Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas KICKS, O NOVO NISSAN – Autoentusiastas

Marca líder em utilitários esportivos em vários segmentos, Nissan chega ao primeiro degrau do mercado com o Kicks (foto acima), desenvolvido sobre a plataforma comum de March e Versa feitos no Brasil.

Prepara produção em Resende, RJ, mas para coincidir calendário dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro 2016, dos quais é patrocinadora da festa e equipe, trouxe unidades feitas no México para apresentação à imprensa e concessionários, e engatar no Revezamento da Tocha Olímpica.  Quer bem capitalizar com uma unidade acompanhando o percurso nacional da Tocha Olímpica — 380 cidades por 95 dias, acabando a maratona dia 5 de agosto na arena do Maracanã.

Um pouco

Nome gostoso, o Kicks segue o padrão dos utilitários esportivos da marca – grandes cortes nos painéis de chapa, superfícies com mudanças abruptas, grupos ópticos extensos. Caprichou num teto acupezado. Para diferenciá-lo — e tornar-se absorvido na concorrência com maiores, como o Honda HR-V, o Jeep Renegade — há incrementos eletrônicos, como o monitor com visão 360 graus e detector de movimento de objetos em torno do veículo.

Unidade vista, topo de linha, com revestimento em couro amarelado, largos pespontos, prolongamento elegante do console à tela do painel.

Fábrica não se pronunciou sobre motores, embora se saiba seja 1,6, 4 cilindros, 16 válvulas. Transmissão da unidade exposta era CVT, por polias variáveis.

Igualmente não esclareceu dúvida flutuando sobre o mercado: aliadas Renault e Nissan padronizarão motores? Hoje Nissan faz motores de 1,0 e 1,6. E a aliada Renault, também, de desenho mais antigo. Em novembro Renault lançará veículo assemelhado, sobre a mesma plataforma, e terá versão com novos motores: 1,0 de três cilindros e 1,6, de quatro. Fontes desta marca dizem ser de sua produção. Mas é crível, em ano de crise e retração de mercado cada uma com linha própria de motores?

De preços

É de se esperar cautela religiosa por José Luiz Valls, presidente executivo para a América Latina, e François Dossa, presidente da Nissan no Brasil. Que se acautelem contra os elogios, que mantenham a fé e o equilíbrio. Afinal, o Kicks se direciona aos mesmos clientes do líder Honda HR-V; do ex-líder Jeep Renegade; aos clientes do também ex-líder Ford EcoSport, e Renault Duster, e Peugeot 2008, todos com motores maiores. Que rezem para São Nicolau, protetor dos comerciantes, para contê-los no entusiasmo de impor preços iguais aos concorrentes. Caminho de sobrevivência para a Nissan estará em guardar qualidade, agrupar conteúdo, ser franciscana nos preços a partir da venda das unidades mexicanas, e o seguir com a produção local na virada do ano, Segredo está no preço — a empresa faz isto com o Sentra, de menor preço entre concorrentes.

Começou bem

Iniciativa de agregar o Kicks no patrocínio Nissan aos Jogos Olímpicos dar-lhe-á grande repercussão. Somado ao momento nacional de possível renovação governamental, do deter da queda econômica, de uma aragem de esperança, e ao fato de a indústria automobilística ser vista como retrato da economia, colherá resultado paralelo. Como diz François Dossa, o Kicks será visto como o marco da mudança do país.

Na Mercedes passado pauta futuro

Quem foi à festa de 60 anos da Mercedes-Benz no Brasil surpreendeu-se com formato, conteúdo, mensagem. Em ano de intensa punição às vendas de caminhões, em viva abrasão com sindicatos, aparentemente alheios à retração de 50% em produção, a festa teve orçamento contido e face objetiva: foi encontro de negócios, com presença de fornecedores e clientes.

A ideia, bem ajustada, foi mostrar o enorme salto tecnológico permitido pela informática, direcionada a economia operacional e segurança, existente em equipamentos como nos topo de linha de caminhões Actros e no luxuoso sedã Classe S. Empresa projetou de como será o caminhão 2025, com tecnologias hoje disponíveis — como o caminhão autônomo, capaz de sair e chegar dispensando ações do motorista — e em desenvolvimento.

Empresa tocará o ano de comemorações — a data oficial de inauguração é o 28 de setembro — com eventos vários e para públicos diversos.

Como disse Philipp Schiemer, chefe para a América Latina, em sua segunda residência no país, fluente na linguagem, conhecedor dos costumes, a Mercedes ouve o que as estradas falam — e adequa produtos às exigências. Hoje empresa tem veículos com capacidade de carga de 1 a 500 toneladas, automóveis para um passageiro, e ônibus articulados aptos a levar 200.

O caminhão do futuro é autônomo, tecnologia já disponível e com ela a Mercedes quer aplicar-se na produção até o final da década. Isto significa a operação perfeita e segura da máquina, com ganhos em segurança para os usuários da estrada, redução de consumo e emissões.

A festa mostra como o futuro chega rápido.

Foto Legenda 02 coluna 1916 - Mercedes caminhão 2025

Mercedes 60, movendo o futuro (Divulgação Mercedes-Benz)

 

Peru, um novo pequeno mercado

Brasil e Peru assinaram acordos comerciais de livre comércio para fomentar trocas de produtos sem imposto de importação. Mercado adicional, compras oficiais. Grosso modo, bases assemelhadas da operação Mercosul.

Ação faz parte dos esforços do ministro Armando Monteiro, de Desenvolvimento, Indústria e Comercio Exterior, um dos poucos a dar resultado palpável durante e no triste ocaso do governo Dilma PT. Papo de roda, no operacional, Brasil importará autopeças e aumentará a exportação de veículos prontos.

Mercado pequeno, em retração, Peru marcou recorde de consumo de veículos em 2013, quando vendeu domesticamente 201 mil unidades. Neste ano previsão é consumir 172 mil, e nele o fornecimento brasileiro, ora em 4%, praticamente dobrará superando os 7%, e sinalizando aumentar participação. Atualmente lá dominam marcas asiáticas, japonesas, coreanas e chinesas.

Dentre as fabricantes brasileiras Toyota tem rápida possibilidade de montar operação para exportar partes e montar o Etios no Peru, onde teve curiosa atividade: importava Toyotas usados, barrados na inspeção de segurança veicular japonesa, revisando-os e passando a direção e comandos, do lado direito, como se usa no Japão, para o esquerdo, caso da América do Sul. Vendas apenas para mercado interno e Paraguai.

Ricardo Bastos, diretor, informa, início será com envio do Etios, pronto.

Mercado pequeno, mas é a cara da situação atual, válidos todos os esforços para fomentar vendas — e manter fábricas e empregos aqui.

Foto Legenda 03 coluna 1916 Etios

Etios para o Peru (Divulgação Toyota)

 

RODA-A-RODA

Negócio – FCA, Fiat Chrysler Automobiles registrou lucro de € 528M entre os primeiros trimestres de 2015 e 2016. Número EBIT, pré-impostos. Dentre as marcas, Jeep cresceu mais, ampliando presença nos mercados dos EUA, Europa, Ásia-Pacífico e Brasil.

Acúmulo – Sergio Marchionne, executivo maior da FCA e presidente da Ferrari, mais trabalho. Incorporou ser executivo-chefe da Ferrari, onde é presidente. Substituiu Amedeo Felisa. Para quem lê o mercado, não havia necessidade de intervenção, ante crescimento com lucros nunca vistos, embora valor de suas ações, colocadas no mercado em 2015 vir caindo.

Foco – Entretanto a equipe de Fórmula 1 demanda atenções. Não oferece resultados proporcionais ao investimento. Questão é, tantas horas mensais Marchionne poderá dedicar à Ferrari entre a dúzia de lugares que ocupa nas empresas do grupo?  Felisa, veterano, será como consultor, forma universal de mantê-lo fiel à marca, dissolver tentações de comentar futuro dos produtos.

Amarok – Primeira grande revisão no picape Amarok ocorrerá no segundo semestre: grade e faróis, rodas 20”, painel de instrumentos, arranjos internos. Mudança maior, opção de motor V6 3 litros, potência de 230 cv e torque proporcional à atual versão 2,0 — 50% maior.

Q3 – Audi iniciou vender seu carro de maior sucesso no mercado nacional, o SUV Q3. Construído na fábrica de São José dos Pinhais, PR. Mecânica padrão, 1,4 litro, 16 válvulas, 150 cv, 25,5 m·kgf de torque, câmbio por dupla embreagem e 6 marchas. Ágil, diz fábrica, cumpre da imobilidade aos 100 km/h em 8,9 s, e atinge reais 204 km/h. Apenas tração dianteira.

Versões – Attraction, de entrada, R$ 142.990 e Ambiente, R$ 153.990. Acima, pacote conforto a R$ 9.500 adicionando operação elétrica da tampa traseira, pacote de iluminação e teto solar. Versão de topo, Ambition, segundo semestre.

Luxo – BMW Brasil iniciará vender seu sedã topo de linha, o Série 7, a partir do próximo mês. Apelo do novo modelo, calcado nas conquistas tecnológica do concorrente Mercedes Classe S é a modernização do luxo.

Limpeza – Chery submeteu o motor 1-litro, 3-cilindros, do modelo QQ, iniciando ser produzido no Brasil — lançamento na 2ª quinzena —, ao Inmetro obtendo Nota AA no selo Conpet de eficiência energética na categoria Microcompacto.

Também – Pelo Inmetro/Conpet, dentre os 796 veículos avaliados, em Peugeot 208 com novo motor 1,2, 3 cilindros, dito Puretech, é o compacto mais econômico com gasálcool, álcool, cidade, estrada. Primeiro após os híbridos.

Multi – MAN Latin America, fabricante no Brasil de caminhões MAN e Volkswagen exportará partes para a montagem local dos modelos Worker.

Caminho – Projeta 400 unidades mensais, mas ao portar orgulho africano deve ampliar o mercado. Com México MAN tem operação maior, exportando partes, montando 10 modelos diferentes de caminhões e ônibus.

Política – Funcionários da Mercedes-Benz fizeram greve 2ª feira contra demissão de funcionários em licença. Vendas de caminhões caíram 50% e não há conta que feche sem corte proporcional de mão de obra. Fábrica gostou: sem trabalho não há produção adicional para aumentar o estoque não vendido.

Moto – BMW confirmou furo da Coluna semana passada, ter fábrica própria em Manaus. Junto informou novo produto, a G 310 R, roadster, monocilíndrica, 4 válvulas, injeção de combustível, lançada ano passado.

Mais – 34 cv de potência, torque de 2,85 m·kgf , 158 kg, freios a disco, jeito de esportiva de maior porte. Com ela a BMW quer fazer 10 mil unidades dentre os nove modelos a montar em 2017. Curiosidade, na origem modelo é indiano, de onde virão as peças para montá-la.

Foto Legenda 04 coluna 1916 - BMW 310 R

BMW G 310 R, indo-manauara (Divulgação BMW Motorrad)

 

Ecologia – Ford divulgou reciclar em torno de 100 mil toneladas/ano de sucata de alumínio nos EUA para fazer caçamba e partes do seu picape mais vendido, o F 150. É corajosa proposta de substituir chapa de aço por alumínio em padrão militar, para melhor consumo e menor poluição.

Resumo – Na pratica reduziu 300 kg e aumentou capacidade de carga em 240 kg. Reciclagem para alumínio militar reduz em 95% as emissões do processo.

Oportunidade – Ford local deveria se candidatar a fornecer. Brasil tem o maior percentual mundial de reciclagem de alumínio, liderada por cooperativas. Atividade, além de aumentar exportações brasileiras, teria cunho social.

Antigos – No projeto de renovação de frota para dinamizar negócios, sugere-se taxas crescentes de licenciamento dos antigos, para torná-los inviáveis, fomentando troca.

História – Kiko, civilmente o Dr. Francisco Malzoni, filho do lendário Rino, Dr. Genaro Malzoni, deu passo importante na preservação das histórias corretas na memória do pioneiro carrozziere brasileiro. Rino teve a coragem de modificar veículos, dando origem à Puma, e depois a empresa com seu nome de família, associado ao herdeiro.

No ar – Há anos Kiko convenceu o jornalista Jorge Meditsch a escrever a história de Malzoni, e agora, para encerrar tantos desencontros surgidos pela internet, e servir como base faticamente correta, criou sítio: www.malzoni.com

HistóriaReality showEscola de Pilotos”, 13 episódios, mostrará face do automobilismo de competição focando na família Piedade. Escola de Pilotagem, produção de itens para carros de corrida, participação nas provas, tudo a envolve e colaboradores.

Aula – A quem gosta e aos desconhecedores das múltiplas facetas do negócio. Terças, 21h no canal +Globosat (34 na Sky e 44 na Net). Reprise quartas, 12h.

Problema – A superioridade dos motores Mercedes-Benz na Fórmula 1 — além da equipe e carros bem acertados, o sistema turbo em seus motores é exclusivo e imbatível em rendimento — acaba com a competitividade no setor.

E? – Mesmice dos resultados reduz interesse na temporada, pois a distância aberta pela marca encerra o campeonato antes do final. Alguma mudança regimental surgirá.

Retífica RN – Coluna passada ao comentar a operação montagem realizada pela Dafra na área da Suframa, listou a marca KTM como holandesa. Derrapou. É austríaca, bem lembrou leitor Rodrigo Moraes.

Araxá – Mais elegante dos encontros nacionais de veículos antigos, Araxá, MG, 25 a 29 de maio, superou as 200 inscrições e nem todas as opções de hospedagem são disponíveis.

Leilão será conduzido por Maurício Marx, do ramo. Patrocínio mudou. A CBM, de metais, é a principal, seguida pela Mercedes-Benz.

… – 2 – Og Pozzoli, 85, antigomobilista, único remanescente do trio implantador da atividade no Brasil, refeito. Tanto, prepara-se para ir a Araxá, dirigindo.

Antigos – Škoda 1000 MBX, da então Checoslováquia, foi o sedã com motor de 1 litro mais eficaz da sua época. Fez história nos anos ’60 pelo ótimo espaço interno e linhas diferenciadas, atração no Salão de Genebra de 1966. Completa 50 anos agora, como lembra o competente jornalista Fábio Amorim no bem informado portal www.acelerandoporai.com.br Mais? http://www.acelerandoporai.com.br/destaque-principal/maravilha-da-tchecoslovaquia-skoda-1000-mbx-completa-50-anos

GentePhilipp Schiemer, presidente da Mercedes-Benz Brasil, hobby. OOOO Antigomobilismo. OOOO Começa bem: 280 SL, para os do ramo o tipo W113, no Brasil dito Pagoda. OOOO Quer estreá-lo no grande Encontro de Antigos em Araxá, MG, 25 a 29 maio. OOOO Arrisca-se a prêmio. Mercedes tem excepcional oficina para manutenção de novos e antigos. OOOO Carlos Barba, mexicano, diretor de design da GM no Brasil, retirou-se, mas continuará morando aqui. OOOO É um talento. Dele algumas gerações de produtos, parecendo novos, desenvolvidas sobre plataformas e com motores superados. OOOO Fonte da marca disse ter sido decisão própria, nada a ver com o encolhimento de vendas e pessoal na empresa. OOOO

RN

A coluna “De carro por aí” é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.


Sobre o Autor

Roberto Nasser
Coluna: De carro por aí

Um dos mais antigos jornalistas de veículos brasileiros, dono de uma perspicácia incomum para enveredar pelos bastidores da indústria automobilística, além de ser advogado. Uma de suas realizações mais importantes é o Museu Nacional do Automóvel, em Brasília, verdadeiro centro de cultura automobilística.

  • Kar Yo

    Até porque muitos carros velhos na periferia não tem documentação em ordem. Ou seja, o preço do IPVA não faz a menor diferença.

  • Filipe W

    Olá Corsário, exatamente como também penso.
    Muitos acham é só comprar um carro novo com etiqueta do Inmetro para ser “ecológico”.
    Não percebem que a utilização dessa maneira totalmente consumista, é muito mais perniciosa.
    Um carro antigo bem conservado e com manutenção em dia, é muito mais “verde” do que se imagina.