Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas FIAT LINEA ABSOLUTE COM CÂMBIO DUALOGIC PLUS, NO USO – Autoentusiastas

Há dois anos testei, no uso, o Fiat Linea Absolute com o câmbio Dualogic Plus e me veio uma curiosidade: como estará esse câmbio robotizado monoembreagem para qual muitos torcem o nariz? Como eu suspeitava, constatei que esse sistema robotizado Marelli evoluiu bastante . Ou seja, fica evidente que há uma constante evolução por parte do fornecedor e fabricante do sistema e fabricante do veículo.

Após alguns dias de trânsito na cidade e uma boa viajada ficou nítida a melhora do seu funcionamento. As trocas estão mais suaves, a ponto de não haver mais motivo algum para reclamação quanto às antigas “cabeçadas”, motivadas por uma breve interrupção da aceleração durante as trocas de marcha, como se ao dirigir com câmbio manual demorássemos muito para concluir a troca para a marcha seguinte.

Quem quiser ter um carro sem pedal de embreagem e que não requeira ficar movimentando uma alavanca, pode pensar sem medo nesse câmbio Dualogic Plus de trocas automáticas e que permite operação manual perfeita.

Carro ágil, leve de guiar

Carro ágil, leve de guiar

Uma das características Linea que me agradam é justamente aquilo que foi objeto de críticas ao ser lançado em setembro de 2008: seu visual estreito, inesperado num sedã de 2.603 mm de entre-eixos, embora sua largura seja “culpa” do modelo do qual derivou, o Punto, um hatchback compacto. O mesmo aconteceu quando o Vectra foi descontinuado em março de 2005 e “ressuscitado” em outubro do mesmo ano, só que era um Astra com nome Vectra. Ambos, Linea e Vectra, ficaram com um jeito espichado.

De qualquer maneira, essa estreiteza do Linea, embora não seja uma diferença tão grande, por exemplo, para um Civic de 1.755 mm de largura (Linea, 1.730 mm), faz dele um carro fácil de guiar no trânsito, acha-se os “buracos” entre carros mais facilmente. Sua comparativa estreiteza, porém, não impede que ofereça amplo espaço e conforto para todos os ocupantes, desde que no banco de trás viajem somente dois adultos, mesmo eles tendo pernas longas. Quatro adultos, portanto, viajam muito bem.

E vale lembrar que os de trás têm a seu dispor uma conveniente saída de ar-condicionado, que neste frio que vem fazendo pode virar um reconfortante ar quente. Para o conforto de todos também há a macia suspensão. É macia, porém firme, ou seja, um ótimo acerto que agrada a todos, desde o motorista que quer um carro ágil, rápido de reações, ao passageiro que não quer ser incomodado por uma suspensão indelicada. Agrada também o isolamento acústico do trabalho da suspensão, assim como a sensação de robustez que passa.

Muito bom para viajar, o Linea agrada a todos a bordo

Muito bom para viajar, o Linea agrada a todos a bordo; o visual 6-janelas é agradável

Ele foi erguido; pouco, mas foi. Porém a Fiat tem conseguido anular os inconvenientes dessa prática. Daí que o Linea é muito estável, tanto em curvas de baixa quanto de alta. A tocada do carro fica com um gostinho de carro italiano, um pouco de Alfa Romeo. Vale lembrar que a versão Absolute vem com pneus 205/50R17, o que o deixa com reações mais rápidas que o Essence, que vem com os 195/65R15. Apesar do perfil baixo dos pneus do Absolute, não há aspereza no rodar.

O volante poderia abaixar mais um pouco

O volante poderia abaixar mais um pouco

O motor 1,8 16v E.torQ é elástico e proporciona desempenho que satisfaz bastante. Desenvolve 132 cv a 5.250 rpm e 18,9 m·kgf a 4.500 rpm (álcool). Com gasolina, 130 cv e 18,4 m·kgf, às mesmas rotações que com álcool, o que, segundo a Fiat, o leva a 100 km/h em 9,9 segundos e à máxima de 192 km/h (c0m gasolina, 10,3 s e 190 km/h, com gasolina). Bons números, portanto. Acelera muito bem e na estrada, pista simples, faz ultrapassagens com rapidez. Esse mesmo motor com só 5/7 cv (G/A) a mais dá conta de uma picape cabine dupla, a Toro, que pesa 300 kg mais, portanto, isso deve bastar para que não haja dúvidas quanto ao bom desempenho do Linea.

Em relação a consumo, fez, com álcool, de 6,5 a 7,5 km/l na cidade, segundo o computador de bordo, e na estrada fez de 8,8 a 9,5 km/l. Não é um espetáculo em economia, mas está longe de poder ser considerado gastador, como já ouvi por aí. Acho que na estrada seu comportamento geral nos convida a uma tocada mais forte, mais italiana — ao menos a mim — e isso, claro, faz consumir mais.

Como referência, o consumo pelo Inmetro/PBE, com álcool, é 6,7 e 8 km/l (cidade e estrada),  e com gasolina, 10 e 12 km/l, idem.

O tanque é de 60 litros, uma capacidade excelente, o que dá boa autonomia. Na estrada, a 120 km/h reais o giro segue a 3.700 rpm (v/1000 32,8 km/h), o que é um pouco elevado diante da potência disponível, mas não chega a incomodar tanto, já que o motor está bem isolado e seu funcionamento é suave e silencioso. Seu ronco é dos bons, um pouco gutural, italiano. Mas é mesmo curto, tanto que a 192 km/h o motor está 5.850 rpm, 600 rpm acima da rotação de potência máxima — uma sexta marcha que resultasse numa v/1000 de 40 km/h seria um presente dos deuses, em que se poderia cruzar a 120 km/h a 3.000 rpm. Até assim, com uma hipotética 6ª marcha, ele continuaria com boa resposta ao acelerador mesmo sem reduzir marcha.

Motor 1.8 16v E. torQ rende 132 cv a 5.250rpm (álcool)

Motor 1,8 16v E.torQ de 132 cv a 5.250 rpm (álcool)

O volante tem regulagem de altura, mas não abaixa o suficiente para que fique na posição que ideal para mim. Na Toro a Fiat saiu fora dessa característica comum a todos os seus outros modelos. Bem que poderiam adotar a ergonomia de volante da Toro como padrão. Como bem diz o Bob, a gente acaba por se acostumar, e nisso ele tem razão, mesmo porque não é nada demais, mas eu ainda prefiro me sentar ao volante sentindo que “o carro foi feito p’ra mim”.

Regulagem milimétrica do encosto do banco. Todos deveriam ser assim

Regulagem milimétrica do encosto do banco pelo botão giratório, todos deveriam ser assim

O encosto dos bancos dianteiros tem regulagem de inclinação feita por botão giratório, o que acho perfeito, pois o acerto fica milimétrico; o do motorista tem também regulagem de altura. E os cintos de segurança dianteiros têm ajuste de altura de sua ancoragem. O apoio de braço, acolchoado, tanto fica na vertical, sumindo entre os encostos e assim sai do caminho de nosso cotovelo quando na troca de marchas (câmbio manual), quanto fica em diferentes ângulos próximos da horizontal. Todos os carros deveriam adotar esse sistema. Simples, prático e barato, ou seja, perfeito.

O porta-malas tem 500 litros e o banco traseiro rebate o encosto de forma bipartida. Cabe muita coisa. Mesmo ele carregado, pouco ou nada isso afeta o comportamento do carro. Carregado, não se sente uma traseira pesada, oscilante. Nada disso. Muito bom acerto, como já disse.

Porta-malas de 500 litros e encosto rebate

Porta-malas de 500 litros, com as cada vez mais raras dobradiças pantográficas, e molas a gás, não está nem aí para o subwoofer; encosto do banco traseiro é dividido 60/40 e fica plano quando rebatido

Usando o Dualogic Plus

O Dualogic Plus, estando no modo Normal e na cidade, onde se costuma andar tranquilo, com pouca aceleração, troca marchas a ao redor de 2.100 rpm. Acelerando fundo, ele as troca a 5.500 rpm. No modo S e com pouca aceleração ele troca a 2.800 rpm. Pisando fundo, 6.000 rpm. No modo manual ele leva o giro até a 6.200 rpm, quando vem o corte. Pelo comportamento geral do câmbio, adotei os seguintes costumes: na cidade, modo Normal. Nas estradas de pista dupla, Normal. Nas de pista simples, que requerem acelerações mais rápidas e maior potência para as ultrapassagens, modo S. Nas descidas de serra, modo S, com eventuais ajudas nas borboletas, já que o câmbio sempre aceita intervenções desde que não façam ultrapassar o limite de giro do motor ou que a marcha pedida seja longa demais. Nas estradas cheias de curvas, modo S, também com eventuais borboleteadas. Por fim, imagino que só num track day usaria o modo manual. No modo S ele é mais rigoroso nas seguradas de marcha. No modo Normal ele as solta com mais facilidade. Está certo. Esportividade em um e suavidade noutro.

DSC05060

Nas trocas manuais pela alavanca sobe marcha nos toques para trás

No modo S ou no manual o acelerador fica mais rápido, mais nervoso, ou seja, com o mesmo curso ele dá maior aceleração. Nas reduções há a equalização do giro do motor com o da marcha a ser engatada com perfeição, sem trancos.  Uma vez no modo manual e em S ele não reduz ou sobe marcha. Obedece e boa. Só baixa marcha quando atingimos baixíssima velocidade, quanto então ele coloca 1ª ou 2ª. E só. Ele tem creeping, que é quando ao tirar o pé do freio ele logo passa a se deslocar lentamente, mesmo em marcha-lenta, o que é perfeito para manobras. E uma vez colocado modo S, assim ele fica, mesmo após o carro ser desligado e religado. Só volta ao Normal se comandado.

Conforto

Conforto, e a faixa degradê no para-brisa não foi esquecida

Os freios são muito bons, potentes e com boa modulação. Todos a disco, dianteiros ventilados. Não há controle de tração nem de estabilidade, e, sinceramente, não vi nenhuma necessidade disso.  Mesmo durante as manobras mais radicais, em que o provoquei para valer, ele mostrou boas maneira e controle perfeito. A assistência de direção é hidráulica e sua ação é regressiva com a velocidade indiretamente, depende da rotação do motor. Nada de leve demais, nem pesada. Boa. Os instrumentos, todos, são bem legíveis, embora requeiram iluminação mesmo de dia.

Mostradores requerem luz,mesmo de dia

Instrumentos requerem iluminaçã0 mesmo de dia

Bom, mas e daí? Dentro da minha visão e do AE o Linea é um bom sedã, tem vários atributos, só que não vende. Não figura nem entre os 50 carros mais vendidos. Por que será? Preço? Pode ser.

O de “entrada”, Essence, sai por R$ 64.890, mas vai a R$  74.328 se forem pedidos os opcionais Kit Emotion Plus (descansa-braço central dianteiro com porta-objetos, bancos revestidos parcialmente em couro, detalhes do interno em preto brilhante nas maçanetas e alavanca do câmbio (quando Dualogic Plus), iluminação interna com efeito night design, luzes de leitura dianteiras (com foco, lentes fumê e bordas cromadas), painel frontal e das portas na cor bege Sand + aplique nas portas na cor Cobre, rodas de liga leve 6,5 x 16 com pneus 205/50 R17, saída de ar para o banco traseiro, R$ 5.220), Kit Uconnect Premium (câmera de ré e Uconnect Touch Nav 5″, R$ 2.642), R$ 1.576 pelas três cores metálicas. Se tiver câmbio Dualogic Plus com borboletas, mais R$ 4.354, ficando tudo por R$ 78.682.

O Absolute testado custa R$ 75.970 e pode chegar a R$ 81.245  se tiver os opcionais Kit Uconnect Premium (câmera de ré e Uconnect Touch Nav 5″, R$ 2.642) e Kit High Tech (retrovisor eletrocrômico e sensores de chuva e crepuscular, R$ 1.057) e R$ 1.576 pelas três cores metálicas.

Mas acho que há outra razão, aquela ditada pelas razões que a própria razão desconhece. Uma delas, e bem provável, a Corrida do Suve no Brasil.

AK

FICHA TÉCNICA FIAT LINEA ABSOLUTE DUALOGIC 2016
MOTOR
Tipo 4-cilindros em linha, transversal, flex
Construção Comando no cabeçote, corrente, 4 válvulas por cilindro, atuação indireta por alavanca, fulcrum com compensação hidráulica da folga de válvulas
Material do bloco / cabeçote Ferro fundido / alumínio
Cilindrada 1.747 cm³
Diâmetro x curso 80,5 x 85,8 mm
Taxa de compressão 11,2:1
Potência 130 cv (G), 132 cv (A). a 5.250 rpm
Torque 18,4 m·kgf (G), 18,9 m·kgf (A), a 4.500 rpm
Formação de mistura Injeção Marelli seqüencial no duto
TRANSMISSÃO
Tipo Transeixo manual robotizado de 5 marchas à frente e uma à ré, tração dianteira
Relações das marchas 1ª 3,909:1; 2ª 2,238:1; 3ª 1,520:1; 4ª 1,156:1; 5ª 0,919:1; ré 3,909:1
Relação do diferencial 3,867:1
Embreagem Monodisco a seco, automática
SUSPENSÃO
Dianteira Independente, McPherson, braço triangular, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
Traseira Eixo de torção, mola helicoidal e amortecedor pressurizado
DIREÇÃO
Tipo Pinhão e cremalheira, assistência hidráulica
Diâmetro mínimo de curva 10,9 m
FREIOS
Dianteiros A disco ventilado de Ø 284 mm
Traseiros A disco de 251 Ø mm
Atuação Duplo-circuito em diagonal, ABS com EBD
RODAS E PNEUS
Rodas Alumínio, 6,5Jx17
Pneus 205/50R17
CARROCERIA
Tipo Monobloco em aço, subchassi dianteiro, 3 volumes, 4 portas, 5 lugares
DIMENSÕES
Comprimento 4.560 mm
Largura 1.730 mm
Altura 1.505 mm
Distância entrei eixos 2.603 mm
Bitola dianteira/traseira 1.476 / 1.482 mm
CAPACIDADES
Porta-malas 500 L
Tanque de combustível 60 L
PESOS
Em ordem de marcha 1.325 kg
Carga útil 400 kg
Peso rebocável sem freio 400 kg
DESEMPENHO
Aceleração 0-100 km/h 10,3 s (G), 9,9 s (A)
Velocidade máxima 190 km/h (G), 192 km/h (A)
CONSUMO DE COMBUSTÍVEL (INMETRO/PBE)
Cidade 10,0 km/l (G) e 6,7 km/l (A)
Estrada 12,0 km/l (G) e 8,0 km/l (A)
CÁLCULOS DE CÂMBIO
v/1000 em 5ª 32,8 km/h
Rotaçào a 120 km/h em 5ª 3.700 rpm
Rotaçào à velocidade máxima em 5ª 5.850 rpm


Sobre o Autor

Arnaldo Keller
Editor de Testes

Arnaldo Keller: por anos colaborador da Quatro Rodas Clássicos e Car and Driver Brasil, sempre testando clássicos esportivos, sua cultura automobilística, tanto teórica quanto prática, é difícil de ser igualada. Seu interesse pela boa literatura o embasou a ter uma boa escrita, e com ela descreve as sensações de dirigir ou pilotar de maneira envolvente e emocionante, o que faz o leitor sentir-se dirigindo o carro avaliado. Também é o autor do livro “Um Corvette na noite e outros contos potentes” (Editora Alaúde).

  • Eduardo, você está totalmente certo. Tanto que a Fiat admitiu publicamente esse erro no lançamento do ano-modelo 2015. Escrevi isso na matéria, leia em http://www.autoentusiastasclassic.com.br/2014/04/lancamento-fiat-linea-2015-novo-impulso.html .

    • Piero Lourenço

      Só “esqueceram” de posicionar o preço, 79 mil não vale. Falo isso porque tenho um Linea que uso para trabalhar.

  • kravmaga

    Para mim seria um carro honesto se ficasse na faixa dos 60 mil, competindo com City, Logan, Cobalt e cia, mas o Linea não tem como concorrer com NENHUM dos sedãs médios de verdade, tipo Corolla, Civic, Cruze, Sentra, Fluence, 408, Jetta, Elantra, etc.

    • Renan V.

      É verdade, e será que na Europa a Fiat tem algum sedã com cacife para concorrer neste segmento, ou os Fiats médios são Alfa Romeo?

  • Renan V.

    Gostei de ver as dobradiças da tampa do porta-malas – que, aliás, tem revestimento interno, diferentemente do Honda Civic, what a Shame! – e surpreso ao ver que o sinto é ancorado no próprio banco, existe algum vantagem técnica nisso, deixar de ancorar o sinto no pilar da carroceria?
    No mais, é um carro que eu não compraria, desde que não tenho família, não preciso de espaço para bagagens e prefiro hatchbacks… ficaria com o Punto.

  • Milton Evaristo

    No sistema tradicional sem o P, se tem a vantagem de poder desligar o motor em D que o carro já fica engatado; para religar é só pressionar o freio. Eu que uso carro automático, achei mais prático que PRND.

    Só não gosto daquelas indecisões, como quando você está parado num semáforo rente a um cruzamento; você arranca e ele já joga a segunda antes da esquina, no meio dela você acelera e fica aquele vazio. Se eu tivesse um carro com esta caixa, só usaria no modo manual, fica perfeito, você usa o motor da maneira que você quer, na marcha que você quer.

  • Fórmula Finesse, isso de volante alto começou com o 147. Muitos chegaram a calçar a coluna na estrutura do painel para baixá-la. Tenho longas discussões com o Arnaldo sobre isso, pois não vejo nada errado nesse conceito dos Fiat. Depois de rodar alguns quilômetros fica-se perfeitamente à vontade, com ergonomia perfeita. Acontece comigo com todo Fiat de teste que pego. Bastar “montar” um pouco sobre o volante e fica tudo certo.

    • Fórmula Finesse

      Experimente o Mobi na versão básica, caro Bob. Verá que eles mudaram essa filosofia para algo diametralmente oposto…não gostei.

  • Marco, mal informado ou mal intencionado.

    • CorsarioViajante

      Ou bem realista! rs (só para não perder a piada…)

  • m.n.a Ele tem uma luzinha que se acende no mostrador, indicando que as lanternas estão acesas.

  • Joe, ter 4 v/cil não significa que tenha baixo torque em baixa.

  • Fat Jack

    Sempre gostei do visual do Linea e acho que se a Fiat não o tivesse colocado em confronto direto (devido ao seu preço na época) com Corolla, Cívica e cia. ele poderia ter tido melhor sorte no mercado, algo não conseguido nem após baixa de preço. O principal problema desse câmbio é sua manutenção cara e demorada – unanimidade entre todos os mecânicos que eu conheço e confio (devido também a dificuldade de se conseguir peças) e isso numa metrópole como São Paulo, imagine-se fora dela. Quanto aos dados de consumo se o urbano a meu ver não está elevado o rodoviário está, entre 8,8 a 9,5 km/l são valores que eu considero como de um carro “gastão” sim.
    Já a sugestão de uma 6ª. marcha de fato poderia ser ouvida e implementada pela Fiat trazendo belos benefícios.

  • Fat Jack

    Contribuem mesmo, eu e até o Bob Sharp passamos por isso.

  • Luis Felipe Carreira

    Teste um Dualogic moderno, verá que nada tem a ver com o de 1ª geração. Estão muito bons os novos robotizados.

  • CorsarioViajante

    Ou que pede centenas de cores em catálogo para no fim comprar preto / prata / branco porque tem pronta entrega.

  • Marcio, tem essa também mesmo, ligou lanterna ou farol de dia, escurecem-se os instrumentos.

  • Piero, só se o E.torQ do seu carro está áspero, porque isso ele não é mesmo. Vazamento de óleo, nada posso dizer, porque nunca vi e os carros de teste têm baixa quilometragem. Quanto à sensibilidade a ventos laterais, pelo que conheço do carro você exagerou na observação.

    • Piero Lourenço

      Bob, o motor é tão áspero que tem até reforço para diminuir as vibrações. O vazamento de óleo é um defeito clássico (Google encontra fácil e até no canal de um mecânico ai ele sempre fala). Sobre a estabilidade é engraçado, tive um Sentra e andava rápido, tenho também um DS5 e ando rápido (às vezes bem rápido) e com o Linea a 120 km/h balança tanto que me traz insegurança a ponto de dar medo. Vou pedir para olharem o carro novamente. Agora esta com 46 mil km, mas desde zero era assim. Agora, o E.torQ está bebendo mais que eu, média de 6 km/l na cidade. Só para comparar, o DS5 faz média de 10 km/h (depois do remapeamento ficou mais econômico, mas mesmo antes consumia menos que o Linea).

      • Piero, voltei de Araxá. Na volta foram 565 km. Trechos absolutamente vazios, asfalto bom, andei forte. Muito estável, inclusive em curvas de alta, e motor liso e silencioso, usando álcool. Me desculpe enfatizar essas características, mas seria uma tremenda injustiça com o carro se sua opinião prevalecer.

  • Márcio, não temos nenhuma informação sobre isso.

  • agent008, já comentei em outras oportunidades. Faltou à Fiat, especificamente ao Marketing, conhecimento da história do mercado automobilístico daqui. Nos dez primeiros anos havia a casta superior, Aero-Willys 2600, Simca Chambord e FNM 2000 JK, e a inferior, a de Fusca e Dauphine/Gordini. Bem no meio, entre elas, principalmente em porte, havia um carro chamado DKW-Vemag, que “roubava” consumidores das duas castas. Era esse o lugar do Linea, teria enorme sucesso, mas a Fiat quis posicioná-lo na casta superior, a dos japoneses. Esse foi o grande erro, que a Fiat admitiria publicamente (para a imprensa) no lançamento do Linea ano-modelo 2015. Mas era tarde demais.

  • Renato, isso, dá perfeitamente para contornar esse aspecto.

  • CorsarioViajante

    Mais uma vez, puro desleixo e desatenção ao dirigir.

  • Piero, continuando o que o Bob disse, ele é muito estável em alta e não sofre nada de anormal com ventos laterais. Estou com ele em Araxá, viajamos mais de 500 km, peguei estradas vazias e andei bem rápido e ele sempre estável. É melhor dar uma geral no seu carro, porque o modelo é bom, sim, sem dúvida.

    • Piero Lourenço

      Arnaldo, desde zero ele é assim. Eu já vi por baixo e a concessionária viu várias vezes também. E lembrando que estou usando as rodas 17″ originais, teoricamente mais estável ainda.

  • Leonardo

    Muita gente tem o (mal) hábito de circular a noite apenas com as luzes de posição, que não da pra notar o facho no chão, ai o cidadão se baseia na iluminação do painel.
    Aliás, isso é outra mania totalmente sem cabimento, um amigo meu liga só os faroletes e faróis de neblina (que ele chama de “milhas”) mesmo sem neblina nenhuma, e nunca usa os faróis baixos, segundo ele porque fica “da hora”.

    • Leonardo, é, ele deve achar que o carro fica “lindão”! Que imbecil, esse seu amigo.

  • Márcio, isso mesmo, a coluna “Do Banco do Motorista”, semanal. Havia muitos comentários lá. Desde aquele tempo que considero os comentários peça fundamental dos sites, e agora mais ainda no AE.

  • Comentarista

    Rapaz, esse carro seu deve ter algum problema de amortecedor ou algo mais sério na suspensão. Esse Linea e Punto são referência de estabilidade. São ótimos. Vento nenhum incomoda o carro.

  • Eduardo Sérgio

    Fiat Linea: meu sonho de consumo.

  • Rafael, quem disse que o Linea está prestes a ser descontinuado? E mesmo que esteja, e daí? Foi você que avaliou? Foi seu trabalho? E além disso não temos que lhe dar satisfação sobre o que fazemos ou deixamos de fazer. Respondido?

  • Nelson C

    Quem pede em comentário quase nunca é quem compra. Pede por pedir. Reclama por reclamar. Quer ser diferentão.

  • Daniel

    Concordo. Essa semana andei em um Bravo Sporting 2014. O que me impressionou mesmo foi o ótimo acerto de suspensão que mantém o conforto mesmo com as rodas 17 e a montagem caprichada do carro. Achei o acabamento geral melhor que o de um Cruze, por exemplo. O carro tinha 55 mil km e zero de grilos. Os comandos são todos muito leves para o meu gosto. Da direção a embreagem, tudo muito anestesiado. O E.torQ deu conta do recado, mas o motor fica justo, não sobra em momento algum. Enfim… Justamente o que você falou; “quase chega lá”. A Fiat tinha que vender esses modelos (menos populares) com pacotes fechados e completos de itens de série. Nada de opcionais. Porque quando montamos o carro da maneira que nos agrada, acaba ficando salgado demais. Acho que o Bravo perde muita venda nesse aspecto.

  • João Carlos

    Essas regras americanas não se pode levar muito a ferro e fogo, Lá ainda não se pode ter carro com espelho esquerdo convexo, e o direito ainda tem de ter aviso! Os os automatizados monoembreagem, lá, não a seguem: http://www.edmunds.com/smart/fortwo/2008/long-term-road-test/2008-smart-fortwo-bmw-x5-audi-r8-fmvss-102-transmission-shift-position-sequence.html

    A regra tem em vista ter o N no meio das posições adiante e para trás.

    • Daniel S. de Araujo

      João, se a transmissão possuir Park, ela tem que estar localizada ao lado do R e no final de todo o curso.

  • Rogério, sei ser as duas coisas.

  • Pepe75, não foi a primeira e nem será a última vez, garanto-lhe. Conhece o velho ditado “Quem diz o que quer ouve o que não quer.”? E, por favor, dispenso interferência.

  • Drone, fabricantes não avisam que vão tirar carros de linha. Só em caso de não-conformidade com requisitos legais a partir de determinada data, caso do Fiat Mille e da VW Kombi e, na Inglaterra, do Land Rover Defender.

    • Drone gibim

      Então estes sites QR e NA tem informações privilegiadas das fabricantes, pois eles estão noticiando isto, assim como Uno Vivace, Idea, Linea e Bravo. Se preferir posso colocar o link da matéria para conferir.

      • Drone, especular é de graça. E dispenso os links.

  • Daniel, no Etios automático o D3 também é por deslocamento lateral da alavanca e não vejo problema. Mesmo que o passageiro esbarre na alavanca e passe para D3, não há problema algum.

  • Leônidas Salazar

    Boa matéria, só faltou o vídeo.

    • Leônidas, tem vídeo, mas ainda não foi editado. Será colocado brevemente.

  • Piero Lourenço

    Não acho o E.torQ suave, não. Já dirigi outros e todos são iguais. Não é à toa que ele tem vários “amortecedores” para diminuir essa vibração. Mas no geral o motor é bom.

  • CorsarioViajante

    Verdade, bem observado! Mas parece que esta proposta não agrada ao brasileiro, vide vários carros menores porém sofisticados que acabam encalhados.

  • CorsarioViajante

    Com certeza!

  • Que incrível, Márcio, e agora a história continua aqui no AE! Agradeço suas palavras.

  • Márcio

    agent008, nunca andei no Sentra (que eu me lembre). Na verdade sempre achei o design dele meio sem sal, apenas isso. Conheci muitos donos dele, ali pelos idos de 2008 e 2010, e todos falavam bem do carro. As reclamações eram o alto custo de peças (e a falta delas, quando necessárias na autorizada, mal comum em grande parte dos importados) e a suspensão um pouco mais dura do que o aceitável para um carro médio de luxo. É mesmo de se esperar que o motor 2,0 do Sentra fosse mais saudável, pois falamos de alguns cv (acho que 10 ou 13, não lembro a potência exata do Sentra se é 140 ou 143 cv) a mais e certamente uma dose de torque extra em baixas, mas me surpreende a diferença não ser tão grande, o que prova mais uma vez que o 1,9 16v do Linea tem desempenho compatível com relação peso-potência do carro. Reiterando o dito, o 1,9 16v que tive nunca o achei fraco, obviamente não tem desempenho de esportivo (e até sua proposta não é essa), mas é um motor bem suficiente para o uso na cidade e estrada, seja vazio ou carregado. Na estrada dava até para extrair certa dose de esportividade dele, devido as ótimas relações de câmbio e boas respostas, pois acima de 2.000 rpm ele respondia muito bem, e também ao acerto da suspensão, que proporciona muita segurança e estabilidade, mesmo com abusos, sem comentar os freios muitíssimo eficientes. A bem da verdade eu achava até o meu 1,9 mais prazeroso na direção hidráulica, pois era bem mais leve que meu atual T-Jet.

    Sobre acabamento, não tenho do que falar de nenhum dos dois. O 1,9 não tinha ruídos internos, tudo no seu devido lugar, bancos de veludo muito bonitos e resistentes, enfim, o único detalhe que ele tinha era um descascado nos frisos cromados do painel, (devido a uso de silicone), que comprei na Fiat e resolvi o problema. Mas, em relação a qualidade de montagem, não vi nada de errado. E sobre barulhos internos, somos dois paranoicos (kkkkkkkkk), qualquer mínimo ruído me tira do sério…. E lhe garanto, esses dois (o que 1,9 que tive e o T-Jet que tenho), não possuem nenhum ruído interno!

    Se um dia surgir uma oportunidade e você tenha interesse no carro (sendo um seminovo ou usado), sendo um carro bem cuidado, você não irá se arrepender!

  • Fred,
    o conversor de torque bombeia fluido hidráulico e essa energia é subtraída do motor, portanto chega menos potência às rodas do que num câmbio manual. Os câmbios robotizados têm embreagem automática. CVTs não exigem conversor de torque, mas a tendência é serem cada vez mais utilizados por jamais se desgastarem, ao contrário das embreagens. Honda Fit e HR-V, por exemplo, têm CVT com conversor de torque

  • Bruno, estive hoje com o comando da FCA/Fiat no lançamento e teste do Mobi Way e tive a confirmação, o Linea segue em produção normalmente.

  • Thiago, isso mesmo.

  • Bruno, acho que a GM nem tem esse carro mais na frota de carros de teste pela imprensa. Mas vou ver.

    • Bruno Bertha

      Obrigado Bob!

  • Vinicius, o milagre se chama calibração. Como em todo sistema controlado eletronicamente, calibração das várias funções faz parte da evolução.

  • Alencar, não sei, só estudando.

  • Hipócrita, a moderação serve justamente para barrar gente mal-educada como você. Leia, porque essa sua grosseria será apagada em 10 minutos. E nem adianta replicar, irá para o lixo assim que chegar e seu IP irá para caixa de spam.

  • andre oliveira

    Para mim mesmo foi de extrema utilidade visto que, tenho pesquisado muito sobre o Linea para substituir meu carro atual.

  • HugoCT

    Acho o linea muito bonito. Realmente um carro injustiçado, como muitos a venda. O brasileira prefere pagar uma fortuna em um Corolla.

  • claudio

    daqui alguns km começa a vazar óleo como é de costumes nesse cambio infelizmente ele é fraco diante dos concorrente e não sei se vcs perceberam que o consumo é elevado mas de qualquer forma foi uma excelente matéria nos mantendo bem informado como sempre.