Os 200 cv do motor de 3,5 litros é potência suficiente para não só passear, mas também para emocionar a mocinha. Faz o 0 a 100 km/h em 9,0 segundos e atinge 196 km/h. Lembro-me de um amigo que, décadas atrás, indo à Europa alugou um bom e veloz esportivo. Saiu todo poderoso. Logo na primeira serra foi ultrapassado por um 280 SE como esse, motor 3,5-litros, só que cupê. Lhe pareceu ser moleza pegá-lo e foi atrás. E nada de alcançá-lo, nada…, até que se esborrachou num barranco. O Mercedes deu ré e dele saiu um piloto de Fórmula 1 se desculpando por tê-lo provocado. As desculpas, claro, foram aceitas. Quem o mandou ser trouxa?

O carro do Boris  BRAZIL CLASSICS SHOW 2016 - ARAXÁ-MG (COM VÍDEO) DSC06212

O carro do Boris

E a coisa segue assim. Cada carro nos traz suas histórias. E como o evento contou com mais de 300 carros expostos, os 40 mil visitantes tiveram muito que olhar, e pensar.

Espero que o vídeo que segue leve o leitor para dar uma voltinha rápida pelo evento. Em breve mais dois vídeos, um em que demos uma boa volta no sanguíneo Fiat 124 Abarth Rallye do amigo Luíz César e outro da volta com o delicioso Alfa Romeo GT Veloce do nosso amigo e colunista Boris Feldman. Ambos os carros estavam expostos no Brazil Classics e depois de ver tantos carros bárbaros o caro leitor acha que eu iria aguentar sair dali sem dirigir umas belezuras dessas?

 

AK

Sobre o Autor

Arnaldo Keller
Editor de Testes

Arnaldo Keller: por anos colaborador da Quatro Rodas Clássicos e Car and Driver Brasil, sempre testando clássicos esportivos, sua cultura automobilística, tanto teórica quanto prática, é difícil de ser igualada. Seu interesse pela boa literatura o embasou a ter uma boa escrita, e com ela descreve as sensações de dirigir ou pilotar de maneira envolvente e emocionante, o que faz o leitor sentir-se dirigindo o carro avaliado. Também é o autor do livro “Um Corvette na noite e outros contos potentes” (Editora Alaúde).

Publicações Relacionadas

  • Matheus Ulisses P.

    Preciosidades e mais preciosidades!
    Não tive tempo de assistir o vídeo todo em meu horário de almoço. E esse Lincoln V12? Meu Deus, preciso assistir ele todo!!!
    Obrigado, AK!

  • Wendel Cerutti

    que beleza

  • Rafael Diniz

    Arnaldo, estive na feira no sábado à tarde e vi você acabando de entrar no 124 Abarth para sair para uma volta, no banco do passageiro. Fiquei doido pra gritá-lo e pedí-lo um autógrafo em minha camisa da alfa romeo brasil que acabara de comprar, porém como autoentusiasta percebia sua alegria no bólido italiano que preferi não incomodá-lo. Mais tarde ao sair da feira encontro com você chegando no “italianinho” vermelho com sorrisão no rosto. Aquele encontro foi muito bom. Parabéns novamente ao Bóris pela organização de um dos poucos eventos realmente familiares.

    • Rafael, pois deveria ter me chamado. É um grande prazer conhecer pessoalmente o amigo leitor. Logo ao sair do hotel peguei o volante do Abarth, claro. Logo mais o primo Paulo edita o vídeo e vamos postá-lo. Que carrinho do sangue quente! Eu queria mesmo é fazer um rali na neve com ele. Encanei com isso.

  • Fórmula Finesse

    “Brazil”…encontro nacional…ops! Deixa para lá. Que evento hein? E a tutela da Mercedes Benz só vêm a valorizar e enriquecer ainda mais esse lindíssimo museu a céu aberto. Grande cobertura amigo AK!

  • CorsarioViajante

    Incrível ver estes carros incríveis por aqui. Fico muito feliz de ver o evento, um dia ainda irei para Araxá, deve ser bem legal!

  • Arnaldo que beleza hein…Eu voltaria para casa com o Porsche 911 (modelo 912) na maior facilidade. O AE podia fazer um calendário com eventos hein?!?! Ahhh a foto dos fuscas não foi apenas para o Alexandre Gromow, um amigo meu tb é apaixonado por fuscas gostou bastante das fotos.

  • CorsarioViajante

    Ah! Esqueci de perguntar, este Hotel Tauá é bom? Pareceu bem bonito.

    • Excelente hotel. E tem piscina externa aquecida…

      • CorsarioViajante

        Obrigado ARnaldo!

  • Obrigado, Walter. Parece que não, mas deu trabalho.

  • Lucas

    Arnaldo, muito obrigado! Quanta boa foto, boas legendas e bom texto! Curioso é a 145 já ir virando clássico.. Abraço

    • Obrigado, Lucas, mas as melhores fotos foram tiradas pela minha mulher. Ela tem melhor olhar artístico que eu.

  • Belas obras de arte, de perder o ar!

  • JJ, é a cada dois anos. Ano que vem só se for pra tomar banho de lama radioativa…

  • CorsarioViajante

    Obrigado!

  • Vinicius Tavares

    Rapaz! Esse AK é uma enciclopédia ambulante! Parabéns e obrigado por disponibilizar esse rico conteúdo de forma gratuita!

  • Carlos A.

    Arnaldo, obrigado pela companhia em Araxá na quinta-feira final de tarde, e principalmente pelas aulas sobre os Alfa e as Mercedes clássicas, passamos um tempo ao lado da ‘asa de gaivota’ .Minha esposa e eu ficamos encantados com seus relatos e nos sentimos muito privilegiados nesse nosso (re)encontro depois de dezembro quando testamos a Oroch. A matéria está uma maravilha, tão rica em detalhes que surpreende até quem passou aqueles dias prestigiando o evento.

    • Eu é que agradeço, Carlos. Dessa nossa caminhada juntos na 5a feira foi que tirei a idéia de filmar assim, andando e falando meio rápido de um por um. Eu te disse isso na hora, essa de levar o espectador do mesmo jeito. O privilégio foi meu, tenha certeza disso. Obrigado e abraços.

      • Carlos A.

        Caro Arnaldo, lembro que nos perguntou se era interessante essa forma de apresentação dos carros, e de fato foi muito interessante e para nós um grande aprendizado, esperamos ter outra oportunidade de reencontrá-lo. Grande abraço!

  • bruno leandro

    Não é para contrariar, mas prefito o Pantera ao Mangusta, pelo em design, nunca andei em nenhum, a exposição foi top, estive lá por um dia todo, dia esse muito curto por sinal…

    • Bruno, se você os dirigir, é bem provável que mude de opinião.